A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL."— Transcrição da apresentação:

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

2 Por que fazer vigilância das populações expostas a poluentes atmosféricos?

3 Existe poluição do ar quando a presença de uma substância estranha ou a variação importante na proporção de seus constituintes possa provocar efeitos prejudiciais ou criar doenças. (Conselho Europeu )

4 Resolução CONAMA nº 003, de 28/ 06/ 1990 Art. 1º, Parágrafo Único Entende-se como poluente atmosférico qualquer forma de matéria ou energia com intensidade ou em quantidade, concentração, tempo ou características em desacordo com os níveis estabelecidos, e que tornem ou possam tornar o ar: I. impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde; II. inconveniente ao bem-estar público; III. danoso aos materiais, à fauna e flora; IV. prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às atividades normais da comunidade.

5 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa de Informações Básicas Municipais (22%) municípios brasileiros reportaram a ocorrência de poluição atmosférica freqüente e impactante, tendo como origem diferentes fontes.

6 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa de Informações Básicas Municipais 2002.

7 Indução da asma Efeitos sobre o desenvolvimento fetal e infantil Incremento da resposta bronquial Enfermidade respiratória crônica Câncer Câncer de pulmão Efeitos no comportamento (dificuldade de aprendizagem) Desordens neurológicas Incremento de alergias Alteração dos mecanismos de defesa Danos às células respiratórias Alterações morfológicas nos pulmões Arritmia cardíaca Diminuição de tempo de inicialização da angina Mortalidade (todas as idades) Mortalidade infantil Mortalidade Neonatal Bronquite – crônica y aguda Casos novos de asma Internações hospitalares para enfermidades respiratórias Internações hospitalares para enfermidades cardiovasculares Entradas a urgência para asma Enfermidades respiratórias em vias aéreas baixas Enfermidades respiratórias em vias aéreas altas Falta de ar Dias com atividades restritas Dias de trabalho perdidos Efeitos na Saúde sob investigação Efeitos na Saúde já c omprovados

8

9

10 Avaliar os riscos à saúde decorrente da exposição aos poluentes atmosféricos Identificar e avaliar os efeitos agudos e crônicos decorrentes da exposição aos poluentes atmosféricos Estimular a intersetorialidade e interdisciplinaridade entre os órgãos que possuam interface com a saúde relativa à qualidade do ar Subsidiar o setor ambiental na formulação e execução de estratégias de controle da poluição do ar, tendo em vista a proteção da saúde da população; Fornecer elementos para orientar as políticas nacionais e locais de proteção à saúde da população frente aos riscos decorrentes da exposição aos poluentes atmosféricos.

11 Revisão do fluxo de atuação e instrumentos relacionados à exposição humana a poluentes atmosféricos Curso de Especialização em Poluição Atmosférica e Saúde Humana, no formato EAD (CGVAM- USP) Implantação de Unidades Sentinela em 7 estados piloto PAVS: IIMR Elaboração do instrumento de Identificação dos Municípios Prioritários - IIMR Inserção das queimadas no contexto de desastres Oficina SIBSA

12 Educação/Comunicação de Risco em Saúde Agentes comunitários Atenção Básica e especializada Saúde do trabalhador Vigilância epidemiológica, Sanitária e Saúde Ambiental Rede de laboratórios outras áreas Informação do Local Preocupações da Comunidade Contaminantes de Interesse Rotas de Exposição Mecanismos de Transporte Implicações para a Saúde Conclusões e Recomendações Identificação e Priorização Avaliação / Análise / Diagnóstico ProtocoloRotina Vigilância e Atenção à Saúde Sistema de Informação Proativa: Prevenção, Recuperação e Promoção Negação e/ou Reativa: denúncia ou demanda (CGVAM, 2011) IIMR Bancos de dados de interesse Dados Epidemiológicos UNIDADE SENTINELA

13 Ferramenta Web Cadastro on-line realizado pelos Estados Finalidade: construção de parâmetros para a hierarquização de municípios com maior probabilidade de impacto da poluição atmosférica na saúde da população. Para 2011: planilha excel no PISAST planilha base

14 INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS Fontes Fixas Fontes Móveis Queima de Biomassa INFORMAÇÕES DE SAÚDE Mortalidade Morbidade Indústria de Extração Indústria de Transformação

15

16

17

18

19

20

21 Órgãos Estaduais e Municipais de Meio Ambiente: Todo empreendimento potencialmente poluidor está sujeito ao processo de licenciamento ambiental realizado por estes órgãos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE: disponibiliza a Classificação Nacional de Atividades Econômicas e a Pesquisa Industrial Anual, entre outras informações Inventários Estaduais de Fontes Fixas de Emissão de Poluentes: esta atividade, que tem respaldo legal em Resolução do CONAMA, deve ser realizada pelos órgãos ambientais nos estados. Alguns estados já realizaram seus inventários, outros estão em fase de elaboração

22 Inventários Estaduais de Resíduos Sólidos Industriais: esta atividade, financiada pelo Ministério do Meio Ambiente, está sendo realizada pelos órgãos ambientais nos estados. Alguns estados já realizaram seus inventários, outros estão em fase de elaboração Perfil Nacional da Gestão de Substâncias Químicas: este documento encontra-se disponível no Ministério do Meio Ambiente em CD-ROM Ministério de Minas e Energia – MME: este ministério disponibiliza o Anuário Estatístico do Setor Metalúrgico Confederação das Indústrias em Estados e Municípios

23

24 site do INPE (www.inpe.br)www.inpe.br

25 Histograma com informações sobre o número de focos de calor para todos os Municípios do Estado que apresentaram focos de calor no período selecionado e o número de focos de calor total para o Estado de interesse para o período selecionado.

26 O campo Informações de Saúde engloba as taxas de morbimortalidade por agravos respiratórios do município nos últimos 5 anos e prevê a comparação destas taxas com a média do Estado para estes mesmos anos. Os dados referentes às taxas de mortalidade e internações por agravos respiratórios por Município e por Estado, podem ser obtidos no Site do Banco de Dados do Sistema Único de Saúde – DATASUS (www.datasus.gov.br).www.datasus.gov.br

27 Cálculo do nº de óbitos por doenças respiratórias de 2003 a 2007

28

29 Quando e para que utilizar uma Unidade Sentinela?

30 Centros criados para exercer vigilância epidemiológica intensificada, constituindo uma resposta em escala amostral de uma dada realidade.

31

32 Mecanismo de transferência de dados: FORMSUS Análise e tratamento de dados: Executados pelas esferas municipal, estadual e federal, de acordo com as suas competências Divulgação de Informações: Boletins informativos, cadernos de saúde, Conselhos de Saúde e Meio Ambiente, palestras

33

34

35 Estratégia que permite alertar os profissionais da saúde a respeito da possível ocorrência de agravos preveníveis possivelmente associados à má qualidade do ar Permanente: favorecer uma abordagem contínua de monitoramento da população exposta Temporária: conhecimento do perfil dos agravos possivelmente relacionados à poluição atmosférica e da sazonalidade em que elas ocorrem para a tomada de decisões a partir do conhecimento e caracterização do perfil de morbidade que poderia estar associada ou decorrente da exposição à poluição atmosférica.

36

37

38

39 Inconsistências: Gênero Digitação Padronização letras não informado = missing Sintomas associados Diagnóstico não definido Duplicidade de fichas Outros problemas: Não inserção dos dados no Sistema e/ou o não cadastramento das Unidades Sentinela no Sistema de informação.

40 (61)


Carregar ppt "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google