A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Astrolábio Destinados a estabelecer a posição dos navios no alto mar, pelo cálculo das latitudes, através da medição das alturas do sol e da Estrela Polar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Astrolábio Destinados a estabelecer a posição dos navios no alto mar, pelo cálculo das latitudes, através da medição das alturas do sol e da Estrela Polar."— Transcrição da apresentação:

1 Astrolábio Destinados a estabelecer a posição dos navios no alto mar, pelo cálculo das latitudes, através da medição das alturas do sol e da Estrela Polar. Este astrolábio tinha como único objectivo medir a altura do sol, pois no Atlântico sul a Estrela Polar não era observada. Bússola, originária do Oriente, não se sabe a data exacta da sua introdução na Europa Medieval. Há quem atribua a sua invenção a Maricourt ou a Raimundo Lulo, nos fins do século XIII, mas a cartografia italiana e marroquina mostram o erro de tal afirmação. Em Portugal o mais antigo documento que se lhe refere é de O Quadrante permitia medir a altura do sol, observando-se o horizonte através da ranhura na extremidade da régua principal. Fazia-se então deslocar a peça anexa à haste curva superior, até que a sombra do sol incidisse sobre a abertura, procedendo-se depois, à leitura na escala. O quadrante também servia para medir a altura da estrela polar. Sobre uma vara longitudinal graduada deslizava-se outra outra transversal, de modo a que os seus extremos podiam fixar-se em duas estrelas, calculando-se, assim, a distância angular entre elas, tal como a hora e a latitude geográfica Instrumentos Náuticos

2 Cartografia Planisfério T-O (século IX) Planisfério de Zona (Século XII) Planisfério dito de Cantino, este planisfério representa a África com bastante exactidão e é a mais antiga carta portuguesa e inclui um largo trecho de litoral brasileiro Planisfério de 1457, salienta-se a forma correcta como a costa do Mediterrâneo está delineada, enquanto o restante foi construído de forma um pouco arbitrária.

3 Escola de Sagres

4 Caravelas portuguesas em ascensão

5

6 Descobrimentos Marítimos Pioneirismo de Portugal Pioneirismo de Portugal Centralização Política Centralização Política Formação de Monarquia Nacional precoce ( Revolução de Avis) Formação de Monarquia Nacional precoce ( Revolução de Avis) Centralização de poder nas mãos do rei (absoluto) Centralização de poder nas mãos do rei (absoluto) Apoio do grupo mercantil – desenvolvimento do comércio Apoio do grupo mercantil – desenvolvimento do comércio Paz Interna Paz Interna Ausência de guerras e estrangeiros (mulçumanos) Ausência de guerras e estrangeiros (mulçumanos) Monarquia aliada à Burguesia Monarquia aliada à Burguesia Príncipe infante D. Henrique (o navegador) criou Escola de Sagres Príncipe infante D. Henrique (o navegador) criou Escola de Sagres Sagres (1418) - Desenvolvimento da empresa náutica Sagres (1418) - Desenvolvimento da empresa náutica Posição Geográfica favorável Posição Geográfica favorável Cercada por oceano atlântico e mar mediterrâneo Cercada por oceano atlântico e mar mediterrâneo

7 ETAPAS DA EXPANSÃO PORTUGUESA 1ª ETAPA ( ) – é explorada a costa atlântica da África até o golfo da Guiné, dando a Portugal acesso direto às especiarias. 1ª ETAPA ( ) – é explorada a costa atlântica da África até o golfo da Guiné, dando a Portugal acesso direto às especiarias. 2ª ETAPA ( ) – continua a exploração do litoral africano em direção ao sul. Bartolomeu Dias descobre o cabo da Boa Esperança (1488) e Vasco da Gama atinge a Índia. 2ª ETAPA ( ) – continua a exploração do litoral africano em direção ao sul. Bartolomeu Dias descobre o cabo da Boa Esperança (1488) e Vasco da Gama atinge a Índia. 3ª ETAPA ( ) – a partir da expedição de Cabral, os navegadores lusos foram cada vez mais longe: Groenlândia, circunavegação da Terra, extremo Oriente e atingiram também a Austrália. 3ª ETAPA ( ) – a partir da expedição de Cabral, os navegadores lusos foram cada vez mais longe: Groenlândia, circunavegação da Terra, extremo Oriente e atingiram também a Austrália.

8 Expansão Marítima Portuguesa - Rio Tejo/Lisboa

9 Conquistas Portuguesas Ciclo Oriental (Périplo africano) Ciclo Oriental (Périplo africano) Ceuta (1415) Ceuta (1415) Expedição militar – cidade onde convergiam mercadores mulçumanos Expedição militar – cidade onde convergiam mercadores mulçumanos Controle político militar do Estreito de Gibaltrar – fracasso comercial Controle político militar do Estreito de Gibaltrar – fracasso comercial Arquipélago da Madeira (1419) – cana, pecuária, escravos (capitanias) Arquipélago da Madeira (1419) – cana, pecuária, escravos (capitanias) Arquipélago da Açores (1431) – cana, pecuária, escravos (capitanias) Arquipélago da Açores (1431) – cana, pecuária, escravos (capitanias) Cabo Bojador (1434) Cabo Bojador (1434) Cabo Branco (1445) - Fundação da feitoria de Arguim Cabo Branco (1445) - Fundação da feitoria de Arguim Arquipélago de Cabo Verde (1445) – cana, pecuária, escravos (capitan.) Arquipélago de Cabo Verde (1445) – cana, pecuária, escravos (capitan.) Golfo Guiné e Cabo das Palmas (1452) e linha Equador (1471) Golfo Guiné e Cabo das Palmas (1452) e linha Equador (1471) Rio Congo e Angola (1482) – feitorias S. Jorge da Mina, Luanda e Cabinda Rio Congo e Angola (1482) – feitorias S. Jorge da Mina, Luanda e Cabinda Cabo da Boa Esperança (1488) – contorno do litoral africano Cabo da Boa Esperança (1488) – contorno do litoral africano Calicute (1498) – Tentativas de Império Português no Oriente Calicute (1498) – Tentativas de Império Português no Oriente

10 Conquistas Portuguesas – Índias Brasil e Índias (1500) Brasil e Índias (1500) Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil e segue para as Índias Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil e segue para as Índias Esquadra Militar - Tentativa de se fixar no oriente (Império) Esquadra Militar - Tentativa de se fixar no oriente (Império) Índias ( ) Índias ( ) Francisco Almeida Francisco Almeida Afonso de Albuquerque (fundador do império Português nas Índias) Afonso de Albuquerque (fundador do império Português nas Índias) Conquistas militares portuguesas no Oriente Conquistas militares portuguesas no Oriente Golfo Pérsico (Aden) Golfo Pérsico (Aden) Índias (Calicute, Goa, Damão e Diu) Índias (Calicute, Goa, Damão e Diu) Ilha do Ceilão e Indonésia (ilha de Java) Ilha do Ceilão e Indonésia (ilha de Java) Acordos Comerciais (1517 e 1530) Acordos Comerciais (1517 e 1530) China (Macau) China (Macau) Japão Japão

11

12 CEUTA Ceuta

13 Expansão Marítima Portuguesa Ilha da Madeira, 1419 e Arquipélago dos Açores, 1431 Madeira Açores

14 Expansão Marítima Portuguesa Cabo Bojador, 1434 (Gil Eanes)

15 Expansão Portuguesa -Índia/Calecute, Vasco da Gama, 1488

16 Rotas Comerciais dos territórios portugueses no mundo

17 Expansão Marítima Espanhola Enquanto Portugal se lançava ao mar, os reinos de Castela e Aragão ainda lutavam contra os mouros. Enquanto Portugal se lançava ao mar, os reinos de Castela e Aragão ainda lutavam contra os mouros – Colombo chegou a América – Colombo chegou a América – Fernão de Magalhães – primeira viagem em torno do mundo – circunavegação – Fernão de Magalhães – primeira viagem em torno do mundo – circunavegação.

18 Portugal e Espanha - diferenças - Portugueses: fixavam-se no litoral das terras conquistadas. Portugueses: fixavam-se no litoral das terras conquistadas. Espanhóis: procuravam explorar o interior. Assim, com o trabalho forçado da população nativa conseguiram explorar minas de ouro e prata para enriquecer a metrópole. Espanhóis: procuravam explorar o interior. Assim, com o trabalho forçado da população nativa conseguiram explorar minas de ouro e prata para enriquecer a metrópole. A Espanha conquistou a supremacia européia. A Espanha conquistou a supremacia européia.

19 Portugal e Espanha - conflitos- Problemas gerados pelos feitos de Colombo. Problemas gerados pelos feitos de Colombo – Tratado de Alcáçovas - que garantia a Portugal a posse de todas as ilhas do Oceano Atlântico – Tratado de Alcáçovas - que garantia a Portugal a posse de todas as ilhas do Oceano Atlântico – bula Inter Coetera 1493 – bula Inter Coetera 1494 – Tratado de Tordesilhas – Tratado de Tordesilhas.

20 Tratados Tratado de Alcáçovas (1479) Tratado de Alcáçovas (1479) que garantia a Portugal a posse de todas as ilhas do Oceano Atlântico. que garantia a Portugal a posse de todas as ilhas do Oceano Atlântico. Tratado de Toledo (1480) Tratado de Toledo (1480) Portugal cede ilhas Canárias à Espanha Portugal cede ilhas Canárias à Espanha Espanha cede o monopólio de comércio e navegação do litoral africano ao sul do Equador Espanha cede o monopólio de comércio e navegação do litoral africano ao sul do Equador Bula Inter Coetera (1493) Bula Inter Coetera (1493) Após descoberta da América (1492) Após descoberta da América (1492) Papa Alexandre VI (Cardeal de Aragão) atua como árbitro Papa Alexandre VI (Cardeal de Aragão) atua como árbitro Linha (100 léguas a oeste de Cabo Verde) separam terras de Esp. e Portugal Linha (100 léguas a oeste de Cabo Verde) separam terras de Esp. e Portugal Tratado de Tordesilhas (1494) Tratado de Tordesilhas (1494) Linha (370 léguas a oeste de Cabo Verde) separam terras de Esp. e Portugal Linha (370 léguas a oeste de Cabo Verde) separam terras de Esp. e Portugal Tratado de Saragoça (1529) Tratado de Saragoça (1529) Viagem de Fernão de Magalhães ( ) - Circunavegação Viagem de Fernão de Magalhães ( ) - Circunavegação Necessidade de demarcação da porção oriental (Império Português do Oriente) Necessidade de demarcação da porção oriental (Império Português do Oriente) Divisão entre Portugal e Espanha a partir das Ilhas Molucas Divisão entre Portugal e Espanha a partir das Ilhas Molucas Reação de França, Inglaterra e Holanda Reação de França, Inglaterra e Holanda

21 Bula Intercoetera Tratado de Tordesilhas

22 Tratado de Tordesilhas, Portugal e Espanha, 1494

23 O Descobrimento do Brasil

24 O Descobrimento Saída de Portugal (09/03/1500) Saída de Portugal (09/03/1500) 13 Embarcações 13 Embarcações 10 Naus e 3 Caravelas 10 Naus e 3 Caravelas 1200 homens (maioria soldados) 1200 homens (maioria soldados) Fundação de feitorias e conquista das Índias Fundação de feitorias e conquista das Índias Formação do Império Português no Oriente Formação do Império Português no Oriente Chegada ao Brasil (22/04/1500) Chegada ao Brasil (22/04/1500) Cabral avista o Monte Pascoal (Nau Capitânia) Cabral avista o Monte Pascoal (Nau Capitânia) Local – baía de Porto Seguro (Cabrália) Local – baía de Porto Seguro (Cabrália) – Nome Oficial Nativos - chamavam de Pindorama (Terra das Palmeiras) Nativos - chamavam de Pindorama (Terra das Palmeiras) Cabral - Ilha de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz, Nova Lusitânia, Cabrália Cabral - Ilha de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz, Nova Lusitânia, Cabrália Primeira Missa (26/04/1500) Primeira Missa (26/04/1500) Rezada pelo frei Henrique Soares Coimbra (Páscoa em 19/04/1500) Rezada pelo frei Henrique Soares Coimbra (Páscoa em 19/04/1500)

25 Antecedentes

26 O Descobrimento Causalidade Causalidade Cabral procurou fugir das calmarias Cabral procurou fugir das calmarias Afastou-se demais da costa africana fazendo arco muito aberto Afastou-se demais da costa africana fazendo arco muito aberto Tempestade teria desviado a esquadra de Cabral Tempestade teria desviado a esquadra de Cabral Ventos o fizeram pegar uma corrente marítima Ventos o fizeram pegar uma corrente marítima Intencionalidade Intencionalidade Carta de Caminha Carta de Caminha Não relata ocorrências (tempestades, ventos ou correntes marítimas) Não relata ocorrências (tempestades, ventos ou correntes marítimas) Afastamento em arco sugerido por Vasco da Gama Afastamento em arco sugerido por Vasco da Gama Tratados de Portugal e Espanha Tratados de Portugal e Espanha Rei de Portugal contesta Bula Inter Coetera Rei de Portugal contesta Bula Inter Coetera

27 Documentos do Descobrimento Carta de Pero Vaz de Caminha Carta de Pero Vaz de Caminha Noticiava o descobrimento Noticiava o descobrimento Levada à Portugal por Gaspar Lemos Levada à Portugal por Gaspar Lemos Relatório do Mestre João Relatório do Mestre João Documento não oficial escrito por um físico e cosmógrafo Documento não oficial escrito por um físico e cosmógrafo Relatório do Piloto Antônio Relatório do Piloto Antônio Documento não oficial redigido por um dos pilotos de Cabral Documento não oficial redigido por um dos pilotos de Cabral Carta de D. Manuel I Carta de D. Manuel I Carta aos reis da Espanha (1501) comunicando a chegada de Cabral a uma terra nova Carta aos reis da Espanha (1501) comunicando a chegada de Cabral a uma terra nova

28 Sistema Colonial Mercantilismo Mercantilismo Capitalismo comercial (circulação de mercadorias) Capitalismo comercial (circulação de mercadorias) Busca por metais (metalismo) Busca por metais (metalismo) Balança comercial favorável Balança comercial favorável Sistema Colonial Mercantilista Sistema Colonial Mercantilista Pacto Colonial Pacto Colonial Metrópole Metrópole Abastecia colônia com produtos e escravos Abastecia colônia com produtos e escravos Colônia Colônia Fornecia produção colonial a preços inferiores para Metrópole Fornecia produção colonial a preços inferiores para Metrópole Produção especializada em gêneros para o mercado externo Produção especializada em gêneros para o mercado externo Divisão Internacional da Produção Divisão Internacional da Produção Fornecimento de metais preciosos Fornecimento de metais preciosos

29 Sistema Colonial Pacto Colonial Pacto Colonial Conjunto de regras e normatizações Conjunto de regras e normatizações Relação entre metrópole e colônia (diretas e exclusivas) Relação entre metrópole e colônia (diretas e exclusivas) Monopólio metropolitano de comércio e navegação Monopólio metropolitano de comércio e navegação Monopólio estatal de produtos coloniais (Pau Brasil, diamantes) Monopólio estatal de produtos coloniais (Pau Brasil, diamantes) Regime do Porto Único (vigorou até 1778) Regime do Porto Único (vigorou até 1778) Apenas um porto na Metrópole poderia fazer comércio com a Colônia Apenas um porto na Metrópole poderia fazer comércio com a Colônia Escravismo Mercantilista Escravismo Mercantilista América do Norte - servidão temporária (mendigos na Europa) América do Norte - servidão temporária (mendigos na Europa) Portugal - escravidão africana (mais lucrativo) X indígena (subsistência) Portugal - escravidão africana (mais lucrativo) X indígena (subsistência) Comércio triangular (América, Europa e África) Comércio triangular (América, Europa e África)

30 Formas de Colonização Colônias de Povoamento Colônias de Povoamento Áreas temperadas da Europa Áreas temperadas da Europa Colônias Inglesas da América do Norte (Nova Inglaterra) Colônias Inglesas da América do Norte (Nova Inglaterra) Trabalho e Produção Trabalho e Produção Livre e familiar criando um mercado interno Livre e familiar criando um mercado interno Produção para consumo interno Produção para consumo interno Refugiados religiosos Refugiados religiosos Ideal de fixação e desejo de prosperidade Ideal de fixação e desejo de prosperidade Valorização da educação, da instrução e da mulher Valorização da educação, da instrução e da mulher Consciência de autonomia e ideal de emancipação Consciência de autonomia e ideal de emancipação Colônias de Exploração Colônias de Exploração Povoamento com ideal de exploração Povoamento com ideal de exploração Ideal de enriquecimento rápido Ideal de enriquecimento rápido Produção Produção Exportação para metrópole utilizando Exportação para metrópole utilizando Sistema de Plantation Sistema de Plantation

31 As Principais figuras D. João I, Mestre de Avis( ), filho bastardo de D. Pedro I. Depois da Morte do Rei D. Fernando é aclamado regedor e defensor do reino. É mais tarde aclamado rei de Portugal em 1385, vence a guerra com Castela, e é o progenitor da Ínclita geração. Infante D. Henrique ( ), quinto filho de D. João I, é considerado como o grande impulsionador da nossa expansão ultramarina D. Afonso V( ). Filho de D. Duarte, abandona a política de descoberta e o seu reinado vai ser constituído por três grandes períodos: 1º vai da elevação ao trono até à batalha de Alfarrobeira. 2º são os feitos militares em África 3º é dominado pela política peninsular D. João II, o Príncipe Perfeito, filho de Afonso V, subiu ao trono em 1481, mas já exercia o poder antes de chegar ao trono devido as ausências do pai. D. João II, dirigia a política atlântica, a qual tinha como objectivo chegar à Índia.

32 Os nossos principais navegadores Foi capitão da armada que atingiu a ponta meridional de África, em viagem realizada em Além de comandar aquela armada, apenas se sabe que Bartolomeu Dias foi escuteiro da casa real, recebedor do armazém da Guiné entre e faleceu em 1500, quando soçobrou uma nau que capitaneava e seguia integrada na armada de Pedro Álvares Cabral, surpreendida por severa tempestade em águas do Atlântico sul. Nascido em Sines. Perito em navegação, D. João II encarregou-o de várias missões de responsabilidade. D. Manuel confirmou a escolha feita pelo predecessor, nomeou-o para capitanear a armada de descobrimento do caminho marítimo para a Índia, que partiu do Tejo em 8 de Julho de Essa expedição contava com as naus S. Gabriel, S. Rafael e a caravela Bérrio. Vasco da Gama desembarcou em Lisboa em fins de Agosto de 1499, demonstrando cabalmente a viabilidade de navegação para a Índia.

33


Carregar ppt "Astrolábio Destinados a estabelecer a posição dos navios no alto mar, pelo cálculo das latitudes, através da medição das alturas do sol e da Estrela Polar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google