A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RESENHA OLIVEIRA, Luiz Antonio UENP – agosto 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RESENHA OLIVEIRA, Luiz Antonio UENP – agosto 2009."— Transcrição da apresentação:

1 RESENHA OLIVEIRA, Luiz Antonio UENP – agosto 2009

2 O QUE DIZ O DICIONÁRIO? RESENHAR: referir-se minuciosamente a algo. RESENHA: relação minuciosa, envolve resumo, mas é mais que isso. Fonte: BUENO, Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 2000.

3 CONDIÇÕES BÁSICAS Desenvolver a prática de resumo; Leitura atenta da obra objeto do ato de resenhar; Preocupação com o contexto em que a obra foi escrita; Resenha é uma produção que exige um tempo considerável, dedicação e outras pesquisas (não dá para fazer uma resenha a cada semana).

4 APROXIMAÇÃO CONCEITUAL Entende-se por resenha uma impressão crítica de obra das várias áreas da ciência, das artes, das literaturas e da filosofia, para publicação ou divulgação. Como atividade acadêmica, é utilizada para que o estudante se familiarize com a análise dos argumentos utilizados para se demonstrar, provar e descrever um determinado tema.

5 APROXIMAÇÃO CONCEITUAL Resenhar, portanto, significa enumerar cuidadosamente os principais aspectos de uma produção, visando a sua descrição minuciosa e detalhada das idéias fundamentais da obra, procurando informar o leitor, de maneira objetiva sobre o assunto tratado e a sua contribuição

6 APROXIMAÇÃO CONCEITUAL Podemos também considerar que a elaboração de resenhas é o primeiro passo para introduzir o aluno na pesquisa. A resenha além de reduzir o texto (deve ser sintética, aproximadamente de 3 a 5 folhas digitadas), permitir opiniões e comentários, inclui julgamentos de valor, tais como comparações com outras obras da mesma área do conhecimento, a relevância da obra em relação às outras do mesmo gênero

7 TIPOS DE RESENHA Informativa - limita-se a expor o assunto com a maior objetividade possível. Critica - exposição objetiva do assunto com comentários críticos e interpretativos, discutindo, comparando e avaliando o texto, formulando o resenhista um conceito sobre o valor o trabalho (obra).

8 ESTRUTURA REDACIONAL REFERÊNCIA BIO-BIBLIOGRÁFICA: apresentação de informações sobre a obra e sobre o autor (es), bem como sobre quem produz a resenha. Credenciais da obra: Autor (es). Título (subtítulo). Imprensa (edição, local da edição, editora, data, número de páginas). Ilustrações (gráficos, tabelas, fotos, etc.). Credenciais do autor (quem é ele): Autoridade na área do conhecimento.Títulos. Cargos exercidos. Outras obras. Credenciais do resenhista (quem é ele): Autor. Formação universitária. Instituição a que pertence.

9 ANÁLISE- ESTUDO DA OBRA Resumo das ideias principais expressas pelo autor. Descrição sintetizada do conteúdo dos capítulos ou partes em que se divide a obra. Conclusões do autor: O autor faz conclusões? (ou não?). Onde foram colocadas? (separadas no final da obra, ou dos capítulos?). Quais foram? Quadro de referências do autor: Modelo teórico, influências sofridas pelo autor (que autores ele cita para amparar seus argumentos?).

10 REFERENCIAL DO RESENHISTA Julgamento da obra: localizar o autor da obra resenhada às circunstâncias culturais, sociais, econômicas, históricas, etc. Crítica do resenhista: Julgamento da obra do ponto de vista da coerência entre a posição central e a explicação, discussão e demonstração. Mérito da obra: qual a contribuição dada para o desenvolvimento da ciência; originalidade; - conhecimentos novos, amplos, abordagens diferentes. Estilo empregado: conciso, objetivo, simples; claro, preciso, coerente; linguagem correia; ou o contrário. Indicação da obra: - a quem é dirigida; fornece subsídios para o estudo de que disciplina; pode ser adotado para que?

11 REFERENCIAL DO RESENHISTA O resenhista deve resumir o assunto e apontar as falhas e os erros de informação encontrados, sem entrar em muitos pormenores e, ao mesmo tempo, tecer elogios aos méritos da obra, desde que sinceros e ponderados. Quem tem condições de realizar este item? Entretanto, mesmo que o resenhista tenha competência na matéria, isso não lhe dá o direito de fazer juízo de valor ou deturpar o pensamento do autor, é fundamental que o mesmo estabeleça um diálogo com o autor.

12 ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO Elementos Pré-textuais (capa, e outros). Elementos Textuais [Introdução, desenvolvimento (a resenha), conclusão]. Elementos Pós-textuais (bibliografia, anexos)

13 EXEMPLO DE RESENHA CRÍTICA LIVRO NO UNIVERSO DAS IDÉIAS (Alethea Muniz, da equipe Jornal Correio Braziliense, 17 de maio de 2001). Se você se interessa por filosofia, mas não sabe por onde começar a viagem pelo universo das idéias, eis a dica: História do Pensamento, 463 páginas, escrito pelo britânico Bertrand Russell ( ), lançamento da Ediouro Publicações. A credibilidade da obra começa pela assinatura do autor, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1950 e respeitado lógico matemático, fundador da filosofia analítica junto com Kurt Gödel. Russell já tinha publicado os dois volumes da História da Filosofia Ocidental (1945) quando decidiu escrever História do Pensamento Ocidental. São obras diferentes, embora tratem do mesmo assunto. Enquanto a primeira esmiúça em dois tomos (da antigüidade aos padres da primeira filosofia católica; e da reforma protestante ao século 20) a filosofia ocidental, a Segunda apresenta uma espécie de panorama das idéias ocidentais, a partir da base anterior. (aqui se vê a parte descritiva e dados bibliográficos da obra da obra). Uma das qualidades do autor é o didatismo. Não se trata de exposição chata, com esquemas que subestimam a capacidade do leitor, mas de contextualizar cada pensador no seu tempo. E relacioná-lo com acontecimentos históricos e sociais, da maneira mais clara possível. A linguagem é simples e não se detém em extensas explicações conceituais. (aqui se vê a crítica e opinião do resenhador). Boa parte do livro é dedicada aos gregos e, ao fazer isso, o autor tinha plena consciência de que poderia ser bastante criticado pela "generosidade" com eles. Mas defende que está ali a base do pensamento. Textos de Platão e Aristóteles são tratados pontualmente - a Poética, por exemplo, ganhou três páginas. O leitor dificilmente se surpreenderá com a seleção de autores listados, pois Russell não foge do cânone filosófico do período entre os pré-socráticos e Wittgenstein. (aqui se vê a parte narrativa da obra: resumo). Ao percorrer as páginas de História do Pensamento Ocidental, deve-se ter clara a idéia de que se trata é um analítico fazendo história da filosofia. Essa informação é fundamental para entender especialmente a parte dedicada aos existencialistas, a quem Russell acusa de tentar passar por lógicas as observações psicológicas. (aqui se vê a parte narrativa da obra: resumo). A edição apresenta uma série de diagramas e imagens "úteis à discussão de idéias ou abstrações menos familiares", mas na realidade pouco dialogam com o texto ao lado. São dispensáveis à compreensão do conteúdo, embora de inegável valor estético (vê-se aqui a crítica do resenhador quanto à presença de diagramas e imagens na obra). De qualquer maneira, está feito o convite. Como disse Russell se o livro for suficiente para o leitor se aprofundar em qualquer um dos temas, seu propósito terá sido alcançado.

14 REFERÊNCIAS ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Temas de filosofia. São Paulo: Moderna, BUENO, Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, GARCEZ, Lucília Helena do Carmo. Técnicas de redação: o que é preciso saber para bem escrever. São Paulo: Martins Fontes, MEDEIROS, João Bosco. Redação Científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, MUNIZ, Alethea. O livro no Universo das ideias. Jornal Correio Braziliense, 17 de maio de SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 21aed. São Paulo: Cortez, 2000.


Carregar ppt "RESENHA OLIVEIRA, Luiz Antonio UENP – agosto 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google