A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FUNASA Rejane Maria de Souza Alves I SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / POLIOMIELITE São Paulo, 18 de abril de 2002 COVEH/CGVEP/CENEPI/FUNASA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FUNASA Rejane Maria de Souza Alves I SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / POLIOMIELITE São Paulo, 18 de abril de 2002 COVEH/CGVEP/CENEPI/FUNASA."— Transcrição da apresentação:

1 FUNASA Rejane Maria de Souza Alves I SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / POLIOMIELITE São Paulo, 18 de abril de 2002 COVEH/CGVEP/CENEPI/FUNASA PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / POLIOMIELITE

2 FUNASA SITUAÇÃO DA VIGILÂNCIA DAS PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS - BRASIL

3 FUNASA CENEPI Centro Nacional de Vigilância Epidemiológica CGVEP Coordenação-Geral de Vigilância Epidemiológica COVEH Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica, Alimentar e Sexual Rotavírus Síndrome Hemolítica Urêmica Botulismo Teníase/Cisticerc ose e outras Cólera Febre Tifóide Hepatites Virais Poliomielite /PFA MDDAVE-DTA Parasitoses TRACOMA TA TNN

4 FUNASA

5

6 NORDESTE BRASIL REGIÃO NORDESTE ESTADO: PARAIBA MUNICÍPIO: SOUZA DATA: 19 DE MARÇO DE 1989 AMERICA DO SUL Souza PB Local do Último Poliovirus Selvagem Isolado no Brasil

7 PLANO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS PARALISÍAS FLÁCIDAS AGUDAS NO BRASIL FUNASA

8 OBJETIVO GERAL: Implementar as ações de vigilância epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas - PFA em < 15 anos, com vistas à manutenção da erradicação da Poliomielite no Brasil. FUNASA

9 OBJETIVOS ESPECÍFICOS: - Viabilizar a contratação de profissionais de saúde para apoiar/assessorar as ações de vigilância epidemiológica das PFA nas unidades federadas; - Intensificar as atividades de Busca Ativa de Casos de PFA, semanalmente, nas unidades de saúde de referência e outras, clínicas neuropediátricas, cartórios...; FUNASA

10 - Sensibilizar os profissionais da assistência para a notificação de casos de PFA. - Contribuir para agilidade da investigação dos casos de PFA. - Capacitar profissionais da área de saúde nas ações de vigilância e controle das PFA. - Avaliar regularmente (semanalmente) as ações desenvolvidas. FUNASA

11 OPERACIONALIZAÇÃO No Nível Federal - Contratação de um consultor para apoiar as atividades da COVEH - Brasília-DF. - Elaboração de materiais para capacitação, manual técnico, instrucionais para subsidiar a vigilância epidemiológica das PFA. - Apoiar pesquisas. FUNASA

12 - Avaliação regular das ações desenvolvidas; - Supervisões e assessorias regulares aos técnicos das vigilâncias das Unidades Federadas; - Capacitação dos profissionais contratados e da vigilância epidemiológica das Unidades Federadas; FUNASA

13 NO NÍVEL REGIONAL: - Contratação de três técnicos para atuarem como referência nas regiões: Norte, Nordeste e Centro-Oeste. FUNASA

14 NO NÍVEL ESTADUAL - Contração de quatro técnicos para apoiar a execução das ações de vigilância epidemiológica das PFA nas Unidades Federadas: São Paulo Rio de Janeiro Minas Gerais Bahia FUNASA

15 - Taxa de notificação de PFA - deve ser de, no mínimo, um caso para cada habitantes menores de 15 anos de idade. - Proporção de casos investigados em 48 horas, pelo menos 80% dos casos notificados devem ser investigados dentro das 48 horas após a notificação. FUNASA INDICADORES DE QUALIDADE DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS PFA. PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

16 - Proporção de casos com coleta adequada de fezes - pelo menos 80% dos casos devem ter uma amostra de fezes COLETADAS OPORTUNAMENTE para cultivo do vírus - dentro das duas semanas seguintes ao início da deficiência motora. - Notificação negativa - pelo menos 80% das unidades de referência devem notificar a ocorrência ou não de casos de PFA semanalmente. FUNASA

17

18

19

20 CUMPRIMENTO DOS CRITÉRIOS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE PARALISIA FLÁCIDA AGUDA (PFA) APÓS CERTIFICAÇÃO DA ERRADICAÇÃO DA POLIOMIELITE TAXA DE NOTIFICAÇÃO BRASIL, 1994 a 2001* 3ONTE: COVEH/CGVEP/CENEPI/FUNASA/MS * Dados até a Sem. Epidemiológica 52/ /2 0/4 0/6 0/8 1 1/2 1/4 TX.NOT.10/8 0/70/811/3 1 Caso/ Habitantes < 15 anos Taxa Esperada 1/ hab. menores de 15 anos

21 FUNASA IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS - PFA

22 FUNASA Plano de implementação das Ações de Vigilância Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas- 2000; Intensificação das atividades de busca dos casos de PFA nas unidades de saúde - retrospectiva e ativa; Promoção e participação nos Seminários, Reuniões Nacional e Estaduais; Divulgação das atividades nos Informes Técnicos;

23 FUNASA Visita aos neurologistas e pediatras nas unidades de referência; Participação em eventos: Reuniões, congressos, seminários, oficinas; Criação, reprodução e distribuição de material educativo/informativo.

24 FUNASA Criação, reprodução e distribuição de material educativo/informativo: - Folder para a população e profissionais da áres de saúde - em andamento - Elaboração do Manual Integrado de PFA/Poliomielite; - Cartazes; - Fitas de video;

25 Reuniões de Revisão de Casos de Poliomielite/Paralisia Flácida Aguda Realização de I Reunião Nacional da Paralisia Flácida Aguda/ Poliomielite; Seqüenciamento genético para o isolamento de poliovírus vacinal; Apoio aos Seminários de sensibilização nas Unidades Federadas; FUNASA

26 Envio de Avaliação Quadrimestral dos indicadores de qualidade das Paralisias Flácidas Agudas: para os Secretários Estaduais de Saúde; Sociedade de Neurologia Infantil, Pediatria, e Infectologia; FUNASA Reunião Nacional com os assessores e consultores da Poliomielite/PFA. Capacitação e Contratação de 06 técnicos para o trabalho para a execução do plano de Implementação das Ações de Paralisia Flácida Aguda no País.

27 Cumpriu a taxa Não cumpriu a taxa Cumprimento dos Indicadores de Qualidade da Vigilância Epidemiológica das Paralisias Flácidas Agudas, Taxa de Notificação, Brasil

28

29 FUNASA

30

31 SITUAÇÃO FINAL DA AÇÃO EM 2001 Notificar e investigar adequadamente e adotar medidas de bloqueio nos casos de paralisia flácida aguda (PFA) em menores de 15 anos de idade. Etapa cumprida, esperava-se conhecer 528 casos de PFA e até a semana 43 foram notificados 545 casos. Quanto ao indicador investigação em 48 horas, 93% dos casos foram investigados oportunamente, quando o mínimo seria 80%.

32 FUNASA PRINCIPAIS AVANÇOS: O cumprimento do indicador taxa de notificação que há cinco anos consecutivos não se cumpria; Implementação das ações de vigilância epidemiológica das paralisias flácidas agudas, com o cumprimento da taxa de notificação de um caso/ habitantes menores de 15 anos em 1999 a 2001;

33 FUNASA PRINCIPAIS AVANÇOS: Contratação de seis técnicos para assessorar na implementação das ações de vigilância epidemiológica nas cinco regiões do Brasil e quatro Unidades Federadas;

34 FUNASA Reavaliação das fontes notificadoras / referência; Aumento da notificação espontânea, assitência mais sensível; Cumprimento de três indicadores de qualidade da vigilância epidemiológica da PFA; Diminuição da rotatividade de recursos humanos nas Secretarias Estaduais de Saúde;

35 FUNASA

36


Carregar ppt "FUNASA Rejane Maria de Souza Alves I SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / POLIOMIELITE São Paulo, 18 de abril de 2002 COVEH/CGVEP/CENEPI/FUNASA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google