A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MACRO I AS CONTAS NACIONAIS Prof. Claudio M. Considera CAP 3 OS MERCADOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MACRO I AS CONTAS NACIONAIS Prof. Claudio M. Considera CAP 3 OS MERCADOS."— Transcrição da apresentação:

1 MACRO I AS CONTAS NACIONAIS Prof. Claudio M. Considera CAP 3 OS MERCADOS

2 Até agora viu-se: Até agora viu-se: (a) o que são fatores de produção e como eles são organizados no âmbito das unidades econômicas. (a) o que são fatores de produção e como eles são organizados no âmbito das unidades econômicas. (b) definiram-se e classificaram-se, posteriormente, essas unidades econômicas, bem como suas transações ou operações econômicas e financeiras. (b) definiram-se e classificaram-se, posteriormente, essas unidades econômicas, bem como suas transações ou operações econômicas e financeiras. Antes de se passar a descrever o processo econômico falta definir o mercado, local onde se processam algumas das operações Antes de se passar a descrever o processo econômico falta definir o mercado, local onde se processam algumas das operações

3 OS MERCADOS A teoria econômica define mercado como o encontro dos fluxos de oferta e demanda, sejam de fatores de produção ou de bens e serviços. A teoria econômica define mercado como o encontro dos fluxos de oferta e demanda, sejam de fatores de produção ou de bens e serviços. Por essa definição genérica de mercado não há necessariamente um local físico onde esses fluxos se encontram, embora todas as transações de venda e de compra se realizem em locais apropriados para tal. Por essa definição genérica de mercado não há necessariamente um local físico onde esses fluxos se encontram, embora todas as transações de venda e de compra se realizem em locais apropriados para tal. O conceito de mercado é mais abstrato do que o de um local onde se realizam as operações de compra e venda de bens e serviços. O conceito de mercado é mais abstrato do que o de um local onde se realizam as operações de compra e venda de bens e serviços. De fato, ele é uma expressão genérica do encontro dos atos de ofertar e demandar bens e serviços ou fatores de produção. De fato, ele é uma expressão genérica do encontro dos atos de ofertar e demandar bens e serviços ou fatores de produção.

4 OS MERCADOS Os fenômenos de oferta e demanda e a formação de preços depende de cada bem ou serviço, vale dizer, cada um deles tem seu mercado próprio. Os fenômenos de oferta e demanda e a formação de preços depende de cada bem ou serviço, vale dizer, cada um deles tem seu mercado próprio. Distinguem-se aqui três tipos de mercado: Distinguem-se aqui três tipos de mercado: o mercado de bens e serviços, o mercado de bens e serviços, o mercados de fatores de produção; e, o mercados de fatores de produção; e, o mercado financeiro. o mercado financeiro.

5 OS MERCADOS Por sua vez, esses fenômenos de oferta e demanda, preços e quantidades, dependem também do regime de mercado a que o produto está submetido. Por sua vez, esses fenômenos de oferta e demanda, preços e quantidades, dependem também do regime de mercado a que o produto está submetido. O comportamento da oferta e da demanda e, por conseguinte, a formação de preços, depende de seus regime de mercado. O comportamento da oferta e da demanda e, por conseguinte, a formação de preços, depende de seus regime de mercado. A teoria econômica identifica os seguintes regimes de mercado: A teoria econômica identifica os seguintes regimes de mercado: concorrência perfeita e concorrência imperfeita; concorrência perfeita e concorrência imperfeita; neste último distinguem-se os regimes de: neste último distinguem-se os regimes de: concorrência monopolística, oligopólio, oligopsônio, monopólio, monopsônio, etc.. concorrência monopolística, oligopólio, oligopsônio, monopólio, monopsônio, etc..

6 OS MERCADOS Aborda-se aqui apenas o regime de concorrência perfeita e mesmo assim de maneira resumida. Aborda-se aqui apenas o regime de concorrência perfeita e mesmo assim de maneira resumida. Para facilitar a explicação supõe-se, ainda, neste capítulo que se trata de uma economia fechada e sem governo. Para facilitar a explicação supõe-se, ainda, neste capítulo que se trata de uma economia fechada e sem governo. Com isto, estão presentes apenas os setores institucionais Famílias e Empresas, estando ausente as Administrações Públicas e o Resto do Mundo. Com isto, estão presentes apenas os setores institucionais Famílias e Empresas, estando ausente as Administrações Públicas e o Resto do Mundo.

7 O Mercado de Bens e Serviços A DEMANDA A DEMANDA A decisão de consumir bens e serviços expressa na curva de demanda das famílias, depende dos seguintes elementos: A decisão de consumir bens e serviços expressa na curva de demanda das famílias, depende dos seguintes elementos: da sua renda, da sua renda, da sua riqueza acumulada, da sua riqueza acumulada, do preço do produto em questão, do preço do produto em questão, dos preços dos outros produtos disponíveis, dos preços dos outros produtos disponíveis, dos seus gostos e preferências, dos seus gostos e preferências, das expectativas das famílias sobre sua renda e riqueza futuras; e, das expectativas das famílias sobre sua renda e riqueza futuras; e, do comportamento futuro dos preços. do comportamento futuro dos preços.

8 O Mercado de Bens e Serviços A demanda de um produto pode ser ilustrada por uma curva que expressa uma relação biunívoca apenas entre preços do produto em questão e suas quantidades demandadas, considerando que todos os outros elementos são mantidos constantes. A demanda de um produto pode ser ilustrada por uma curva que expressa uma relação biunívoca apenas entre preços do produto em questão e suas quantidades demandadas, considerando que todos os outros elementos são mantidos constantes. Nessa hipótese, segundo a Lei geral da Demanda, a quantidade demandada de produtos será tanto maior quanto menor for o preço do produto. Nessa hipótese, segundo a Lei geral da Demanda, a quantidade demandada de produtos será tanto maior quanto menor for o preço do produto.

9 O Mercado de Bens e Serviços A demanda de um produto pode ser ilustrada por uma curva que expressa uma relação biunívoca apenas entre preços do produto em questão e suas quantidades demandadas, considerando que todos os outros elementos são mantidos constantes. A demanda de um produto pode ser ilustrada por uma curva que expressa uma relação biunívoca apenas entre preços do produto em questão e suas quantidades demandadas, considerando que todos os outros elementos são mantidos constantes. A demanda segue o princípio da maximização da utilidade da renda do consumidor. A demanda segue o princípio da maximização da utilidade da renda do consumidor. Nessa hipótese, segundo a Lei geral da Demanda: Nessa hipótese, segundo a Lei geral da Demanda: a quantidade demandada de produtos será tanto maior quanto menor for o preço do produto. a quantidade demandada de produtos será tanto maior quanto menor for o preço do produto.

10 O Mercado de Bens e Serviços Figura 3.1a Figura 3.1a quantidades preços demanda

11 O Mercado de Bens e Serviços A OFERTA A OFERTA A decisão de produzir e vender, vale dizer, ofertar bens e serviços, depende dos seguintes fatores: A decisão de produzir e vender, vale dizer, ofertar bens e serviços, depende dos seguintes fatores: do preço do produto em questão, do preço do produto em questão, dos custos de produção do produto em questão, dos custos de produção do produto em questão, dos preços dos produtos relacionados ao produto em questão, que afetam tanto seu custo como sua demanda. dos preços dos produtos relacionados ao produto em questão, que afetam tanto seu custo como sua demanda. A decisão de produzir será guiada pelo princípio da maximização de lucros, de tal maneira que segunda a Lei geral da oferta: A decisão de produzir será guiada pelo princípio da maximização de lucros, de tal maneira que segunda a Lei geral da oferta: a quantidade ofertada de produtos será tanto maior quanto maior for o preço dos produtos, mantidos constante os demais elementos. a quantidade ofertada de produtos será tanto maior quanto maior for o preço dos produtos, mantidos constante os demais elementos.

12 O Mercado de Bens e Serviços Figura 3.1b Figura 3.1b quantidades preços oferta

13 O Mercado de Bens e Serviços Figura 3.1 Figura 3.1 quantidades preços demanda oferta

14 O Mercado de Bens e Serviços Figura O equilíbrio Figura O equilíbrio quantidades preços demanda oferta Excesso de oferta Preço de equilíbrio Quantidade de equilíbrio

15 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO O mercado de fatores de produção difere do de bens e serviços em diversos aspectos: O mercado de fatores de produção difere do de bens e serviços em diversos aspectos: as posições se invertem; os ofertantes são agora as famílias e os demandantes são as empresas. as posições se invertem; os ofertantes são agora as famílias e os demandantes são as empresas. Mudam, os objetivos: Mudam, os objetivos: as empresas demandarão fatores para oferecerem bens e serviços, as empresas demandarão fatores para oferecerem bens e serviços, as famílias ofertarão fatores por desejarem demandar bens e serviços. as famílias ofertarão fatores por desejarem demandar bens e serviços. Os desejos de oferta e demanda neste caso não são comandados unicamente por este mercado, como se verá adiante. Os desejos de oferta e demanda neste caso não são comandados unicamente por este mercado, como se verá adiante. Portanto, a oferta e demanda dos serviços de fatores de produção e suas respectivas remunerações diferem daquelas do mercado de bens e serviços e são, também bastante diferenciadas, conforme se refiram a trabalho, recurso natural ou capital. Portanto, a oferta e demanda dos serviços de fatores de produção e suas respectivas remunerações diferem daquelas do mercado de bens e serviços e são, também bastante diferenciadas, conforme se refiram a trabalho, recurso natural ou capital.

16 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO O primeiro ponto a enfatizar é que a demanda por fatores de produção depende da demanda pelos bens e serviços por eles produzidos O primeiro ponto a enfatizar é que a demanda por fatores de produção depende da demanda pelos bens e serviços por eles produzidos Portanto, a demanda por fatores de produção é uma demanda derivada. Portanto, a demanda por fatores de produção é uma demanda derivada. Logo, o preço de qualquer fator de produção dependerá de como a sociedade valora os bens e serviços por ele produzido. Logo, o preço de qualquer fator de produção dependerá de como a sociedade valora os bens e serviços por ele produzido.

17 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO A quantidade de cada bem e serviço produzido e a quantidade de cada fator necessário a sua produção definirão a produtividade média e a produtividade marginal do fator de produção. A quantidade de cada bem e serviço produzido e a quantidade de cada fator necessário a sua produção definirão a produtividade média e a produtividade marginal do fator de produção. A produtividade média (PMe) é definida como quantidade do bem ou serviço obtida por unidade de fator de produção utilizada. A produtividade média (PMe) é definida como quantidade do bem ou serviço obtida por unidade de fator de produção utilizada. A produtividade marginal (PMg), é definida como a quantidade do bem ou serviço obtido com a adição de uma unidade do fator de produção utilizado. A produtividade marginal (PMg), é definida como a quantidade do bem ou serviço obtido com a adição de uma unidade do fator de produção utilizado.

18 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Podemos ilustrar estes conceitos com o exemplo de uma fazenda que produz soja. Podemos ilustrar estes conceitos com o exemplo de uma fazenda que produz soja. Sua produção máxima é de 112 mil toneladas, que é obtida utilizando as seguintes quantidades de fatores de produção: Sua produção máxima é de 112 mil toneladas, que é obtida utilizando as seguintes quantidades de fatores de produção: recursos naturais, hectares (ha) de terra; capital, 10 máquinas e tratores; e, trabalho, 8 maquinistas. recursos naturais, hectares (ha) de terra; capital, 10 máquinas e tratores; e, trabalho, 8 maquinistas. Nesta situação, a PMe (Q/T) de cada unidade de trabalho é de 14 mi tons. de soja. Nesta situação, a PMe (Q/T) de cada unidade de trabalho é de 14 mi tons. de soja. A PMg ( Q / T) da adição do oitavo trabalhador foi de 0 tons. de soja. A PMg ( Q / T) da adição do oitavo trabalhador foi de 0 tons. de soja.

19 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO A função de produção desta fazenda é: A função de produção desta fazenda é: soja = a (ha de terra) + b (máquinas agrícolas) + c (tratoristas) soja = a (ha de terra) + b (máquinas agrícolas) + c (tratoristas) Onde: Onde: a é o coeficiente de contribuição da terra na produção de soja; a é o coeficiente de contribuição da terra na produção de soja; b, é a contribuição das máquinas agrícolas, e b, é a contribuição das máquinas agrícolas, e c é a contribuição da mão de obra. c é a contribuição da mão de obra. Omitindo seus valores, por hora, podemos construir a tabela 3.1 com valores que traduzam a contribuição de cada unidade de mão de obra, por exemplo, para a produção de soja, mantidos constantes a utilização máxima dos demais fatores de produção. Omitindo seus valores, por hora, podemos construir a tabela 3.1 com valores que traduzam a contribuição de cada unidade de mão de obra, por exemplo, para a produção de soja, mantidos constantes a utilização máxima dos demais fatores de produção.

20 Quantidade Quantidade Produto Produto Produto de Trabalho (L)de Capital (K) Total (Q)MédioMarginal Produção com um insumo variável (Trabalho)

21 Observações: Observações: 1) À medida que aumenta o número de trabalhadores, o produto (Q) aumenta, atinge um máximo e, então, decresce. Produção com um insumo variável (Trabalho)

22 Observações: Observações: 2) O produto médio do trabalho (PM), ou produto por trabalhador, inicialmente aumenta e depois diminui. Produção com um insumo variável (Trabalho)

23 Produtividade do Trabalho Produtividade do Trabalho Produção com um insumo variável (Trabalho)

24 Observações: Observações: 3) O produto marginal do trabalho (PMg), ou produto de um trabalhador adicional, aumenta rapidamente no início, depois diminui e se torna negativo. Produção com um insumo variável (Trabalho)

25 Produto Total A: inclinação da tangente = PMg (20) B: inclinação de OB = PM (20) C: inclinação de OC=PMg & PM Trabalho por mês Produção por mês A B C D Produção com um insumo variável (Trabalho) Figura 3.2a

26 Produto Médio Produção com um insumo variável (Trabalho) Produção por mês Trabalho por mês 30 E Produto Marginal Observações: À esquerda de E: PMg > PM & PM crescente À direita de E: PMg < PM & PM decrescente E: PMg = PM & PM máximo Figura 3.2b

27 Observações: Observações: Quando PMg = 0, PT encontra-se no seu nível máximo Quando PMg = 0, PT encontra-se no seu nível máximo Quando PMg > PM, PM é crescente Quando PMg > PM, PM é crescente Quando PMg < PM, PM é decrescente Quando PMg < PM, PM é decrescente Quando PMg = PM, PM encontra-se no seu nível máximo Quando PMg = PM, PM encontra-se no seu nível máximo Produção com um insumo variável (Trabalho)

28 Trabalho por mês Produção por mês A B C D 8 20 E Produção por mês Trabalho por mês PM = inclinação da linha que vai da origem a um ponto sobre a curva de PT, linhas b & c. PMg = inclinação da tangente em qualquer ponto da curva de TP, linhas a & c. Figura 3.2

29 À medida que o uso de determinado insumo aumenta, chega-se a um ponto em que as quantidades adicionais de produto obtidas tornam-se menores (ou seja, o PMg diminui). À medida que o uso de determinado insumo aumenta, chega-se a um ponto em que as quantidades adicionais de produto obtidas tornam-se menores (ou seja, o PMg diminui). Produção com um insumo variável (Trabalho) A Lei dos Rendimentos Marginais Decrescentes

30 Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é pequena, o PMg é grande em decorrência da maior especialização. Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é pequena, o PMg é grande em decorrência da maior especialização. Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é grande, o PMg decresce em decorrência de ineficiências. Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é grande, o PMg decresce em decorrência de ineficiências. A Lei dos Rendimentos Marginais Decrescentes Produção com um insumo variável (Trabalho)

31 Pode ser aplicada a decisões de longo prazo relativas à escolha entre diferentes configurações de plantas produtivas Pode ser aplicada a decisões de longo prazo relativas à escolha entre diferentes configurações de plantas produtivas Supõe-se que a qualidade do insumo variável seja constante Supõe-se que a qualidade do insumo variável seja constante A Lei dos Rendimentos Marginais Decrescentes Produção com um insumo variável (Trabalho)

32 Explica a ocorrência de um PMg declinante, mas não necessariamente de um PMg negativo Explica a ocorrência de um PMg declinante, mas não necessariamente de um PMg negativo Supõe-se uma tecnologia constante Supõe-se uma tecnologia constante A Lei dos Rendimentos Marginais Decrescentes Produção com um insumo variável (Trabalho)

33 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO A figura 3.2 ilustra esta lei, derivando-a da própria função de produção. A figura 3.2 ilustra esta lei, derivando-a da própria função de produção. Dada uma certa quantidade de dois fatores de produção a adição de unidades adicionais do terceiro fator faz com que o produto aumente, num primeiro estágio, mais do que proporcionalmente à quantidade do fator de produção. Dada uma certa quantidade de dois fatores de produção a adição de unidades adicionais do terceiro fator faz com que o produto aumente, num primeiro estágio, mais do que proporcionalmente à quantidade do fator de produção. A partir de um certo ponto, onde inicia um segundo estágio, esse aumento é menos do que proporcional, mas ainda positivo. A partir de um certo ponto, onde inicia um segundo estágio, esse aumento é menos do que proporcional, mas ainda positivo. Num terceiro estágio, a contribuição de unidades adicionais do fator é negativa. Num terceiro estágio, a contribuição de unidades adicionais do fator é negativa.

34 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Os empresários escolherão produzir em algum ponto dentro do segundo estágio da função de produção Os empresários escolherão produzir em algum ponto dentro do segundo estágio da função de produção Vale dizer, entre o ponto em que o produto marginal do fator passa a decrescer e o ponto em que ele se torna negativo. Vale dizer, entre o ponto em que o produto marginal do fator passa a decrescer e o ponto em que ele se torna negativo. Esse é o estágio relevante da função de produção. Esse é o estágio relevante da função de produção. Qualquer ponto fora desse intervalo é um ponto de ineficiência. Qualquer ponto fora desse intervalo é um ponto de ineficiência.

35 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Estas relações técnicas insumo-produto são insuficientes, entretanto, para definir a curva de demanda das empresas por fatores de produção. Estas relações técnicas insumo-produto são insuficientes, entretanto, para definir a curva de demanda das empresas por fatores de produção. Como mencionado anteriormente, a demanda por fatores de produção depende da demanda por bens e serviços por eles produzidos, pois, isso é que propiciará às empresas as receitas que almejam por realizar a produção. Como mencionado anteriormente, a demanda por fatores de produção depende da demanda por bens e serviços por eles produzidos, pois, isso é que propiciará às empresas as receitas que almejam por realizar a produção. Logo, o desejo de contratar unidades adicionais de fatores de produção dependerá da receita adicional que aquela contratação propiciar, vale dizer da sua receita marginal (RMg). Logo, o desejo de contratar unidades adicionais de fatores de produção dependerá da receita adicional que aquela contratação propiciar, vale dizer da sua receita marginal (RMg).

36 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Em um mercado de competição perfeita a receita marginal do fator é igual ao valor da produtividade marginal do fator, ou seja, sua produtividade física expressa em quantidade de produtos adicionais, vezes o preço do produto (P). Em um mercado de competição perfeita a receita marginal do fator é igual ao valor da produtividade marginal do fator, ou seja, sua produtividade física expressa em quantidade de produtos adicionais, vezes o preço do produto (P). Em termos da figura 3.2. equivale a deslocar a curva de produto marginal, no seu estágio relevante, na magnitude do preço do produto, multiplicando-a por um escalar. Em termos da figura 3.2. equivale a deslocar a curva de produto marginal, no seu estágio relevante, na magnitude do preço do produto, multiplicando-a por um escalar. RMg = PMg X P

37 Produção e Valor com um insumo variável (Trabalho) Produção por mês Quantidade e valor Trabalho por mês 30 Produto Marginal Figura 3.2 Receita Marginal

38 Valor da Produção com um insumo variável (Trabalho) Valor da Produção por mês Trabalho por mês 30 Figura 3.2 Receita Marginal 40

39 Valor da Produção com um insumo variável (Trabalho) Valor da Produção por mês Trabalho por mês 30 Figura Receita Marginal

40 Valor da Produção com um insumo variável (Trabalho) Salário Mensal Trabalho por mês 30 Figura 3.3a 40 RMg

41 O MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Pode-se concluir, pois, que para a empresa, a curva de demanda de um fator de produção, qualquer que seja, terá o formato da curva de receita marginal desse fator. Pode-se concluir, pois, que para a empresa, a curva de demanda de um fator de produção, qualquer que seja, terá o formato da curva de receita marginal desse fator. Como a maximização de seus lucros, é seu objetivo, ela utilizará unidades adicionais do fator até o ponto que a receita marginal deste fator se igualar ao seu próprio preço, vale dizer, ao custo marginal do fator. Como a maximização de seus lucros, é seu objetivo, ela utilizará unidades adicionais do fator até o ponto que a receita marginal deste fator se igualar ao seu próprio preço, vale dizer, ao custo marginal do fator. RMg = CMg = P do fator

42 O MERCADO DE TRABALHO Salário Mensal Trabalho por mês RMg Figura 3.3.a: A demanda por trabalho

43 O MERCADO DE TRABALHO A oferta de trabalho A oferta de trabalho A oferta de trabalho por parte dos membros das unidades familiares deriva das decisões que eles tomam no que diz respeito a: A oferta de trabalho por parte dos membros das unidades familiares deriva das decisões que eles tomam no que diz respeito a: trabalhar ou não, trabalhar ou não, a quantidade de horas que desejam trabalhar a quantidade de horas que desejam trabalhar E, que tipo de trabalho desejam ofertar. E, que tipo de trabalho desejam ofertar. Estas suas decisões são limitadas: Estas suas decisões são limitadas: pela disponibilidade de emprego, pela disponibilidade de emprego, pelos níveis de remuneração pelos níveis de remuneração e, pela própria qualificação de cada indivíduo. e, pela própria qualificação de cada indivíduo.

44 O MERCADO DE TRABALHO A oferta de trabalho A oferta de trabalho Tais decisões envolvem, de fato, duas alternativas: Tais decisões envolvem, de fato, duas alternativas: uma delas, não trabalhar, deixando de receber remuneração, preferindo o lazer ou, mesmo, realizar trabalho não remunerado, tal como cuidar do jardim, da casa, dos filhos, etc.; uma delas, não trabalhar, deixando de receber remuneração, preferindo o lazer ou, mesmo, realizar trabalho não remunerado, tal como cuidar do jardim, da casa, dos filhos, etc.; a outra, trabalhar em troca de remuneração. Essa remuneração pode então ser vista como o preço -- ou o custo de oportunidade -- de abdicar dos benefícios do lazer ou de atividades não remuneradas. a outra, trabalhar em troca de remuneração. Essa remuneração pode então ser vista como o preço -- ou o custo de oportunidade -- de abdicar dos benefícios do lazer ou de atividades não remuneradas. As pessoas, estarão dispostas a abdicar mais horas de lazer a medida que a remuneração por isto aumente, ou seja o salário aumente.. As pessoas, estarão dispostas a abdicar mais horas de lazer a medida que a remuneração por isto aumente, ou seja o salário aumente..

45 O MERCADO DE TRABALHO A oferta de trabalho A oferta de trabalho Logo, a curva de oferta de trabalho relaciona a quantidade de trabalho ofertada com diferentes níveis de remuneração. Logo, a curva de oferta de trabalho relaciona a quantidade de trabalho ofertada com diferentes níveis de remuneração. Possui uma inclinação ascendente da esquerda para a direita, mostrando que quanto maior a remuneração, maior a quantidade de trabalho que se deseja ofertar. Possui uma inclinação ascendente da esquerda para a direita, mostrando que quanto maior a remuneração, maior a quantidade de trabalho que se deseja ofertar. A figura 3 mostra a interação da curva de demanda de trabalho por parte da empresas com a curva de oferta por parte das famílias, definindo a remuneração ou salário de equilíbrio. A figura 3 mostra a interação da curva de demanda de trabalho por parte da empresas com a curva de oferta por parte das famílias, definindo a remuneração ou salário de equilíbrio.

46 O MERCADO DE TRABALHO Salário Mensal Trabalho por mês Demanda Oferta Figura 3.3: demanda e oferta por trabalho RMg = CMg Wo Lo

47 O MERCADO DE RECURSOS NATURAIS O fator de produção recursos naturais, disponíveis dada uma certa tecnologia de produção e acesso, apresenta uma característica que o difere dos dois outros fatores de produção: O fator de produção recursos naturais, disponíveis dada uma certa tecnologia de produção e acesso, apresenta uma característica que o difere dos dois outros fatores de produção: sua oferta é fixa, na medida em que não pode ser reproduzido. sua oferta é fixa, na medida em que não pode ser reproduzido. Assim sendo, sua oferta não reage a variações de preço, é inelástica e representada por uma linha reta, conforme a figura 3.4. Assim sendo, sua oferta não reage a variações de preço, é inelástica e representada por uma linha reta, conforme a figura 3.4. Seu preço de equilíbrio é, portanto, determinado pela demanda. Seu preço de equilíbrio é, portanto, determinado pela demanda.

48 O MERCADO DE RECURSOS NATURAIS Preços Quantidades Demanda Oferta Figura 3.4: demanda e oferta de recursos naturais RMg = CMg Po Qo

49 O MERCADO DE RECURSOS NATURAIS Preços Quantidades Demanda Oferta Figura 3.4: demanda e oferta de recursos naturais RMg = CMg Po Qo P1 Q1

50 O MERCADO DE BENS DE CAPITAL O funcionamento do mercado de bens de capital pouco difere do mercado de bens e serviços de consumo, à exceção do fato de que tanto ofertantes como demandantes são empresas. Portanto, sua demanda se dá de forma semelhante aos dos outros fatores, como já foi explicado, e sua curva de demanda é a da receita marginal do bem de capital. Por sua vez, a sua oferta, também, já explicada, se pauta pelos mesmos princípios de maximização de lucros das empresas produtoras de bens e serviços, igualando a RMg ao CMg do fator.

51 O MERCADO FINANCEIRO Uma parcela dos bens e serviços adquiridos pelas famílias não é destinada a satisfazer suas necessidades de consumo, mas sim de acumulação. Esses bens e serviços de capital, juntos com os outros fatores de produção retornam então às empresas, através do mercado de serviços de fatores, conforme já visto. Este, entretanto, não é o circuito padrão das modernas economias capitalistas. As famílias não adquirem, com raras exceções, bens de capital diretamente e, também, não são proprietárias diretas, com raras exceções, do estoque de bens de capital. A exceção mais comum é a dos edifícios residenciais, embora, como se viu no capítulo 2, existam várias unidades econômicas classificadas como famílias, e que são proprietárias de instalações produtivas. De fato, esta propriedade é, usualmente, exercida indiretamente.

52 O MERCADO FINANCEIRO Como já foi visto a função principal das famílias é consumir, enquanto que a das empresas é produzir e, para isto, utilizam-se de bens de capital. As famílias podem decidir entre consumir ou não consumir, vale dizer, poupar. A empresas por sua vez podem decidir aumentar seu estoque de capital -- investir, visando aumentar sua capacidade de produção, ou não. Estas decisões nas economias modernas se traduzem em dois fluxos: um, de oferta de recursos de poupança por parte das famílias, representando capacidade de financiamento; outro, de demanda por recursos para investimentos por parte das empresas, representando necessidade de financiamento.

53 O MERCADO FINANCEIRO Supõe-se aqui que só as famílias poupam e que, portanto, só elas tem capacidade de financiamento. Isto equivale a dizer que as empresas distribuem todo o seu lucro, nada retendo para investimentos futuros. O mercado financeiro ou mercado de capitais é o local onde o fluxo de capacidade de financiamento da economia, ou seus recursos financeiros, de propriedade das unidades familiares, encontra-se com o fluxo de necessidade de financiamento das empresas com o objetivo de realizarem investimentos Nas economias modernas há um agente econômico específico encarregado de intermediar esta troca -- as instituições financeiras, expressão genérica para identificar bancos, bolsas de valores, corretoras, etc..

54 O MERCADO FINANCEIRO No mercado financeiro, as motivações de demanda são ditadas pela comparação entre os lucros advindos do investimento financeiro realizado, contra os custos desse empréstimo, vale dizer os juros a serem pagos pelas empresas às famílias. De fato, para ser mais preciso, os benefícios do investimento financeiro podem ser mensurados por uma taxa de lucro prevista do capital financeiro investido ou a taxa esperada de retorno.

55 O MERCADO FINANCEIRO Esta taxa vem a ser o fluxo de rendimentos previsto ao longo da duração do investimento, sobre o montante investido. Este conceito é análogo ao da receita marginal do bem de capital. Esta taxa esperada de retorno do investimento financeiro, depende do seu custo de oportunidade, do período de tempo que durará o investimento, e do seu fluxo de receita prevista durante a sua vida útil

56 O MERCADO FINANCEIRO Pode-se, portanto, estabelecer uma relação entre o custo de oportunidade desse investimento, que seria não pagar os juros para realizá-lo, expresso pela taxa de juros, e a taxa de retorno de unidades adicionais do investimento. Esta relação representa a demanda por investimento por parte de uma empresa; no caso da economia como um todo se chama, conforme foi intitulada por Keynes, Eficiência Marginal do Investimento. Ela é expressa na figura 3.5 através de uma curva de inclinação descendente da esquerda para a direita, mostrando que quanto menor a taxa de juros maior será a quantidade de investimento

57 O MERCADO FINANCEIRO Taxa de Juros (%) Unidades de bens de capital 3 4 RMg Figura 3.5 A demanda por investimentos

58 O MERCADO FINANCEIRO A oferta de capital financeiro, por sua vez, resulta de uma decisão das famílias em não consumir no presente em troca de um consumo maior no futuro. Isto será garantido graças ao pagamento de rendimentos às famílias em troca do uso de sua renda não consumida. Estes rendimentos são os juros, e geralmente são expressos por uma taxa percentual anual. Quanto maior for a taxa de juros, maior a oferta de capital financeiro. O risco do investimento, vale dizer, o risco de não se receber a remuneração, e até mesmo, o capital emprestado de volta, influencia na oferta de capital. Quanto maior o risco de um empreendimento falhar, maior a taxa de juros exigida para se emprestar capital para aquele empreendimento.

59 O MERCADO FINANCEIRO A taxa de juros é determinada no mercado monetário macroeconômico. Os recursos poupados pelas famílias estão no primeiro momento na forma líquida. E, as famílias preferem mantê-lo dessa forma, pois, isto lhe dá condições de escolher em que aplicação financeira irá utilizá-los. Essa preferência pela liquidez está representada pela curva Md do lado direito da figura 3.5a, mostrando, que as famílias abrirão mão da liquidez dos seus recursos quanto maior for a remuneração por isto.

60 O MERCADO FINANCEIRO Figura 3.5a A oferta e demanda por moeda Md e Ms Taxa de Juros (%) Md

61 O MERCADO FINANCEIRO A taxa de juros representa, então, um prêmio pelo fato de um proprietário de recursos financeiros abrir mão da liquidez do seu capital. De posse de recursos líquidos (moeda ou depósitos à vista) as famílias podem, a qualquer momento, decidirem utilizá-lo, quer para o consumo, quer para qualquer aplicação financeira. Uma vez aplicados aqueles recursos perdem sua liquidez e, portanto, perdem sua qualidade de serem utilizados de forma alternativa. Isto é um custo de oportunidade para as famílias, cuja remuneração é a taxa de juros.

62 O MERCADO FINANCEIRO Por sua vez, o Banco Central, ofertante único de moeda, decide a quantidade que irá ofertar (Ms), de acordo com o nível da taxa de juros que deseja. A taxa de juros de equilíbrio iguala a quantidade demandada com a quantidade ofertada de recursos financeiros.

63 O MERCADO FINANCEIRO Figura 3.5a A oferta e demanda por moeda Md e Ms Taxa de Juros (%) Ms Md

64 O MERCADO FINANCEIRO Taxa de Juros (%) Unidades de bens de capital 3 4 RMg Figura 3.5 A demanda por investimentos Md e Ms Taxa de Juros (%) Ms Md

65 O MERCADO FINANCEIRO A taxa de juros de equilíbrio iguala a quantidade demandada com a quantidade ofertada de recursos financeiros.


Carregar ppt "MACRO I AS CONTAS NACIONAIS Prof. Claudio M. Considera CAP 3 OS MERCADOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google