A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Escolas literárias e tradições artísticas Aula 3 Prof. William LITERATURA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Escolas literárias e tradições artísticas Aula 3 Prof. William LITERATURA."— Transcrição da apresentação:

1 Escolas literárias e tradições artísticas Aula 3 Prof. William LITERATURA

2 Eras literárias = conjunto de escolas Era medieval – Trovadorismo (séc. XII ao XIV) – Humanismo (séc. XV e início XVI) Era clássica – Classicismo (séc. XVI) – Maneirismo (séc. XVI) – Barroco (séc. XVII) – Neoclassicismo - Arcadismo(séc. XVIII) Era romântica – Romantismo (séc. XIX) – Realismo / Naturalismo / Parnasianismo – Simbolismo – Modernismo

3 Tradições artísticas Apolínea Equilíbrio e harmonia Regularidade e proporções Simplicidade, clareza e concisão Objetividade e racionalismo Ideal ético-estético (bem = Beleza) Dionisíaca Desequilíbrio e sinuosidade Desregramento e formas contorcidas Complexidade, obscuridade e hermetismo Subjetividade e sentimentalismo Irracionalismo e misticismo

4 Tradição Apolínia

5 Tradições artísticas Escolas literárias – ruptura/continuidade Tradição Apolínea Humanismo (em parte) Classicismo Neoclassicismo / Arcadismo Realismo / Naturalismo / Parnasianismo Modernismo (em parte) Dionisíaca Trovadorismo Humanismo (em parte) Maneirismo Barroco Romantismo Simbolismo Modernismo (em parte)

6 Trovadorismo Humanismo 1418/ Classicismo Cantigas de Amigo Eu lírico feminino Cantigas de Amor Amor Platônico Poesia Palaciana Cancioneiro Geral de Garcia de Resende (1516) Sá de Miranda Sonetos de Camões Novelas de Cavalaria (A demanda do Santo Graal) Fernão Lopes Crônicas Os Lusíadas de Camões Sem teatro secularGil VicenteTeatro de Camões

7 TRANSIÇÃO Enquanto o Maneirismo coloca o teocentrismo medieval em oposição ao antropocentrismo renascentista, o Barroco vai apresentar estes elementos opostos como partes de um só ser – o homem. CARACTERÍSTICAS DO BARROCO Dualismo: teocentrismo e antropocentrismo Sinuosidade labiríntica: obscuridade/complexidade Ornamentalismo (figuração abundante) antítese, parodoxo e oxímoro hipérbato (inversão), quiasmo, gradação, hipérbole aliteração e assonância sinestesia, metáfora e alegoria

8 Neoclassicismo Arcadismo O século XVIII possui uma nova configuração: O racionalismo ganha importância As ciências se desenvolvem A filosofia centra suas pesquisas no homem O absolutismo perde poder político Desenvolve-se o Despotismo esclarecido (Pombal) A burguesia está cada vez mais forte A revolução industrial acontece Cercamento dos campos, industrialização urbana

9 Resgate do folclórico nacional em oposição à imitação dos clássicos Desenvolvimento da burguesia no século XVIII Mobilidade social – crescimento individual Burguesia no poder e a formação de outro paradigma de Arte: arte como produto que pode receber um valor = liberdade do artista. Reflete um estado de espírito inconformista em relação ao intelectualismo, absolutismo, convencionalismo clássicos. Sturm und Drung (Tempestade e ímpeto) na Alemanha. ROMANTISMO

10 Real-naturalismo Objetivismo e impessoalidade Verossimilhança Pessimismo Análise psicológica 2ª metade do séc. XIX Realismo Naturalismo Todas as características do realismo – exceto a análise psicológica Determinismo de meio e raça (cientificismo) Patologia

11 Parnasse contemporain ( França) – Gauthier, Verlaine, Baudelaire Parnaso: monte grego no qual habitavam os poetas Negação dos valores estéticos do Romantismo. Busca da: Verdade=Beleza=Forma No Brasil: Fanfarras (1882), Teófilo Dias

12 Reforma social Exaltação formal Alienação Social Objetividade Descritivismo Realismo Parnasi- anismo

13 Simbolismo Surgimento: França, década de 1880 Reação subjetivista ao descritivismo parnasiano Sugestão por meio de símbolos, metáforas e da musicalidade Mistério, espiritualismo e misticismo Abandono das fórmulas poéticas rígidas Domínio do vago, do obscuro, do nebuloso

14 Simbolismo Correspondências Como longos ecos que de longe se confundem numa tenebrosa e profunda unidade. Vasta como a noite e como a claridade, os perfumes, as cores e os sons se correspondem. (Charles Baudelaire) Cristais diluídos de clarões alacres, Desejos, vibrações, ânsias, alentos, Fulvas vitórias, triunfamentos acres. Os mais estranhos estremecimentos. Sinestesia Imagens sem nexo lógico, intuição Estranho mimo aquele vaso! Vi-o Casualmente, uma vez, de um perfumado Contador sobre o mármore luzidio, Entre um leque e o começo de um bordado. X Alberto de Oliveira - Parnasiano (Cruz e Sousa)

15 Parnasianismo Simbolismo 1°Modernismo Preocupação formal Alienação social Objetividade Descrição Concreto Preocupação formal Alienação social Subjetividade Sugestão Metafísico Negação formal Crítica e análise social Subjetividade Ironia (Deboche) Concreto Liberdade formal Crítica e análise social Subjetividade sóbria Posturas varidas Resgate do Metafísico Preocupação formal Crítica e análise social Objetividade Descrição Concreto Modernismo

16 SAM Romantismo Realismo Naturalismo Parnasianismo Simbolismo Exemplo problemático: Pré-modernismo Não é Escola literária É momento literário: Publicar entre Não pertencer a nenhuma Escola Isso já bastava, mas eles possuem ainda mais uma semelhança: Realizaram uma revisão do Brasil, cada um de um modo específico.


Carregar ppt "Escolas literárias e tradições artísticas Aula 3 Prof. William LITERATURA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google