A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Responsabilidade civil Dano. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. Não existe.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Responsabilidade civil Dano. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. Não existe."— Transcrição da apresentação:

1 Responsabilidade civil Dano

2 O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. Não existe o dever de reparação se não houver dano, mesmo que mínimo. Não existe o dever de reparação se não houver dano, mesmo que mínimo.

3 O dano deve ser concreto, ou seja, deve existir. O dano deve ser concreto, ou seja, deve existir. Nunca poderá ser hipotético ou especulativo. Nunca poderá ser hipotético ou especulativo.

4 Diversidades de ocasiões que podem ocasionar certo tipo de dano.

5

6

7

8

9

10

11

12 Deverá o dano ser ressarcido de tal forma que o lesado deveria ser restituído ao seu estado anterior ao acidente (status quo ante). Deverá o dano ser ressarcido de tal forma que o lesado deveria ser restituído ao seu estado anterior ao acidente (status quo ante). Também se relembra aqui o princípio da restitutio in integrum. Também se relembra aqui o princípio da restitutio in integrum.

13 A classificação do dano é dividida em dois grandes grupos que se denominam de patrimoniais e extrapatrimoniais. A classificação do dano é dividida em dois grandes grupos que se denominam de patrimoniais e extrapatrimoniais.

14 Dano patrimonial – lesão a interesse juridicamente protegido componente do patrimônio da vítima (suscetível de avaliação pecuniária).

15 Dano extrapatrimonial – lesão a interesse juridicamente protegido que não integrante do patrimônio (art. 92, NCC).

16 O dano patrimonial, também denominado de dano econômico, se subdivide em: O dano patrimonial, também denominado de dano econômico, se subdivide em:

17 A) DANO EMERGENTE – o que a vítima perdeu, ou seja, seu efetivo prejuízo (sua diminuição patrimonial). A) DANO EMERGENTE – o que a vítima perdeu, ou seja, seu efetivo prejuízo (sua diminuição patrimonial).

18

19 Exemplos....

20

21

22

23

24 B) LUCROS CESSANTES – o que razoavelmente deixou de ganhar de acordo com curso normal e expectativa; não é lucro imaginário, hipotético. B) LUCROS CESSANTES – o que razoavelmente deixou de ganhar de acordo com curso normal e expectativa; não é lucro imaginário, hipotético.

25 Exemplos.

26

27 C) PERDA DE UMA CHANCE – A teoria da perda da chance considera que aquele que perde a oportunidade de proporcionar algum benefício ou evitar algum prejuízo a alguém, responde por isso. C) PERDA DE UMA CHANCE – A teoria da perda da chance considera que aquele que perde a oportunidade de proporcionar algum benefício ou evitar algum prejuízo a alguém, responde por isso.

28 Exemplo. ESPECIAL ESPECIAL Perda da chance: uma forma de indenizar uma provável vantagem frustrada Perda da chance: uma forma de indenizar uma provável vantagem frustrada Surgida na França e comum em países como Estados Unidos e Itália, a teoria da perda da chance (perte dune chance), adotada em matéria de responsabilidade civil, vem despertando interesse no direito brasileiro – embora não seja aplicada com frequência nos tribunais do país. A teoria enuncia que o autor do dano é responsabilizado quando priva alguém de obter uma vantagem ou impede a pessoa de evitar prejuízo. Nesse caso, há uma peculiaridade em relação às outras hipóteses de perdas e danos, pois não se trata de prejuízo direto à vítima, mas de uma probabilidade. Não é rara a dificuldade de se distinguir o dano meramente hipotético da chance real de dano. Quanto a este ponto, a ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), avalia que a adoção da teoria da perda da chance exige que o Poder Judiciário bem saiba diferenciar o improvável do quase certo, bem como a probabilidade de perda da chance de lucro, para atribuir a tais fatos as consequências adequadas. O juiz aposentado do Primeiro Tribunal de Alçada Civil de São Paulo Sílvio de Salvo Venosa, autor de vários livros sobre direito civil, aponta que há forte corrente doutrinária que coloca a perda da chance como um terceiro gênero de indenização, ao lado dos lucros cessantes e dos danos emergentes, pois o fenômeno não se amolda nem a um nem a outro segmento. Show do milhão No STJ, um voto do ministro aposentado Fernando Gonçalves é constantemente citado como precedente. Trata-se da hipótese em que a autora teve frustrada a chance de ganhar o prêmio máximo de R$ 1 milhão no programa televisivo Show do Milhão, em virtude de uma pergunta mal formulada. Na ação contra a BF Utilidades Domésticas Ltda., empresa do grupo econômico Silvio Santos, a autora pleiteava o pagamento por danos materiais do valor correspondente ao prêmio máximo do programa e danos morais pela frustração. A empresa foi condenada em primeira instância a pagar R$ 500 mil por dano material, mas recorreu, pedindo a redução da indenização para R$ 125 mil. Para o ministro, não havia como se afirmar categoricamente que a mulher acertaria o questionamento final de R$ 1 milhão caso ele fosse formulado corretamente, pois há uma série de outros fatores em jogo, como a dificuldade progressiva do programa e a enorme carga emocional da indagação final, que poderia interferir no andamento dos fatos. Mesmo na esfera da probabilidade, não haveria como concluir que ela acertaria a pergunta. Relator do recurso na Quarta Turma, o ministro Fernando Gonçalves reduziu a indenização por entender que o valor advinha de uma probabilidade matemática de acerto de uma questão de quatro itens e refletia as reais possibilidades de êxito da mulher. De acordo com o civilista Miguel Maria de Serpa Lopes, a possibilidade de obter lucro ou evitar prejuízo deve ser muito fundada, pois a indenização se refere à própria chance, não ao lucro ou perda que dela era objeto. Obrigação de meio A teoria da perda da chance tem sido aplicada para caracterizar responsabilidade civil em casos de negligência de profissionais liberais, em que estes possuem obrigação de meio, não de resultado. Ou seja, devem conduzir um trabalho com toda a diligência, contudo não há a obrigação do resultado. Surgida na França e comum em países como Estados Unidos e Itália, a teoria da perda da chance (perte dune chance), adotada em matéria de responsabilidade civil, vem despertando interesse no direito brasileiro – embora não seja aplicada com frequência nos tribunais do país. A teoria enuncia que o autor do dano é responsabilizado quando priva alguém de obter uma vantagem ou impede a pessoa de evitar prejuízo. Nesse caso, há uma peculiaridade em relação às outras hipóteses de perdas e danos, pois não se trata de prejuízo direto à vítima, mas de uma probabilidade. Não é rara a dificuldade de se distinguir o dano meramente hipotético da chance real de dano. Quanto a este ponto, a ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), avalia que a adoção da teoria da perda da chance exige que o Poder Judiciário bem saiba diferenciar o improvável do quase certo, bem como a probabilidade de perda da chance de lucro, para atribuir a tais fatos as consequências adequadas. O juiz aposentado do Primeiro Tribunal de Alçada Civil de São Paulo Sílvio de Salvo Venosa, autor de vários livros sobre direito civil, aponta que há forte corrente doutrinária que coloca a perda da chance como um terceiro gênero de indenização, ao lado dos lucros cessantes e dos danos emergentes, pois o fenômeno não se amolda nem a um nem a outro segmento. Show do milhão No STJ, um voto do ministro aposentado Fernando Gonçalves é constantemente citado como precedente. Trata-se da hipótese em que a autora teve frustrada a chance de ganhar o prêmio máximo de R$ 1 milhão no programa televisivo Show do Milhão, em virtude de uma pergunta mal formulada. Na ação contra a BF Utilidades Domésticas Ltda., empresa do grupo econômico Silvio Santos, a autora pleiteava o pagamento por danos materiais do valor correspondente ao prêmio máximo do programa e danos morais pela frustração. A empresa foi condenada em primeira instância a pagar R$ 500 mil por dano material, mas recorreu, pedindo a redução da indenização para R$ 125 mil. Para o ministro, não havia como se afirmar categoricamente que a mulher acertaria o questionamento final de R$ 1 milhão caso ele fosse formulado corretamente, pois há uma série de outros fatores em jogo, como a dificuldade progressiva do programa e a enorme carga emocional da indagação final, que poderia interferir no andamento dos fatos. Mesmo na esfera da probabilidade, não haveria como concluir que ela acertaria a pergunta. Relator do recurso na Quarta Turma, o ministro Fernando Gonçalves reduziu a indenização por entender que o valor advinha de uma probabilidade matemática de acerto de uma questão de quatro itens e refletia as reais possibilidades de êxito da mulher. De acordo com o civilista Miguel Maria de Serpa Lopes, a possibilidade de obter lucro ou evitar prejuízo deve ser muito fundada, pois a indenização se refere à própria chance, não ao lucro ou perda que dela era objeto. Obrigação de meio A teoria da perda da chance tem sido aplicada para caracterizar responsabilidade civil em casos de negligência de profissionais liberais, em que estes possuem obrigação de meio, não de resultado. Ou seja, devem conduzir um trabalho com toda a diligência, contudo não há a obrigação do resultado.

29 Nessa situação, enquadra-se um pedido de indenização contra um advogado. A autora alegou que o profissional não a defendeu adequadamente em outra ação porque ele perdeu o prazo para interpor o recurso. Ela considerou que a negligência foi decisiva para a perda de seu imóvel e requereu ressarcimento por danos morais e materiais sofridos. Em primeira instância, o advogado foi condenado a pagar R$ 2 mil de indenização. Ambas as partes recorreram, mas o tribunal de origem manteve a sentença. No entendimento da ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso especial na Terceira Turma, mesmo que comprovada a culpa grosseira do advogado, é difícil antever um vínculo claro entre esta negligência e a diminuição patrimonial do cliente, pois o sucesso no processo judicial depende de outros fatores não sujeitos ao seu controle. Apesar de discorrer sobre a aplicação da teoria no caso, a ministra não conheceu do recurso, pois ele se limitou a transcrever trechos e ementas de acórdãos, sem fazer o cotejo analítico entre o acórdão do qual se recorreu e seu paradigma. Evitar o dano Em outro recurso de responsabilidade civil de profissional liberal, o relator, ministro Massami Uyeda, não admitiu a aplicação da teoria da perda da chance ao caso, pois se tratava de mera possibilidade, porquanto o dano potencial ou incerto, no âmbito da responsabilidade civil, em regra, não é indenizável. No caso, um homem ajuizou ação de indenização por dano moral contra um médico que operou sua esposa, pois acreditava que a negligência do profissional ao efetuar o procedimento cirúrgico teria provocado a morte da mulher. A ação foi julgada improcedente em primeira instância, sob três fundamentos: o autor deveria comprovar, além do dano, o nexo causal e a culpa do médico; as provas produzidas nos autos não permitem atribuir ao médico a responsabilidade pelos danos sofridos pelo marido; não há de se falar em culpa quando surgem complicações dependentes da condição clínica da paciente. Interposto recurso de apelação, o tribunal de origem deu-lhe provimento, por maioria, por entender que o médico foi imprudente ao não adotar as cautelas necessárias. O profissional de saúde foi condenado a pagar R$ 10 mil por ter havido a possibilidade de evitar o dano, apesar da inexistência de nexo causal direto e imediato. No recurso especial, o médico sustentou que tanto a prova documental quanto a testemunhal produzida nos autos não respaldam suficientemente o pedido do marido e demonstram, pelo contrário, que o profissional adotou todas as providências pertinentes e necessárias ao caso. De acordo com o ministro Uyeda, para a caracterização da responsabilidade civil do médico por danos decorrentes de sua conduta profissional, imprescindível se apresenta a demonstração do nexo causal. Ele deu parcial provimento ao recurso para julgar improcedente a ação de indenização por danos morais. Nessa situação, enquadra-se um pedido de indenização contra um advogado. A autora alegou que o profissional não a defendeu adequadamente em outra ação porque ele perdeu o prazo para interpor o recurso. Ela considerou que a negligência foi decisiva para a perda de seu imóvel e requereu ressarcimento por danos morais e materiais sofridos. Em primeira instância, o advogado foi condenado a pagar R$ 2 mil de indenização. Ambas as partes recorreram, mas o tribunal de origem manteve a sentença. No entendimento da ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso especial na Terceira Turma, mesmo que comprovada a culpa grosseira do advogado, é difícil antever um vínculo claro entre esta negligência e a diminuição patrimonial do cliente, pois o sucesso no processo judicial depende de outros fatores não sujeitos ao seu controle. Apesar de discorrer sobre a aplicação da teoria no caso, a ministra não conheceu do recurso, pois ele se limitou a transcrever trechos e ementas de acórdãos, sem fazer o cotejo analítico entre o acórdão do qual se recorreu e seu paradigma. Evitar o dano Em outro recurso de responsabilidade civil de profissional liberal, o relator, ministro Massami Uyeda, não admitiu a aplicação da teoria da perda da chance ao caso, pois se tratava de mera possibilidade, porquanto o dano potencial ou incerto, no âmbito da responsabilidade civil, em regra, não é indenizável. No caso, um homem ajuizou ação de indenização por dano moral contra um médico que operou sua esposa, pois acreditava que a negligência do profissional ao efetuar o procedimento cirúrgico teria provocado a morte da mulher. A ação foi julgada improcedente em primeira instância, sob três fundamentos: o autor deveria comprovar, além do dano, o nexo causal e a culpa do médico; as provas produzidas nos autos não permitem atribuir ao médico a responsabilidade pelos danos sofridos pelo marido; não há de se falar em culpa quando surgem complicações dependentes da condição clínica da paciente. Interposto recurso de apelação, o tribunal de origem deu-lhe provimento, por maioria, por entender que o médico foi imprudente ao não adotar as cautelas necessárias. O profissional de saúde foi condenado a pagar R$ 10 mil por ter havido a possibilidade de evitar o dano, apesar da inexistência de nexo causal direto e imediato. No recurso especial, o médico sustentou que tanto a prova documental quanto a testemunhal produzida nos autos não respaldam suficientemente o pedido do marido e demonstram, pelo contrário, que o profissional adotou todas as providências pertinentes e necessárias ao caso. De acordo com o ministro Uyeda, para a caracterização da responsabilidade civil do médico por danos decorrentes de sua conduta profissional, imprescindível se apresenta a demonstração do nexo causal. Ele deu parcial provimento ao recurso para julgar improcedente a ação de indenização por danos morais.

30

31 Falha dos Correios na entrega de ficha de inscrição para o BBB não garante indenização Falha dos Correios na entrega de ficha de inscrição para o BBB não garante indenização Falha dos Correios na entrega de ficha de inscrição para o BBB não garante indenização Falha dos Correios na entrega de ficha de inscrição para o BBB não garante indenização julho 13th, 2009 | Posted by Foccus Contabil | No Comments julho 13th, 2009 | Posted by Foccus Contabil | No CommentsNo CommentsNo Comments A 7ª Turma Especializada do TRF2 negou o pedido de um morador de Campo Grande, na zona oeste do Rio, que pretendia receber R$ 500 mil de indenização dos Correios, pelo extravio da sua ficha de inscrição para participar da 5ª edição do Big Brother Brasil. Ele afirmou que a falha da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) fez com que perdesse a oportunidade de concorrer ao prêmio de um milhão de reais, pago pelo programa. A decisão do TRF confirma sentença da Justiça Federal do Rio e foi proferida em julgamento de apelação cível apresentada pelo pretenso candidato a disputar o jogo exibido pela TV Globo. A 7ª Turma Especializada do TRF2 negou o pedido de um morador de Campo Grande, na zona oeste do Rio, que pretendia receber R$ 500 mil de indenização dos Correios, pelo extravio da sua ficha de inscrição para participar da 5ª edição do Big Brother Brasil. Ele afirmou que a falha da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) fez com que perdesse a oportunidade de concorrer ao prêmio de um milhão de reais, pago pelo programa. A decisão do TRF confirma sentença da Justiça Federal do Rio e foi proferida em julgamento de apelação cível apresentada pelo pretenso candidato a disputar o jogo exibido pela TV Globo. Na ação ajuizada na primeira instância, ele narra que logo após haver postado o formulário de inscrição, começou a torcer juntamente com seus familiares, na esperança da tão desejada mudança de vida. Só que, passados três meses, o autor da causa recebeu em casa um aviso para retirar de volta, na agência dos Correios, a ficha que não chegou a ser entregue ao destinatário, por um lapso do serviço. Com isso, afirmou, teria ficado desesperado, pois toda sua esperança havia acabado. Na ação ajuizada na primeira instância, ele narra que logo após haver postado o formulário de inscrição, começou a torcer juntamente com seus familiares, na esperança da tão desejada mudança de vida. Só que, passados três meses, o autor da causa recebeu em casa um aviso para retirar de volta, na agência dos Correios, a ficha que não chegou a ser entregue ao destinatário, por um lapso do serviço. Com isso, afirmou, teria ficado desesperado, pois toda sua esperança havia acabado. O relator do processo no Tribunal, juiz federal convocado Theophilo Miguel, lembrou que a questão envolve a teoria da perda de uma chance. Muito recentemente incorporada no direito brasileiro e, por isso mesmo, raramente usada nos tribunais do país essa teoria surgiu na França, em 1965, por conta de um caso envolvendo erro médico. No processo julgado então pela Corte de Cassação Francesa, foi definida a responsabilidade de um médico que dera um diagnóstico equivocado, reduzindo as chances de cura do paciente. De lá para ca, o conceito se ampliou e passou a ser aplicado em outras situações, como, por exemplo, na hipótese do concursando que perde a prova em razão de atrasos no sistema de transportes. O relator do processo no Tribunal, juiz federal convocado Theophilo Miguel, lembrou que a questão envolve a teoria da perda de uma chance. Muito recentemente incorporada no direito brasileiro e, por isso mesmo, raramente usada nos tribunais do país essa teoria surgiu na França, em 1965, por conta de um caso envolvendo erro médico. No processo julgado então pela Corte de Cassação Francesa, foi definida a responsabilidade de um médico que dera um diagnóstico equivocado, reduzindo as chances de cura do paciente. De lá para ca, o conceito se ampliou e passou a ser aplicado em outras situações, como, por exemplo, na hipótese do concursando que perde a prova em razão de atrasos no sistema de transportes. No entendimento do juiz Theophilo Miguel, para que haja a obrigação de indenizar pela suposta perda da chance, é necessário que tal chance tenha sido real, e que exista uma razoável probabilidade de que ela viesse a se concretizar, se não fosse a falha que a impediu. O magistrado ressaltou que essa probabilidade apreciável não existiu no caso do autor da ação, considerando a incerteza de ele ser selecionado dentre milhares de inscritos para participar do programa e, depois, de sair vencedor da disputa: Se a possibilidade frustrada apresenta-se vaga ou hipotética, a conclusão será pela total inexistência de perda de oportunidade. Para fins de reparação, a chance deverá ser devidamente avaliada quando existente um certo grau de probabilidade, a fim de se estabelecer se a aquela possibilidade perdida constitui, ou não, uma probabilidade concreta. Assim, sempre que se adota um raciocínio desse nível, há elementos de certeza e elementos de probabilidade no julgamento. No entendimento do juiz Theophilo Miguel, para que haja a obrigação de indenizar pela suposta perda da chance, é necessário que tal chance tenha sido real, e que exista uma razoável probabilidade de que ela viesse a se concretizar, se não fosse a falha que a impediu. O magistrado ressaltou que essa probabilidade apreciável não existiu no caso do autor da ação, considerando a incerteza de ele ser selecionado dentre milhares de inscritos para participar do programa e, depois, de sair vencedor da disputa: Se a possibilidade frustrada apresenta-se vaga ou hipotética, a conclusão será pela total inexistência de perda de oportunidade. Para fins de reparação, a chance deverá ser devidamente avaliada quando existente um certo grau de probabilidade, a fim de se estabelecer se a aquela possibilidade perdida constitui, ou não, uma probabilidade concreta. Assim, sempre que se adota um raciocínio desse nível, há elementos de certeza e elementos de probabilidade no julgamento.

32 Já o dano extrapatrimonial ou denominado na praxe forense de dano moral não tem divisões. Já o dano extrapatrimonial ou denominado na praxe forense de dano moral não tem divisões.

33 Nele, se envolve violações a direitos fundamentais (liberdade, igualdade), direitos de personalidade (imagem, honra, nome) e violações à integridade física ou psicológica da vítima (dor, humilhação) – não são meros aborrecimentos. Nele, se envolve violações a direitos fundamentais (liberdade, igualdade), direitos de personalidade (imagem, honra, nome) e violações à integridade física ou psicológica da vítima (dor, humilhação) – não são meros aborrecimentos.

34 A súmula 37 do Superior Tribunal de Justiça admite a cumulação de danos patrimoniais e extrapatrimoniais. A súmula 37 do Superior Tribunal de Justiça admite a cumulação de danos patrimoniais e extrapatrimoniais.

35 Também admite o Superior Tribunal de Justiça a cumulação de dano moral e dano estético, bastando à leitura do Recurso Especial Também admite o Superior Tribunal de Justiça a cumulação de dano moral e dano estético, bastando à leitura do Recurso Especial

36 Os critérios de fixação que poderiam ser levados em conta são: gravidade da conduta do agente, condição econômica do ofensor, condição do ofendido, tratando-se, por óbvio, de arbitramento judicial. Os critérios de fixação que poderiam ser levados em conta são: gravidade da conduta do agente, condição econômica do ofensor, condição do ofendido, tratando-se, por óbvio, de arbitramento judicial.

37 O julgamento que leva em conta a capacidade do ofensor ou do ofendido na quantificação do dano não é unânime na doutrina. O julgamento que leva em conta a capacidade do ofensor ou do ofendido na quantificação do dano não é unânime na doutrina.

38 Nos Estados Unidos da América o dano punitivo (punitive damages) é de uso freqüente, enquanto que no Brasil ainda é em raríssimas vezes utilizado. Nos Estados Unidos da América o dano punitivo (punitive damages) é de uso freqüente, enquanto que no Brasil ainda é em raríssimas vezes utilizado.

39 A pessoa jurídica também sobre de dano moral, recomendando-se a leitura da súmula 227 do Superior Tribunal de Justiça. A pessoa jurídica também sobre de dano moral, recomendando-se a leitura da súmula 227 do Superior Tribunal de Justiça.

40 O direito à indenização correspondente ao dano extrapatrimonial transmite-se aos herdeiros. O direito à indenização correspondente ao dano extrapatrimonial transmite-se aos herdeiros.

41 Dano por ricochete?


Carregar ppt "Responsabilidade civil Dano. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. O dano é requisito essencial da responsabilidade civil. Não existe."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google