A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ana Carolina Lopes Rendeiro Marlúcia Bonifácio Martins Alexandre Bonaldo Alexandre Aleixo Ana Lucia Prudente Maria Cristina dos Santos-Costa Maria Cristina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ana Carolina Lopes Rendeiro Marlúcia Bonifácio Martins Alexandre Bonaldo Alexandre Aleixo Ana Lucia Prudente Maria Cristina dos Santos-Costa Maria Cristina."— Transcrição da apresentação:

1 Ana Carolina Lopes Rendeiro Marlúcia Bonifácio Martins Alexandre Bonaldo Alexandre Aleixo Ana Lucia Prudente Maria Cristina dos Santos-Costa Maria Cristina Esposito Fernando da Silva Carvalho Filho COMPARAÇÃO DA DINÂMICA DE RECOLONIZAÇÃO DA FAUNA EM CLAREIRAS DE REGENERAÇÃO NATURAL E REFLORESTADAS

2 Introdução Noventa por cento das espécies vegetais possuem flores polinizadas por animais Os animais são indispensáveis na dispersão de sementese são participantes fundamentais nos processos de disponibilização de nutrientes para as plantas. Por sua vez, alem da produção primaria, a estrutura da vegetação oferece o principal componente de habitat para os animais. A perturbação do habitat, a partir da retirada da cobertura vegetal, produz alterações na diversidade e densidade dos animais. Qual o impacto das clareiras do Urucu sobre a fauna?

3 Objetivo Geral Comparar a fauna em clareiras de regeneração natural e reflorestada Objetivos específicos Identificar o padrão de uso do habitat das espécies dos grupos alvo. Avaliar a ocorrência de elementos exógenos (espécies invasoras) dentro de cada grupo (aves, aranhas, insetos saprófitos e répteis. Identificar o padrão de diversidade das espécies nas clareiras antropicas e floresta adjacente.

4 Material e Métodos Área de Estudo Mapa da localização da Base do Urucu, no Estado do Amazonas

5 Material e Métodos Grupos faunísticos e seus respectivos sítios e métodos de coleta.

6 NAT E MAT LUC JAZ Esquema de distribuição dos sítios de coleta nos Poços (LUC), Jazidas (JAZ), Clareiras Naturais (NAT) e Mata (MAT) em Urucu. Material e Métodos

7 Foto: Bonaldo Foto: Foto: Pereira Foto: Costa Foto: Santos-Costa

8 Abundância clareiras antrópicas – dobro em relação a mata Resultados e Discussão- Uso do habitat Mata – 1834 individuos Clareiras antrópicas – 2803 individuos Ambientes/gruposAranhasAvesDípterosRépteis Mata Clareiras antrópicas Total de espécies Riqueza de espécies entre os ambientes

9 Resultados e Discussão- Uso de habitat Número de espécies exclusivas de floresta total Aranhas 136 espécies (36%) Aves 39 espécies (28%) Dípteros saprófagos 14 espécies(28%) Répteis 9 espécies (23%) 198 espécies (32%)

10 Resultados e Discussão- Elementos exógenos Aves e aranhas não apresentaram espécies exóticas Dípteros saprófagos apresentaram maior nº de espécies exóticas África Sudeste da região paleártica Espécies invasoras: M. domestica Foto: Chrysomya albiceps (clareira antropica) Chrysomya megacephala (mata) Musca domestica (ambos) (Guimarães, Prado & Buralli, 1979) (Krafsur et al., 2005)

11 Resultados e Discussão- elementos exógenos Drosophila malerkotliana (ambos) * Drosophila ananassae (ambos)* Drosophila melanogaster (ambos)* * Predominância nas clareiras antrópicas África, ampla distribuição na América do Norte e Sul (Bock & Parsons, 1978) Ásia (Bock & Parsons, 1978) Scaptodrosophila latisfaciaeformis (exclusivo em clareiras antrópicas) Espécies invasoras: D. malerkotliana Foto: Joana Costa ausência de Zaprionus indianus – invasora recente na A. sul de origem africana

12 Répteis - Hemidactylus mabouia (alojamento) África (com distribuição no Sul da Ásia, Europa, Oceania e América Ávila- Pires, 1995) Foto: Resultados e Discussão- elementos exógenos Espécies invasoras:

13 Índices de diversidade Resultados e Discussão- Diversidade Valores médios dos índices de diversidade e valor da probabilidade do teste T de Student. AranhasAvesDrosofilídeos Indices de diversidadenaturalantrópicopnaturalantrópicopnaturalantrópicop Shannon H´ Log Base 104,313,980,083,623,610,941,321,150,25 Simpson Diversity (1/D)93,0534,820,04*46,2846,870,973,423,920,34 Equitabilidade1,061,140,151,071,060,440,740,900,02* Dominância de Berger- parker0,070,15 0,08 0,830,440,500,28

14 Resultados e Discussão- Diversidade Percentual de espécies raras e índice de similaridade de Jaccard, excluídas as espécies únicas. Índices AranhasAvesDípterosRépteis ClareiraMataClareiraMataClareiraMataClareiraMata % Espécies Raras (ate 5 individuos)0,800,790,700,650,530,280,620,86 Similaridade de Jaccard0,540,520,840,11 Espécies raras e Similaridade Necessidade de intensificar os inventários

15 Considerações finais Cerca de 30% da fauna estudada pode ser seriamente afetada pela alteração dos habitats de floresta na região do Urucu. Ambientes estudados de Urucu ainda apresentam pouca influência de espécies exóticas. Provavelmente a matriz florestal ainda intacta serve como barreira para expansão destas espécies. A diversidade não sofreu alteração em função da modificação do habitat mas sim a composição de espécies. Para uma avaliação das alterações na biodiversidade por efeitos de modificação do habitat é necessário o acompanhamento das flutuações de abundância das populações nos diferentes tipos de ambientes em uma avaliação a longo prazo, com intensificação dos inventários e acompanhamento da dinâmica temporal.

16 Muito Obrigada !!!


Carregar ppt "Ana Carolina Lopes Rendeiro Marlúcia Bonifácio Martins Alexandre Bonaldo Alexandre Aleixo Ana Lucia Prudente Maria Cristina dos Santos-Costa Maria Cristina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google