A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Belo Horizonte - MG 19/07/2010 Café Parlamentar Associação Comercial e Empresarial de Minas – AC Minas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Belo Horizonte - MG 19/07/2010 Café Parlamentar Associação Comercial e Empresarial de Minas – AC Minas."— Transcrição da apresentação:

1 Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Belo Horizonte - MG 19/07/2010 Café Parlamentar Associação Comercial e Empresarial de Minas – AC Minas

2 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário

3 62 entidades 26 estados e DF / Obras rodoviárias Saneamento Mercado imobiliário Segmentos da construção SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS

4 INFRAESTRUTURA

5 Programa de investimentos em infraestrutura social, logística e de energia O QUE É O PAC ? Estimular o investimento privado; Elevar o investimento público em infraestrutura; Melhorar o ambiente de negócios (eliminar /reduzir entraves burocráticos, administrativos, normativos, jurídicos e legislativos) ao crescimento.

6 estabilidade monetária responsabilidade fiscal baixa vulnerabilidade externa CRESCIMENTO INVESTIMENTOS Privado Público Programa Fiscal de Longo Prazo cortar gastos de custeio; Criar regras para a expansão das despesas Custos: financeiro tributário infra-estrutura marco regulatório meio ambiente reformas Crédito Desoneração tributária Reforma Tributária DEMANDA mercado interno mercado externo Políticas monetária e cambial: crédito juros câmbio FUNDAMENTOS ECONÔMICOS

7 INVESTIMENTOS DO PAC PERÍODO DE 2007 A 2010 Fonte: PAC 142,1503,9 TOTAIS 8,224,5 Outros sociais 72,0106,3 Habitação 4,040,0 Saneamento Infra- estrutura social 20,2274,8 Energia 37,758,3 Logística NOVOS E AMPLIAÇÕES VLR EM R$ BILHÕES SEGMENTOTOTAIS 646,0 32,7 178,3 44,0 295,0 96,0 COM A CRISE MUNDIAL HOUVE A AMPLIAÇÃO DOS VALORES ORIGINAIS DO PROGRAMA PAC COMO MEDIDA ANTI-CÍCLICA

8 EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO FISCAL - PAC Fonte: PAC OGU Em R$ bilhões

9 INVESTIMENTOS EM MINAS GERAIS

10 10 Rodovias BR-381: Adequação de capacidade e duplicação Belo Horizonte - Governador Valadares, incluindo o Contorno de Belo Horizonte - Subtrecho Betim - Ravena (em pista dupla) BR : Duplicação da Divisa GO-MG até Trevão de Uberlândia BR-050: Conclusão da duplicação Uberaba - Uberlândia e duplicação Uberlândia – Araguari BR-040: Duplicação do trevo de Curvelo a Sete Lagoas BR-262: Duplicação Betim a Nova Serrana BR-265: Pavimentação Ilicínea a São Sebastião do Paraíso BR-135: Itacarambi até Divisa MG/BA Aeroporto de Confins Ampliação do estacionamento de veículos em mais 700 vagas LOGÍSTICA

11 11 BR-050-MG BR-265-MG Aeroporto de Confins BR-040-MG BR-381-MG BR-135-MG BR-381-MG 2ª etapa de concessões BR MG BR-262-MG LOGÍSTICA

12 12 Geração Conclusão de 4 UHEs: UHE Retiro Baixo; UHE Baú I; UHE Baguari; UHE Barra do Braúna Início de 2 UHEs: UHE Traíra II; UHE São Miguel; UHE Batalha Continuidade da UHE Simplício PROINFA – 7 PCHs Transmissão Início: LT Neves – Mesquita Conclusão 7 linhas de transmissão: LT São Simão - Poços de Caldas; LT Itumbiara - Bom Despacho; LT Luziânia - Ribeirão Preto; LT Paracatu – Pirapora; LT Irapé – Araçuaí; LT Itutinga - Juiz de Fora GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

13 13 UHE Retiro Baixo UHE Baguari UHE Barra do Braúna UHE Simplicio UHE Baú I UHE Traíra II LT Itumbiara - Bom Despacho LT Irapé - Araçuaí LT Itutinga - Juiz de Fora LT Luziânia - Ribeirão Preto LT São Simão - Poços de Caldas LT Paracatu - Pirapora LT Neves - Mesquita UHE São Miguel GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

14 14 Gás Natural - Infraestrutura de transporte GASBEL II Paulínia – Jacutinga Refino e Petroquímica Ampliação e modernização da Refinaria Gabriel Passos – REGAP, em Betim, dotando a refinaria de um Complexo Acrílico. REGAP - Modernização e ampliação da capacidade de refino Processamento de óleos vegetais na REGAP para produção de HBIO a partir de 2008 Biocombustíveis 3 usinas de biodiesel previstas e/ou em implantação 18 usinas de etanol previstas e/ou em implantação Construção de Alcoolduto (GO – MG – SP) PETRÓLEO, GÁS E COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

15 15 Aumento da qualidade modernização e conversão da REGAP (2) REGAP HBIO Entra em Operação 2007 Obra em andamento Início de obra em 2007 Planejamento/Projeto 3 USINAS DE BIODIESEL Usinas de Biodiesel 11 USINAS de ETANOL Gasoduto Paulínia - Jacutinga Usinas de Etanol Complexo Acrílico da REGAP ALCOOLDUTO SEN. CANEDO (GO) – SÃO SEBASTIÃO (SP) GASBEL II PETRÓLEO, GÁS E COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

16 16 Metrô de Belo Horizonte LINHA I - Conclusão de sinalização, modernização da frota e construção de terminal LINHA II - Conclusão das desapropriações e implantação de plataforma ferroviária URBANA E SOCIAL

17 17 Belo Horizonte: LINHA I (Eldorado - Vilarinho) Conclusão da sinalização Modernização da frota Construção do Terminal de Vilarinho LINHA II (Calafate - Barreiro) Conclusão das desapropriações Implantação de Plataforma Ferroviária Eldorado Barreiro Calafate Vilarinho Linha II Linha I URBANA E SOCIAL – METRÔ DE BELO HORIZONTE

18 18 Recursos Hídricos Projeto de Uso Múltiplo - Barragens de Minas Gerais Projeto de Uso Múltiplo Jequitaí Barragem Setúbal Barragem Berizal Barragem Peão Continuidade das obras do Projeto de Irrigação Jaíba III e IV Implantação de Sistemas de Abastecimento em Janaúba, Mato Verde e Rio Pardo Ações de Revitalização (Saneamento, Resíduos Sólidos, Recomposição da cobertura vegetal) nos municípios da Bacia do Rio São Francisco localizados em MG URBANA E SOCIAL

19 19 Barragem Peão - MG Projeto de Uso Múltiplo Jequitaí - MG Sistema de Abastecimento em Janaúba, Mato Verde e Rio Pardo - MG Projeto de Irrigação Jaíba III e IV - MG Barragem Berizal - MG Projeto de Uso Múltiplo - Barragens de Minas Gerais - MG Barragens – 2 Sist. Abastecimento – 1 Projetos de Usos Múíplos - 2 URBANA E SOCIAL – RECURSOS HÍDRICOS

20 Fonte: Relatórios do PAC de Minas INVESTIMENTOS DO PAC EM MINAS

21 Fonte: Relatórios Regionais do PAC VALORES DOS EMPREENDIMENTOS DO PAC CONCLUÍDOS Em R$ milhões BR 146 –Trecho Patos de Minas

22 Fonte: Relatórios Regionais do PAC NÚMERO DOS EMPREENDIMENTOS DO PAC Em R$ milhões Conjunto Habitacional Ribeirão Arrudas - MG

23 PAC - 2

24 PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2 – PAC 2

25 25 PAC Cidade Melhor Enfrentar os principais desafios das grandes aglomerações urbanas, propiciando melhor qualidade de vida PAC Comunidade Cidadã Presença do Estado nos bairros populares, aumentando a cobertura de serviços PAC Minha Casa, Minha Vida Redução do déficit habitacional, dinamizando o setor de construção civil e gerando trabalho e renda PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2 – PAC 2

26 26 PAC Água e Luz para Todos Universalização do acesso à água e à energia elétrica PAC Transportes Consolidar e ampliar a rede logística, interligando os diversos modais, garantindo qualidade e segurança PAC Energia Garantir a segurança do suprimento a partir de uma matriz energética baseada em fontes renováveis e limpas. Desenvolver as descobertas no Pré-Sal, ampliando a produção PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2 – PAC 2

27 Previsão de investimentos Fonte.: Casa Civil Fonte: Relatório do PAC 2 PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2 – PAC 2

28 PREVISÃO MAIS RECENTE DE RECURSOS PARA O SEGMENTO HABITACIONAL

29 PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES (PNLT)

30 Busca atender à demanda do crescimento interno e comércio exterior; Reduz os níveis de ineficiência quanto a custos, tempos de viagens e acidentes; Estrutura corredores para escoamento da produção; Estimula a maior participação dos modos hidroviário e ferroviário, com maior utilização da intermodalidade; Apóia o desenvolvimento da indústria do turismo; Consolida a ligação do Brasil com os países limítrofes, fortalecendo a integração da América do Sul. PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES (PNLT) Em alinhamento com o PAC:

31 COPA 2014 Arenas Mobilidade Urbana Portos e aeroportos Saneamento ambiental Telecomunicações Investimentos estimados em mais de US$ 85 bilhões

32 OLIMPÍADAS 2016 Arenas Mobilidade Urbana Portos e aeroportos Saneamento ambiental Investimentos estimados em mais US$ 30 bilhões Telecomunicações

33 ENERGIA Pré-sal; Matriz limpa; Hidroelétricas; Petróleo e Gás

34 PROJETO CBIC Inovação Tecnológica

35 INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO Novo momento da Construção no Brasil: Déficit de 7 milhões de habitações + 23 milhões (crescimento vegetativo até 2023): Tecnologia; Capacitação; Produtividade; Crescimento com aplicação de critérios de desempenho e sustentabilidade.

36 Sobre o PIT O Projeto Inovação Tecnológica na Construção é uma iniciativa da CBIC - Câmara Brasileira da Indústria da Construção visando estudar, analisar e definir diretrizes para o desenvolvimento, difusão e avaliação de inovações tecnológicas na construção civil brasileira. 2 grandes fases: levantamento, estudos e análises iniciais; desenvolvimento de ações e aperfeiçoamento dos estudos e análise.

37 HISTÓRICO Do diagnóstico foram sinalizados 09 prioridades: Projetos sistêmicos: 1.Tributação 2.SiNAT 3.Inovação em obras públicas 4.Códigos de obras Projetos sistêmicos: 1.Tributação 2.SiNAT 3.Inovação em obras públicas 4.Códigos de obras Projetos setoriais: 5. Difusão da inovação 6. Capacitação para a inovação 7. Ciência e Tecnologia para a inovação 8. Conhecimento para a inovação 9. Modulação Projetos setoriais: 5. Difusão da inovação 6. Capacitação para a inovação 7. Ciência e Tecnologia para a inovação 8. Conhecimento para a inovação 9. Modulação

38 PROJETO 1 1.Tributação compatível com a industrialização e inovação - ABRAMAT Objetivos: 1)Levantar e analisar impacto da tributação (IPI, ICMS) e da legislação trabalhista para a inovação na construção. Tecnologias do Plano Trabalho: DryWall; Pré-Moldados de concreto; Sistemas construtivos em aço. 2)Propor mecanismos de soluções e articulação com Governo (Finalização do estudo previsto para agosto/2011) 1.Tributação compatível com a industrialização e inovação - ABRAMAT Objetivos: 1)Levantar e analisar impacto da tributação (IPI, ICMS) e da legislação trabalhista para a inovação na construção. Tecnologias do Plano Trabalho: DryWall; Pré-Moldados de concreto; Sistemas construtivos em aço. 2)Propor mecanismos de soluções e articulação com Governo (Finalização do estudo previsto para agosto/2011)

39 PROJETO 2 2. Viabilização do SiNAT (Sistema Nacional de Avaliação Técnica do PBQP-H) - CBIC Objetivos: Técnica Autorizada Viabilizar o credenciamento efetivo das ITAs (Instituição Técnica Autorizada) – acelerar a elaboração dos documentos (DATecs) de aprovações; acelerar a implantação das ITAs nas várias regiões; Articulação junto ao governo para um Plano Nacional de Capacitação Laboratorial; 4 ITAs, 5 DATecs, mais de 100 avaliações de tecnologia em andamento

40 PROJETO 3 3. Viabilização da inovação em obras públicas - SINAENCO Objetivos: Propor mudanças nos processos licitatórios, inclusive da lei n. 8666/93, de forma a fazer com que as compras governamentais sejam promotoras de inovações e sustentabilidade nas obras públicas. Elaboração de Modelos de Edital para contratação de Projeto e de Obra Pública com indicadores de Inovação & Sustentabilidade e mecanismos de monitoramento – até dez/2011

41 PROJETO 4 4. Projeto difusão da inovação - CONFEA Objetivo Geral: Disseminar as ações do PIT, através: -TV CONFEA (alltv.com.br) - Revistas e sites dos CREAs - Eventos da rede CONFEA

42 PROJETO 5 5. Capacitação para a Inovação – Sinduscon - BA Objetivo Geral: Capacitar o setor da construção civil para introdução e gestão de inovações : -treinamento em diversos níveis - difusão de práticas Iniciativas em andamento: -Seminários BA, CE, PE e RJ (CNPq) -Escola Móvel com SENAI (BA, CE, RO) - Projeto FINEP Canteiros Sustentáveis R$2,0milhões (aprovado) - Projeto FINEP – NAIC (em avaliação) R$1,8milhões

43 PROJETO 6 6. Projeto Ciência e Tecnologia para a Inovação na Construção – ANTAC Objetivos: Aproximação dos pesquisadores com o mercado, a ex. do Comitê de Mercado da Poli-USP (pesquisas voltadas para as necessidades do setor) Estabelecer fóruns e canal de comunicação academia x empresas e difusão das pesquisas em andamento; Elaboração de propostas para a Política de C&T&I e para o Fundo Setorial para a construção.

44 7. Conhecimento para a Inovação – UnB Objetivo Geral: Viabilização de implementação de conhecimento (institutos de pesquisas) que impactam o desenvolvimento de inovações locais e regionais – formação de especialistas, capacitação dos projetistas atuais e equipes de construtoras. Objetivos: Integração de ações, agentes e instrumentos. Fortalecimento do sistema de aprendizado local. Replicar modelo : UnB & SindusconDF & SebraeDF. Gestão do conhecimento – Implantação do Observatório de Inovação na Cadeia Produtiva da Construção Parque de Inovação e Sustentabilidade do Ambiente Construído - PISAC (BRE, UnB, MCT, GDF e CBIC) PROJETO 7

45 PROJETO 8 8. Comitês Estaduais de Inovação – COMAT/CBIC Objetivos 2011: Comitês: Identificar e caracterizar as necessidades para difusão e uso de tecnologia LOCAIS com potencial de elevação da produtividade, e conseqüente redução de custos. Promover renovação do Prêmio CBIC de Inovação Tecnológica – Concurso Falcão Bauer

46 STEEL FRAMING Instituições Técnicas Avaliadoras ( dados de 06/05/2011 ): Instituto Falcão Bauer da Qualidade : 6 proponentes (nenhuma avaliação em curso, apenas propostas emitidas pelo instituto ao proponente); Instituto de Pesquisas Tecnológicas : 1 sistema construtivo em avaliação técnica. O IPT informou apenas a avaliação em curso, as demais demandas não foram informadas. CAIXA ( dados de 29/04/2011 ): Viabilidade Prévia de 1050 unidades para três empreendimentos (MEDWIN, CAMPELLO, CASA PRÁTICA MVC).

47 PROJETO CBIC Construção Sustentável

48 CONSELHO ESTRATÉGICO Responsável pela definição das diretrizes do Programa Validar os temas estratégicos e meios propostos Definir objetivos e validar os planos de ação PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL GRUPO GESTOR Responsável pelo gerenciamento e implantação do Programa ESTRUTURAÇÃO

49 MEMBROINSTITUIÇÃO Antonio RamalhoForça Sindical Arnaldo JardimParlamentar Arthur Henrique S SantosCUT Shelley CarneiroCNI Carlos Alberto RicardoISA Carlos Eduardo AlmeidaHolcim/CEBDS Ciro ScopelSECOVI SP Cristina MontenegroPNUMA Fabio FeldmannAmbientalista Fernando ChucreParlamentar Francisco VasconcellosCMA/CBIC-Sinduscon-SP João Virmond SuplicyIAB José Antônio SimonCMA/CBIC José Carlos MartinsCBIC José Carlos Oliveira LimaFIESP MEMBROINSTITUIÇÃO João Alberto ViolSINAENCO Paula GabrielaICLEI Marcelo TakaokaCBCS Mario César MantovaniSOS Mata Atlântica Melvyn FoxABRAMAT Olavo Kucker ArantesSinduscon- Florianópolis/SC Paulo Safady SimãoCBIC Paulo Pereira da SilvaForça Sindical Paulo Vanzetto GarciaSinduscon-RS Roberto LambertsUFSC Sergio Besserman ViannaEconomista Teodomiro Diniz CamargoCIC/FIEMG Vanderley JohnPOLI-USP PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSELHO ESTRATÉGICO

50 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL MEMBROINSTITUIÇÃO Carlos Eduardo Garrocho de AlmeidaHolcim/CEBDS Francisco Antunes de Vasconcellos Neto CMA/CBIC - Sinduscon- SP José Antônio de Lucas SimonCMA/CBIC José Carlos MartinsCBIC Olavo Kucker ArantesSinduscon- Florianópolis/SC Paulo Safady SimãoCBIC Paulo Vanzetto GarciaSinduscon-RS Teodomiro Diniz CamargosCIC/FIEMG 8 participantes GRUPO GESTOR

51 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EQUIPE TÉCNICA Lilian SarroufCoordenação Geórgia Grace BernardesAssessoria Técnica CBIC Mariana Silveira NascimentoAssuntos Sócio Ambientais CBIC Carlos ElyComunicação CBIC FRANCISCO VASCONCELLOS Coordenador Geral COORDENAÇÃO

52 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Definir diretrizes, prioridades e práticas que façam da Construção Sustentável uma realidade no Brasil. Estabelecer comunicação aberta e transparente com a sociedade em geral, ONGs e Governo para superar os desafios da sustentabilidade do Setor da Construção. PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Subsidiar os governos com informações e ou elementos capazes de induzir a elaboração de políticas públicas. OBJETIVOS DO PROGRAMA

53 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Contemplar a Sustentabilidade em todas as suas dimensões: ambiental, social e econômica Contribuir como Setor da Construção, para o desenvolvimento e bem estar da sociedade e a preservação do meio ambiente Combater a informalidade e a ilegalidade Engajar a cadeia produtiva, governo e sociedade na discussão dos temas e busca de soluções Posicionar-se como protagonista proativo e relevante na discussão de políticas públicas para a Sustentabilidade. Estimular a criação e valorização dos chamados Green Jobs, como alternativa sustentável de geração de emprego e renda. PREMISSAS

54 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL O PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, vem sendo desenvolvido com base nos seguintes trabalhos e experiências: 1.Relatório Strategy for Sustainable Construction, resultado do diagnóstico e das ações desenvolvidas pelo Governo Britânico em relação ao tema 2.Estudos e trabalhos desenvolvidos pelas academias brasileira e estrangeira 3.Ações desenvolvidas pelo Setor da Construção através das entidades e empresas do setor da construção civil 4.Ações desenvolvidas pelos Órgãos de Governo Federal, Estadual e Municipal 5.Ações e trabalhos desenvolvidos por Organizações não Governamentais – ONGs nacionais e internacionais. METODOLOGIA DO PROGRAMA

55 PROGRAMA CBIC DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ENVOLVIDOS STAKEHOLDERSPLAYERS GovernoConstrutores Sociedade em geralIncorporadores ClientesProjetistas InvestidoresFornecedores de Materiais e Serviços ONGsEntidades de Ensino e Pesquisa Agentes Financeiros Contratantes Públicos e Privados METODOLOGIA DO PROGRAMA

56 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PRIORIDADES - MEIOS - OBJETIVOS

57 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL DEFINIÇÃO DOS PLANOS DE AÇÃO

58 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AÇÕES PROPOSTAS Estímulo à contratação de projetos de obras que contemplem as melhores soluções para o menor nível de consumo de água. Elaboração de manual de boas práticas. Montagem de programa de capacitação do setor. Qualificação das concessionárias de água e esgoto. Incentivo ao manejo e à drenagem de águas pluviais nas cidades. Tema: ÁGUA

59 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Estímulo a mecanismos de autorregulação na cadeia produtiva (conformidade legal). Mapeamento socioeconômico para criação de um programa nacional de capacitação continuada. Capacitação de profissionais para aplicação da Lei /208, que assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social. Revisão curricular dos cursos de graduação, técnicos e profissionalizantes, para inclusão da temática da sustentabilidade. Tema: DESENVOLVIMENTO HUMANO AÇÕES PROPOSTAS

60 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Uso da etiquetagem como forma de avaliar a eficiência energética na fase de projeto e de entrega das edificações. Estímulo para edificações privadas que atendam ao nível A ou B. Obrigatoriedade para novas edificações públicas que atendam ao nível A ou B. Revisão curricular dos cursos de graduação, técnicos e profissionalizantes, para inclusão da temática da sustentabilidade. Estímulo ao retrofit visando melhora da eficiência (A ou B). Incentivo a geração de energia distribuída. Tema: ENERGIA AÇÕES PROPOSTAS

61 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Mapeamento e disseminação de sistemas e ferramentas de projetos para redução de perdas de materiais. Incentivo à contratação de produtos e sistemas com melhor desempenho ambiental. Implementação de bancos de dados públicos com informações técnicas e declarações ambientais. Fomento a políticas públicas de incentivo à pesquisa e ao desenvolvimento de inovações para redução do consumo de materiais. Promoção do uso do Documento de Origem Florestal. Tema: MATERIAIS E SISTEMAS AÇÕES PROPOSTAS

62 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Implementação de sistema de gerenciamento para elaboração de Planos Diretores. Incentivo a iniciativas para a recuperação de áreas degradadas. Estabelecimento de critérios e procedimentos para agilizar processos de recuperação de áreas degradadas. Elaboração de inventários de áreas de risco e de áreas degradadas. Participação na estrutura e criação da Câmara Técnica da Construção Civil no Conama. Estímulo a iniciativas para aproveitamento da madeira apreendida pelo Ibama. Valorização das boas práticas e dos atores dos municípios para formulação de políticas públicas em sintonia com necessidades e interesses dos habitantes das cidades. Tema: Meio Ambiente, Infra-estrutura e Desenv. Urbano AÇÕES PROPOSTAS

63 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Estímulo a legislação específica, inclusive nos códigos de obras. Apoiar ações de redução de emissões e adaptação aos impactos climáticos nos processos de licenciamento ambiental. Elaboração de ferramentas para produção de inventários de gases de efeito estufa na cadeia produtiva da construção. Elaboração de plano nacional para conscientizar formadores de opinião e gestores públicos sobre soluções de mitigação fora do âmbito da eficiência energética. Participação efetiva da construção civil no Fórum do Clima/Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Tema: MUDANÇAS CLIMÁTICAS AÇÕES PROPOSTAS

64 PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVELPROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Promoção de parcerias público-privadas para implementação das áreas de manejo de resíduos. Participação da cadeia produtiva na elaboração de leis estaduais e municipais no âmbito da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Mapeamento de dificuldades e entraves ao processo de licenciamento para áreas de transbordo e triagem, atividades de reciclagem e instalação de aterros. Implementação de sistema online de gestão de resíduos para cadeia geradora, transportadora e áreas de tratamento e destinação. Estabelecimento da exigência da logística reversa prevista para os acordos setoriais. Tema: RESÍDUOS AÇÕES PROPOSTAS

65 PROGRAMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.ÁGUA – WILSON PASSETO – ONG ÁGUA E CIDADE 2.ENERGIA - ROBERTO LAMBERTS - UFSC 3.MATERIAIS E SISTEMAS – VANDERLEY JOHN – POLI/USP 4.RESÍDUOS – TARCÍSIO PAULA PINTO – CONSULTOR DO MCIDADES 5.MUDANÇAS CLIMÁTICAS – FÁBIO FELDMANN – AMBIENTALISTA 6.MEIO AMBIENTE/INFRA ESTRUTURA/DESENVOLVIMENTO URBANO – SERGIO BESSERMAN – ECONOMISTA/ASSESSOR PREFEITURA RJ 7.DESENVOLVIMENTO HUMANO - MARCELO LINGUITTE TEXTOS DE REFERÊNCIA

66 PROGRAMA CBIC DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.FINALIZAÇÃO DO DOCUMENTO REFERÊNCIA DO PROGRAMA COM DEFINIÇÃO DA LOGOMARCA 2.APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AO SETOR DA CONSTRUÇÃO – WORKSHOPS REGIONAIS 3.APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA À SOCIEDADE E GOVERNO 4.CRIAÇÃO DOS GRUPOS DE TRABALHO 5.ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DOS PLANOS DE AÇÃO PRÓXIMOS PASSOS

67 Câmara Brasileira da Indústria da Construção Tel.: (61) Fax: (61)


Carregar ppt "Paulo Safady Simão – Presidente da CBIC Belo Horizonte - MG 19/07/2010 Café Parlamentar Associação Comercial e Empresarial de Minas – AC Minas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google