A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comissão de Pós-graduação – FMUSP Janeiro - 2010.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comissão de Pós-graduação – FMUSP Janeiro - 2010."— Transcrição da apresentação:

1 Comissão de Pós-graduação – FMUSP Janeiro

2 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

3 Histórico no Brasil e na FMUSP Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

4 Cursos de especialização - anos 50 Pós-graduação toma forma no país - anos 60 Reforma Universitária (1968) – DEPARTAMENTO Decreto-Lei 465 (11/2/1969) - indissociabilidade entre Ensino e Pesquisa

5 OBJETIVO - formação de recursos humanos de alta qualificação para a docência no ensino superior e para a pesquisa ESTRATÉGIA - suporte de agências de fomento CAPES, CNPq, FINEP, FAPs

6 Estatísticas CAPES

7 Crescimento do no. programas e do quadro discente: (1991) para (2007) Cenário: 45% em instituições não federais n Financiamento (bolsas) - CAPES 55%, CNPq 30%, FAPs 10%

8 programas (2008)

9 Redução do tempo médio de titulação (1996 a 2001) Mestrado: 42 para 32 meses Doutorado: 59 para 51 meses Titulações: + 16% aa (98-03) + 4 % aa (após 2003) Situação atual: Doutores = 0,02% população (0,4% nos países industrializados)

10 Implantação dos Programas – 1973 Constituição da Comissão de Pós-graduação Composição departamental Características iniciais Perfil dos ingressantes e pré-requisitos Projeto pedagógico Programa de Fisiopatologia experimental – 1996 Histórico na FMUSP

11 Abertura para ingresso de graduados no ensino superior – 2002 Avaliação interna restruturação de Programas – 2005 Novo Regimento de Pós-graduação da USP – PGUSP&dequem=Senso Estrito

12 A Pós-graduação estrito senso, voltada para a geração do conhecimento, destina-se à formação de docentes e pesquisadores com amplo domínio de seu campo do saber A Pós-graduação estrito senso, voltada para a geração do conhecimento, destina-se à formação de docentes e pesquisadores com amplo domínio de seu campo do saber deve ser entendida como sistema de formação intelectual e, ao mesmo tempo, de produção de conhecimento compreende cursos de Mestrado e Doutorado Fonte: Regimento de Pós-graduação da USP, 2008

13 FMUSP FMUSP MISSÃO: FMUSP prende-se ao ensino de graduação e pós-graduação, à pesquisa e à cultura e extensão de serviços à comunidade, relacionadas à medicina, fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, dentro dos mais elevados preceitos éticos e morais. MISSÃO: FMUSP prende-se ao ensino de graduação e pós-graduação, à pesquisa e à cultura e extensão de serviços à comunidade, relacionadas à medicina, fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, dentro dos mais elevados preceitos éticos e morais. VISÃO: formar médicos com sólida formação geral, formação básica profunda, treinamento nos três níveis de atenção à saúde (primário, secundário e terciário), elevada formação ética e humanista e aptos a exercer sua profissão. VISÃO: formar médicos com sólida formação geral, formação básica profunda, treinamento nos três níveis de atenção à saúde (primário, secundário e terciário), elevada formação ética e humanista e aptos a exercer sua profissão.

14 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

15 CCPCCP Pós-Graduação da USP CCPCCPCCP LegislativoNormativoRegulador ReguladorAdministrativo OperacionalAdministrativo Conselho de Pós-Graduação CoPGr Câmaras: Avaliação Avaliação Curricular Curricular Normas e Normas eRecursos CPG CPG CPG alunos

16 27 Programas de Pós-graduação em : 4 desativados (3 reformulados – fusão) 27 Programas ativos 1 reformulação já aprovada pelo Co-PGr (reformulação de 2 programas) 2 reformulações em análise na CPG

17 Programas ativos Alergia e ImunopatologiaDoenças Infecciosas e Parasitárias Oncologia AnestesiologiaEndocrinologiaOrtopedia e Traumatologia CardiologiaFisiopatologia ExperimentalOtorrinolaringologia Ciências da Reabilitação *Gastroenterologia ClínicaPatologia Ciências Médicas Ciências Médicas *Medicina PreventivaPediatria Cirurgia do Aparelho DigestivoNefrologiaPneumologia Cirurgia Torácica e CardiovascularNeurologiaPsiquiatria Clínica CirúrgicaObstetrícia e GinecologiaRadiologia DermatologiaOftalmologiaUrologia * Áreas de concentração

18 Corpo discente – alunos

19 Estrutura da Pós-Graduação FMUSP Corpo docente – 730 orientadores

20 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

21 Normais específicas dos Programas critérios de seleção transferência de curso – Mestrado Doutorado critérios de credenciamento/recredenciamento de orientadores Oferecimento de cursos Disciplinas Exame de Qualificação

22 Cursos Oferecidos por Programas ativos

23 Bolsas de estudo CAPES-DS / CNPq / FAPESP Bolsas: 467 (168 Mestrado e 299 Doutorado) Mestrado: R$ 1.200,00 – R$ 1.287,15 Doutorado: R$ 1.800,00 – R$ 2.059,35 Total: R$ ,00

24 Aporte de recursos financeiros (milhares de reais)

25 Aporte de recursos financeiros (milhares de reais) - PROEX R$ ,00

26 Aporte de recursos financeiros - Pró-Equipamentos (CAPES) recursos ainda não liberados R$ ,94

27 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

28 Titulações

29 Divulgação de dissertações e teses Banco Digital de Teses – cobertura integralTeses Publicações científicas

30 Formação de Recursos Humanos Destino dos egressos Formação de redes de ensino e pesquisa

31 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

32 Monitoramento e avaliação Acompanhamento da CPG Comissão de Aprimoramento de Desempenho Acadêmico Grupos de Trabalho segundo Área da CAPES Avaliação externa Sistema de avaliação CAPES

33 Monitoramento e avaliação Comissão de Aprimoramento de Desempenho Acadêmico capacitação/aprimoramento da equipe administrativa de apoio aprimoramento do processo de seleção adoção do fluxo contínuo para ingresso alteração do elenco de disciplinas alteração nos critérios de credenciamento e recredenciamento de orientadores exigência de submissão de artigo científico derivado das dissertações/teses para depósito dos exemplares estímulo à internacionalização

34 – CAPES – SISTEMA de AVALIAÇÃO 1975 – CAPES – SISTEMA de AVALIAÇÃO 1998 – Revisão de critérios com validação internacional 1998 – Revisão de critérios com validação internacional –Conceitos A revisados para 4, 5, 6 e 7 –Programas 6 e 7 – inserção e atuação internacional Avaliação da Pós-graduação

35

36

37 n Introdução do Qualis - periódicos

38 n Critérios – disponíveis na internet

39

40

41

42 n Critérios - valores ponderais Produção científica – 40% Corpo docente – 20% Formação de recursos humanos – 30% Inserção social – 10%

43 Avaliação CAPES

44 Modificações adotadas para avaliação da produção científica Sistema Qualis Produção científica com autoria do corpo discente

45

46

47

48 III

49

50

51 Avaliação interna FMUSP – Objetivos Sistemática Conclusões

52 Histórico no Brasil e na FMUSP Objetivos Estrutura Processos Produtos Monitoramento e avaliação Desafios atuais para aprimoramento acadêmico Discussão

53 Planejamento Estratégico Aperfeiçoar o desempenho acadêmico restruturação de Programas proposta pedagógica fluxo discente

54 Planejamento Estratégico Aperfeiçoar o desempenho acadêmico linhas e projetos de pesquisa produção científica

55 Planejamento Estratégico Aperfeiçoar o desempenho acadêmico aprimorar interação entre grupos de pesquisa (CNPq/Direx-LIM) e Programas de Pós-graduação ampliar envolvimento de discentes de graduação e PG nos grupos de pesquisa projetos isolados abrangentes: > 1 aluno alinhamento política de pesquisa – linhas de pesquisa PG estimular a fixação de jovens doutores – PRODOC

56 Planejamento Estratégico Aprimorar instrumentos de monitoramento avaliação intra-institucional contínua com maior participação das CCP acompanhamento do processo de avaliação externa

57 Planejamento Estratégico Estimular iniciativas de internacionalização Convênios internacionais Programas de Dupla titulação (co-tutela) Programas internacionais Programas de mobilidade discente e docente Bolsas de doutorado sanduíche – fomento público e privado Estágio docente no exterior (PRPG) Professor Visitante Estrangeiro (PRPG) Escola de Altos Estudos (CAPES) Auxílio Professor Visitante (FAPESP, CNPq) Implementadas em 27% dos programas (2005-7)

58 Planejamento Estratégico Incentivar difusão do conhecimento científico gerado Publicações científicas Banco digital de teses Comunicação – divulgação científica

59 Planejamento Estratégico Aprimorar a inserção institucional e social Visibilidade - website atualizado Programas de cooperação acadêmica Minter / Dinter / PROCAD Integração Graduação – PG - Pesquisa - Extensão

60 Aspectos positivos Maior envolvimento institucional solidariedade Ampliação da base sustentabilidade Aporte significativo de recursos Incremento de qualidade no desempenho acadêmico Produção científica expressiva Maior visibilidade – USP, CAPES

61 Diretoria Comissão de Pós-graduação Comissões Coordenadoras de Programas Diretoria Executiva – Gerência de Tecnologia da Informação Serviço de Pós-graduação

62 Pós-graduação - FMUSP

63

64 ITENS * CRITÉRIOS 1. Coerência, consistência, abrangência e atualização das áreas de concentração, linhas de pesquisa e projetos em andamento (pesquisa, desenvolvimento e extensão). Análise qualitativa Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade dos Projetos com as respectivas Linhas de Pesquisa; Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade dos Projetos com as respectivas Linhas de Pesquisa; Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade das Linhas de Pesquisa com as respectivas Áreas de Conc. Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade das Linhas de Pesquisa com as respectivas Áreas de Conc. 2. Coerência, consistência e abrangência da estrutura curricular. Análise qualitativa Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade das disciplinas oferecidas em relação às Linhas de Pesquisa e Áreas de Concentração; Avaliar a adequação, a coerência e a quantidade das disciplinas oferecidas em relação às Linhas de Pesquisa e Áreas de Concentração; Avaliar a consistência das ementas, assim como a coerência e a atualização das respectivas bibliografias. Avaliar a consistência das ementas, assim como a coerência e a atualização das respectivas bibliografias. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

65 ITENS * CRITÉRIOS 3. Infra-estrutura para ensino, pesquisa e extensão. Análise qualitativa Avaliar a existência, a adequação e a suficiência de: Laboratórios com condições para a realização das dissertações e teses; Laboratórios com condições para a realização das dissertações e teses; Biblioteca que permita o acesso rápido às informações, com ênfase nos periódicos; Biblioteca que permita o acesso rápido às informações, com ênfase nos periódicos; Recursos de informática disponíveis para alunos e docentes; Recursos de informática disponíveis para alunos e docentes; Recursos próprios para a realização de suas atividades, bem como a capacidade de captação de recursos para o desenvolvimento para as atividades de pesquisa. Recursos próprios para a realização de suas atividades, bem como a capacidade de captação de recursos para o desenvolvimento para as atividades de pesquisa. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente.

66 ITENS CRITÉRIOS * 1. Formação (titulação, diversificação na origem de formação, aprimoramento e experiência) Peso = 10% Análise Qualitativa Verificar se todo o corpo docente é composto por doutores; Verificar se todo o corpo docente é composto por doutores; Avaliar se as áreas e a diversificação da formação do corpo docente é adequada e não endógena; Avaliar se as áreas e a diversificação da formação do corpo docente é adequada e não endógena; Avaliar o nível de experiência do corpo docente, inclusive sua projeção nacional e internacional; Avaliar o nível de experiência do corpo docente, inclusive sua projeção nacional e internacional; Avaliar se o corpo docente tem atraído alunos para estágios pós-doutorais. Avaliar se o corpo docente tem atraído alunos para estágios pós-doutorais. Referencial para análise Quantitativa Bolsa Produtividade (será considerado um bônus para o programa) Bolsa Produtividade (será considerado um bônus para o programa) MB = 30%, B = 20% a 29%, R = 10% a 19% Percentual de docentes nas condições de visitantes em outras IES nacionais e internacionais, de consultores técnico- científicos de instituições públicas, privadas e órgãos de fomento; de pareceristas, corpo editorial e editor de periódicos especializados nacionais e internacionais: Percentual de docentes nas condições de visitantes em outras IES nacionais e internacionais, de consultores técnico- científicos de instituições públicas, privadas e órgãos de fomento; de pareceristas, corpo editorial e editor de periódicos especializados nacionais e internacionais: MB = 50% ou mais; B = %; R = %; MB = 50% ou mais; B = %; R = %; F = 10% -19%; D = menos de 10%. F = 10% -19%; D = menos de 10%. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

67 ITENS CRITÉRIOS * 2. Adequação da dimensão, composição (experiência acadêmico-científica) e dedicação dos DOCENTES PERMANENTES para o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e orientação do programa. Peso = 20% Análise qualitativa Avaliar o tipo e o nível de atuação do corpo docente permanente nas atividades de ensino, de pesquisa, de orientação, de publicação e de formação de mestres e doutores (adequar os critérios quantitativos em relação aos novos docentes permanentes – aqueles que atuam há menos de três anos no Programa) Avaliar o tipo e o nível de atuação do corpo docente permanente nas atividades de ensino, de pesquisa, de orientação, de publicação e de formação de mestres e doutores (adequar os critérios quantitativos em relação aos novos docentes permanentes – aqueles que atuam há menos de três anos no Programa) Referencial para análise quantitativa Proporção de docentes permanentes com atividades de ensino, pesquisa, de orientação e formação de mestres e doutores: Proporção de docentes permanentes com atividades de ensino, pesquisa, de orientação e formação de mestres e doutores: MB – 80 % ou mais; B – 70 a 79 %; R – 60 a 69 %; F – 50 a 59 % D – menos de 50 %. DAR ENFASE MAIOR NA ORIENTAÇÃO E PARTICIPAÇÃO EM LINHAS E PROJETOS DE PESQUISA. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

68 ITENS CRITÉRIOS * 3. Perfil, compatibilidade e integração do corpo docente permanente com a Proposta do Programa (especialidade, adequação em relação à proposta do programa e ao corpo discente). Peso = 20% Análise qualitativa Avaliar a estabilidade do corpo docente permanente, considerando o impacto gerado nas atividades de ensino, de pesquisa e de orientação em função das possíveis reduções, incorporações e substituições de docentes. Avaliar a estabilidade do corpo docente permanente, considerando o impacto gerado nas atividades de ensino, de pesquisa e de orientação em função das possíveis reduções, incorporações e substituições de docentes. Avaliar a adequação do percentual de docentes permanentes em tempo integral e com vínculo institucional (60% dos permanentes) Avaliar a adequação do percentual de docentes permanentes em tempo integral e com vínculo institucional (60% dos permanentes) Avaliar se a dinâmica do Programa revela dependência da atuação de docentes visitantes e colaboradores (Não há limite para o número de docentes colaboradores ou visitantes, desde que a parcela majoritária das atividades de ensino, pesquisa e orientações esteja a cargo de docentes permanentes.) Avaliar se as áreas de formação acadêmica dos docentes permanentes são adequadas à Proposta do Programa (AC, LP e PP); Avaliar se as áreas de formação acadêmica dos docentes permanentes são adequadas à Proposta do Programa (AC, LP e PP); * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

69 ITENS CRITÉRIOS * 4. Atividade docente e distribuição de carga letiva entre os docentes permanentes Peso = 10% Análise qualitativa Avaliar se há distribuição eqüitativa de oferta das Avaliar se há distribuição eqüitativa de oferta das disciplinas que compõem a estrutura curricular do disciplinas que compõem a estrutura curricular do Programa pelos docentes permanentes. Programa pelos docentes permanentes. 5. Participação dos docentes nas atividades de ensino e pesquisa na GRADUAÇÃO, quando pertinente, com particular atenção à repercussão que este item pode ter na formação de futuros ingressantes na PG Peso = 20% Análise qualitativa Avaliar o nível de envolvimento do corpo docente com atividades de ensino, iniciação científica e orientação de trabalho de conclusão de curso em nível de graduação. Avaliar o nível de envolvimento do corpo docente com atividades de ensino, iniciação científica e orientação de trabalho de conclusão de curso em nível de graduação. Obs: a inserção de estudantes de Iniciação Científica no Programa será muito valorizada. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

70 ITENS CRITÉRIOS * 6. Participação em pesquisa e desenvolvimento de projetos Peso = 20% Análise qualitativa Avaliar capacidade do corpo docente do Programa captar recursos financeiros (agências de fomento à pesquisa; instituições pública e privada; indústrias ou similares) para a execução de projetos de pesquisa e de desenvolvimento. Avaliar capacidade do corpo docente do Programa captar recursos financeiros (agências de fomento à pesquisa; instituições pública e privada; indústrias ou similares) para a execução de projetos de pesquisa e de desenvolvimento. Descrição dos projetos, fonte financiadora e valores obtidos durante o período da avaliação. Descrição dos projetos, fonte financiadora e valores obtidos durante o período da avaliação. Obs: será também valorizada a captação de recursos que não sejam destinados especificamente para os programas de pós-graduação. Obs: será também valorizada a captação de recursos que não sejam destinados especificamente para os programas de pós-graduação. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente.

71 ITENS CRITÉRIOS * 1. Número de orientações de teses e dissertações concluídas no período de avaliação em relação ao corpo docente permanente e à dimensão do corpo discente. Peso = 15% Análise qualitativa Avaliar a proporção de teses e dissertações concluídas em relação ao corpo docente permanente (adequar os critérios quantitativos em relação aos novos docentes permanentes – aqueles que atuam há menos de três anos no Programa); Avaliar a proporção de teses e dissertações concluídas em relação ao corpo docente permanente (adequar os critérios quantitativos em relação aos novos docentes permanentes – aqueles que atuam há menos de três anos no Programa); Avaliar a proporção de titulações em relação à dimensão do corpo discente. Avaliar a proporção de titulações em relação à dimensão do corpo discente. Referenciais para análise Quantitativa: Proporção de docentes permanentes com alunos titulados no triênio: Proporção de docentes permanentes com alunos titulados no triênio: MB – 80% ou mais; B – 60% a 79%; R – 40 a 59%; F/D – menos de 39%; Proporção de alunos titulados em relação à dimensão do corpo discente: Proporção de alunos titulados em relação à dimensão do corpo discente: MB – 30 % ou mais; B %; R %; F - 15 a 19%; D – menos de 15% MB – 30 % ou mais; B %; R %; F - 15 a 19%; D – menos de 15% * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont. OBS: Os itens deste quesito devem ser considerados separadamente para Mestrado e Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma nota e atributo únicos.

72 ITENS CRITÉRIOS * 2. Adequação e compatibilidade da relação orientador / discente Peso = 15% Análise qualitativa Avaliar a proporção entre o número de orientandos e o número de orientadores, bem como a distribuição eqüitativa (incluir os orientandos de outros Programas da mesma IES e de outras IES). Avaliar a proporção entre o número de orientandos e o número de orientadores, bem como a distribuição eqüitativa (incluir os orientandos de outros Programas da mesma IES e de outras IES). Observações: Observações: A Grande Área de Saúde considera desejável que, em média, o programa contemple 5 orientandos por orientador. A Grande Área de Saúde considera desejável que, em média, o programa contemple 5 orientandos por orientador. O número de orientandos deve ser compatível com a experiência, produção intelectual e disponibilidade do orientador. O número de orientandos deve ser compatível com a experiência, produção intelectual e disponibilidade do orientador. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont. OBS: Os itens deste quesito devem ser considerados separadamente para Mestrado e Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma nota e atributo únicos.

73 ITENS CRITÉRIOS * 3. Participação de discentes autores da pós-graduação e, quando pertinente, da graduação, na produção científica do programa Peso = 30% Análise qualitativa Avaliar a proporção de discentes e egressos autores com publicações em relação à dimensão do corpo discente. Avaliar a proporção de discentes e egressos autores com publicações em relação à dimensão do corpo discente. Referenciais para análise Quantitativa: Referenciais para análise Quantitativa: Proporção entre o número de publicações completas e qualificadas com autoria ou co-autoria de discentes e egressos no triênio e o número de teses e dissertações concluídas no triênio - INDICE Proporção entre o número de publicações completas e qualificadas com autoria ou co-autoria de discentes e egressos no triênio e o número de teses e dissertações concluídas no triênio - INDICE no. de publicações com autoria discente no triênio no. de publicações com autoria discente no triênio no. de teses e dissertações concluídas no triênio no. de teses e dissertações concluídas no triênio MB – 30% ou mais; B – 25% a 29%; R – 20% a 24%; F – 15% a 19%; D – menos de 15%. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont. OBS: Os itens deste quesito devem ser considerados separadamente para Mestrado e Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma nota e atributo únicos.

74 ITENS CRITÉRIOS * 4. Qualidade das Teses e Dissertações: Teses e Dissertações vinculadas a publicações. Peso = 30% Análise qualitativa, realizada conjuntamente com o item 3. Analisar a qualificação dos veículos em que ocorreram as publicações vinculadas às teses e dissertações concluídas Analisar a qualificação dos veículos em que ocorreram as publicações vinculadas às teses e dissertações concluídas 5. Qualidade das Teses e Dissertações: Outros Indicadores. Peso =3 0% * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. OBS: Os itens deste quesito devem ser considerados separadamente para Mestrado e Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma nota e atributo únicos.

75 ITENS CRITÉRIOS * 6. Eficiência do Programa na formação de mestres e doutores: Tempo de formação de Mestres e doutores e percentual de bolsistas da Capes e do CNPq titulados Peso = 10% Análise Qualitativa Avaliar: Avaliar: o tempo médio de titulação de bolsistas e não- bolsistas em nível de mestrado e do doutorado; o tempo médio de titulação de bolsistas e não- bolsistas em nível de mestrado e do doutorado; a existência de bolsas de doutorado sanduíche; a existência de bolsas de doutorado sanduíche; Referenciais para análise Quantitativa (somente bolsistas): Mestrado Mestrado MB – até 24 meses, B – de 25 a 30 meses, R – de 31 a 36 meses, F – de 37 a 42 meses, D – acima de 43 meses Doutorado Doutorado MB – até 48 meses, B – de 49 a 54 meses, R – de 55 a 60 meses, F – de 61 a 66 meses, D – acima de 67 meses * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. OBS: Os itens deste quesito devem ser considerados separadamente para Mestrado e Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma nota e atributo únicos.

76 ITENS CRITÉRIOS * 1. Número de publicações qualificadas do Programa por docente permanente. Peso = 50% Referencial para análise quantitativa: Referencial para análise quantitativa: O NÚMERO TOTAL de publicações do programa no triênio (cada produção deve ser contabilizada apenas uma vez no programa, mesmo que tenha a autoria de mais de um docente) deve corresponder aos mínimos abaixo explicitados, considerando- se 80% dos docentes permanentes: CONCEITO EXCELENTE(7): 6 ou mais artigos em Qualis Internac A ou B, sendo que pelo menos 3 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO EXCELENTE(7): 6 ou mais artigos em Qualis Internac A ou B, sendo que pelo menos 3 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO EXCELENTE(6): 4 ou mais artigos em Qualis Intern A ou B, sendo que pelo menos 2 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO EXCELENTE(6): 4 ou mais artigos em Qualis Intern A ou B, sendo que pelo menos 2 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO: MUITO BOM (5): 3 ou mais artigos em periódicos classificados como Qualis Internacional C ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em Qualis Internacional A ou B. CONCEITO: MUITO BOM (5): 3 ou mais artigos em periódicos classificados como Qualis Internacional C ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em Qualis Internacional A ou B. CONCEITO BOM (4): 3 ou mais artigos em Qualis Nacional A ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em Qualis Internacional C ou superior. CONCEITO BOM (4): 3 ou mais artigos em Qualis Nacional A ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em Qualis Internacional C ou superior. CONCEITO REGULAR (3): 3 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior, sendo pelo menos 0,5 em Qualis Intern C ou superior. CONCEITO REGULAR (3): 3 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior, sendo pelo menos 0,5 em Qualis Intern C ou superior. CONCEITO FRACO (2): 2 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior. CONCEITO FRACO (2): 2 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior. CONCEITO DEFICIENTE: as demais situações. CONCEITO DEFICIENTE: as demais situações. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

77 ITENS CRITÉRIOS * 2. Distribuição de publicações qualificadas em relação ao corpo docente do Programa. Peso = 40% Referencial para análise quantitativa: Deve ser atingida A PROPORÇÃO de 80% dos docentes permanentes do programa no triênio com as autorias abaixo qualificadas (considera-se autoria, o número de publicações do docente em questão, independentemente se a publicação tem a participação de outros docentes, discentes ou outros participantes): CONCEITO EXCELENTE(7): 6 ou mais artigos em Qualis Int. A ou B, sendo que pelo menos 3 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO EXCELENTE(6): 4 ou mais artigos em Qualis Int. A ou B, sendo que pelo menos 2 o sejam em Qualis Internacional A. CONCEITO: MUITO BOM (5): 3 ou mais artigos em periódicos classificados como Qualis Internacional C ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em Qualis Internacional A ou B. CONCEITO BOM (4): 3 ou mais artigo sem Qualis Nacional A ou superior, sendo pelo menos 1 em Qualis Int. C ou superior. CONCEITO REGULAR (3): 3 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior, sendo pelo menos 0,5 em Qualis Int. C ou superior. CONCEITO FRACO (2): 2 ou mais artigos em Qualis Nacional B ou superior. CONCEITO DEFICIENTE: as demais situações. * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

78 ITENS CRITÉRIOS * 3. Outras produções consideradas relevantes, à exceção da artística (produção, técnica, patentes, produtos etc.) Peso = 10% Análise qualitativa Avaliar a participação do corpo docente permanente nos diferentes tipos de produção técnica. 4. Produção artística, nas áreas em que for pertinente Peso = 0% * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.

79 ITENS CRITÉRIOS * 1. INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DO PROGRAMA Análise Qualitativa Avaliar a inserção do Programa no contexto regional, nacional e internacional, observando suas atividades de extensão, convênios com entidades públicas e privadas. Avaliar a inserção do Programa no contexto regional, nacional e internacional, observando suas atividades de extensão, convênios com entidades públicas e privadas. 2. VISIBILIDADE: a) Página WEB e b) Acesso a Teses e Dissertações Análise Qualitativa Avaliar analisando as páginas WEB e as facilidades de acesso às bases on-line de teses e dissertações Avaliar analisando as páginas WEB e as facilidades de acesso às bases on-line de teses e dissertações * Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente. Cont.


Carregar ppt "Comissão de Pós-graduação – FMUSP Janeiro - 2010."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google