A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIBERDADE HUMANA, 1 Veritatis splendor 33 Veritatis splendor 33: Paralelamente à exaltação da liberdade, e paradoxalmente em contraste com ela, a cultura.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIBERDADE HUMANA, 1 Veritatis splendor 33 Veritatis splendor 33: Paralelamente à exaltação da liberdade, e paradoxalmente em contraste com ela, a cultura."— Transcrição da apresentação:

1

2 LIBERDADE HUMANA, 1 Veritatis splendor 33 Veritatis splendor 33: Paralelamente à exaltação da liberdade, e paradoxalmente em contraste com ela, a cultura moderna põe radicalmente em dúvida esta mesma liberdade. A liberdade humana é limitada, mas recusá-la é negar a evidência. AT: Eu ponho diante de ti a vida e a morte, a benção Dt 30, 19 e a maldição; elege a vida e viverás (Dt 30, 19); se tu queres guardar os mandamentos e permanecer Eccli 15, fiel está na tua mão (Eccli 15, 12-13); Deus fez o homem ao principio e deixou-o entregue ao seu livre Eccli 15, 14 arbítrio (Eccli 15, 14); elogiou o homem que podendo Eccli 31, 10 pecar não pecou, fazer o mal não o fez (Eccli 31, 10); etc. MF 23 de 97

3 LIBERDADE HUMANA, 2 NT: Cristo liberta o mundo do pecado. Gal 5, 1 Gal 5, 1: Cristo fez-nos livres para que gozemos da liberdade; mantende-vos, pois fir- mes e não vos deixeis sujeitar ao jugo da servidão. 2 Cor 3, 17 2 Cor 3, 17: Onde está o Espírito está a li- berdade. Trento (DS 1555) Trento (DS 1555): Se alguém disser que o livre arbítrio do homem se perdeu e extinguiu depois do pecado de Adão, ou que é (...) pura invenção introduzida por Satanás na Igreja, seja anátema. MF 24 de 97

4 LIBERDADE HUMANA, 3 Definições possíveis Definições possíveis: 1. Liberdade é a capacidade que o homem tem de auto-determi- nar-se; 2. Liberdade é a capacidade interior da pessoa, mediante a qual a vontade pode optar entre querer ou não querer, determinar-se por diferentes possibilidades ou decidir-se pelo seu contrário. 1. Liberdade de necessidade: é a possibilidade de actuar ou não actuar. 2. Liberdade de especificidade: é a capacidade de decidir entre diversas opções. 3. Liberdade de contradição: é a que decide entre duas coisas opostas. MF 25 de 97

5 LIBERDADE HUMANA, 4 Origens muito diversas da limitação da liberdade do homem: - pela natureza do próprio ser (o homem não pode voar) - pelas circunstâncias que afectam a sua própria origem (falar português ou chinês depende do lugar de nascimento) - pela condição de ser homem ou mulher, menino, adoles- cente ou ancião (nem todas as pessoas podem fazer o mesmo) - pelas condições de vida (exemplo: viver no interior não permite ver o mar) - por não se poder invadir o âmbito em que se exerce a liber- dade do outro, que também é um ser livre Tais limitações condicionam o exercício da liberdade, mas não negam a sua existência. As limitações nem sempre diminuem a liberdade, porquanto oferecem novas possibilidades de a exercer. MF 26 de 97

6 LIBERDADE HUMANA, 5 Liberdade e verdade, 1 A liberdade supõe que o sujeito é consciente da bondade ou malícia do acto que pretende levar a cabo: só é livre o homem que conhece a verdade. Mas além disso a liberdade Verita- não é um absoluto, que seria a fonte dos valores (Verita- tis splendor 32 tis splendor 32). Veritatis splendor 35 Veritatis splendor 35: algumas tendências culturais contempo- râneas advogam determinadas orientações éticas que têm como centro do seu pensamento um pretenso conflito entre a liberdade e a lei. São as doutrinas que atribuem a cada indivíduo ou aos grupos sociais a faculdade de decidir sobre o bem e o mal: a li- berdade humana poderia criar os valores e gozaria de uma pri- mazia sobre a verdade, até ao ponto que a mesma verdade seria considerada uma criação da liberdade. MF 27 de 97

7 LIBERDADE HUMANA, 6 Liberdade e verdade, 2 Veritatis splendor 35 Veritatis splendor 35: A Revelação ensina que o poder de decidir sobre o bem e o mal não pertence ao homem, mas só a Deus. O homem (...) possui uma liberdade muito ampla (...). Mas esta liberdade não é ilimitada: o homem deve abster- -se perante a árvore da ciência do bem e do mal, por estar chamado a aceitar a lei moral que Deus lhe dá. Idem 84 Idem 84: somente a liberdade que se submete à Verdade conduz a pessoa humana ao seu verdadeiro bem. MF 28 de 97

8 LIBERDADE HUMANA, 7 Liberdade e verdade, 3 Fides et ratio 90 Fides et ratio 90: uma vez tirada a verdade ao homem, é pura ilusão pretender fazê-lo livre. (...) Verdade e liberdade, ou estão bem juntas ou juntas perecem miseravelmente. Veritatis splendor 34 Veritatis splendor 34: a liberdade depende fundamental- mente da verdade. Dependência que foi expressada de maneira límpida e autorizada pelas palavras de Cristo: Jn 8, 32 Conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres (Jn 8, 32). MF 29 de 97

9 LIBERDADE HUMANA, 8 Liberdade e bem Fazer o mal, não é próprio da liberdade, nem sequer uma parte dela, mas tão só é sinal de que o homem é livre. CCE 1733 CCE 1733: Na medida em que o homem faz mais o bem, vai-se tornando também mais livre. Não há verdadeira liberdade senão ao serviço do bem e da justiça. A eleição da desobediência e do mal é um abuso da liberdade e conduz à escravidão do pecado. Se uma acção humana lesa a natureza do homem, este deve racionalmente recusar levá-la a cabo. MF 30 de 97

10 LIBERDADE HUMANA, 9 CCE 1734 CCE 1734: A liberdade torna o homem responsável dos seus actos na medida em que estes são voluntá- rios. O progresso na virtude, o conhe- cimento do bem e a ascese aumentam o domínio da vontade sobre os própios actos. MF 31 de 97

11 LIBERDADE HUMANA, 10 Liberdade e graça, 1 Dada a condição do homem, ferido pelo pecado original, o cristão neces- sita da graça de Deus para fazer uso sempre adequado da liberdade. A graça facilita superar a ignorância e vencer as paixões, que são os dois grandes obstáculos para actuar livre- mente, conforme o querer de Deus. CCE 1742 CCE 1742: A graça de Cristo não se opõe de modo algum à nossa liberdade quando esta corresponde ao sentido da verdade e do bem que Deus pôs no coração do homem. MF 32 de 97

12 LIBERTAD HUMANA, 11 Liberdade e graça, 2 Mérito é a retribuição que se dá a quem realizou uma boa obra. CCE 2008 CCE 2008: O mérito do homem diante de Deus na vida cristã provém de que Deus dispôs livremente associar o homem à obra da sua graça. A acção paterna de Deus é primeira, pelo seu impulso, e o livre actuar do homem é o que está em segundo lugar, na sua colaboração; de modo que os méritos das boas obras devem atribuir-se à graça de Deus em primeiro lugar, e depois ao fiel. Por outro lado, o mérito do homem recai também em Deus, pois as suas boas acções procedem, em Cristo, das graças provenientes e dos auxílios do Espírito Santo. MF 33 de 97

13 LIBERDADE HUMANA, 12 Liberdade e graça, 3 CCE 2010 CCE 2010: Dado que a iniciativa na ordem da graça pertence a Deus, ninguém pode merecer a graça primeira, que está na origem da conversão, do perdão e da justificação. Sob a moção do Espírito Santo e da caridade, podemos merecer depois para nós e para os outros, graças úteis para a nossa santificação, para o crescimento da graça e da caridade, e para a obtenção da vida eterna. MF 34 de 97

14 LIBERDADE HUMANA, 13 Amigos de Deus 26 Amigos de Deus 26: A liberda- de adquire o seu autêntico sentido quando se exerce ao serviço da verdade que resgata, quando se gasta em procurar o Amor infinito de Deus, que nos desata de todas as servidões. Quando alguém ama de verdade, desfruta de maior liberdade (Santo Agostinho). MF 35 de 97


Carregar ppt "LIBERDADE HUMANA, 1 Veritatis splendor 33 Veritatis splendor 33: Paralelamente à exaltação da liberdade, e paradoxalmente em contraste com ela, a cultura."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google