A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO Tel. (21) 8200-6716 Gestão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO Tel. (21) 8200-6716 Gestão."— Transcrição da apresentação:

1 Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO Tel. (21) Gestão Financeira 2013 – RPPS

2 LEI 9717/98 RESOLUÇÃO CMN 3922/10 COMITÊ DE INVESTIMENTOS PORTARIAS MPS 519/11 e 170/12 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO CORPO TÉCNICO Arcabouço Institucional

3 ADEQUAÇÃO DOS INVESTIMENTOS AO PASSIVO ATUARIAL CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS – DUE DILIGENCE ANÁLISE E SELEÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CUMPRIMENTO DA META ATUARIAL DE IPCA + 6% AO ANO (RENTABILIDADE MÍNIMA DOS INVESTIMENTOS PARA GARANTIR O PAGAMENTO DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES) ACOMPANHAMENTO COM MEDIDAS TÉCNICAS DOS PRODUTOS INVESTIDOS E COMPARATIVO COM DEMAIS PRODUTOS OFERECIDOS PELO MERCADO DIVERSIFICAÇÃO SOMENTE DO EXCEDENTE FINANCEIRO – PROTEÇÃO DO CAPITAL Arcabouço Técnico

4 Fluxo de caixa de entrada superior ao fluxo de caixa de saída Receitas previdenciárias maiores que as despesas com pagamento de benefícios Plano de custeio com receitas atuais e futuras em montante suficiente para cobrir as respectivas despesas previdenciárias Capitalização das sobras de caixa atuais que garantirão o pagamento de benefícios futuros Gestão Financeira Equilíbrio Financeiro Equilíbrio Atuarial

5 Aprova ç ão pr é via das Diretrizes e da Pol í tica de Investimentos Identificação da Oportunidade Fundamentação da análise Avaliação dos Investimentos Processo Decisório Risco de Liquidez Risco de Crédito Risco de Mercado Aprovação no CA e na Presidência Caso aprovado Realização do Investimento Comitê de Investimentos

6 Critérios para análise dos investimentos Seleção de Investimentos 1 Política de Investimentos aprovada pelo Conselho de Administração 4 Alocação eficiente dos recursos 3 Cumprimento das obrigações atuariais 2 Gerenciamento de Riscos Análise dos Investimentos

7 Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado oscilação do preço dos ativos Risco de Crédito Risco de Liquidez capacidade de pagamento Risco Operacional retenção do ativoexecução da ordem

8 Política de Gestão de Risco Risco de Crédito: Estipular os limites de risco de crédito para o RPPS, através dos ratings emitidos por agências classificadoras de risco em funcionamento no país. Ex: Risco de Mercado: Renda Fixa: Value at Risk (VaR) e Stress Test. Renda Variável: Value at Risk (VaR) e Tracking Error

9 O estabelecimento de projeções de fluxos de caixa ao longo do tempo e a classificação dos investimentos Gestão da Liquidez Modelo de gestão de liquidez Fluxos de Caixa Liquidez imediata Vencimentos na medida em que os recursos líquidos vão sendo utilizados no cumprimento das obrigações atuariais Fundos para Negociação Fundos Mantidos até o Vencimento Anos

10 Resolução CMN Segmento de Renda Fixa Até 15% dos recursos em moeda corrente do RPPS Cotas de Fundos de Investimentos em DIREITOS CREDITÓRIOS – FIDC, de baixo risco de crédito. Até 100% dos recursos em moeda corrente do RPPS Títulos Públicos Federais e Operações Compromissadas Até 20% dos recursos em moeda corrente do RPPS Até 30% dos recursos em moeda corrente do RPPS Até 80% dos recursos em moeda corrente do RPPS Limites Depósito em POUPANÇA (instituições com baixo risco de crédito) Cotas de Fundos de Investimentos de RENDA FIXA CDI, de baixo risco de crédito. Cotas de Fundos de Investimento REFERENCIADOS FAMÍLIA IMA em indicadores de desempenho de renda fixa; Cotas de Fundos de Investimento RENDA FIXA FAMÍLIA IMA de renda fixa ou referenciado, desde que apliquem recursos exclusivamente em títulos públicos federais ou títulos privados de baixo risco de crédito. Ativos de Renda Fixa

11 Resolução CMN Segmento de Renda Variável FUNDOS IMOBILIÁRIOS Até 30% dos recursos em moeda corrente do RPPS Cotas de Fundos de Investimento classificados como ações IBX e IBOVESPA. Até 15% dos recursos em moeda corrente do RPPS Limites FUNDOS DE PARTICIPAÇÃO Cotas de Fundos de Investimento MULTIMERCADO. Ativos de Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em AÇÕES OUTROS. Até 5% dos recursos em moeda corrente do RPPS. Até 5% dos recursos em moeda corrente do RPPS. Até 5% dos recursos em moeda corrente do RPPS.

12 Títulos Públicos Federais Pós-fixado (Selic)Letra Financeira do TesouroLFT Pré-fixado Pré-Fixado (cupom) IPCA + Cupom Característica Letra do Tesouro Nacional Nota do Tesouro Nacional – Série F Nota do Tesouro Nacional – Série B Nome LTN NTN-F NTN-B Título

13 Investidores de longo prazo podem ser: fundos de pensão, RPPS, empresas capitalizadas, indivíduos e famílias com patrimônio substancial. Ao longo dos últimos 25 anos, tem sido constante o debate sobre quais os investimentos mais adequados para investidores de longo prazo. Debate renda fixa x renda variável: Para um portfolio de longo prazo, conceitualmente, qual é o melhor investimento, renda fixa ou renda variável? Política de Investimentos

14 Processo de Seleção de Gestores Apresentar os critérios que serão utilizados na seleção dos gestores: Critérios Qualitativos – Credibilidade da Instituição junto ao mercado financeiro – Solidez da Instituição – Experiência na gestão de recursos de clientes institucionais – Qualidade da equipe e turnover – Qualidade do atendimento na área de relacionamento Critérios Quantitativos: – Performance (risco/retorno) dos produtos enquadrados na legislação vigente – Performance do gestor nos momentos de crise

15 Debate Renda Fixa x Renda Variável Os investidores têm sido seguidores do culto às ações

16 Visão tradicional de alocação de ativos: concentração em renda fixa. Conseqüência: modelo fortemente baseado na obtenção de retornos dependentes de um único ativo. Este modelo apresenta alto risco para investidores de longo prazo: boas decisões de alocação geram superávits significativos; más decisões geram déficits significativos. dependência crônica dos movimentos e humores do mercado financeiro. Debate Renda Fixa x Renda Variável

17 Concentração de alocação em renda fixa. Correção recente em favor de maiores alocações em renda variável. Ações e outras classes de ativos devem fazer parte de uma alocação diversificada. A ausência destes ativos acarreta em risco de erosão do poder de compra, sem a possibilidade de recomposição através de retornos obtidos pela gestão eficiente (renúncia injustificada de rentabilidade). Debate Renda Fixa x Renda Variável - Conclusões

18 Fundo de Ações Títulos Públicos Alocação Ótima Fundo Direitos Creditórios Fundos Participação Fundos Imobiliários Fundos de Renda Fixa Comitê de Investimentos / Conselho Deliberativo Análise de Riscos e Expectativa de Retornos por Estratégia Seleção de Instrumentos e Gestores Fundos Multimercados Modelo de Otimização de Rentabilidade

19 Proteção do Capital

20 PERCENTUAL MÍNIMO DO CAPITAL PROTEGIDO PERFIL DE RISCO 100% Inviável. Não cumpre meta atuarial no atual cenário econômico 85% Conservador 75% Moderado 65% Agressivo Abaixo de 65% Inviável. Muito arriscado Proteção do Capital

21 Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI- RIO Tel. (21) OBRIGADO!


Carregar ppt "Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO Tel. (21) 8200-6716 Gestão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google