A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PRÁTICAS MÉDICAS E DOENÇA DIARRÉICA AGUDA - ANO 2000 José Carlos Hass Neli Maximiniano Olga Suzuqui Vera Lúcia da Silva Franco Faculdade de Saúde Pública-USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PRÁTICAS MÉDICAS E DOENÇA DIARRÉICA AGUDA - ANO 2000 José Carlos Hass Neli Maximiniano Olga Suzuqui Vera Lúcia da Silva Franco Faculdade de Saúde Pública-USP."— Transcrição da apresentação:

1 PRÁTICAS MÉDICAS E DOENÇA DIARRÉICA AGUDA - ANO 2000 José Carlos Hass Neli Maximiniano Olga Suzuqui Vera Lúcia da Silva Franco Faculdade de Saúde Pública-USP Centro de Vigilância Epidemiológica - SES/SP Curso de Especialização em Epidemiologia Aplicada às Doenças Transmitidas por Alimentos Coordenação: Almério de Castro Gomes - FSP/USP Margarida Maria M. B. de Almeida - FSP/USP José Cássio de Moraes - CVE/SP Maria Bernadete de Paula Eduardo - CVE/SES-SP São Paulo, Novembro de 2000

2 1.INTRODUÇÃO No Brasil são internadas: 30 mil pessoas por intoxicação alimentar 700 mil pessoas por doenças infecciosas e parasitária com 8 mil óbitos (DATASUS 1997/98)

3 . Mais de 250 diferentes DTA foram descritas: a maioria causada por bactérias e vírus outras causadas por toxinas ou produtos químicos Sintomas mais comuns: náusea vômito dor abdominal diarréia Para identificar o agente etiológico são necessários testes laboratoriais.

4 Mudanças no perfil epidemiológico das DTA: Surgimento de patógenos emergentes e reemergentes Seqüelas resultantes de potentes toxinas : septicemias aborto infecções localizadas artrites Síndromes (Guillain-Barré e Hemolítico-Urêmica) Morte

5 2. OBJETIVOS Geral: – Conhecer a proporção de solicitação de coprocultura e parasitológico de fezes feita pelos médicos para os pacientes atendidos com diarréia aguda. Específicos: – Conhecer as circunstâncias que cercam a solicitação de exames; – Conhecer o grau de notificação de casos/surtos.

6 3. MÉTODO - TIPO DE ESTUDO: descritivo - Entrevistas com médicos que atendem diarréia - CRITÉRIOS DE INCLUSÃO:. Especialidades:Clínica Médica Infectologia Gastroenterologia Pediatria. Atendimento direto ao paciente. Atender nos municípios definidos (Botucatu, Marília e São Paulo - áreas de vigilância ativa do projeto CVE/Ano 2000). - CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO:. Não atendimento direto ao paciente

7 . - TAMANHO DA AMOSTRA: Critérios para amostragem: - Para o município de São Paulo: assumido erro de + 5% com base conhecida, com correção de 30%, totalizando 548 médicos para a aplicação do questionário; - Para Botucatu: 43 médicos (100%); - Para Marília: 58 médicos (100%); Considerado o tempo curto para realização da pesquisa, estabeleceu-se para o município de São Paulo uma sub- amostra de 112 médicos. (Utilizado o cadastro de médicos fornecido pelo Conselho Regional de Medicina -CREMESP) Total a ser pesquisado = 213 médicos

8 . FONTE DE COLETA DE DADOS: - questionário, baseado em instrumento utilizado pelo CDC (Centro de Controle de Doenças e Prevenção de Atlanta/USA).. 51 questões Questões básicas (exemplos): - Referente ao último paciente com diarréia atendido: O Sr. solicitou coprocultura para este paciente? ( )SIM( )NÃO( )NÃO LEMBRA

9 Se o Sr. solicitou coprocultura para este paciente, assinale o motivo (apenas um) que o levou a esta decisão: ( )Duração da diarréia( )Associação com surto ( )Febre( )Paciente solicitou ( )Diarréia com sangue( )Outro: Especifique_______ ( )Dor abdominal ( )Desidratação ( )AIDS ( )Viagem

10 Se o Sr. não solicitou coprocultura para este paciente, assinale o motivo (apenas um) que o levou a esta decisão: ( )Solicitação anterior ( )Sem febre ( )Sem dor abdominal ( )Sem diarréia sanguinolenta ( )Sem desidratação ( )Curta duração ( )Sem relação com surto ( )O resultado não alteraria o tratamento ( )Custo ( )Outro:Especifique_________________

11 O Sr. solicitou parasitológico de fezes para este paciente? ( )SIM( )NÃO( )NÃO LEMBRA Se o Sr. solicitou parasitológico, associe somente um motivo que o levou a essa decisão: ( )Duração da diarréia ( )Paciente solicitou ( )Tenesmo ( )Sem febre ( )Diarréia com sangue ( )Outro:Especifique:_______ ( )Dor abdominal ( )Viagem ( )Associação com surto

12 . 12. Quando o paciente atendido refere fazer parte de um surto de diarréia, o Sr. notifica o órgão de vigilância epidemiológica? ( )SIM( )NÃO( )ÀS VEZES

13 . 16. Quando o Sr. não especifica o agente na solicitação de coprocultura, acha que o laboratório vai pesquisar: Salmonella( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE Campylobacter( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE Shigella( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE Vibrio( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE E. coli 0157:H7( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE Yersínia( )SIM ( )NÃO ( )NÃO SABE Outro(Especificar____________________)

14 Estratégia: - encaminhamento do questionário via correio; - contato telefônico com o médico; - encaminhamento do questionário pela segunda vez, para os médicos com os quais não foi possível contato telefônico; - encaminhamento do questionário pela terceira vez para os médicos cujos endereços foram atualizados pelas seccionais da Associação Paulista de Medicina de Botucatu e Marília; - mais três contatos telefônicos com os médicos que concordaram em participar, mas que ainda não haviam encaminhado o questionário.

15 . -Dos 62 questionários respondidos: 01 foi por aplicação via telefone 10 via fax 31 via correio 01 via 19 foram retirados pelos pesquisadores no endereço

16 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Taxa de resposta de questionários baixa: São Paulo:33,8% Botucatu:18,6% Marília:25,9% Previsão na definição da amostra: 70% de retorno. OBS: Pesquisa realizada em Connecticut/USA: 57% de resposta.

17 4.2. Resposta sobre internação dos pacientes com diarréia: – taxa de internação - 24,2% dos pacientes atendidos nos últimos 7 dias devido à diarréia foram hospitalizados.

18 55 médicos (88,7%) atenderam paciente com diarréia nos últimos 12 meses e destes 32,7% solicitaram coprocultura para o último paciente com diarréia. A taxa de solicitação de parasitológico foi igual a de coprocultura. EUA: – Área de Vigilância Ativa: 44% solicitaram coprocultura – Connecticut: 35% 4.3. Taxa de solicitação de exames:

19 4.4. Taxa de especificação do agente na solicitação de exames: - Especificação do agente etiológico suspeito nas solicitações de exame: 16% dos médicos.

20 4.5.Taxa de solicitação de coprocultura para paciente com diarréia sanguinolenta = 67,3% EUA: – áreas de vigilância ativas: 77% – Connecticut: 74%; 32% para pesquisa para E. coli 0157

21 OBS: Em Connecticut duração da diarréia foi o motivo mais importante Motivos para a solicitação de coprocultura:

22

23

24 4.9. Agente que o médico considera que será testado pelo laboratório quando não especificado na solicitação: 88,7% acha que o laboratório vai pesquisar E. coli 0157:H7 56,5% acha que o laboratório vai pesquisar Campylobacter jejuni, Salmonella e Shigella

25

26 5. CONCLUSÕES Do ponto de vista de saúde pública: – sub-detecção dos patógenos; – sub-notificação de surtos de doenças transmitidas por alimentos. Continuidade da pesquisa, levando-se em consideração: – dificuldades encontradas no cadastro de médicos; – dificuldades no contato telefônico; – tempo de realização curto; – dificuldade de retorno de resposta dos médicos – buscar maior taxa de respostas previstas.


Carregar ppt "PRÁTICAS MÉDICAS E DOENÇA DIARRÉICA AGUDA - ANO 2000 José Carlos Hass Neli Maximiniano Olga Suzuqui Vera Lúcia da Silva Franco Faculdade de Saúde Pública-USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google