A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capítulo 4 e anexo (pág.147 à 179) Administração de Recursos Materiais GAMADINI Gabriela Kajiya - 08/30216 Marina Molina - 08/36745 Diogo Bittencourt -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capítulo 4 e anexo (pág.147 à 179) Administração de Recursos Materiais GAMADINI Gabriela Kajiya - 08/30216 Marina Molina - 08/36745 Diogo Bittencourt -"— Transcrição da apresentação:

1 Capítulo 4 e anexo (pág.147 à 179) Administração de Recursos Materiais GAMADINI Gabriela Kajiya - 08/30216 Marina Molina - 08/36745 Diogo Bittencourt - 08/27983 Nicolle Nascimento - 08/37814

2 Logística de distribuição Relação entre: Distribuição física do produto

3 Novas demandas à distribuição Serviço ao cliente – Cada vez mais exigentes Custo – Cada vez menores Velocidade – No menor tempo possível

4 O papel dos distribuidores Ameaças externas: – Consolidação de parcerias entre cliente e fornecedor; – Desregulamentação dos transportes (menor custos e serviços novos como cross dock); – Avanços tecnológicos; – O grande número de empresas que estão adotando o supply chain.

5 O papel dos distribuidores Como converter as ameaças em oportunidades? O futuro dos distribuidores depende deles desempenharem 2 papéis: – Otimização das redes Minimizar o custo total; Maior troca de informações; Ressaltar o serviço ao cliente.

6 O papel dos distribuidores – Maximização de mercados Ajudar os clientes com: Melhorias em T.I.; Ferramentas de banco de dados; Desenvolvimento de programas de marketing; Entendimento dos custos. - Objetivo: Agregar valor nos seus serviços para os clientes

7 Distribution utility ou Associação de recursos O que é? – Uma associação de empresas não concorrentes que servem aos mesmos clientes finais. Para que serve? – Permite entregas mais freqüentes; – Reduz flutuações por sazonalidades; – Possui um alto controle relativo e eficiência se comparado aos outros tipos de distribuição.

8 Cross docking O que é? – Operação do sistema de distribuição em que produtos são recebidos, selecionados e encaminhados para ouro veículo com grande exatidão quanto a tempo de entrada e saída de produtos. Os ativos (armazéns e estoques) são substituídos por informações

9 Níveis de cross docking Nível 1 Não há seleção ou preparação dos vários produtos que chegam de diversas fábricas ou fornecedores. Nível 2 Há separação, os produtos são recebidos e separados por caixas para uma região específica. Nível 3 Há separação e reembalagem posicionando a função distribuição como uma peça vital ao sucesso de uma empresa.

10 Compradores de serviços de transporte Compradores de relação: – Concentram-se em formar relações duradouras com suas empresas de transporte. Procuram identificar um conjunto de oportunidades que agreguem valor e beneficiem ambas as partes. Compradores de transação: – Enfoque armss length negociam cada acordo individualmente, para obter o serviço desejado ao menor custo.

11 Lean Enterprise Benchmarking Project Objetivo: comparar níveis de qualidade e de produtividade de fábricas de autopeças inglesas e japonesas. Resultado: empresas japonesas 2x mais produtivas e índices de qualidade bem superiores. X

12 Fábricas de Classe Mundial Pré-requisitos para a performance de classe mundial: Produtividade Qualidade Número de unidades defeituosas. Expresso em partes por milhão (ppm).

13 Performance da Fábrica e Características As fábricas de classe mundial têm uma vantagem de produtividade, qualidade, controle de processo mais apartado e são mais eficientes no espaço.

14 Controle do processo ao longo do supply chain Qualidade do supply chain Inventários no supply chain Tempo no supply chain Fluxo rápido de manufatura Nível de inventário de produtos reduzido Altíssimo nível de qualidade do produto acabado e redução do número de reclamações de clientes

15 Programação no Supply Chain Fábricas Japonesas x Fábricas do Ocidente Associação de fornecedores

16 Análise por país Performance – Nível de produtividade 35% 20% 7x erros 5x erros modestos volumes + boa produtividade

17 Número de fornecedores e clientes – Fábricas de alto volume + FORNECEDORES

18 Qualidade no supply chain – Taxa de defeito de material: ppm – Segundo nível de reclamação de clientes: 263 ppm

19 Dispersão geográfica 82% Fornecedores 4h de distância

20 Inventário ao longo do supply chain Giro de estoque 23,

21 Estabilidade da programação 12% dos clientes 15,4% fornecedores 3% dos clientes 5,1% fornecedores 0,2% atraso nos despachos e 2,6% atraso nos recebimentos

22 Resumo Sincronia


Carregar ppt "Capítulo 4 e anexo (pág.147 à 179) Administração de Recursos Materiais GAMADINI Gabriela Kajiya - 08/30216 Marina Molina - 08/36745 Diogo Bittencourt -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google