A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência e excessos nutricionais Molibdênio

2 Mo Fatores que afetam a disponibilidade no solo: M.O. Pobreza no solo pH Mo Introdução

3 Fatores que afetam a disponibilidade no solo Introdução

4

5 Pré-absorção de Mo Absorção, transporte e redistribuição

6 Elemento Quantidade necessária para uma colheita de 9 t ha -1 kg ha -1 fornecidos por Intercepta- ção Fluxo de massa Difusão Mo0,01 0, % 0, % 0 Absorção, transporte e redistribuição Contato: Mo-Raiz

7 Formas absorvidas: pH (>5): MoO 4 -2 e pH (<5): HMoO 4 - Absorção, transporte e redistribuição

8 Transporte MoO 4 2- (conc. no xilema: 0,5-4 µM); Absorção, transporte e redistribuição

9 Redistribuição Mo: n.d. (conc. no floema: 0,1 µM); Absorção, transporte e redistribuição

10 METABOLISMO: Molibdênio Função Processos Sintomas Fix. Biológica de N Inibição nitrogenase Def. N (leg.) Clorose (folhas velhas) Assimilação do nitrato Inib. da nitrato Acúmulo nitrato redutase Necrose (folhas velhas) Síntese proteínas Inib. da formação do cloroplastos Clorose (folhas novas) Inib. do crescimento Deformação folha Ponta de chicote ( folhas novas) Localização dos sintomas Folhas Novas Folhas velhas (legum. def. N) Retranslocação limitada (? de Mo até a senescência Metabolismo

11 Figura. Produção de matéria seca e conteúdo de Mo e N nítrico em plantas de milho aos 18 dias após a germinação, cultivado sob diferentes níveis de Mo no solo. Metabolismo

12 Exigências de molibdênio das principais culturas (Malavolta et al., 1997) Exigências nutricionais

13 Exigências de molibdênio das principais culturas (Malavolta et al., 1997) Exigências nutricionais

14 Sintomas de deficiência Devido à restrita mobilidade nas plantas, os sintomas de deficiência de Mo descritos em algumas espécies ocorrem em folhas novas e em outras em folhas velhas. Em geral, ocorre uma clorose internerval, semelhante à deficiência de Mn, em que as margens das folhas tendem a curvar-se para cima ou para baixo. Sintomatologia

15 Sintomas de excesso A toxicidade de molibdênio em culturas não é comum sendo encontrada apenas quando se verificam teores muito altos. Deve-se considerar que a toxicidade de Mo pode resultar em clorose internerval das folhas, semelhante à deficiência de Fe, e as folhas novas podem ficar distorcidas. Sintomatologia

16 Deficiência de molibdênio em citros Sintomatologia

17 Deficiência de molibdênio em cana-de-açúcar Sintomatologia

18 Deficiência de molibdênio em soja Sintomatologia

19 Deficiência de molibdênio em Amendoim

20 Deficiência de molibdênio em Beterraba

21 Deficiência de molibdênio em Couve

22

23 Deficiência de molibdênio em Couve-flor

24 Deficiência de molibdênio em Cebola

25 Deficiência de molibdênio em Alfafa

26 Deficiência de molibdênio em Poinsettia (bico de papagaio)

27 Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência e excessos nutricionais Cloro

28 Mn, Cu, Fe, Mo,Cl Fatores que afetam a disponibilidade no solo: M.O. Pobreza no solo pH Cl Introdução

29 Fatores que afetam a disponibilidade no solo Introdução

30

31 Pré-absorção de Cl Caminhamento da solução do solo para a superfície da raiz Absorção, transporte e redistribuição

32 Formas absorvidas: Cl - Absorção, transporte e redistribuição

33 Transporte Cl - (conc. no xilema: µM); Absorção, transporte e redistribuição

34 Redistribuição Cl - (conc. no floema: µM); Absorção, transporte e redistribuição

35 Cl- mobilidade intermediária no floema (Depende da planta) Alta mobibilidade.= soja/feijão/arroz/tomate/alface/repolho, beterraba; Baixa mobilidade: milho/abobrinha Absorção, transporte e redistribuição

36 O Cl - atua como cofator de uma enzima contendo Mn a qual catalisa a fotólise da água c/ a liberação de O 2. Ativador enzimático: ATPase (tonoplasto) Metabolismo

37 Outras funções: ** estímulo na ATPase (mantém pH citop.>7), localizada no tonoplasto; · ** inibição da síntese ou degradação de proteínas, visto que em plantas deficientes em Cl, tem-se aumento de aminoácidos e amidas; · ** estímulo na síntese de asparagina (sintetase da asparagina) e ativando outras enzimas (ATPases; pirofosfatases, atuam no metabolismo do N. Metabolismo

38 Redução de doenças: Milho: Podridão do colmo Arroz: podridão do caule Batata: coração ôco; Trigo (primavera): podridão da raiz Metabolismo

39 Cl & Produção (em solo c/ patógenos - podridão de raiz) Metabolismo

40 Tabela. Exigências de cloro das principais culturas (Malavolta et al., 1997). Exigências nutricionais

41 Tabela. Marcha de absorção (cumulativa) de cloro na soja (cv. Santa Rosa) em solução nutritiva (Bataglia & Mascarenhas, 1977). Exigências nutricionais

42 Deficiência de Cl Dependendo da planta, os sintomas de deficiência aparecem primeiro nas folhas mais velhas (tomateiro, alface, repolho, beterraba) ou nas mais novas (milho, abobrinha): murchamento, clorose, bronzeamento e deformação da folha que toma aspecto de taça cupping. As raízes também se desenvolvem menos. Sintomatologia Não existe problemas de deficiências de Cl em culturas: Para exercer suas funções as plantas exigem 100 g kg -1, e freqüentemente apresenta 20 a 200 vezes mais, indicando de que o Cl, ao contrário do que acontece com outros micros, não é tóxico qdo em conc. relativamente altas (Malavolta et al., 1997)

43 Deficiência de Cl em trigo Sintomatologia

44 Deficiência de Cl em tomate

45 Excesso de Cl As culturas normalmente apresentam certa tolerância a altas concentrações de Cl, apresentando grandes diferenças genotípicas, sendo que na soja as plantas sensíveis (Paraná) acumulam grande quantidade do elemento ( mg kg -1 ), enquanto as tolerantes, com mecanismos de exclusão de Cl, apresentam teores foliares bem menores ( mg Cl por kg de matéria seca). Sintomatologia


Carregar ppt "Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google