A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA INDICAÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ana Paula Reolon Amadio Sanches Profª Tit. Maria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA INDICAÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ana Paula Reolon Amadio Sanches Profª Tit. Maria."— Transcrição da apresentação:

1 VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA INDICAÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ana Paula Reolon Amadio Sanches Profª Tit. Maria Lúcia Lebrão Faculdade de Saúde Pública - USP

2 ESTUDO SABE 2000 – coordenação OPAS estudo multicêntrico, em 7 países da AL: SABE – Saúde, Bem Estar e Envelhecimento: –Traçar perfil idosos América Latina e Caribe; –Demandas de saúde que poderão emergir de uma população que se tornou rapidamente idosa; –Prevenir as conseqüências negativas do processo de envelhecimento na região.

3 ESTUDO SABE Estudo transversal, simultâneo, abrangente em seus temas. População de estudo: –idosos com 60 anos e mais do Município de São Paulo Instrumento: entrevista domiciliar.

4 OBJETIVOS DESTE ESTUDO Caracterizar os idosos com suposta condição de violência segundo variáveis coletadas dos diferentes blocos temáticos do questionário SABE. Comparar os resultados encontrados com aqueles dos idosos sem indicativo de violência a fim de estabelecer possíveis determinantes para violência.

5 METODOLOGIAMETODOLOGIA Respostas positivas para as questões: –Sessão: Perguntas e Comentários Finais PCF1: Observou situação de violência, abandono ou maus tratos de algum integrante com relação ao entrevistado? PCF2: Descreva a situação:

6 METODOLOGIAMETODOLOGIA –Análise em relação às variáveis coletadas dos onze blocos temáticos do questionário, para caracterização da população:

7 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção A – Informações Pessoais –Dados de idade (A1b), escolaridade (A5a e A6), estado marital (A13a). –Embora a variável sexo (C18) esteja dentro da seção C (pois funciona como filtro) ela é uma variável de natureza pessoal e, assim, será incluída neste bloco.

8 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção B – Avaliação Cognitiva –Dados de condição cognitiva analisando a interseção dos resultados do Mini Exame do Estado Mental (Mini Mental) (B9) com as respostas do Pfeffer Functional Activities Questionnaire (QPAF) (B11), a fim de se obter maior fidedignidade no resultado para avaliação cognitiva. Ou seja, aqueles idosos que obtiveram 12 ou menos pontos no Mini Mental e 6 ou mais pontos no Pfeffer.

9 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção C – Estado de Saúde –Hipertensão arterial referida (C4), diabetes referida (C5), câncer referido (C6), doença crônica do pulmão referida (C7), doenças cardíacas referida (C8), doença cerebrovascular referida (C9), doença ósteo- articular referida (C10), quedas (C11a), doença psiquiátrica referida (C20), Escala de Depressão Geriátrica (C21).

10 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção D – Estado Funcional –Dificuldade para atravessar quarto caminhando (D11), dificuldade para: vestir-se (D13a), banhar-se (D14a), alimentação (D15a), levantar-se ou deitar-se na cama (D16a), utilizar banheiro (D17a), cozinhar (D18a), cuidar do dinheiro (D19a), ir a lugares sozinhos (D20a), comprar alimentos (D21a), telefonar (D22a), tarefas domésticas leves (D23a), tarefas pesadas da casa (D24a), tomar remédios (D25a), recebe ajuda (D26); relação do ajudante com o idoso entrevistado (D26b).

11 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção H – História de Trabalho e Fontes de Receita –Situação atual de trabalho (H21), razão pela qual trabalha atualmente (H22), fonte de receita (H26), quantia de receita (H27a, H27b), receita é suficiente para cobrir despesas diárias (H30).

12 METODOLOGIAMETODOLOGIA Seção K – Antropometria –Índice de massa corporal.

13 IMPORTANTE!IMPORTANTE! Em virtude das dificuldades em se constatar a violência contra os idosos, o estudo SABE não se propôs a incluir pergunta direta sobre o assunto no núcleo do questionário, limitando-se a pedir ao entrevistador que relatasse qualquer sinal de uma possível violência. Assim, todos os resultados aqui apresentados são propostos para a suposta presença de violência.

14 RESULTADOS E DISCUSSÃO Amostra total SABE: idosos. Pessoas com sinais positivos para violência: 1,1%. 31 entrevistas Expansão para a população do Município de São Paulo: pessoas com possível sinal de violência.

15 Distribuição dos idosos com suposto sinal de violência, segundo algumas variáveis. VariávelNº%Coeficiente de prevalência () Sexo Feminino692573,114,0 Masculino255426,97,0 Idade 60 a 74 anos533456,38,0 75 e ,722,0 Escolaridade 0 a 4 anos de estudo674071,110,0 5 a 10 anos de estudo135714,317,0 11 e + anos de estudo120512,712,0 Estado marital Casado217723,05,0 Divorciado/separado259927,436,0 Viúvo278829,411,0 Solteiro191520,247,0 Total ,0

16 Mais mulheres são violentadas. Ex.: na África subsaariana, sabedoria feminina é interpretada como bruxaria. Embora predominem idosos de 60 a 74 anos no SABE, há prevalência de violência entre os mais idosos. Vale relacionar tal condição com os quadros de demência, com o aumento da idade. Escolaridade é pouco ressaltada nos estudos de violência contra o idoso. Mas tal aspecto relaciona-se ao tipo de receita e, consequentemente, risco de violência? Solteiros são mais vulneráveis. Não corresponde à literatura, talvez esses idosos tenham fator especial de exclusão. Caracterização idosos e sinal de violência

17 Distribuição dos idosos com possível sinal de violência e condição cognitiva, segundo MEEM. Em 16% dos idosos com sinal de violência, o MEEM é 12. A discussão é sobre a causa e efeito dessa possível relação: - é violentado e fica demenciado? - é demenciado e sofre violência? Mini Mental Sinal de Violência1312Total Nº% % % Sim700884, , ,0 Não , , ,0

18 Distribuição dos dados dos idosos com possível sinal de violência e a avaliação do cuidador, segundo Pfeffer. Então, dos 16,0% de idosos que tiveram sinais de perda cognitiva (MEEM 12), 59,8% também têm indício de dependência. Talvez o declínio tenha levado à dependência, que ocasionou a situação de violência? Pfeffer Sinal de Violência65Total Nº% % % Sim147959,899340, ,0 Não , , ,0

19 Esse dado é um dos mais importantes do estudo, pois diversas pesquisas confirmam tal situação: A perda de autonomia cria situações de dependência; o cuidado demandado de tal situação não é contido pela atual sociedade. Dessa forma, o limiar entre violência e dificuldade para cuidar do idoso, torna-se frágil e tênue. Demência e dependência x sinal de violência

20 Doenças referidas e sinal de violência Entre os idosos com sinal de violência predominam as seguintes doenças: –Neurológicas – 13,5% –Reumáticas – 34,8% –Psiquiátricas – 25,2% –Quedas – 47,8% É interessante observar que doenças que causam maior dependência também são as de maior risco para sofrer violência, aparentemente; enquanto outras doenças parecem funcionar como fator de proteção ao idoso.

21 Número de quedas no período de 12 meses e sinal de violência 3 ou + quedas = possibilidade de maior risco de sofrer violência. 1 ou 2 quedas = parece estar mais protegido em relação ao risco de violência. Sinal de violência Nº de quedasSimNãoTotal NºNºNº , , ,0 1 ou , , ,0 3 e , , ,0

22 Em 2000, o SIH, segundo Minayo, mostra que em internações de idosos por causas externas, 52,1% ocorreram por queda, e dessas quedas, 1:3 foi fatal. Sethi, em estudos na Europa, refere média de idosos com mais de 80 anos morrendo anualmente por quedas. Então: seria a queda a violência contra o idoso? Ou é decorrência de outro tipo de violência, como por exemplo, a negligência de cuidados no ambiente doméstico? Quedas e sinal de violência

23 Depressão e sinal de violência Dep x SV Sinal de violência DepressãoSimNãoTotal Nº% % % Normal – sem depressão25330, , ,0 Depressão leve27482, , ,0 Depressão grave22218, , ,0 SV x Dep. Sinal de Violência DepressãoSimNão Nº% % Normal – sem depressão253326, ,8 Depressão leve274829, ,8 Depressão grave222123, ,0 NR197720, ,4 Total , ,0

24 Depressão e sinal de violência Em casos em que a relação é depressão x o possível sinal de violência, temos o predomínio dos casos de depressão grave, 8,3%. Na situação inversa, quadros de depressão leve, 29,0%, podem indicar a presença de violência. Foram observados relatos do tipo: –Sinto minha vida vazia – 56,7% –Tenho abandonado meus interesses – 33,2% –Prefiro ficar em casa – 46,0%

25 A população está envelhecendo e parcela sofrerá de doenças crônico-degenerativas. Em breve existirá demanda com necessidade de cuidadores para a realização de AVD´s, porém a cultura brasileira ainda não visualiza essa necessidade. Conseqüentemente, não se responsabiliza por esses idosos que, independente de sofrerem violência, estarão necessitados de auxílio que já não recebem, como demonstrado SABE, o que permite reflexão sobre possível sinal de negligência, um tipo de violência contra o idoso. Dificuldade funcional x sinal de violência SV x DF Dificuldades em praticamente todas as atividades funcionais básicas e instrumentais

26 63,2% dos idosos que dependem de ajuda entre os que apresentam possíveis sinais de violência, não a recebem. 21,6% desses mesmos idosos recebem ajuda de apenas uma pessoa, o que demonstra a dificuldade atual em cuidar do idoso. Como ensinar uma sociedade que está envelhecendo a cuidar de seus idosos, sem atos abusivos? Dificuldade funcional x sinal de violência

27 Não seria diferente das diversas pesquisas: 49,8% - filhos 28,8% - genros e noras 22,6% - netos 21,4% - pessoas contratadas Quem ajuda o idoso com possível sinal de violência?

28 A maioria não trabalha. Dos que trabalham, 38,1% necessitam do ganho. Predomina a baixa renda, 38,3%. Sendo essa renda insuficiente para suas necessidades, 12,1. Mesmo assim, são responsáveis pelos seus próprios gastos, como comida, transporte ou medicamentos. Situação financeira do idoso com possível sinal de violência

29 Faixa baixa para estado nutricional, 38,5%. Porém, tal dado serve apenas para ilustrar a situação, uma vez que essa relação, para ser estabelecida, deve considerar diferentes variáveis, já que o idoso é mais suscetível a quadros de deficiência nutricional por interferência de doenças, condição cognitiva, próprios hábitos nutricionais, entre outras situações. Questão nutricional

30 Abuso financeiro/material: 17,2% Abuso físico: 13,8% Abuso psicológico: 55,1% Abandono/negligência: 45,0% Com essa avaliação qualitativa é possível estimar que, na população de São Paulo, talvez seja maior a predominância de violência psicológica, com maior abandono e negligência do idoso. Dados qualitativos de indicativos de tipos de violência observada

31 CONCLUSÃO Idosos vulneráveis ao risco de violência doméstica na cidade de São Paulo, em 2000, segundo o Estudo SABE realizado, concentram-se: –Entre as mulheres, com idade avançada (75 e mais anos), baixa escolaridade e solteiras. –A condição cognitiva desses idosos é prejudicada, com possível declínio cognitivo, necessitando de auxílio de cuidador. – Há predomínio de doenças limitantes, com perda de autonomia e independência, sendo que as quedas relacionam-se diretamente com o quadro de violência. Parece que quanto maior o número de quedas, maior a situação de violência doméstica.

32 CONCLUSÃO –Os idosos necessitam de ajuda nas atividades diárias, mas a maioria não recebe essa ajuda e seus possíveis perpetradores da violência concentram-se mais entre genros, noras e netos. –São idosos que pouco trabalham, mas dos que trabalham, necessitam muito do ganho, que é insuficiente para a cobertura de suas despesas mensais. –A condição nutricional, que pode ser decorrente de casos de violência doméstica, predomina com baixo índice de massa corporal.

33 CONCLUSÃO Mas quem são esses idosos? –Esse estudo atendeu seus objetivos quando conseguiu explorar preliminarmente o perfil dos idosos com hipótese de sofrer violência doméstica. –Nova edição do Estudo SABE já inseriu protocolo específico de avaliação de violência doméstica. –Tarefa de Saúde Pública: Lutar contra a violência ao idoso é desenvolver ainda mais a consciência de cidadania e aperfeiçoar políticas públicas que atendam a essa faixa, já significativa, de nossa população.

34 Obrigada!


Carregar ppt "VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA INDICAÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ana Paula Reolon Amadio Sanches Profª Tit. Maria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google