A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Isabel Sousa Pimentel Lilian Cibele Sousa Rosa Alice Santos Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Isabel Sousa Pimentel Lilian Cibele Sousa Rosa Alice Santos Faculdade de Medicina da Universidade do Porto."— Transcrição da apresentação:

1 Isabel Sousa Pimentel Lilian Cibele Sousa Rosa Alice Santos Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

2 Plano geral Telómeros Definição e função Visão geral da replicação do DNA Telomerase Definição Regulação Sinalização da entrada em senescência P53 Rb Cancro Experiências Limitações e benefícios

3 Telómeros H.J. Muller Anos 30 Extremidades de cromossomas Eucariontes 5 TTAGGG 3 Miller K., 1998

4 Funções Manutenção do tamanho do cromossoma Formação de alsas (protecção) The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 158

5 Replicação do DNA DNA polimerase actua na direcção 5 3 Incapaz de replicar a extremidade 5 das moléculas lineares de DNA Último fragmento de Okazaki não replicado Encurtamento dos telómeros Ken Miller, 1998

6 Telomerase Classe de DNA polimerase – transcriptase reversa Cont é m uma mol é cula de RNAm, cuja sequência (AAUCCC) é complementar à do tel ó mero

7 Regulação - Telomerase Actua no sentido 3 5 Evita o encurtamento dos tel ó meros A sua actividade não é constante na vida da c é lula.

8 Telomerase The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 193

9 Limite de Hayflick Ao fim de cerca de 50 divisões Telómeros muito curtos Cromossomas desprotegidos A célula não se pode dividir mais, sem erros Limite de Hayflick

10 Adaptado de

11 Senescência Limite de Hayflick Sinalização pelo RB e o P53 Entrada em senescência

12 Sinalização - P53 Quando o DNA é danificado, a proteína é fosforilada por duas cínases, ATM e ChK2 Proteína P53 activa. Adaptado de The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 598

13 Sinalização - P53 Ponto de controlo entre a fase G1 e S Paragem da mitose Entrada em senescência Adaptado de The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 598

14 Sinalização - P53

15 Sinalização - Rb A proteína Rb está ligada ao factor de transcrição E2F Complexo Rb/E2F E2F – regula a expressão de vários genes essenciais à progressão do ciclo celular.

16 Sinalização - Rb Adaptado de The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 607 Na fase G1 Seguimento do ciclo celular

17 Sinalização - Rb Adaptado de The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 607 Adaptado de The Cell; 3ª Edição; Cooper, G.; pág. 605 Senescência!

18 Cancro Telomerasi e cancerogenesi; Crobu, F.; 2003

19 Experiências Bodnar. A., et al., University of Texas Southwestern Medical Center, Dallas, 1998 Controlo do gene da telomerase Células normais em cultura (com o gene da telomerase inactivo) Após um número limitado de divisões Entrada em senescência

20 Experiências C é lulas cancerosas em cultura Introdu ç ão duma antisense molecule para inactivar o gene da telomerase Ap ó s um tempo finito de divisões Entrada em senescência Células em cultura com o gene da telomerase activo Aumento da vida celular em 40%

21 Terapia Genética Cancro – inactivação do gene da telomerase. Teng, L.; et al; 2003 Estratégia anti-sense in vivo

22 Terapia Genética Doenças genéticas – remoção de células do paciente, escolha e rejuvenescência de células que não apresentam a patologia, devolução das células ao doente. Produção de linhas de células imortais para uso na investigação científica.

23 Experiência Introdução de oncogénios virais (exemplo: myc – induz a expressão do gene da telomerase) Aumentar a produção de hTERT (imortalização de fibroblastos humanos) Aumentar a produção de hTERT + inactivação do gene Rb (células epiteliais)

24 Dúvidas e limitações Activação da telomerase aumenta o risco de cancro. O envelhecimento celular não depende unicamente do gene da telomerase, existem outros factores: Ter uma alimentação pouco calórica; Evitar a exposição solar; Ingerir alimentos anti-oxidantes.

25 Dúvidas e limitações Experiências in vitro nem sempre têm o mesmo resultado in vivo. Impossibilidade de produzir proteínas humanas em quantidade suficiente.

26 Jovens e xonés!

27 Jovens e Xonés!!!!! Não podemos retardar o envelhecimento celular em todos os tecidos Os neurónios não se dividem continuando a envelhecer a um ritmo normal Discrepância entre o envelhecimento do organismo e o cerebral

28 Imortalidade A busca pelo elixir da vida continua!

29 Agradecimentos À Dr. Isabel Martins pelo apoio e tempo disponibilizado Ao serviço de Biologia Celular e Molecular pelo material fornecido À Faculdade de Medicina pelas instalações

30 Bibliografia Livros: Azevedo, C.; Biologia Molecular e Celular; 3ª Edição; Lidel; 1999 Cooper, G.; Hausman, R.; The Cell; 3ª edição, 2004, Sinauer Alberts, B., et al.; Molecular Biology of the Cell. 4th Ed., Garland Science, New york & London, 2002 Artigos: Fernandez, R., Institute of Basic Sciences and Preclinicas Victory of Giron Belizário, J., Ciência Hoje, Vol. 31, n.º 184 Weinberg, R., Whitehead Institute for Biomedical Research and Massachussets Institute of Technology, Nature, vol 396, 5 Novembro, 1998 Internet:

31


Carregar ppt "Isabel Sousa Pimentel Lilian Cibele Sousa Rosa Alice Santos Faculdade de Medicina da Universidade do Porto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google