A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Farm. HUGO C. O. SANTOS Especialista, Mestre e Doutorando AULA - FARMACOLOGIA I Vias de Administração de Fármacos Routes of Drugs Admistration GOIÂNIA,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Farm. HUGO C. O. SANTOS Especialista, Mestre e Doutorando AULA - FARMACOLOGIA I Vias de Administração de Fármacos Routes of Drugs Admistration GOIÂNIA,"— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Farm. HUGO C. O. SANTOS Especialista, Mestre e Doutorando AULA - FARMACOLOGIA I Vias de Administração de Fármacos Routes of Drugs Admistration GOIÂNIA, 2012.

2 Vias de administração - Fármacos Via Oral (V.O) – Sublingual (S.L.) - Enteral Via Retal (V.R.) - Enteral VIA Parenteral Direta Intravenosa (I.V. ou E.V.), Intra-arterial (I.A.), Intra-cardíaca, Intra- raquídea (I.R.), Intra-óssea, Intra-articular, Intrasinovial, Intradérmica (I.D.), Subcutânea (S.C), Intramuscular (I.M.), Via Tópica (V.T.): Parenteral Indireta (Cutânea, Vaginal, Ocular, Intra-nasal e Otológica) Via Respiratória – Parenteral Indireta Inalatória ou Pulmonar

3 VIA ORAL absorção intestinal (primeira passagem – fígado) Absorção sublingual Vantagens: facilidade de administração menos dispendiosa Contra-indicação: náuseas e vômitos Diarréias Dificuldades para engolir Exemplo: anti-hipertensivos, analgésicos (Toragesic), Rivotril, nitratos (isorbina). Absorção veias abaixo da língua – direto para o sangue.

4 Medidas Corretas – Via Oral 1 colher de chá- 5 ml 1 colher de sopa- 15 ml 1 copo de água- 250 ml Seringa sem agulha (via oral – crianças ) Interação com alimentos: Grandes quantidades (Dose) Alimentos (contra-indicados – Interações) Ex: Tetraciclina X leite (Redução de efeito ou Inativação) Drogas irritantes - administrar c/ alimentos ?? Respeitar Intervalo de Dose / Horários / Tempo Cuidados Especiais:

5 VIA RETAL Vantagens Protege os fármacos suscetíveis da inativação gastrointestinal e hepática, pois somente 50% do fluxo venoso retal tem acesso à circulação porta. Desvantagens A absorção pode ser incompleta, especialmente em pacientes com motilidade intestinal aumentada. Pode irritar a mucosa. Indicações Estados de coma, inconsciência, náuseas e vômitos. Exemplos de fármacos Diazepam, metronidazol, e alguns antiinflamatórios e antieméticos. POMADA (ANAL) CICATRIZANTE: Qsp 30 g, Lidocaína 2%, Acetonido Fluocinolona 0,025%, Subgalato Bismuto 2%, Diltiazen Cloridrato 2% (Tratamento Hemorróidas) 1. Supositórios; 2. Irrigação ou Lavagem; 3. Clister ou Enema.

6 Via Parenteral Vias Principais Intradérmica (I.D.), Subcutânea (S.C), Intramuscular (I.M.), Intravenosa ou Endovenosa (I.V. ou E.V.), Ortras Vias Parenterais: -Intra-arterial (I.A.) Ex:tratamento de carcinomas, drogas vasodilatadoras e drogas trombolíticas (tratamento de embolia). - Intracardíaca (adrenalina) -Intr-araquídea (via subaracnóidea – Intratecal). -Intraperitoneal -Intra-óssea, -Intra-articular, -Intrasinovial. O termo parental provém do grego para (ao lado) e enteros (tubo digestivo), significando a administração de medicamentos ao lado do tubo digestivoou sem utilizar o trato gastrointestinal.

7 Parenteral USO DE SERINGA Corpo Bico Êmbolo bisel haste calibre Comprimentos e calibres (Agulha - 30 x 7) 30 = 30 comprimento (mm) 7 = 0,7 largura (mm)

8 Parenteral - Via Intradérmica Via muito restrita - Pequenos volumes - de 0,1 a 0,5 mililitros Usada para reações de hipersensibilidade – provas de ppd (tuberculose), Schick (difteria) – sensibilidade de algumas alergias – fazer desensibilização e auto vacinas – aplicação de BCG (vacina contra tuberculose) - na inserção inferior do músculo deltóide.

9 Parenteral - Via Subcutânea A medicação é introduzida na tela subcutânea (tecido subcutâneo ou hipoderme). Absorção lenta, através dos capilares, de forma contínua e segura usada para administração de vacinas (anti-rábica e anti-sarampo), anticoagulantes (heparina) e hipoglicemiantes (insulina). OBS: Volume não deve exceder: 3 mililitros.

10 Local de aplicação – teoricamente - toda tela subcutânea Locais recomendados: menor inervação local, acesso facilitado, exemplo: – parede abdominal – faces ântero-lateral da coxa – face externa do braço Angulação da agulha – 90 º - Agulha calibre 13x4.5 – Deve ser revezado o local da aplicação Via Subcutânea - Particularidades Complicação: fenômeno de Arthus: formação de nódulos devido injeções repetidas em um mesmo local.

11 Parenteral - Via Intramuscular Via muito utilizada, devido absorção rápida Músculo escolhido – deve ser bem desenvolvido – ter facilidade de acesso – não possuir vasos de grande calibre – não ter nervos superficiais no seu trajeto Volume injetado: – região deltóide - de 2 a 3 mililitros – região glútea - de 4 a 5 mililitros – músculo da coxa - de 3 a 4 mililitros 90 graus

12 Via Intramuscular

13 Contra-indicações (Região Deltoide) – crianças de 0 a 10 anos, pequeno desenvolvimento muscular (caquéticos e idosos) – volumes superiores a 3 mililitros – substâncias irritantes ou injeções consecutivas – pacientes com AVC e parestesias ou paresias dos braços – pacientes submetidos a mastectomia ou esvaziamento ganglionar

14 Parenteral - Via Endovenosa Introdução de medicação diretamente na veia (CUIDADO). Aplicação: – membros superiores – evitar articulações – melhor local: face anterior do antebraço esquerdo Indicações – necessidade de ação imediata do medicamento – necessidade de injetar grandes volumes - hidratação – introdução de substâncias irritantes de tecidos

15 Tipos de medicamentos injetados na veia – soluções solúveis no sangue (apirogênico) líquidos hiper, iso ou hipotônicos – sais orgânicos – eletrólitos – Medicamentos – Vitaminas – não oleosos – não deve conter cristais visíveis

16 – região cefálica - utilizada em recém-natos – região cervical - veias jugulares – via subclávia - muito utilizada em UTI para injeção de medicamentos para infusão de alimentação parenteral para acesso venoso central para monitorização - PVC, Swan-Ganz dificuldade de acesso venoso em UTI - para acesso venoso central VEIAS UTILIZADAS (I.V.)

17 Veias utilizadas para medicação endovenosa... – membros superiores veias cefálica, basílica – para manutenção de via venosa contínua veia intermediária do cotovelo – para coletas de sangue – para injeções únicas de medicamentos – dorso da mão veias metacarpianas dorsais – para injeções únicas – manutenção de via venosa contínua (evitar) Via Endovenosa

18 - CATERER VENOSO PERIFÉRICO - CATERER VENOSO CENTRAL - PICC São indicados para terapias intravenosas de média duração, que consiste na punção de uma veia periférica, introdução da cânula do cateter e infusão de medicamentos. Devem ser substituídos conforme protocolo de cada instituição, como por exemplo, a cada 72 horas de permanência. Modelos: 14 G, 16 G, 18 G, 20 G, 22 G e 24 G (Calibres do canhão em Cores) - maior a numeração, menor o calibre. Norma Regulamentadora nº 32, (TEM) que preconiza o uso obrigatório de dispositivos de segurança em todo perfurocortante. Ser retrátil ou de proteção automática do bisel da agulha. Importância para o intensivista Trata-se de um cateter especial para infusão intravenosa, colocado em uma das veias perto da dobra do cotovelo ou na parte superior do braço, na maior veia do corpo, veia cava. Peripherally Inserted Central Venous Catheter

19 Via Intratecal Quando se desejam efeitos locais e rápidos nas meninges ou no eixo cérebro- espinhal, como na anestesia espinhal ou nas infecções agudas do SNC. Via Intraperitoneal Por essa via, os fámacos penetram rapidamente na circulação através da veia porta.Via utilizada para infusão do dialisador para diálise peritoneal

20 VIA TÓPICA Via tópica ou por administração epidérmica, aplicação de substâncias ativas diretamente na pele, ou em áreas de superfície de feridas, com efeito local, tais como, pomadas, cremes, sprays, loções, colutórios, pastilhas para a garganta.

21 VIA TÓPICA - OCULAR Medicamento deve ser aplicado sobre os olhos. Dois tipos básicos de produtos oftalmológicos: -os líquidos, denominados colírios e administrados através de gota. - outros semi-sólidos, as pomadas oculares, cuja técnica de aplicação é semelhante. -o ajudante deve largar a pálpebra, para que o medicamento se distribua pelo olho, e pedir ao paciente que pestaneje. para correção de disfunções dos músculos do olho; para aplicação de anestésicos; para aplicação de antibióticos; para aplicação de anti-inflamatórios; para aplicação de anti-fúngicos; para aplicação de lubrificantes; para aplicação de dilatador de pupila – Ex: Atropina

22 VIA TÓPICA - OTOLÓGICA O tratamento local das patologias do ouvido baseia-se na utilização de medicamentos líquidos, as gotas óticas, que devem ser aplicadas mediante a utilização de um conta-gotas, no canal auditivo externo. Embora possa ser o próprio paciente a proceder à sua aplicação, a sua administração deve ser realizada por outra pessoa, a qual poderá manejar melhor o conta-gotas, de modo a evitar que entre em contato direto com o ouvido e comprovar com maior fiabilidade a penetração do produto pelo canal auditivo.

23 VIA TÓPICA - VAGINAL Os mais comuns são os óvulos vaginais, um pouco maior que um supositório, constituídos por uma substância fusível (por exemplo, glicerina) à qual se deve adicionar os princípios ativos. A administração de um óvulo vaginal necessita que a mulher se deite de costas, afaste os joelhos e o introduza o mais profundamente possível com o dedo, devendo-se manter deitada durante cerca de 5 min. após a aplicação. Pode-se igualmente recorrer à utilização de geles e cremes, que devem ser administrados através de um aplicador semelhante a uma seringa. Evita a passagem pelo sistema porta-hepático e é uma área de grande irrigação sangüínea

24 VIA INTRA-NASAL O tratamento local das patologias do nariz ou das vias respiratórias relacionadas com as fossas nasais, como os seios perinasais, baseia-se na utilização de medicamentos líquidos, que devem ser administrados sob a forma de gotas nasais, ou através de um nebulizador ou spray, para tratar infecções e para alívio da congestão nasal. OBSERVAÇÃO: instilação de gotas frias no nariz pode desencadear espirros. APLICAÇÃO: sentar-se com as costas direitas, inclinar a cabeça para trás, introduzir a ponta do nebulizador no orifício nasal e apertar o nebulizador ou acionar o aplicador até administrar a dose prescrita, enquanto fecha o outro orifício nasal e inspira através do orifício que acaba de nebulizar.

25 VIA RESPIRATÓRIA INALATÓRIA OU PULMONAR Exemplo: fossas nasais até os brônquios: pequenas partículas líquidas ou sólidas, geradas por nebulização ou aerossóis) Nebulização e Vaporização – Utiliza-se aparelho Nebulizador (ultrassônico) para ministrar medicamentos. Inspirar pelo nariz e expirar através da boca. (Ex: Solução fisiológica, Atrovent, Berotec). Aplicações na Garganta: Abrir bem a boca e apertar o spray, procurando atingir toda a parede da garganta, fechar a boca e procurar não engolir a saliva durante 1 a 2 min. E só beber água ou outro líquido após 30 min. Ex: Salbutamol

26 Referências Básicas - DE LUCIA R, OLIVEIRA-FILHO R.M, PLANETA C.S, GALLACI M, AVELLAR M.C.W. Farmacologia Integrada - 3 a. ed. Revinter (RJ), KATZUNG B.G: Farmacologia Básica e Clínica - 10 a Ed. McGraw-Hill, Rio de Janeiro, MINNEMAN,K.P.; WECKER, L.; LARNER, J.; BRODY, T.M. (edit) Brody- Farmacologia Humana, 3ªed. Elsevier, RANG, H.P.; DALE, M.M.; RITTER, J.N.; MOORE, P.K. Farmacologia, 6ªed. Elsevier (2007). - BRUNTON, L.L.; LAZO, J.S.; PARKER, K.L. Goodman&Gilmans As Bases Farmacológicas da Terapêutica, 11ª ed. Mac Graw Hill, SILVA, P. Farmacologia, 7ª ed. Guanabara Koogan, GOODMAN & GILMAN: As Bases Farmacológicas da Terapêutica, 11° Edição, ed. McGrawHill (NY), 2007.


Carregar ppt "Prof. Farm. HUGO C. O. SANTOS Especialista, Mestre e Doutorando AULA - FARMACOLOGIA I Vias de Administração de Fármacos Routes of Drugs Admistration GOIÂNIA,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google