A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ATENÇÃO AS PRÓXIMAS IMAGENS PODERÃO FERIR A SENSIBILIDADE DE ALGUMAS PESSOAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ATENÇÃO AS PRÓXIMAS IMAGENS PODERÃO FERIR A SENSIBILIDADE DE ALGUMAS PESSOAS."— Transcrição da apresentação:

1

2

3

4

5 ATENÇÃO AS PRÓXIMAS IMAGENS PODERÃO FERIR A SENSIBILIDADE DE ALGUMAS PESSOAS.

6 SERRA CIRCULAR

7

8

9

10 EXPLOSIVOS

11 EXPLOSIVOS Heridas con pérdida de sustancia en miembro inferior izquierdo por artefacto pirotécnico

12 QUEIMADURA PRODUTOS QUÍMICOS

13 QUEIMADURA

14 ELECTROCUSSÃO

15 ELECTROCUSSÃO

16 ELECTROCUSSÃO

17 QUEDA EM ALTURA

18 QUEDA DE MATERIAIS Herida inciso-contusa en peón de albañilería sin casco protector. Falleció a consecuencia de una fractura craneal.

19 QUEDA DE MATERIAIS Herida infectada. Gangrena. 6 horas de evolución.

20 QUEIMADURAELECTRICIDADE

21 QUEIMADURAELECTRICIDADE

22 QUEIMADURAELECTRICIDADE

23 QUEIMADURAELECTRICIDADE

24 ELECTROCUSSÃO

25 ELECTROCUSSÃO

26

27

28

29 PORTUGAL ESPANHA FRANÇA REINO UNIDO SUÉCIA ALEMANHA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS UNIDOS JAPÃO BRASIL NÚMERO DE ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS POR CADA TRABALHADORES 1999 IGT / INE

30 ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS - POR ACTIVIDADE

31 ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS (IGT) SECTOR DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS

32 Quedas em altura (39%) Quedas de nível (1%) Causas desconhecidas (3%) Outras Causas (5%) Electrocussão (10%) Soterramento (11%) Esmagamento (22%) ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS (IGT) DISTRIBUIÇÃO SEGUNDO AS CAUSAS

33 OCORRÊNCIA DOS ACIDENTES POR PROFISSÕES PROFISSÕES% Pedreiros40 % Motoristas / Manobradores18 % Carpinteiros16 % Pintores8 % Montadores de estruturas4 % Outros14 % Total100 % IGT

34 INCIDÊNCIA DOS ACIDENTES SEGUNDO A ANTIGUIDADE NA EMPRESA IGT Antiguidade na empresa% Até 6 meses51 % De 6 a 12 meses6 % De 13 a 36 meses12 % De 37 a 60 meses2 % De 61 a 120 meses12 % Mais de 120 meses9 % Desconhecido8 % Total100 %

35 INCIDÊNCIA DOS ACIDENTES EM TRABALHADORES COM ANTIGUIDADE ATÉ 6 MESES IGT ANTIGUIDADE% 1 dia14 % De 2 a 30 dias40 % Mais de 30 dias46 % Total100 %

36 OS DIAS MAIS NEGROS DA SEMANA IGT Acidentes de Trabalho Mortais DiaNº Acidentes% 2ª Feira7726,80% 3ª Feira134,50% 4ª Feira5519,20% 5ª Feira5820,20% 6ª Feira4315,00% Sábado3612,50% Domingo51,30% Nota: O número de acidentes verificados ao Sábado tem a ver com o aumento do trabalho neste dia em alguns sectores de actividade, nomeadamente na Construção Civil.

37 AS PIORES HORAS DO DIA O período das 12h às 16h é o pior em termos de sinistralidade. PORQUE SERÁ?

38 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS Auto Estrada (A2)

39 Jovem português de 25 anos caiu de uma altura de 26 metros durante a construção de uma ponte sobre o rio Sado, no concelho de Ferreira do Alentejo. A Inspecção Geral do Trabalho (IGT) concluiu que o acidente aconteceu por ausência condições de segurança. 16 Janeiro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

40 «Base de apoio cedeu devido à chuva» A acumulação de águas das chuvas no terreno terá originado a queda do viaduto da Ribeira da Fanadia, Caldas da Rainha. A Protecção Civil só confirma a existência de três mortos, embora outras fontes revelem quatro óbitos. De acordo com as conclusões do relatório o acidente foi provocado pela deslocação dos solos e um erro de cálculo do cimbre. O documento refere também a «insuficiência de fiscalização em termos da dimensão da empresa» e sublinha a «falta de aprovação por parte da concessionária do projecto do cimbre». 19 Janeiro de 2001 Entretanto na A 15

41 Um trabalhador da Metalogalva - empresa que fornece estruturas metálicas às auto-estradas - morreu, esta tarde, durante o descarregamento de uma carga de grades de protecção, nas obras da A15. O trabalhador que se encontrava em cima do viaduto «foi projectado de uma altura de 25 metros devido ao rebentamento de uma das cintas que envolvia a estrutura metálica que ia ser descarregada». 24 Maio de 2001 Entretanto na A 15

42 No mesmo dia (segunda-feira), foram registados dois óbitos de trabalhadores das obras da A15. Um operário de 35 anos, de Marco de Canavezes, morreu segunda-feira, atropelado por um cilindro, no viaduto de Alcobertas, nas obras da auto- estrada A15, entre as Caldas e Santarém. Uma queda de 12 metros do viaduto de Fanadia provocou esta tarde a morte de um outro trabalhador. 30 Julho de 2001 Entretanto na A 15

43 Um operário português morreu esmagado por um cilindro quando procedia ao espalhamento e compactação de terras no viaduto do Barranco da Vinha. Falhas de segurança e falta de formação específica dos trabalhadores que operavam as máquinas estiveram na origem do acidente, disse a IGT. 11 de Setembro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

44 Um romeno de 24 anos morreu esmagado por elementos metálicos que estavam a ser transportados por uma grua. «A não adopção das adequadas medidas de prevenção», foi a causa apontada pela IGT. Outubro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

45 Este foi o mês mais dramático da construção da A2. Três brasileiros e dois guineenses perderam a vida ao serem arrastados pela queda do viaduto do Barranco do Sambro (Gomes Aires). O inquérito da IGT concluiu que a falta de coordenação de segurança, deficiências no projecto da estrutura do cimbre e deficiência do material empregue na estrutura e respectiva montagem foram as causas directas do acidente. O Ministério Público ainda está a apurar as responsabilidades criminais. 12 de Dezembro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

46 12 de Dezembro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

47 CARROS DE AVANÇO

48 CIMBRE AO SOLO

49 Apenas 48 horas depois de outros cinco trabalhadores terem morrido num acidente nas mesmas obras, mais um operário faleceu hoje na construção da auto-estrada A-2. Um ucraniano de 41 anos morreu esmagado dentro de uma betoneira, tendo a inspecção concluído que além do «comportamento de risco» do trabalhador houve «falta de controlo directo e presencial das operações» por parte da cadeia hierárquica. 14 de Dezembro de 2001 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

50 No estaleiro do nó de acesso à Portela de Messines, um homem de 59 anos é esmagado por uma motoniveladora. «Não foi tido em conta pela entidade empregadora nem pelo consórcio empreiteiro o princípio de prevenção básico relativo à organização do trabalho», concluiu o relatório da IGT. Fevereiro de 2002 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

51 Um motorista de 40 anos caiu e foi atingido por ferros quando ajudava a descarregar um camião. O motorista teve morte imediata. 13 de Abril de 2002 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS

52 Durante a descofragem de uma viga no viaduto do Cerro da Barreira, em Messines, um trabalhador de 34 anos morreu no local e um jovem de 19 anos faleceu já no hospital. Outros quatro operários ficaram feridos. 24 de Julho de 2002 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS A pouco mais de 24 horas da inauguração da Auto Estrada do Sul (A2), o luto voltou a ensombrar uma obra que, no seu troço final, entre Castro Verde e a Via do Infante, já fez 14 mortes.

53 Auto-estrada do Sul (A2) 62 QUILÓMETROS FATÍDICOS Acidente no viaduto do Cerro da Barreira

54

55

56 O trabalho de remoção da viga que caiu foi feito hoje, mas poderia ter ocorrido só daqui a dois meses, significando isto que o acidente não teve rigorosamente nada a ver com um possível aceleramento das obras, com vista à inauguração, marcada para amanhã da Auto Estrada. 24 de Julho de 2002 DECLARAÇÕES DO MINISTRO VALENTE DE OLIVEIRA

57 RESPONSABILIDADES ? INQUÉRITO AO ACIDENTE DE 12 de Dezembro de 2001 CINCO MORTOS DEVIDO À QUEDA DE UM VIADUTO MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL Gabinete do Secretário de Estado das Obras Públicas

58 A tragédia, que provocou a morte de 5 trabalhadores, terá resultado fundamentalmente de falhas do projecto da estrutura do cimbre e de deficiências quer do material empregue na estrutura, quer na respectiva montagem. O acidente terá sido essencialmente resultante da instabilização de colunas das torres do cimbre, em consequência da sua elevada esbelteza (decorrente de uma altura de cerca de 30 metros), da inexistência de um contraventamento eficaz das colunas centrais das torres.

59 O empreiteiro não comunicou à concessionária dona da obra a contratação de dois subempreiteiros responsáveis pelo fornecimento do material e pela montagem da estrutura do cimbre. Estes subempreiteiros não possuem o necessário Certificado de Classificação de Empreiteiro de Obras Públicas, situação que a concessionária dona da obra, através da sua fiscalização, não poderia ignorar. O relatório revela ainda que o projecto do cimbre foi apresentado ao dono da obra que o submeteu à empresa projectista do viaduto. Esta, por seu turno, não detectou qualquer deficiência. Tais condutas, nos termos do parecer que acompanha o relatório, serão eventualmente enquadráveis no conceito de negligência.

60 A ocorrência do acidente poderá assim estar associada a eventuais condutas negligentes, totalmente inaceitáveis numa actividade de risco para a vida humana como é a da construção de infra-estruturas rodoviárias. Por tais razões determinou a remessa do inquérito à Procuradoria- geral da República, para apuramento de eventual responsabilidade criminal pelas mortes causadas pelo acidente, bem como da responsabilidade civil conexa com a responsabilidade criminal a que, na circunstância, possa haver lugar.

61 Por outro lado, determinou o envio dos autos ao Instituto dos Mercados de Obras Públicas e Particulares e do Imobiliário (IMOPPI), para configuração legal das responsabilidades do dono da obra, do empreiteiro, dos subempreiteiros e do projectista. Finalmente, ordenou a remessa dos autos à Inspecção-geral do Trabalho e ao Instituto das Estradas de Portugal, no caso deste instituto rodoviário para desencadeamento de uma acção de avaliação das condições de fiscalização dos empreendimentos a cargo da concessionária dona da obra (Brisa SA).

62 Referindo-se aos requisitos de segurança exigidos aos empreiteiros, a nota refere estarem previstas as sanções de suspensão e cancelamento de actividade, «pelo que a IGT participará este acidente e remeterá o respectivo inquérito ao Instituto de Mercados de Obras Públicas e Particulares e do Imobiliário». Relativamente ao dono-de-obra (Brisa), a nota da IGT salienta que «a inexistência de coordenação de segurança traduz uma prática muito grave que implica que um dos maiores donos-de-obra assuma, no plano de gestão, o incumprimento da legislação europeia e nacional». Decisão (I.G.T.)

63 E em 2003? SERÁ QUE ALGO MUDOU?

64 OPERÁRIO MORRE EM TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO Um homem de 24 anos morreu ontem vítima de um acidente de trabalho em Vila Nova de Paiva. Tudo aconteceu quando o jovem e os seus colegas estavam a demolir uma casa. O comandante dos Bombeiros Voluntários locais, César Fonseca, adiantou ao nosso Jornal que a vítima e alguns colegas de trabalho «estavam a proceder à demolição de uma casa, mais concretamente de parte de uma placa de cimento que acabou por cair em cima do jovem». O Diário Regional de Viseu apurou ainda que a mesma empresa já tinha efectuado várias obras na região e que nunca tinha acontecido nada. Diário Regional de Viseu 17 de Junho de 2003

65 TRÊS OPERÁRIOS FERIDOS EM QUEDA DE TELHADO Três trabalhadores ficaram ontem feridos com alguma gravidade quando reparavam um telhado e este cedeu, provocando a sua queda de uma altura de cinco a seis metros. Apesar de ainda não estarem apuradas as causas do acidente, tudo indica que a cobertura, não terá suportado o peso dos três trabalhadores, que acabaram por cair no interior do armazém – num local onde não se encontravam viaturas estacionadas. Jornal de Notícias 05 de Julho de 2003

66 OPERÁRIO MORRE EM ACIDENTE COM GRUA Um operário de construção civil morreu ontem, ao princípio da tarde, numa obra na Urbanização da Encosta do Sol, em Gualtar. A pesada estrutura em ferro ficou desequilibrada, por ter rebentado o cabo do contrapeso, e caiu de uma altura de três metros. José Mendonça, que estava mesmo debaixo, foi colhido sem qualquer hipótese de fuga. O trabalhador, de 41 anos, casado, de Ferreiros, que deixa órfão um bebé de um ano, tinha acabado de recolher um balde de cimento, que a grua descera momentos antes do acidente. Quando se preparava para colocar o gancho noutro balde, o braço da grua precipitou-se sobre ele. O nome de José Mendonça Duarte junta-se, assim, aos de outras vítimas mortais que se têm registado em obras de construção civil, no distrito de Braga, nos últimos meses. Jornal de Notícias 24 de Julho de 2003

67 OPERÁRIO INTERNADO COM QUEIMADURAS Um trabalhador da construção civil foi ontem internado em estado muito grave, após ter cortado acidentalmente um cabo eléctrico numa obra no Largo Vítor Damásio, em Lisboa. Fonte hospitalar disse que o operário, de cerca de 40 anos, tinha um prognóstico "muito reservado", visto que apresentava queimaduras de terceiro grau em 90 por cento do corpo. O Primeiro de Janeiro 24 de Julho de 2003

68 MORTOS NO FUNDO DO POÇO ASFIXIA Dois cunhados não terão resistido à possível acumulação de gases quando instalavam uma escada num poço em Vouzela; Um bombeiro tentou resgatá-los sem máscara de protecção e também faleceu. As vítimas não morreram por afogamento. Estamos à espera do resultado da autópsia, mas tudo leva a crer que terão sucumbido à inalação de gases e à falta de oxigénio afirmou o coordenador distrital do Serviço Nacional de Bombeiros. Uma tese que a mesma fonte justifica com o facto de toda a zona ser de origem vulcânica, rodeada de antigas minas de extracção de volfrâmio e de explorações avícolas. Jornal de Notícias 21 de Agosto de 2003

69 MORTO A LIMPAR POÇO Um morto e dois feridos graves, é o balanço de um acidente ocorrido ontem, no concelho de Penafiel, na sequência da limpeza de um poço. Recorde-se que, na passada terça-feira, três homens morreram dentro de um poço em Vouzela. As razões terão sido as mesmas: Libertação de gases ou falta de oxigénio. O acidente terá ocorrido quando um operário se encontrava a limpar um poço, com cerca de seis metros de profundidade, e perdeu os sentidos. Na tentativa de salvarem o sinistrado, ficaram gravemente feridos dois colegas de profissão. Jornal de Notícias 24 de Agosto de 2003

70 ACIDENTE DE TRABALHO Aquele que se verifique no local e no tempo de trabalho e produza directa ou indirectamente lesão corporal, perturbação funcional ou doença de que resulte a redução na capacidade de trabalho ou de ganho ou a morte. Lei 100/97 de 13 de Setembro Definição de Acidente de Trabalho

71 PODEMOS DIZER QUE CONSTITUEM ACIDENTES DE TRABALHO AQUELES QUE SE VERIFIQUEM: A) No local e tempo de trabalho; B) No trajecto de ida e regresso para o local de trabalho nos termos regulamentados; C) Na execução de serviços espontaneamente prestados e que possa resultar proveito económico para a entidade empregadora; D) No local de trabalho, quando em frequência de curso de formação profissional ou, fora do local de trabalho, quando haja autorização expressa pela entidade empregadora; E) Em actividade de procura de emprego durante o crédito de horas para tal concedido por lei aos trabalhadores com processo de cessação de contrato de trabalho em curso F) Fora do local ou do tempo de trabalho, quando verificado na execução de serviços determinados pela entidade empregadora.

72 Decreto-Lei nº 143/99: Relativamente aos números anteriores estão compreendidos os acidentes que se verifiquem no trajecto normalmente utilizado: Entre a residência habitual ou ocasional desde a porta de acesso para as áreas comuns do edifício, até às instalações que constituem o seu local de trabalho; Não deixa de se considerar acidente de trabalho o que ocorrer quando o trajecto normal tenha sofrido interrupções ou desvios determinados pela satisfação de necessidades atendíveis do trabalhador, bem como por motivo de força maior ou por caso fortuito.

73 Descaracterização do Acidente Não confere direito a reparação, o acidente: Que for dolosamente provocado pelo sinistrado ou provier do seu acto ou omissão, que importe violação, sem causa justificativa, das condições de segurança estabelecidas pela entidade empregadora ou previstas na lei ; Que provier de negligência grosseira do sinistrado; Que resultar de privação permanente ou acidental do uso da razão do sinistrado, nos termos da lei civil, salvo se derivar da própria prestação de trabalho, for independente da vontade do sinistrado ou se o empregador ou o seu representante, conhecendo o estado do sinistrado, consentir a prestação; Que provier de motivo de força maior (devido a forças inevitáveis da natureza, não constituindo risco criado pelas condições de trabalho). Lei 100/97

74 Descaracterização do Acidente Causas justificativas da violação das condições de segurança: Se o acidente resultar de incumprimento de norma legal ou estabelecida pela entidade empregadora da qual o trabalhador, face ao seu grau de instrução ou acesso à informação dificilmente teria conhecimento ou, tendo-o, lhe fosse manifestamente difícil entende-la; Entende-se por negligência grosseira o comportamento temerário em alto e relevante grau, que não se consubstancie em acto ou emissão resultante da habitualidade ao perigo do trabalho executado, da confiança na experiência profissional ou dos usos e costumes da profissão. Decreto-Lei 143/99

75 Estudo de caso Será acidente de trabalho ?

76 INCAPACIDADES ABSOLUTA (IPA) a) Para todo e qualquer trabalho: Pensão anual e vitalícia de 80% da retribuição e subsídio por situações de elevada incapacidade permanente. b) Para o trabalho habitual: Pensão anual e vitalícia compreendida entre 50 e 70% da retribuição. PARCIAL (IPP) a) Igual ou superior a 30%: Pensão anual e vitalícia de 70% da redução sofrida e subsídio por situações de elevada incapacidade permanente, em caso de (IPP) igual ou superior a 70%. b) Inferior a 30%: Capital de remissão de uma pensão anual e vitalícia correspondente a 70% da redução sofrida na capacidade geral de ganho. PERMANENTE:

77 INCAPACIDADES ABSOLUTA (ITA) Indemnização diária igual a 70% da retribuição. PARCIAL (ITP) Indemnização diária igual a 70% da redução sofrida na capacidade geral de ganho. TEMPORÁRIA: REMUNERAÇÃO MENSAL = 14 x SALÁRIO / 12 REMUNERAÇÃO DIÁRIA = REMUNERAÇÃO MENSAL / 30 O dia que ocorre o acidente não é pago pela seguradora

78 CUSTOS DOS ACIDENTES Indemnizações por salário perdidos; Pensões por invalidez ou morte; Gastos em assistência médica; Custos de reabilitação; Prestação de primeiros socorros; … CUSTOS DIRECTOS (SEGURADOS)

79 CUSTOS DOS ACIDENTES Tempo perdido pelo acidentado e demais colegas; Custos de investigação do acidente; Custos resultantes da selecção e formação de um substituto; Perdas de produção devidas a perdas de rendimento; Perdas devidas a falta de qualidade, produto defeituoso; Perdas comerciais por não cumprimento de prazos; Custos dos danos produzidos em máquinas e instalações; Perdas de tempo por motivos jurídicos; Perdas resultantes da deterioração da imagem da empresa;... CUSTOS INDIRECTOS (NÃO SEGURADOS)

80 EXEMPLO O António, trabalhador temporário, foi enviado para proceder à montagem de móveis de escritório, num edifício recém-concluído. O responsável da obra, João e o responsável da montagem, Bernardo, aguardam-no. Às 11 horas, quando estão a proceder à descarga do camião que veio entregar os móveis, um destes escorrega das mãos de Bernardo, bate no ombro de António e cai no chão. Resultado: Um ombro lesionado e um armário parcialmente danificado. 3 dias de incapacidade temporária

81 CONSEQUÊNCIAS DO ACIDENTE Custos Directos: 3 dias de indemnização ao trabalhador sinistrado; Despesas hospitalares; Custos Indirectos: 5 horas de trabalho perdidas pelo trabalhador sinistrado; Bernardo interrompeu o trabalho para prestar assistência (15 min.); João conduz o sinistrado ao hospital (15min. / 3 km.); João passa pela seguradora para tratar da tramitação do acidente (45 min. / 5 km.); João volta ao hospital para entregar a documentação e indagar acerca do estado de saúde de António. Tem de aguardar porque está no RX. (50 min. / 5 km.); De regresso à obra, João deixa António em casa (20 min. / 4 km.);

82 CONSEQUÊNCIAS DO ACIDENTE João contacta o escritório solicitando as peças para reparar o armário (10 min. TLM.) ; A necessidade de cumprir prazos obriga à contratação de um substituto, junto da empresa de trabalho temporário. Para ganhar tempo, o responsável da obra assegura o transporte deste (1 hora / 16 km.); Um furgão vem entregar as peças solicitadas (1 hora / 30 km.) ; Substituição das partes deterioradas do armário (1 hora 30 min.) ; Os atrasos impedem a finalização do trabalho no prazo previsto, obrigando a equipa a voltar no dia seguinte (3 horas x 3 trabalhadores); Participação formal do acidente (20 min.); Celebração de novo contrato (10 min.) ; Realização de inquérito ao acidente, elaboração de ficha e outras formalidades (1 hora); …

83 CONCLUSÃO CUSTOS TOTAIS - CT CUSTOS TOTAIS - CT CUSTOS DIRECTOS - CD CUSTOS DIRECTOS - CD CUSTOS INDIRECTOS - CI CUSTOS INDIRECTOS - CI (CT = CD + CI) CI >> CD CD CI

84 EXERCÍCIO 1 Numa obra de construção civil ocorreu um acidente às 14h00 no dia 14 de Janeiro de 2000, do qual resultaram ferimentos graves para um trabalhador. Considerando que: Os demais (3) colegas interromperam a sua actividade pelo período de 2 horas, Do acidente resultou um ITA até ao dia 29 de Fevereiro, seguida de um período de incapacidade temporária parcial de 20% até ao dia 10 de Março. O acidentado regressou ao trabalho no dia 11 de Março. Do acidente resultaram perdas em material danificado estimadas em 780, danos em equipamento de 870 e uma perda de produção estimada em 750. A prestação de cuidados médicos e assistência ao operador totalizaram O horário de trabalho igual para todos os trabalhadores da empresa, compreende o período da 8h00 às 17h00, com uma hora para almoço. A remuneração auferida pelo operador sinistrado é de mensais, e a dos colegas 900. (ambos com direito ao subsídio de férias e de Natal). a) Qual o montante de indemnização paga ao sinistrado? b) Qual o montante dos custos suportados pela empresa e a relação entre os custos indirectos e totais?

85 a) Montante da indemnização paga ao sinistrado: R.M. = 14 x / 12 = 1.341,70 R.D. = 1.341,70 / 30 = Dias (ITA): ( ) + (29) = 46 Dias Dias (ITP): 10 Dias Indemnização (ITA): 46 x 0.7 x = 1.440,00 Indemnização (ITP): 10 x 0.2 x 0.7 x = 62,60 Indemnização Total: 1.440, ,60 = 1.502,60 b) Custos suportados pela empresa e relação entre custos directos e indirectos Custos indirectos: Suportados pela empresa: Horas perdidas: Acidentado: 3 horas, Colegas: 3 x 2 = 6 horas Custo hora acidentado: / 8 = 5,59 Custo hora colegas: 14 x 900 / 12 / 30 / 8 = 4,38 Custos com pessoal: 6 x 4, x 5,59 = 43,05 Perdas em material danificado: 780 Perdas em equipamento: 870 Perda de produção: 750 Total: = 2.443,05 Custos directos: Suportados pela seguradora: Indemnizações: 1.502,60 Cuidados médicos: 1.350,0 Total: 1.520, ,00 = 2.870,60 Custos Totais: 2.870, = 5.313,65 Custos indirectos / Custos totais x 100 = 46% RESOLUÇÃO

86 ÍNDICE DE INCIDÊNCIA Representa o número de acidentes com baixa por cada trabalhadores. Índice de incidência = nº de acidentes com baixa nº médio de trabalhadores X 10 3

87 ÍNDICE DE FREQUÊNCIA Representa o número de acidentes com baixa por milhão de horas-homem trabalhadas. Índice de frequência = nº de acidentes com baixa nº de horas-homem trabalhadas X 10 6

88 ÍNDICE DE GRAVIDADE Representa o número de dias úteis perdidos por mil horas- homem trabalhadas. Índice de gravidade = Nota: Um acidente mortal ou uma IPA, equivale a dias de trabalho Nota: IPP (x %) x % x nº de dias úteis perdidos nº de horas-homem trabalhadas X 10 3

89 ÍNDICE DE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE Representa o número de dias úteis perdidos, em média, por acidente. I AG = IGIG IFIF X 10 3

90 Uma empresa industrial, com 3000 trabalhadores, apresenta o seguinte quadro de sinistralidade em 2000: EXERCÍCIO 2 TrimestreNº dias úteis de baixa Índice de Frequência cumulativo 4º (1999) º (2000) º (2000) º (2000) º (2000)30028 Sabendo que o nº mensal de horas-homem trabalhadas é de 3,5x10 6 ; Tendo conhecimento que no período em questão ocorreram dois acidentes (contabilizados no quadro anterior), com incapacidade permanentes parciais previstas de 8 e 10%. Determine os índices anuais de frequência, incidência e avaliação de gravidade, em 2000.

91 I F = 28 = (n / 12 x 3,5 x 10 6 ) x 10 6 n = 1176 (acidentes com baixa) I I = (1176 / 3000) x 10 3 = 392 acidentes com baixa / 100 trabalhadores I G = (nº dias úteis perdidos / nº horas-homem trabalhadas) x 10 3 Nº dias úteis perdidos ? IPP 8% 0,08 x 7500 = 600 dias úteis perdidos IPP 10% 0,1 x 7500 = 750 dias úteis perdidos Total de dias úteis perdidos = =2160 I G =(2160 / 12 x 3,5 x 10 6 ) x 10 3 = 0,0051 dias úteis perdidos / 1000 horas- homem trabalhadas. I AG = (I G / I F ) x 10 3 = (0,051 / 28) x 10 3 = 1,84 dias úteis perdidos / acidente RESOLUÇÃO

92 Actividade Económica Taxa de Incidência Taxa de Gravidade Agricultura, Caça e Silvicultura85,30,5 Pesca153,11,1 Indústrias Extractivas601,51,4 Indústria Metalomecânica253,50,9 Construção Civil e Obras Públicas161,01,5 Indústria de Madeira e Cortiças164,81,0 Taxa de Incidência e Taxa de Gravidade dos acidentes de trabalho por actividade económica, por cada mil trabalhadores (1996). Que conclusões tira deste quadro estatístico?


Carregar ppt "ATENÇÃO AS PRÓXIMAS IMAGENS PODERÃO FERIR A SENSIBILIDADE DE ALGUMAS PESSOAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google