A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SURTOS DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enf. Ana Paula Coutinho Comissão de Epidemiologia Hospitalar HSP/UNIFESP

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SURTOS DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enf. Ana Paula Coutinho Comissão de Epidemiologia Hospitalar HSP/UNIFESP"— Transcrição da apresentação:

1 SURTOS DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enf. Ana Paula Coutinho Comissão de Epidemiologia Hospitalar HSP/UNIFESP

2 Troque o R por S

3

4 Considerações detecção precoce e controle de surtos hospitalares 1/3 das IH são preveníveis EUA: 6% IH freqüência estimada 1: admissões Constanze W - Epidemics: Identification and management. In: Wenzel, R.P.: Prevention and Control of Nosocomial Infections. 2. ed. Williams & Wilkins, Baltimore, ,1997 Haley RW - The efficacy of infection surveillance and control programs in preventing in nosocomial infectious in US hospitals : In: Am J Epidemiol 1985;121:

5 Considerações populações maior risco de IH submetidas a procedimentos invasivos imunodeprimidos incluindo neonatos idosos pacientes transplantados pacientes de UTI Dixon RE - Investigation of endemic and epidemic nosocomial infections. In: Bennett JV : Hospital Infections. 3.ed Little, Brown, Boston, , 1997

6 Considerações estudo durante um ano 07 hospitais 08 casos de epidemias hospitalares confirmadas utilizando algoritmos de vigilância Aproximadamente 2% dos pacientes com IH foram infectados a partir de uma epidemia hospitalar Dixon RE - Investigation of endemic and epidemic nosocomial infections. In: Bennett JV : Hospital Infections. 3.ed Little, Brown, Boston, , 1997

7 Considerações 40% dos casos de epidemias aparentemente se resolvem de modo espontâneo 60% dos casos por vezes continuam até que medidas de controle sejam instaladas. 25% de epidemias que continuam são controladas por medidas instaladas pela CCIH 25% de epidemia só serão controladas após medidas sugeridas por investigadores de outros serviços Dixon RE - Investigation of endemic and epidemic nosocomial infections. In: Bennett JV : Hospital Infections. 3.ed Little, Brown, Boston, , 1997

8 TRANSMISSÃO RESERVATÓRIO COLONIZAÇÃO INFECÇÃO CARGA INFECTANTE CARGA INFECTANTE MEIOS DE TRANSMISSÃO MEIOS DE TRANSMISSÃO TRATAMENTO RESULTADO ATUAÇÃO

9 Identificação fonte comum

10 Identificação progressiva

11 Principais agentes e fontes Staphylococcus aureus OXA R e/ou Glicopeptídeo pacientes e profissionais colonizados (narinas) transmissão ambiental pouco importante (mobiliários, água) ANDERSEN BM. J Hosp Infect. 50(1):18-24, CARRIER M. J Thorac Cardiovasc Surg., 123(1):40-4, 2002.

12 Principais agentes e fontes Pseudomonas aeruginosa S ou R carbapenêmicos contaminação anti-sépticos (PVPI,clorexidina) circuitos respiratórios termômetros colchões JARVIS, W.R. Am. Med., 91(3b): 101s-106,1991

13 Principais agentes e fontes Enterococcus spp. resistentes a glicopeptídeos pacientes colonização intestinal contaminação ambiental equipamentos (termômetro) FALK PS Infect Control Hosp Epidemiol., 21(9):575-82, BADDOUR LM Clin Infect Dis., 28(6):1333-4, 1999

14 Principais agentes e fontes Mycobacterium tuberculosis S ou R tuberculostáticos profissionais/ pacientes com doença bacilífera abscesso com drenagem broncoscópio contaminado JEREB, J.A. J. Infect. Dis., 168: ,1993

15 Principais agentes e fontes Candida spp. nutrição parenteral fluidos de infusão pseudosurto CVC LEVIN AS Diag. Microbiol. Infect. Dis. 30: , 1998 FEBRE, N Rev. Iberoamericana Micol., 16:59-60, 1999

16 Principais agentes e fontes Coronavírus (SARS) e Influenzae profissionais/pacientes com infecção transmissão através de secreções respiratórias PEIRIS JS Lancet., 24;361(9371): , TWU SJ Emerg Infect Dis, 9(6):718-20, 2003.

17 SURTOS DE INFECÇÕES GASTRINTESTINAIS Patógenos mais frequentes: Rotavirus, E.coli, Salmonella, Clostridium dificille,Y.enterocolytica Forma de transmissão: contato direto: mãos,fecal-oral contato indireto: fômites e alimentos (dieta oral e enteral) Reservatórios: pacientes e profissionais de saúde

18 A nosocomial outbreak of Salmonella enteritidis associated with lyophilized enteral nutrition. Matsuoka DM, et al J Hosp Infect (2): /12/1999 a 28/01/ amostra de nutrição enteral positiva Salmonella enteritidis Durante as 06 semanas subseqüentes 08 casos Dados dos pacientes 08 pacientes todos com nutrição enteral 100% diarréia Idade: 19 – 79 anos 02 hemoculturas positivas 03 pacientes morreram

19 A nosocomial outbreak of Salmonella enteritidis associated with lyophilized enteral nutrition. Matsuoka DM, et al J Hosp Infect Oct;58(2): Profissionais da nutrição Assintomáticos e culturas negativas Uso de EPI Boas práticas de CIH Amostras do ambiente e água negativas Dieta: Albumina liofilizada (ovo) PFGE

20 SURTOS DE INFECÇÕES GASTRINTESTINAIS Medidas de controle: Reforçar a lavagem das mãos e uso de luvas; Coorte de pacientes infectados; Manusear pouco as roupas; Manuseio e preparo adequado de dietas; Monitorização da água; Desinfecção de superfícies

21 SURTOS DE INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS VIRAIS Patógenos mais frequentes: RSV, Influenza, Adenovirus Forma de transmissão: Contato direto: mãos (auto- inoculação), gotículas, aerossóis Reservatórios: pacientes e profissionais de saúde

22 Descrição de Casos de Infecção Respiratória por Vírus Sincicial Respiratório em um Berçário de um Hospital Terciário XII Congresso Brasileiro de Infectologia. Rio de Janeiro, 2001 Coutinho, A. P.; Abramczyk, M.L.; Santos, A.M.N; Miyoshi, M.H.;. Nascimento, S.D.; Medeiros, E.A.S. Hospital São Paulo Universidade Federal de São Paulo/ UNIFESP Universidade Federal de São Paulo/ UNIFESP.

23 Ocorreram no período de 13 de junho a 3 de julho de 2001 um total de 13 casos de VSR em pacientes neonatos hospitalizados no Berçário do HSP. Implantação das medidas de prevenção e controle

24 SURTOS DE INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS VIRAIS Medidas de controle: Reforçar a lavagem das mãos e uso de luvas; Coorte de pacientes infectados; Desinfecção de superfícies; Vacina Influenza p/ pacientes de risco: doença cardíaca e pulmonar crônica, diabéticos e uso prolongado aspirina; Amantadine (Influenza )

25 E foram felizes para sempre..... Vou ser fiel !!! CCIH PAS

26 Síndrome Respiratória Aguda Grave

27

28 Impacto Psicológico e Ocupacional de um surto de SARS em um Hospital Escola Período 4 semanas 7 de março (1º caso de SARS) Agente causador não definido Definição de caso suspeito ? Após 13 de março (até 10/abril) CMAJ May 13, 2003; 168 (10) 19 pacientes SARS (suspeitos) 11 PAS 5 enfermeiras 4 médicos 2 outros

29 Impacto Psicológico e Ocupacional de um surto de SARS em um Hospital Escola Condutas adotadas Informação Centralizada (diretoria e serviços relacionados) Disponibilizada PAS (boletins, mensagens eletrônicas) Resultados Fase I (Pré-informação) Baixa aderência as medidas de precauções orientadas –Causa: dúvidas ? (agente, modo de transmissão e efetividade das medidas) Fase II (Informação) Unidades que recebiam pacientes com SARS –Informações claras e objetivas (repetidas) –Reuniões científicas –Provisão de EPIs adequados CMAJ May 13, 2003; 168 (10)

30 SURTOS DE INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS BACTERIANAS Patógenos mais frequentes: Klebsiella sp, Pseudomonas sp, outros BGN Forma de transmissão: Aspiração (colonização TGI); Cont. indireto: equipamentos Reservatórios: pacientes; água de umidificadores; condensado Controle: desinfecção

31 Equipamentos

32 Costa MLM, Cardo DM, Ferrari AP – GED, 16 (2) – Mar/Abr, Limpeza manual do endoscópio antes do procedimento de desinfecção 39 hospitais do município de São Paulo, 1994

33 Endoscopia e Broncoscopia Transmissão de Hepatite C 4 casos causas Quebra da técnica de reprocessamento Uso inapropriado de frascos multi-dose Reuso de seringas Infect Control Hosp Epidemiol, 2003; 24 (7):532-7

34 Água

35 Água Modos de transmissão: contato direto hidroterapia ingestão de água gelo contaminado transmissão por contato indireto com dispositivo inadequadamente reprocessado inalação de aerossóis dispersos de fontes de água; aspiração de água contaminada.

36 Água Legionelose Modo de transmissão Aspiração de água, Inalação direta ou aerossóis de água Fonte de exposição Legionella spp. no ambiente ex.: água ou aerossóis de água Populações sob maior risco: Pacientes imunossuprimidos pacientes imunocomprometidos pessoas idosas pacientes fumantes Environmental Infection Control in Healthcare Facilities – 2003 MMWR, June 6, 2003: 52 (RR-10)

37 Água Pseudomonas aeruginosa Modo de transmissão Contato direto com a água, aerossóis; transferência indireta de superfícies úmidas do ambiente pelas mãos de profissionais da saúde Fontes ambientais: Água (da torneira) potável Soluções anti-sépticas contaminadas com água da torneira Vasos de flores Endoscópios com umidade residual nos canais Populações sob maior risco: Pacientes de UTI Pacientes de transplantes Pacientes neutropênicos.... Environmental Infection Control in Healthcare Facilities – 2003 MMWR, June 6, 2003: 52 (RR-10)

38 Liver faillure and death after exposure to microcystins at a hemodialysis center in Brazil N Engl J Med, 1998, Mar 26 ; 338(13):873-8 Período de 17 a 20 de fevereiro de de abril de 1996 (CDC) Estudo Coorte 130 pacientes (distúrbios visuais, náusea, vômitos hemodiálise) 50 pacientes MORRERAM

39 Resultados Centro A 130 pacientes 130 pacientes Média Idade: 40 anos Média Idade: 40 anos 58% homens 58% homens Centro B 47 pacientes 47 pacientes Média Idade: 45 anos Média Idade: 45 anos 64% homens 64% homens Hemodiálise convencional 4 horas 3 X/semana Hemodiálise convencional 4 horas 3 X/semana Dialisadores reutilizados 18 vezes Dialisadores reutilizados 18 vezes Pacientes baixo estado nutricional Pacientes baixo estado nutricional Sintomas (Centro A) Distúrbios VisuaisDistúrbios Visuais – escotoma, visão embaçada, cegueira noturna náusea e vômitosnáusea e vômitos fraqueza muscularfraqueza muscular

40 Sistema de Tratamento e Distribuição de Água - Caruaru

41 Insumos

42 Na 6ªF Santa você é informado da ocorrência de diversos casos de bacteremia no hospital que você trabalha. O que você faz? a.Como meu ovo de páscoa b.Penso que este é um teste de fidelidade c.Chamo minha mãe ! d.Vou investigar o que está acontecendo

43 Isso realmente aconteceu.... Período:17 a 19/março/99 19 casos de pirogenia 16 pacientes Em diversas enfermarias Recebendo diverso tipos de terapia endovenosa Diversos tipos de cateteres vasculares (CVC, CVP) C. G. J. Marino, S. T. Martins, M. P. Verotti, A. P. Coutinho, V. F. Costa, S. B. Wey and E. A. S. Medeiros An outbreak of pyrogenic events connected with intravenous infusion devices in patients admitted to hospital São Paulo. Journal of Hospital Infection (2001) 47: 166–167

44 Alguém tem alguma suspeita ? Alguém tem alguma suspeita ? Mudança na marca dos equipos 04 lotes distribuídos no hospital ( equipos)

45 Profissionais

46 Evidência da transmissão de patógenos através das mãos Hands as route of transmission for Klebsiella species. Casewel M, Br Med J 1977 (2): Enfermeiras Atividades corriqueiras (levantar paciente, aferir sinais vitais) –100 a 1000 UFC Klebsiella spp.

47 Evidência da transmissão de patógenos através das mãos Bacterial contamination of the hands of the hands of hsopital staff during routine patient care Pittet D, Arch Intern Med 1999 (159): Manipulação de feridas, cateteres intravasculares, trato respiratório e manejo de secreção Resultados: –Contato direto com o paciente e cuidado respiratório: > risco –bGN : 15%, S. aureus: 11% –> duração da atividade : > contaminação bacteriana das mãos.

48 Ambiente

49 Ambiente e Surtos Controle microbiológico rotineiro do ambiente não é recomendado Surtos causados por: Clostrídium diffícile Staphylococcus aureus resistente a OXA Pseudomonas spp Acinetobacter spp Enterobacter cloacae Enterococcus spp. Culturas ambientais com objetivos delimitados e estratégias previamente estabelecidas. Environmental Infection Control in Healthcare Facilities – 2003 MMWR, June 6, 2003: 52 (RR-10)

50 Ambiente e Surtos

51 Ambiente As superfícies do ambiente apresentam os menores riscos de transmissão de doenças e podem ser descontaminadas de forma segura usando métodos menos rigorosos que aqueles usados em instrumentos e dispositivos médicos Environmental Infection Control in Healthcare Facilities – 2003 MMWR, June 6, 2003: 52 (RR-10)

52 Ambiente Florence Nightingale

53 The Inanimate Environment Can Facilitate Transmission ~ Contaminated surfaces increase cross-transmission ~ Abstract: The Risk of Hand and Glove Contamination after Contact with a VRE (+) Patient Environment. Hayden M, ICAAC, 2001, Chicago, IL. X represents VRE culture positive sites

54 Medidas de desempenho CCIH está ativamente envolvido em todas as fases de demolição, construção e reforma de uma edificação. Monitorar e registrar diariamente: fluxo de ar negativo em isolamento contra infecções transmitidas pelo ar (AII) fluxo de ar positivo em quartos para isolamento protetor Testes identificação endotoxinas (hemodiálise) bactéria heterotrópica e mesofílica (água de diálise)

55 Lembre-se: Momento de revisão da prática profissional Momento impar para educação continuada Prevenção: ponto-chave para evitar óbitos e aumento da morbidade


Carregar ppt "SURTOS DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enf. Ana Paula Coutinho Comissão de Epidemiologia Hospitalar HSP/UNIFESP"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google