A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Economias de Escala e Comércio Internacional Parte II – Economias Externas de Escala.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Economias de Escala e Comércio Internacional Parte II – Economias Externas de Escala."— Transcrição da apresentação:

1 Economias de Escala e Comércio Internacional Parte II – Economias Externas de Escala

2 Economias Internas de Escala - Memo Economias de escala permitem reduzir o CMe com a elevação da produção. Quando são internas às empresas, podem surgir por causa de: –Economias técnicas; –Economias gerenciais; –Economias financeiras; –Economias de marketing; –Economias na compra dos insumos e na distribuição dos produtos; –Economias em P&D.

3 Economias Externas Há economias externas às empresas quando a produção de uma indústria (Semi-condutores no Vale do Silício) ou serviço (Cinema em Hollywood), concentrada em certas localizações geográficas (clusters), permite reduzir custos e aumentar a taxa de inovação das empresas relacionadas. São path-dependent: sua reprodução é difícil (Confiança entre os parceiros é fundamental). São elemento-chave para entender a competitividade das empresa desses setores: tornam possível o surgimento de vantagens competitivas específicas das empresas pertencentes ao cluster.

4 Economias Externas A teoria das economias externas remonta a Alfred Marshall, que fornece três razões para justificar a aglomeração das empresas em Distritos Industriais na Inglaterra do século XIX, como era o caso da cutelaria em Sheffield: –Fornecedores especializados; –Mercado de trabalho comum; –Transbordamento do conhecimento.

5 Economias Externas Não são as únicas fontes de economias externas. Uma localização geográfica com um bom sistema de transportes e, de forma mais geral, infra-estrutura adequada e qualidade de vida elevada, pode ter vantagens competitivas na produção de determinados bens e serviços.

6 Fornecedores Especializados A produção de bens e serviços costuma requerer o apoio de equipamentos ou serviços especializados e de instituições relacionadas à atividade principal, governamentais e privadas, que promovem educação, treinamento, disseminação da informação, pesquisa, apoio técnico, certificação, parcerias, financiamento etc. Um grupo de empresas de uma mesma indústria concentradas numa região geográfica pode fornecer um mercado amplo o suficiente para incubar, desenvolver e manter fornecedores especializados.

7 Fornecedores Especializados Uma densa rede de fornecedores especializados pode dar às firmas do cluster algumas vantagens competitivas: –acesso a insumos-chave mais baratos (menor custo de distribuição); –desenvolvimento de novos equipamentos, materiais ou processos adequados à necessidade do cluster.

8 Mercado Comum de Trabalho Treinar e atrair mão-de-obra altamente qualificada e especializada: menor escassez desta mão-de-obra.

9 Transbordamento do Conhecimento Importância crescente do Conhecimento na produção; Papel fundamental das Universidades de pesquisa e dos laboratórios privados nos clusters para gerar um ambiente propício à inovação: concentração de técnicos e pesquisadores que partilham informações e percepções das trajetórias tecnológicas (relacionamento pessoal informal).

10 Benefícios dos Clusters Melhor acesso a dados, pessoal especializado, bens públicos e informação (menores custos de transação); Reduzir custos de desenvolver novos produtos e serviços pela complementação das atividades das empresas e outras instituições (em especial, criar um ambiente de inovação contínua); Maior comunicação e fortes relações de concorrência e cooperação dos rivais locais: difusão rápida das inovações e best practices; Desenvolver ligações que gerem relacionamentos- chave (Confiança!) que sustentem inovações e estratégias empresariais coooperativas.

11

12

13

14 Economias Externas Geram Barreiras à Entrada de Novos Rivais por meio de maior produtividade ou menores custos: oOs custos de uma indústria serão tanto mais baixos, quanto maior for a indústria: as curvas de oferta de uma indústria são negativamente inclinadas: quanto maior a produção, mais baixo pode ser o preço de venda: países pioneiros tem vantagens. oOs custos de produção da indústria de dependem da experiência (medida em produção acumulada): há uma curva de aprendizagem que deve ser enfrentada pelos novos rivais: há rendimentos crescentes dinâmicos.

15 Figure 6-9 External Economics and Specialization

16 Rendimentos Crescentes Dinâmicos Economias externas podem surgir do acúmulo de conhecimento, medida pela produção acumulada do setor: learning by doing e learning by using. Curva de aprendizagem resume esta idéia. Pode justificar teoricamente o protecionismo. Na prática, os autores são descrentes das possibilidades dinâmicas de proteção das indústrias nascentes.

17 Figure 6-11 The Learning Curve

18 Comércio e Bem-Estar com Economias Externas Efeitos ambíguos sobre o Bem-Estar nacional com abertura ao comércio: pode haver ganhos para a economia mundial pela concentração da produção em locais específicos (para obter economias externas e reduzir preços). Não há garantias de que todos os países produzirão bens sujeitos às economias externas: Programas de competitividade são necessários nos países em desenvolvimento. Barreiras à entrada de novos rivais são altas. Podem haver situações de perdas com comércio.

19 Figure 6-10 External Economies and Losses from Trade


Carregar ppt "Economias de Escala e Comércio Internacional Parte II – Economias Externas de Escala."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google