A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PARASITOSES HUMANAS PARTE II Cézar Brenol Renk. MALÁRIA Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax) Parasita: Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PARASITOSES HUMANAS PARTE II Cézar Brenol Renk. MALÁRIA Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax) Parasita: Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax)"— Transcrição da apresentação:

1 PARASITOSES HUMANAS PARTE II Cézar Brenol Renk

2 MALÁRIA Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax) Parasita: Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax) Os principais sintomas são os acessos febris periódicos que coincidem com a ruptura das hemácias parasitadas. Na forma maligna, aparecem calafrios, icterícia, insuficiência renal, alterações na coagulação e coma. Patogenia: Os principais sintomas são os acessos febris periódicos que coincidem com a ruptura das hemácias parasitadas. Na forma maligna, aparecem calafrios, icterícia, insuficiência renal, alterações na coagulação e coma.

3 MALÁRIA Transmissão: Picada da fêmea infectada do mosquito-prego (Anopheles). Transmissão: Picada da fêmea infectada do mosquito-prego (Anopheles). Profilaxia: Eliminação do mosquito transmissor. Profilaxia: Eliminação do mosquito transmissor. Período de Incubação Plasmodium falciparum : 8 a 12 dias Plasmodium vivax : 13 a 17 dias Plasmodium malarie : 18 a 30 dias

4 MALÁRIA Período de transmissão: Período de transmissão: Plasmodium falciparum : até 1 ano Plasmodium falciparum : até 1 ano Plasmodium vivax : até 3 anos Plasmodium malarie : mais de 3 anos O diagnóstico de certeza da infeção malárica só é possível pela demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente.infeçãoparasitoantígenossangue

5 MALÁRIA Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o diagnóstico da malária. Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o diagnóstico da malária. É a principal parasitose tropical e uma das mais frequentes causas de morte em crianças nesses países (mata um milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano).parasitosetropicalmortecrianças

6 CICLO Ciclo esporogônico (mosquito) Ciclo esporogônico (mosquito) Ciclo esquizogônico (homem) Ciclo esquizogônico (homem)

7 RAIVA OU HIDROFOBIA Parasita: (vírus) Parasita: (vírus) Patogenia: O vírus ataca o sistema nervoso. O espasmo dos músculos da deglutição faz com que o afetado tenha medo de água (hidrofobia). A seguir, ocorrem o delírio e as convulsões; a morte é provocada pela paralisia dos músculos respiratórios. Patogenia: O vírus ataca o sistema nervoso. O espasmo dos músculos da deglutição faz com que o afetado tenha medo de água (hidrofobia). A seguir, ocorrem o delírio e as convulsões; a morte é provocada pela paralisia dos músculos respiratórios. Transmissão: Introdução da saliva de animal raivoso (cão e gato) através de mordedura ou pequenos ferimentos. Transmissão: Introdução da saliva de animal raivoso (cão e gato) através de mordedura ou pequenos ferimentos. Profilaxia: Vacinação. Profilaxia: Vacinação.

8 RAIVA Período de Incubação: Período de Incubação: O período de incubação varia de 1 dia até 1 ano, sendo relacionado à localização ou gravidade da mordedura ou arranhadura; proximidade de troncos nervosos e à quantidade de partículas virais inoculadas. Período de transmissão: Período de transmissão: Nos animais domésticos a eliminação do vírus pela saliva ocorre entre 2 e 5 dias antes dos sintomas clínicos e persiste por toda a vida.

9 RAIVA No Brasil o cão é considerado o principal reservatório da doença para humanos. No Brasil o cão é considerado o principal reservatório da doença para humanos. A doença é transmitida pelo contato com a saliva do animal infectado (mordeduras ou arranhaduras), ou por lambedura de ferimentos e mucosas. A doença é transmitida pelo contato com a saliva do animal infectado (mordeduras ou arranhaduras), ou por lambedura de ferimentos e mucosas.

10 DIFTERIA Parasita: Corynebacterium diphteriae Parasita: Corynebacterium diphteriae Patogenia: A doença se manifesta com febre alta, pontos brancos nas amígdalas, mal-estar, rouquidão e dificuldades para engolir. Pode ocorrer obstrução respiratória, que chega a ser aliviada por intubação. Patogenia: A doença se manifesta com febre alta, pontos brancos nas amígdalas, mal-estar, rouquidão e dificuldades para engolir. Pode ocorrer obstrução respiratória, que chega a ser aliviada por intubação. Transmissão: Feita pelo doente, por secreções do nariz e da garganta ou objetos contaminados. Transmissão: Feita pelo doente, por secreções do nariz e da garganta ou objetos contaminados. Profilaxia: Vacina tríplice Profilaxia: Vacina tríplice

11 TUBERCULOSE Parasita: Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch Parasita: Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch Patogenia: Tosse, cansaço, inapetência, perda de peso, febre, dores no tórax, sudorese e eliminação de sangue pelas vias aéreas respiratórias. Patogenia: Tosse, cansaço, inapetência, perda de peso, febre, dores no tórax, sudorese e eliminação de sangue pelas vias aéreas respiratórias. Trasmissão: Eliminação de bacilos pelo infectado. Trasmissão: Eliminação de bacilos pelo infectado. Profilaxia: Vacina BCG (Bacilo Calmette - Guérin). Profilaxia: Vacina BCG (Bacilo Calmette - Guérin).

12 TUBERCULOSE Só 10% dos pacientes infectados pelo M. tuberculosis evoluem para o quadro da doença. Só 10% dos pacientes infectados pelo M. tuberculosis evoluem para o quadro da doença. Normalmente o sistema imunológico é capaz de conter a multiplicação do bacilo, evitando sua disseminação em 90% dos casos. Normalmente o sistema imunológico é capaz de conter a multiplicação do bacilo, evitando sua disseminação em 90% dos casos.sistema imunológicosistema imunológico

13 TUBERCULOSE Período de Incubação: Período de Incubação: O período de incubação é variável, podendo haver um período de latência entre a infecção e o aparecimento da doença, que pode ser de alguns anos. Período de transmissão: Período de transmissão: A transmissão ocorre enquanto o individuo eliminar o bacilo que não sofreu efeito da quimioterapia.

14 DEFINIÇÃO DE CONTACTANTE Pessoas que residem no mesmo domicílio do doente. Pessoas que residem no mesmo domicílio do doente. Indivíduos que compartilharam o dormitório com o doente nos últimos sete dias. Indivíduos que compartilharam o dormitório com o doente nos últimos sete dias. Contactantes de creche e jardim de infância (professoras e crianças) que dividem a mesma sala. Contactantes de creche e jardim de infância (professoras e crianças) que dividem a mesma sala. Todas as pessoas que tiveram contato com a saliva do doente nos últimos sete dias (beijar, compartilhar alimentos e bebidas, grupo de crianças que brincam juntas, dividir a mesma escova de dentes ou barbeadores). Todas as pessoas que tiveram contato com a saliva do doente nos últimos sete dias (beijar, compartilhar alimentos e bebidas, grupo de crianças que brincam juntas, dividir a mesma escova de dentes ou barbeadores). Profissionais da área da saúde que realizaram procedimentos (entubação orotraqueal, exame de fundo do olho, passagem de cateter nasogástrico) sem utilização de material de proteção adequado (máscara cirúrgica e luvas). Profissionais da área da saúde que realizaram procedimentos (entubação orotraqueal, exame de fundo do olho, passagem de cateter nasogástrico) sem utilização de material de proteção adequado (máscara cirúrgica e luvas).

15 AIDS Parasita: vírus (HIV) Parasita: vírus (HIV) Patogenia: O vírus invade e destrói os linfócitos, causando deficiências no sistema imunológico. O organismo do afetado fica vulnerável a infecções oportunistas, como a pneumonia, tuberculose e outras. Patogenia: O vírus invade e destrói os linfócitos, causando deficiências no sistema imunológico. O organismo do afetado fica vulnerável a infecções oportunistas, como a pneumonia, tuberculose e outras.

16 AIDS Transmissão: Relações sexuais; agulhas, seringas e material cirúrgico contaminado com sangue e secreções; transfusões de sangue; de mãe para filho, através da placenta. Transmissão: Relações sexuais; agulhas, seringas e material cirúrgico contaminado com sangue e secreções; transfusões de sangue; de mãe para filho, através da placenta. Profilaxia: Uso de camisinha nas relações sexuais; emprego de seringas descartáveis; completa esterilização do material cirúrgico; controle adequado nas transfusões de sangue. Profilaxia: Uso de camisinha nas relações sexuais; emprego de seringas descartáveis; completa esterilização do material cirúrgico; controle adequado nas transfusões de sangue.

17 DIAGNÓSTICO O diagnóstico da infecção pelo HIV é naturalmente realizado por, ou seja detecção dos anticorpos produzidos contra o vírus com um teste Eles são sempre os primeiros a serem efetuados, contudo dão resultados positivos falsos. Por isso é efetuado nos casos positivos um teste, muito mais específico e caro, de, para confirmar antes de se informar o paciente. Eles não detectam a presença do vírus nos indivíduos recentemente infectados. O diagnóstico da infecção pelo HIV é naturalmente realizado por sorologia, ou seja detecção dos anticorpos produzidos contra o vírus com um teste ELISA. Eles são sempre os primeiros a serem efetuados, contudo dão resultados positivos falsos. Por isso é efetuado nos casos positivos um teste, muito mais específico e caro, de Western Blot, para confirmar antes de se informar o paciente. Eles não detectam a presença do vírus nos indivíduos recentemente infectados.sorologiaELISAWestern Blot

18 A manifestação da doença por HIV é semelhante a uma gripe ou mononucleose infecciosa e ocorre 2 a 4 semanas após a infecção.gripemononucleose infecciosa Pode haver febre, mal-estar, linfadenopatia (gânglios linfáticos inchados), eritemas (vermelhidão cutânea), e/ou meningite viral. Estes sintomas são largamente ignorados, ou tratados enquanto gripe, e acabam por desaparecer, sem tratamento, após algumas semanas. Nesta fase há altas concentrações de vírus, e o portador é altamente infeccioso.linfadenopatiagânglios linfáticoseritemasmeningite

19

20 INFECÇÕES OPORTUNISTAS Infecções por vírus: Citomegalovirus, Herpes simples. Infecções por vírus: Citomegalovirus, Herpes simples.CitomegalovirusHerpes simplesCitomegalovirusHerpes simples Infecções por bactérias: Mycobacterium avium-intracelulare, outras microbactérias que normalmente não causam doenças, Mycobacterium tuberculosis, Salmonella, outras Infecções por bactérias: Mycobacterium avium-intracelulare, outras microbactérias que normalmente não causam doenças, Mycobacterium tuberculosis, Salmonella, outrasMycobacterium avium-intracelulare Mycobacterium tuberculosisSalmonellaMycobacterium avium-intracelulare Mycobacterium tuberculosisSalmonella Infecções por fungos: candidíase da boca e do esôfago (por Candida albicans, uma levedura); pneumonia por Pneumocystis carinii; Criptococose, Histoplasmose, Coccidiomicose. Infecções por fungos: candidíase da boca e do esôfago (por Candida albicans, uma levedura); pneumonia por Pneumocystis carinii; Criptococose, Histoplasmose, Coccidiomicose.candidíaseCandida albicansPneumocystis cariniiCriptococoseHistoplasmose CoccidiomicosecandidíaseCandida albicansPneumocystis cariniiCriptococoseHistoplasmose Coccidiomicose

21 INFECÇÕES OPORTUNISTAS Infecções por parasitas: Toxoplasmose, Criptosporidiose. Infecções por parasitas: Toxoplasmose, Criptosporidiose.Toxoplasmose CriptosporidioseToxoplasmose Criptosporidiose Neoplasias: câncros como linfoma e linfoma de Hodgkin, causado pelo vírus Epstein-Barr, sarcoma de Kaposi. Neoplasias: câncros como linfoma e linfoma de Hodgkin, causado pelo vírus Epstein-Barr, sarcoma de Kaposi. Neoplasiaslinfoma HodgkinEpstein-Barr sarcoma de Kaposi Neoplasiaslinfoma HodgkinEpstein-Barr sarcoma de Kaposi

22 TESTE RÁPIDO PARA HIV / AIDS Testes rápidos para a detecção de anticorpos anti-HIV são testes de triagem que produzem resultados em, no máximo, 30 minutos. Os testes rápidos em geral apresentam sensibilidade e especificidade similares aos ELISA de terceira geração, sendo que em populações com baixa prevalência para o HIV, a proporção de resultados falso-positivos pode ser maior.

23 TESTE RÁPIDO PARA HIV / AIDS Tendo em vista as características gerais dos testes rápidos, os mesmos podem ser indicados como testes de triagem para o diagnóstico da infecção pelo HIV, triagem de doadores em bancos de sangue e de outros tecidos biológicos e também para fins de se tomar uma decisão terapêutica em situações de emergência específicas. Tendo em vista as características gerais dos testes rápidos, os mesmos podem ser indicados como testes de triagem para o diagnóstico da infecção pelo HIV, triagem de doadores em bancos de sangue e de outros tecidos biológicos e também para fins de se tomar uma decisão terapêutica em situações de emergência específicas.

24 SÍFILIS Parasita: Treponema pallidum (bactéria) Parasita: Treponema pallidum (bactéria) Patogenia: No local da penetração da bactéria, aparece o cancro duro, pequena ulceração com endurecimento em torno. Após alguns meses, surgem manchas avermelhadas no corpo e lesões na boca. Patogenia: No local da penetração da bactéria, aparece o cancro duro, pequena ulceração com endurecimento em torno. Após alguns meses, surgem manchas avermelhadas no corpo e lesões na boca. Transmissão: Ato sexual ou secreções eliminadas das lesões do infectado. Transmissão: Ato sexual ou secreções eliminadas das lesões do infectado. Profilaxia: Uso de camisinha e educação sexual, evitando principalmente a promiscuidade Profilaxia: Uso de camisinha e educação sexual, evitando principalmente a promiscuidade


Carregar ppt "PARASITOSES HUMANAS PARTE II Cézar Brenol Renk. MALÁRIA Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax) Parasita: Plasmodium sp (falciparum, malarie, vivax)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google