A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: MITOS, PRECONCEITOS E DESAFIOS Ana Amélia Camarano Junho, 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: MITOS, PRECONCEITOS E DESAFIOS Ana Amélia Camarano Junho, 2012."— Transcrição da apresentação:

1 ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: MITOS, PRECONCEITOS E DESAFIOS Ana Amélia Camarano Junho, 2012

2 INDIVIDUAL; DA POPULAÇÃO ENVELHECIMENTO

3 MEDIDO PELA ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER: PASSOU DE 62,4 PARA 73,5 ANOS DE 1980 A PERDAS PROGRESSIVAS DE FUNÇÃO E PAPÉIS SOCIAIS; PROCESSO ÚNICO QUE DEPENDE DE: CAPACIDADES BÁSICAS, ADQUIRIDAS E, MEIO AMBIENTE. ENVELHECIMENTO INDIVIDUAL

4 ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15 QUEDA DA FECUNDIDADE. A PROPORÇÃO DA POPULAÇÃO DE 60 ANOS E MAIS NO TOTAL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA PASSOU DE 4,1% EM 1940 PARA 10,8% EM 2010 (ENVELHECIMENTO PELA BASE). PROCESSO REVERSÍVEL: AUMENTO DA FECUNDIDADE. O MUNDO INTEIRO ENVELHECEU. ENVELHECIMENTO POPULACIONAL PELA BASE

16 QUEDA DA MORTALIDADE NAS IDADES AVANÇADAS; 1980: EM 100 MULHERES, 28 COMPLETAVAM O 80º ANIVERSÁRIO; 2010: 54 COMPLETAVAM; O ENVELHECIMENTO PELO TOPO ALTERA A COMPOSIÇÃO ETÁRIA DENTRO DO PRÓPRIO GRUPO, OU SEJA, A POPULAÇÃO IDOSA TAMBÉM ENVELHECEU. EM 2010, A PROPORÇÃO DA POPULAÇÃO MAIS IDOSA, DE 80 ANOS OU MAIS DE IDADE REPRESENTAVA 14,3% DO TOTAL DA POPULAÇÃO IDOSA. O ENVELHECIMENTO PELO TOPO FOI MAIS EXPRESSIVO ENTRE AS MULHERES: FEMINIZAÇÃO DA VELHICE. ENVELHECIMENTO POPULACIONAL PELO TOPO

17 PREOCUPAÇÃO EM DIVIDIR A VIDA EM FASES NÃO É NOVA. IDADES DO HOMEM - INFÂNCIA, MATURIDADE E VELHICE - IMORTALIZADA EM QUADROS DE TICIANO ( ) E GIORGIONE ( ). SHAKESPEARE, NA PEÇA AS YOU LIKE IT, MENCIONA OITO IDADES DO HOMEM: O INFANTE, O ESCOLAR, O AMANTE, O SOLDADO, O HOMEM MADURO, A VELHICE, A SENILIDADE E A MORTE. FASES DA VIDA

18

19 VULNERABILIDADES FÍSICAS E MENTAIS; PROXIMIDADE DA MORTE; PERDA DE PAPÉIS SOCIAIS; PAPÉIS QUE PODEM SER PERDIDOS E OUTROS QUE SÃO MANTIDOS, ADQUIRIDOS OU MODIFICADOS AO LONGO DA VIDA. APOSENTADORIA; MORTE DO CÔNJUGE: VIÚVEZ; PERDA DE IRMÃOS, AMIGOS; SER AVÓS; PAPÉIS PARENTAIS (INVERSÃO). O QUE DIFERENCIA ESTE GRUPO DOS DEMAIS?

20 A VIDA COMEÇA AOS 60 (Veja, 2003). HOMENS: 21,2 anos MULHERES: 24,8 anos FASE MAIS LONGA QUE A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA JUNTAS. UMA OU MAIS FASES DA VIDA???

21 CRITÉRIO ETÁRIO: MOMENTO A PARTIR DO QUAL OS INDIVÍDUOS SÃO CONSIDERADOS VELHOS; DEFINIÇÃO BRASILEIRA: HETEROGENEIDADE... SER IDOSO IDENTIFICA NÃO SOMENTE INDIVÍDUOS EM UM DETERMINADO PONTO DO CICLO DE VIDA ORGÂNICO, MAS TAMBÉM EM UM DETERMINADO PONTO DO CURSO DE VIDA SOCIAL. A CLASSIFICAÇÃO SITUA OS INDIVÍDUOS EM DIVERSAS ESFERAS DA VIDA SOCIAL: TRABALHO, FAMÍLIA, ETC. HETEROGENEIDADE DO SEGMENTO

22

23 COMEÇO DE UMA NOVA FASE DA VIDA, COM PROJETOS INDEPENDENTES, MAS COM ANGÚSTIAS E INCERTEZAS. SIMONE DE BEAUVOIR: OS JOVENS VIVEM A ANGÚSTIA DO INGRESSO NO MERCADO DE TRABALHO E OS IDOSOS A ANGÚSTIA DE SEREM EXPELIDOS. JANUS: UMA FACE OLHA PARA A LIBERDADE E A OUTRA PARA A ANGÚSTIA, INCERTEZA, MEDO DA MORTE (ROSISKA OLIVEIRA ). UMA NOVA FASE DA VIDA???

24 NEGATIVA: CONTINGENTE CRESCENTE DE PESSOAS DEPENDENTES E VULNERÁVEIS DO PONTO DE VISTA ECONÔMICO, FÍSICO, MENTAL E COGNITIVO, O QUE PODE ACARRETAR PERDA DE CAPACIDADE LABORATIVA E AUTONOMIA PARA LIDAR COM AS ATIVIDADES DO COTIDIANO. NOVA: BASEADA NO EMPODERAMENTO DAS PESSOAS IDOSAS NOVOS ESTERIÓTIPOS LIGADOS À ATIVIDADE CONSTANTE, INDEPENDÊNCIA, VONTADE DE PODER, CONSUMERISMO E DIVERTIMENTO. MELHOR IDADE PRIVATIZAÇÃO DA VELHICE (DEBERT, 1999). ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO X MAL SUCEDIDO. VISÕES ESTERIOTIPADAS

25 "NÃO HÁ VANTAGEM NENHUMA EM ENVELHECER. VOCÊ NÃO FICA MAIS ESPERTO, MAIS SÁBIO, MAIS DOCE OU MAIS EDUCADO. VOCÊ COMEÇA A SOFRER COM DOR NAS COSTAS, INDIGESTÃO, A VISÃO FICA PIOR E VAI PRECISAR DE AJUDA PARA OUVIR. É UMA COISA MUITO RUIM FICAR VELHO. RECOMENDO QUE VOCÊS NÃO O FAÇAM". (Woody Allen, 74 anos, em maio de 2010). A INFÂNCIA NÃO, A INFÂNCIA DURA POUCO. A JUVENTUDE NÃO, A JUVENTUDE É PASSAGEIRA. A VELHICE SIM. QUANDO UM CARA FICA VELHO É PRO RESTO DA VIDA. E CADA DIA FICA MAIS VELHO(Millôr Fernandes). VISÃO NEGATIVA

26

27 PODE SER CARACTERIZADA: PRESENÇA DE ELEMENTOS VELHOS (VISÕES NEGATIVAS DE PERDAS) E AUSÊNCIA DE NOVOS ELEMENTOS MAIS ADEQUADOS. NO CASO BRASILEIRO, O CULTO À JUVENTUDE PERMEIA ESSES NOVOS ELEMENTOS. CULTURA DO ENVELHECIMENTO RECENTE

28 SLATER (1930): ATÉ FINS DO SÉCULO XIX, MEDIDAS VOLTADAS PARA A PROTEÇÃO DOS IDOSOS NÃO SE DIFERENCIAVAM DAS VOLTADAS PARA OS DOENTES, TODOS ENTENDIDOS COMO INCAPACITADOS PARA O TRABALHO. DEBERT (1999): VISÃO NEGATIVA DE PERDAS ASSOCIADA À VELHICE FOI RESPONSÁVEL PELA LEGITIMAÇÃO DE ALGUNS DIREITOS SOCIAIS COMO A APOSENTADORIA. OUTROS DIREITOS LEGITIMADOS: FILAS ESPECIAIS, VAGAS EM ESTACIONAMENTOS, RESERVAS DE ASSENTOS EM TRANSPORTE PÚBLICO. VISÕES E POLÍTICAS

29 FENÔMENOS RELATIVAMENTE RECENTES: AUMENTO DA ESPERANÇA DE VIDA NAS IDADES MAIS AVANÇADAS; AS MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE SAÚDE. UNIVERSALIZAÇÃO DA SEGURIDADE SOCIAL. AINDA NÃO FOI DEFINIDO UM PAPEL SOCIAL ESPECÍFICO PARA O IDOSO. NOVOS PAPÉIS PODEM SURGIR E SE ESTABELECER. NOVA FASE E PAPÉIS SOCIAIS

30 A IDEIA DE PERDAS ESTÁ SENDO SUBSTITUÍDA PELA DE MOMENTO PROPÍCIO PARA NOVAS CONQUISTAS E BUSCA DE SATISFAÇÃO PESSOAL. É A IDADE DO PREENCHIMENTO (LASLETT,1996). NOVOS IDOSOS: NÃO SÃO CARACTERIZADOS POR SAÚDE DEBILITADA, PAUPERIZAÇÃO E EXCLUSÃO DAS DIVERSAS ESFERAS DA VIDA SOCIAL. BRASIL: DISSOCIAÇÃO ENTRE ENVELHECIMENTO E POBREZA NOVA FASE PARA TODOS?

31 A FALTA DE AUTONOMIA PARA LIDAR COM ATIVIDADES DIÁRIAS E A AUSÊNCIA DE RENDIMENTOS SÃO OS PRINCIPAIS DETERMINANTES DA DEPENDÊNCIA DOS IDOSOS. A DEPENDÊNCIA PODE SER REDUZIDA POR POLÍTICAS SOCIAIS. ASSUME-SE QUE

32 PERIGO QUE CONSTITUEM AS GENERALIZAÇÕES DA ÚLTIMA ETAPA DA VIDA, SEJA DE UMA PERSPECTIVA NEGATIVA OU ATIVA. EMBORA SE RECONHEÇAM OS AVANÇOS OBTIDOS NAS CONDIÇÕES DE VIDA DOS IDOSOS BRASILEIROS, SALIENTA-SE QUE A IDADE AVANÇADA TRAZ PERDAS FÍSICAS, COGNITIVAS, MENTAIS E DE CAPACIDADE DE TRABALHAR. HÁ QUE SE RECONHECER A HETEROGENEIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA. À GUISA DE CONCLUSÕES:

33 O VELHO BRASILEIRO NÃO EXISTE. EXISTEM VÁRIAS REALIDADES DE VELHICE REFERENCIADAS A DIFERENTES CONDIÇÕES DE QUALIDADE DE VIDA INDIVIDUAL E SOCIAL (Néri, 1993). SUAS POTENCIALIDADES E NECESSIDADES NÃO DEVEM SER VISTAS EM SEPARADO E NEM EM CONFLITO COM OUTROS GRUPOS DE IDADE. À GUISA DE CONCLUSÕES:

34 POPULAÇÃO IDOSA CONTINUARÁ A CRESCER COMO VIVERÃO OS LONGEVOS? E O FUTURO?

35 RENDA PODE VIR A SER UMA RESTRIÇÃO BEM COMO A OFERTA DE CUIDADOS DE LONGA DURAÇÃO. ALGUMAS PREOCUPAÇÕES: QUAL SERÁ O LIMITE DA ESPERANÇA DE VIDA? ATÉ ONDE IRÁ O AVANÇO DA TECNOLOGIA MÉDICA? QUEM VAI PAGAR A CONTA DA PREVIDÊNCIA? QUEM VAI CUIDAR? QUAIS SERÃO OS NOVOS COSTUMES? ALGUNS DESAFIOS

36 OBRIGADA!!!


Carregar ppt "ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: MITOS, PRECONCEITOS E DESAFIOS Ana Amélia Camarano Junho, 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google