A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Projeto Geor – Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Outubro 2010.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Projeto Geor – Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Outubro 2010."— Transcrição da apresentação:

1 1 Projeto Geor – Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Outubro 2010

2 2 Sumário I – Introdução 04 II – Perfil do Público Alvo 16 III – Resultados do Projeto 23 IV – Dados Adicionais Sobre o Público do Projeto 46

3 3 Dados Técnicos do Projeto Projeto: Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Gestor do Projeto Nadia Terumi Joboji Coordenador Nacional Dival Schmidt Coordenador Estadual Aldo Cesar Carvalho Coordenador Regional José Ricardo Castelo Campos Setor Econômico Turismo

4 Capítulo I - Introdução O Projeto, Objetivos, Resultados Buscados, Metodologia de Coleta

5 5 Gestão Orientada para Resultados - GEOR A missão do Sebrae é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas. Esta missão está longe de ser facilmente cumprida, dada a situação em que se encontram as micro e pequenas empresas, caracterizadas pela alta informalidade, alta mortalidade e baixa competitividade. A missão do Sebrae é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas. Esta missão está longe de ser facilmente cumprida, dada a situação em que se encontram as micro e pequenas empresas, caracterizadas pela alta informalidade, alta mortalidade e baixa competitividade. Alta informalidade : A cada 13 empresas formalizadas no Paraná há mais 9 empresas que não estão formalizadas. Alta Mortalidade: Em 2005 a mortalidade das empresas no Brasil era de 22%. Na região Sul esse percentual sobe para 23,9% e no Paraná é de 25,2%. Baixa competitividade: Apenas 2,4% do total de exportações das empresas industriais provém das micro e pequenas empresas. Fonte: Sebrae, IBGE, Ministério do Trabalho (RAIS)

6 6 Gestão Orientada para Resultados - GEOR Para enfrentar este desafio, houve a necessidade de reorientar a atuação do Sistema Sebrae para resultados que ampliem a sobrevivência e a competitividade das micro e pequenas empresas. Esta mudança de orientação passa por demonstrar com clareza os resultados para a sociedade, público-alvo da entidade, parceiros, governos e órgãos de controle externo. Fortalece a necessidade da transformação da estratégia institucional em resultados concretos, a integração de ações e concentração de esforços, a intensificação de parcerias internas e externas em torno de uma agenda concreta de resultados, e o foco principal deste relatório: Criar bases consistentes e objetivas de controle e avaliação. Fortalece a necessidade da transformação da estratégia institucional em resultados concretos, a integração de ações e concentração de esforços, a intensificação de parcerias internas e externas em torno de uma agenda concreta de resultados, e o foco principal deste relatório: Criar bases consistentes e objetivas de controle e avaliação.

7 7 Gestão Orientada para Resultados - GEOR É uma metodologia de elaboração e gestão de projetos, adotada pelo Sebrae, que utiliza um método de gestão direcionado para transformações no público-alvo, com foco em resultados finalísticos e intensivos em gerenciamento. O Que é o GEOR Para concretizar este método é necessário a adoção de sistemas de levantamento de informações e resultados do público que compõe cada um dos projetos onde há atuação do Sebrae Este relatório apresenta informações e resultados de T1 do Projeto Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Este relatório apresenta informações e resultados de T1 do Projeto Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros

8 8 Objetivo Geral do Projeto Ampliar a atratividade do destino turístico Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros, com ênfase na segmentação, roteirização, estruturação, no fortalecimento das governanças instituídas e no artesanato como produção associada ao turismo. Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros

9 9 Foco Estratégico do Projeto Ampliação e qualificação da oferta de produtos e roteiros turísticos; Ampliação da atratividade pelos estudos de oportunidades e disponibilização a potenciais investidores nos destinos turísticos; Promoção, divulgação e comercialização dos produtos e roteiros turísticos; Gestão e monitoramento da evolução da competitividade empresarial. Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros

10 10 Público Alvo do Projeto Cadeia produtiva do turismo, formada por: meios de hospedagem; serviços de alimentação de interesse turístico; serviços de agenciamento; serviços de transportes turísticos; empresas de entretenimento e lazer; artesanato como produção associada ao turismo. Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros

11 11 Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros 1 - Aumento do grau de competitividade específico dos elos: meios de hospedagem, serviços de alimentação de interesse turístico, serviços de agenciamento e serviços de transporte turístico, integrantes dos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR (Prosperar Turismo); 2 - Aumento da taxa de ocupação dos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5 % em 2010, 5 % 2011 e 5 %2012; 3 - Aumento da taxa de permanência média nos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5 % em 2010, 5 % 2011 e 5 % 2012; 4 - Ter 80 % dos clientes do SEBRAE registrados no Cadastur em 2010 e 100 % dos clientes registrados em 2011; 5 - Aumentar o faturamento em 10% em 2009, 10% em 2010 e 10% em 2011; Resultados Buscados pelo Projeto

12 12 Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros 6 - Aumentar o número de ocupações em 5% em 2009, 5% em 2010 e 5% em 2011; 7 - Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em Implantar soluções de inovação e tecnologia em 50% das empresas até 2009 e 100% até 2010; 9 - Ter 50% das empresas dos projetos atendidos com soluções de mercado até 2009; 10 - Aumentar as empresas cadastradas no Mtur em 10% em 2009, 10% em 2010, 10% 2011; 11 - Aumentar o fluxo turístico dos projetos atendidos em 5% até 2009, 5% até 2010 e 5% até 2011; 12 - Ampliar oferta de produtos turísticos em 5% até 2009, 5% até 2010 e 5% até Resultados Buscados pelo Projeto

13 13 Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros 1 - Aumento do grau de competitividade específico dos elos: meios de hospedagem, serviços de alimentação de interesse turístico, serviços de agenciamento e serviços de transporte turístico, integrantes dos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR (Prosperar Turismo); 8 - Implantar soluções de inovação e tecnologia em 50% das empresas até 2009 e 100% até 2010; 9 - Ter 50% das empresas dos projetos atendidos com soluções de mercado até 2009; 10 - Aumentar as empresas cadastradas no Mtur em 10% em 2009, 10% em 2010, 10% 2011; 12 - Ampliar oferta de produtos turísticos em 5% até 2009, 5% até 2010 e 5% até Resultados Buscados pelo Projeto Estes resultados não foram mensurados porque não dependem de informações obtidas diretamente com o público alvo:

14 14 Períodos de Análise T1 Período para qual normalmente são projetados os resultados do primeiro ano do projeto: Ano de 2009 T1 Período para qual normalmente são projetados os resultados do primeiro ano do projeto: Ano de 2009 Este relatório traz os resultados de T1. T0 Período inicial sobre o qual são estabelecidas as metas de resultados: Ano de 2008 T0 Período inicial sobre o qual são estabelecidas as metas de resultados: Ano de 2008 Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros T2 Período para qual normalmente são projetados os resultados do segundo ano do projeto: Ano de 2010 T2 Período para qual normalmente são projetados os resultados do segundo ano do projeto: Ano de 2010 T3 Período para qual normalmente são projetados os resultados do terceiro ano do projeto: Ano de 2011 T3 Período para qual normalmente são projetados os resultados do terceiro ano do projeto: Ano de 2011

15 15 Metodologia de Coleta e Amostra Público Alvo Pesquisas respondidas Margem de Erro 55456,3% A pesquisa foi realizada através da metodologia quantitativa. Para a coleta de dados foram utilizados questionários estruturados. A coleta ocorreu entre os dias 13 de setembro e 8 de outubro de Os dados desta pesquisa referem-se a fase T1 do projeto.

16 Capítulo II – Perfil do Público Alvo Ano de Fundação da Empresa, Idade, Sexo e Grau de Instrução dos Entrevistados, Tempo como Empresário, Outras Atividades Desenvolvidas

17 17 Perfil do Público Alvo Ano de Fundação das Empresas Base: 41* * Total de entrevistados que informaram o ano de fundação da empresa **Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. Idade média das Empresas 12 anos Mediana: 8 anos Média Interna**: 9 anos

18 18 Perfil do Público Alvo Idade dos Entrevistados Base: 45 Idade média é de 41 anos O entrevistado mais velho possui 69 anos O entrevistado mais novo possui 21 anos Mediana: 40 anos Média Interna: 41 anos

19 19 Perfil do Público Alvo Gênero dos Entrevistados Base: 45

20 20 Perfil do Público Alvo Escolaridade dos Entrevistados Base: 45

21 21 Perfil do Público Alvo Tempo como Empresário Base: 42* Tempo Médio de Atuação no Mercado 11 anos O empresário com maior tempo de atuação no mercado possui 30 anos de experiência O empresário com menor tempo de atuação no mercado possui um ano de experiência Mediana: 10 anos Média Interna: 10 anos * Total de entrevistados que informaram há quanto tempo são empresários.

22 22 Perfil do Público Alvo Outras Atividades Desenvolvidas Exercia Alguma Atividade Antes Desta?Atividades Desenvolvidas Base: 30* * Entrevistados que exerciam alguma atividade antes desta. Base: 45

23 Capítulo III – Resultados do Projeto

24 24 Segundo Resultado Aumento da taxa de ocupação dos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5% em 2010, 5% 2011 e 5% 2012 Taxa de Ocupação Ano 2008 (T0)Ano 2009 (T1) Média 50%51% Total De Empresas Respondentes 15 Meta para T2 (2010) 53,6% Existiam 16 meios de hospedagem, um deles não soube informar Meta para T3 (2011) 56,2% Meta para T4 (2012) 59%

25 25 Segundo Resultado Aumento da taxa de ocupação dos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5% em 2010, 5% 2011 e 5% 2012 Resultado T0 (Ano 2008) Meta T3 (Ano 2011) Resultado T1 (Ano 2009) Meta T2 (Ano 2010) Meta T4 (Ano 2012) Taxa de Ocupação

26 26 Terceiro Resultado Aumento da taxa de permanência média nos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5 % em 2010, 5 % 2011 e 5 % 2012 Taxa de Permanência Ano 2008 (T0)Ano 2009 (T1) Média (Dias) 2,12,4 Total De Empresas Respondentes 14 Meta para T2 (2010) 2,5 Meta para T3 (2011) 2,6 Meta para T4 (2012) 2,7 Existiam 16 meios de hospedagem, dois deles não souberam informar

27 27 Terceiro Resultado Aumento da taxa de permanência média nos meios de hospedagens nos roteiros turísticos atendidos pelo Sebrae/PR, em 5 % em 2010, 5 % 2011 e 5 % 2012 Resultado T0 (Ano 2008) Meta T3 (Ano 2011) Resultado T1 (Ano 2009) Meta T2 (Ano 2010) Meta T4 (Ano 2012) Taxa de Permanência (Dias)

28 28 Quarto Resultado Ter 80% dos clientes do SEBRAE registrados no Cadastur em 2010 e 100 % dos clientes registrados em 2011 Ano 2008 (T0) Ano 2009 (T1) Clientes cadastrados no Cadastur Resultado não mensurado 31 Percentual de Clientes Cadastrados 70% Meta para T2 (2010) Ter 80% dos Clientes Registrados Meta para T3 (2011) Ter 100% dos Clientes Registrados

29 29 Quarto Resultado Ter 80 % dos clientes do SEBRAE registrados no Cadastur em 2010 e 100 % dos clientes registrados em 2011 Meta T2 (Ano 2010) Meta T3 (Ano 2011) Resultado T1 (Ano 2009)

30 30 Quinto Resultado Aumentar o faturamento em 10% em 2009, 10% em 2010 e 10% em 2011 Faturamento Medida Ano 2008 (T0)Ano 2009 (T1) Total R$ R$ Média R$ R$ Mediana R$ R$ Desvio Padrão R$ R$ Mínimo R$ R$ Máximo R$ R$ Total De Empresas Respondentes* 30 Meta para T1 (2009) R$ * Entrevistados que informaram o faturamento nos dois anos Meta para T2 (2010) R$ Meta para T3 (2011) R$

31 31 Quinto Resultado Resultado T1 (Ano 2009) Aumentar o faturamento em 10% em 2009, 10% em 2010 e 10% em 2011 Resultado T0 (Ano 2008) Meta T1 (Ano 2009) Faturamento Meta T2 (Ano 2010) Meta T3 (Ano 2011)

32 32 % de Empresas Faturamento Base: 30* * Empresas que informaram o faturamento Quinto Resultado Média R$ Mediana R$ Distribuição de Empresas por Faixa de Faturamento em 2009

33 33 Sexto Resultado Aumentar o número de ocupações em 5% em 2009, 5% em 2010 e 5% em 2011 Meta para T1 (2009) Ter 502 pessoas ocupadas na empresa Número de ocupações Medida Ano 2008 (T0)Ano 2009 (T1) Total Média 12 Mediana 89 Desvio Padrão 13 Mínimo 11 Máximo 68 Total De Empresas Respondentes* 40 * Empresas que informaram o número de ocupações nos dois anos Meta para T2 (2010) Ter 527 pessoas ocupadas na empresa Meta para T3 (2011) Ter 553 pessoas ocupadas na empresa

34 34 Sexto Resultado Resultado T1 (Ano 2009) Resultado T0 (Ano 2008) Meta T1 (Ano 2009) Número de Ocupações Meta T2 (Ano 2010) Meta T3 (Ano 2011) Aumentar o número de ocupações em 5% em 2009, 5% em 2010 e 5% em 2011

35 35 Mediana 9 % de Empresas * Empresas que informaram o número de ocupações Média 12 Número de Ocupações Base: 40* Sexto Resultado Distribuição de Empresas por Número de Ocupações em 2009

36 36 Sétimo Resultado Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em 2011 Resultado não mensurado Base: *Média dos indicadores.

37 37 Sétimo Resultado Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em 2011 Resultado não mensurado MédiaDesvio PadrãoMedianaMínimoMáximo Credibilidade9,01,19,06,010,0 Liderança de mercado8,81,29,05,010,0 Qualidade nas relações interpessoais 8,71,69,02,010,0 Comunicação8,51,39,05,010,0 Qualidade no atendimento ao cliente8,51,49,02,010,0 Oferta de produtos8,41,48,05,010,0 Qualidade de suporte técnico8,21,88,01,010,0 Eficácia dos conteúdos oferecidos8,12,08,01,010,0 Preços competitivos, bons preços7,81,88,01,010,0 Índice de Avaliação dos Atributos de Imagem 8,51,08,65,910,0 Base37-45

38 38 Sétimo Resultado Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em 2011 Média Δ%Δ% Credibilidade9,0 0% Liderança de mercado8,88,62% Qualidade nas relações interpessoais 8,78,9-2% Comunicação8,5 0% Qualidade no atendimento ao cliente 8,5 0% Oferta de produtos8,48,22% Qualidade de suporte técnico8,28,8-7% Eficácia dos conteúdos oferecidos8,18,5-5% Preços competitivos, bons preços7,87,9-1% Índice de Avaliação dos Atributos de Imagem 8,5 0%

39 39 Sétimo Resultado Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em Credibilidade Liderança de mercado Qualidade nas relações interpessoais Comunicação Qualidade no atendimento ao clienteOferta de produtos Qualidade de suporte técnico Eficácia dos conteúdos oferecidos Preços competitivos, bons preços

40 40 Sétimo Resultado Índice de avaliação dos atributos de imagem para MPE e stakeholders, de 8 em 2009, de 8,5 em 2010 e de 9 em 2011 Resultado T1 (Ano 2009) Resultado T0 (Ano 2008) Meta T1 (Ano 2009) Meta T2 (Ano 2010) Meta T3 (Ano 2011)

41 41 Décimo Primeiro Resultado Aumentar o fluxo turístico dos projetos atendidos em 5% até 2009, 5% até 2010 e 5% até 2011 Fluxo Turístico (visitantes) Medida Ano 2008 (T0)Ano 2009 (T1) Total Média Mediana Desvio Padrão Mínimo 150 Máximo Total De Empresas Respondentes* 24 Meta para T1 (2009) * Empresas que informaram a média mensal de visitantes Meta para T2 (2010) Meta para T3 (2011)

42 42 Décimo Primeiro Resultado Aumentar o fluxo turístico dos projetos atendidos em 5% até 2009, 5% até 2010 e 5% até 2011 Resultado T1 (Ano 2009) Resultado T0 (Ano 2008) Meta T1 (Ano 2009) Fluxo Turístico (visitantes) Meta T2 (Ano 2010) Meta T3 (Ano 2011)

43 43 Décimo Primeiro Resultado Distribuição de Empresas por Média Mensal de Visitantes em 2009 Quantidade de Empresas * Empresas que informaram a média mensal de visitantes Fluxo Turístico Base: 24* Média Mediana 2.700

44 44 Décimo Primeiro Resultado Fluxo Turístico por Período Período Variação Janeiro a Março % Abril a Junho % Julho a Setembro % Outubro a Dezembro % Total %

45 45 Resumo dos Resultados Resultados Resultado T0Resultado T1Meta T1 Δ%Δ% 2º Taxa de ocupação dos meios de hospedagens 50%51%-- 3ºTaxa de permanência média 2,12,4-- 4ºClientes registrados no Cadastur -70%-- 5ºFaturamento R$ R$ R$ % 6ºNúmero de ocupações % 7º Índice de avaliação dos atributos de imagem 8,5 8,06% 11ºFluxo turístico %

46 Capítulo IV – Dados Adicionais Sobre o Público do Projeto Participação em Entidades de Classe ou Atividades Associativas, Realização de Parcerias, Atividades Promovidas, Imagem e Atuação do Sebrae

47 47 Informações Adicionais Base: 44* Participação de Entidades de Classe ou Atividades Associativas A Empresa Participa de Entidades de Classe ou Atividades Associativas? De Quais Associações Participa? Base: 18** * Um entrevistado abriu a empresa em ** Total de empresas que participam de associações e informaram qual. Valores expressos em números absolutos Tem interesse em participar? Sim – 60% Não – 40% Associação Comercial e Empresarial de Castro 5 citações Sindicato do Comércio Varejista de Castro 3 citações Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux - 2 citações Associação Comercial e Industrial de Tibagi 1 citação Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa - 1 citação Conselho de Jovens Empresários - 1 citação Associação Comercial e Industrial de Palmeira 1 citação Sindicastro - 1 citação Cadastur - 1 citação Associação dos Municípios dos Campos Gerais - 1 citação Conselho Municipal de Turismo - 1 citação Já Participou, não participa mais – 9%

48 48 Informações Adicionais Base: 44* Realização de Parcerias Base: 22** Com Quem a Empresa Realiza Parcerias? Em 2009, Sua Empresa ou o Senhor Manteve Parcerias? * Um entrevistado abriu a empresa em ** Total de empresas que realizam parcerias e informaram qual. Valores expressos em números absolutos. Empresas do mesmo segmento 13 citações Fornecedores 8 citações Outras empresas ligadas ao turismo, mas em segmentos diferentes 3 citações Clientes 4 citações

49 49 Informações Adicionais Realização de Parcerias Base: 21* Que Tipo de Parcerias Realizou? *Total de empresas que realizam parcerias e informaram qual o tipo de parceria realizada. Valores expressos em números absolutos Treinamentos de mão de obra 3 citações Divulgação das empresas ou do roteiro 15 citações Compra em conjunto 2 citações Passeios para turistas 1 citação

50 50 Informações Adicionais Atividades Promovidas pelo Sebrae Quais Atividades Promovidas pelo Sebrae e pelos Parceiros do Projeto que a Empresa Participou em 2009? Base: 44* * Um entrevistado abriu a empresa em 2010

51 51 Informações Adicionais Investimentos Seu Estabelecimento Realizou Investimento no Ano de 2009? Base: 44* Qual foi o Investimento Feito no Ano de 2009? Em Média: R$ Mediana: R$ Média Interna: R$ Base: 24** * Um entrevistado abriu a empresa em 2010 ** Entrevistados que realizaram investimento e informaram o valor Menor Investimento declarado: R$ 500 Maior Investimento Declarado: R$

52 52 Informações Adicionais Quais Foram as Principais Destinações Destes Investimentos? Base: 29* *Empresas que realizaram investimento em Reformas, melhorias 45% Investimentos Ampliação do negócio 38% Aquisição de equipamentos 31% Propaganda, Divulgação 3% Treinamentos 24%

53 53 Informações Adicionais Quais Foram os Principais Diferenciais da Empresa em 2009? Diferenciais da Empresa *Dez entrevistados não informaram e um abriu a empresa em 2010 Base: 34*


Carregar ppt "1 Projeto Geor – Turismo nos Campos Gerais e na Rota dos Tropeiros Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Outubro 2010."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google