A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMCIA DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: CIÊNCIAS DO AMBIENTE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMCIA DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: CIÊNCIAS DO AMBIENTE."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMCIA DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Profª: Márcia Maria Rios Ribeiro Estágiário- Docente: Danniel Cláudio de Araújo

2 DIAGNÓSTICO DE POLUIÇÃO AMBIENTAL (DPA) METODOLOGIA PARA DPA (Apêndice J)

3 Objetivo O DPA objetiva determinar o grau de comprometimento de uma região com a poluição ambiental, através da análise de indicadores da poluição hídrica, atmosférica, sonora e do solo. O resultado é apresentado qualitativa e quantitativamente, este com base no valor crítico.

4 Classificação das Fontes Poluidoras FONTE FÍXA - é aquela cujos poluentes são lançados invariavelmente no mesmo local. Ex.: uma chaminé. FONTE MÓVEL - é aquela cujo lançamento dos poluentes sofre variação espacial ao longo do tempo. Ex.: um automóvel.

5 POLUIÇÃO DA ÁGUA É qualquer alteração nas características físicas, químicas e/ou biológicas das águas, que possa constituir prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar da população e, ainda, possa comprometer a fauna ictiológica e a utilização das águas para fins recreativos, comerciais, industriais e de geração de energia. (CONAMA)

6 Quadro J.1: Classificação da poluição hídrica, de fontes fixas e móveis, em (mg/l) ClassificaçãoNível de DBOÍndice Baixa< 3,01 Média baixa3,0 a 6,02 Média6,0 a 7,03 Média alta7,0 a 9,04 Alta> 10,05 Resolução CONAMA 357/05

7 POLUIÇÃO DO AR Qualquer alteração na composição e características da atmosfera que possa, direta ou indiretamente, causar prejuízos ao homem, por: Criar condições nocivas à saúde, segurança e bem estar; Causar danos a fauna e a flora; Prejudicar os demais recursos naturais, em qualquer de suas utilizações.

8 USOS DO AR Manutenção da vida (recurso usado para manter o metabolismo dos seres vivos); Manutenção de fenômenos naturais importantes relacionados com o clima; Comunicação; Transporte; Combustão; Receptor e transportador de resíduos.

9 PRINCIPAIS POLUENTES Óxidos de Carbono (COx); Óxidos de Nitrogênio (NOx); Óxidos de Enxôfre (SOx); Materiais Particulados (MP); Hidrocarbonetos (HC); Ozônio (O3). CIÊNCIAS DO AMBIENTE - CAP. 13.7

10 Quadro J.2: Concentração de CO em g/m 3, média de 8 h, (fontes móveis) ClassificaçãoNível de COÍndice Baixa< Média baixa5.000 a Média Média alta a Alta> Resolução CONAMA n o 003/90

11 Quadro J.3: Concentração de partículas em suspensão, em g/m 3 (fontes fixas) ClassificaçãoNível de MPÍndice Baixa< 201 Média baixa20 a 402 Média40 a 603 Média alta60 a 804 Alta> 805 Resolução CONAMA n o 003/90

12 POLUIÇÃO SONORA É qualquer alteração nas características do som ambiente, provocada por ruídos. RUÍDO: é qualquer som indesejável, que perturba a segurança, o bem-estar e a saúde das pessoas.

13 FONTES DE RUÍDO Grupo 1 - Meios de transporte: rodoviários, aéreos e ferroviários; Grupo 2 - Vizinhança: indústrias, bares, discotecas, restaurantes, canteiros de obras, ruídos domésticos (animais domésticos, eletrodomésticos, elevadores, etc.)

14 NÍVEL DE PRESSÃO SONORA ( NPS = 10 ( log P 2 /P o 2 ) = 20 ( log P/P o ) ( NPS - nível de pressão sonora, em dB; ( P - pressão sonora medida por instrumento; ( P o - pressão de referência. ( Limites: ( inferior da audibilidade é zero dB; ( superior é 134 dB; ( meio urbano os sons variam entre 30 e 100 dB.

15 Quadro J.4: Poluição sonora por fontes fixas e móveis, em dB. ClassificaçãoNível de ruídoÍndice Baixazero a 401 Média baixa40 a 502 Média50 a 603 Média alta60 a 754 Alta> 755 Resolução CONAMA 001/90

16 POLUIÇÃO DO SOLO É qualquer alteração na composição e características do solo que, direta ou indiretamente, impeça ou dificulte a sua utilização.

17 USOS DO SOLO Fixação e nutrição vegetal; Armazenamento de água para diversos fins; Fundação para edificações, aterros, estradas, etc; Matéria prima para construção e manufatura de bens; Armazenamento de combustíveis fósseis; Recpetor de resíduos sólidos e líquidos.

18 Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos Adequado (A). Quando o tratamento e/ou disposição final dos resíduos é feito segundo critérios e normas de engenharia e atendem aos padrões de segurança quanto a proteção do meio ambiente e da saúde pública. Exemplo: Aterro Sanitário, Usina de Compostagem, Incineradores, etc..

19 Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos Inadequado Coberto (IC). Corresponde aos casos em que há descarga livre do lixo sobre o solo, com cobertura diária do material, sem medidas complementares, tais como coleta e tratamento do chorume, drenagem dos gases, etc. Exemplo: Aterros controlados.

20 Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos Inadequado Descoberto (ID). Corresponde aos casos em que há descarga livre do lixo sobre o solo, sem cobertura do material ou outro tipo de medida complementar. Exemplo: Lixões ou Vazadouros a céu aberto.

21 Quadro J.5: Poluição por resíduos sólidos urbanos, tóxicos e não tóxicos. Classificação% Manejado Índice AICID Baixa> Média baixa50 a Média25 a Média alta< Alta

22 Quadro J.6: Poluição por resíduos sólidos rurais Classificação% ManejadoÍndice Baixa> 801 Média baixa60 a 802 Média40 a 603 Média alta20 a 404 Alta< 205

23 Reta do Valor Crítico VC%=2,78*UR UR VC(%) Onde, VC(%): Porcentagem da Poluição UR: Somatório dos índices de poluição Onde, VC(%): Porcentagem da Poluição UR: Somatório dos índices de poluição

24 Exercício (DPA-Apêndice J) Em levantamento sanitário realizado recentemente no município de Cabaceiras, observou-se que 65% dos resíduos sólidos urbanos tóxicos são manejados para aterros controlados e 50% dos não tóxicos são manejados para lixões. Com relação aos resíduos rurais, observou-se que a população maneja 80% dos resíduos, fazendo a queima dos mesmos na propriedade. A poluição sonora é irrelevante e não existe registro sobre a poluição do ar. No que diz respeito às águas, a demanda bioquímica de oxigênio é em média de 9,0 mg/L para fontes fixas e 3,0 mg/L para móveis. Elabore o DPA para o município nessas condições, priorizando as atividades para um programa de controle da poluição ambiental.

25

26


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMCIA DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: CIÊNCIAS DO AMBIENTE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google