A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PARA EQUIPES ESCOLARES DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL/2015 Apresentar o Modelo de Gestão e Modelo Pedagógico das escolas do Programa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PARA EQUIPES ESCOLARES DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL/2015 Apresentar o Modelo de Gestão e Modelo Pedagógico das escolas do Programa."— Transcrição da apresentação:

1 1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PARA EQUIPES ESCOLARES DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL/2015
Apresentar o Modelo de Gestão e Modelo Pedagógico das escolas do Programa Ensino Integral, oportunizando reflexões sobre suas concepções e fundamentos. OBJETIVO GERAL

2

3 ATIVIDADE DE ACOLHIMENTO
VICE-DIRETORA - EE PROF. MARIA JOSÉ MORAES SALLES FLÁVIA SHIRAKISHI SEIMANDI

4 OBJETIVOS DO ACOLHIMENTO
Acolher a equipe escolar e aos estudantes. Introduzir alguns conceitos e metodologias que formam a base do Programa Ensino Integral. Despertar nos estudantes valores essenciais para sua formação e desenvolvimento de seus Projetos de Vida.

5 VÍDEO - ACOLHIMENTO

6 https://www.youtube.com/watch?v=O6sIB9REXqs

7 Responsáveis Na Escola: Vice-Diretor. Ele é o responsável pela orientação e monitoramento do acolhimento e organização / sistematização do material produzido durante a realização do Acolhimento; Na DE: PCNP. Ele é responsável pelo apoio logístico e suporte técnico à realização das atividades; Os jovens acolhedores são responsáveis pelo planejamento e elaboração compartilhados.

8 Importância do Acolhimento
Momento no qual, de maneira lúdica, o aluno é conduzido a reflexão sobre seu Projeto de Vida na construção de seu conhecimento. Dar as boas-vindas aos novos alunos e, por meio do diálogo estabelecido de jovem para jovem, efetuar a troca de experiências, garantindo, assim, a integração de todos. Garantir aos novos alunos perceber as diferenças e as oportunidades que Programa oferece.

9 O papel da equipe escolar durante o Acolhimento
Apoiar e garantir as condições favoráveis para o acontecimento do mesmo, porém, sem interferir, a não ser que solicitado. Dar continuidade ao trabalho com os conceitos vistos no Acolhimento. O Vice Diretor é responsável por sistematizar, organizar e guardar o material produzido em portfólios individuais. A equipe utilizará esses portfólios nas aulas de Projeto de Vida, Protagonismo Juvenil e suas práticas (EF), Tutoria e na construção das eletivas e outros momentos que julgue necessário.

10 PROJETO DE VIDA

11 OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA FORMAÇÃO
Refletir sobre o Projeto de Vida como eixo norteador do desenvolvimento das ações previstas no Modelo. Promover reflexões sobre valores e atitudes relacionadas aos sonhos. - Apresentar modelos de aulas de Projeto de Vida no Ensino Fundamental e Ensino Médio.

12 PROJETO DE VIDA O termo “Projeto” significa ideia que se forma de executar ou realizar algo no futuro. (Dicionário Aurélio)

13 Projeto de Vida é a trilha que você irá percorrer ao executar aos diversos planejamentos que tem e terá. São as diretrizes básicas que determinam o rumo de sua vida. Interligação e sequência desses planos é que faz o Projeto de Vida ser bem sucedido ou não. Fran Christy

14 PROJETO DE VIDA Não há como dizer para um jovem o que ele deve ser ou fazer. Mas há como, e deve-se, incentivá-lo a refletir sobre “o que ele sabe que é” “o que ele gostaria de ser” e ajudá-lo a planejar o caminho que ele precisa seguir para alcançar “o que ele pretende ser”. Antonio Carlos Gomes da Costa

15 PROJETO DE VIDA Tem início no Acolhimento, é a “matéria prima” que nasce na oficina varal dos sonhos; Apropriação da equipe gestora e docente das primeiras evidências para a elaboração das eletivas; Ação da tutoria: Pedagogia da presença e apoio ao desenvolvimento do Projeto de vida; Aulas Projeto de Vida - constam da matriz Projeto de Vida é acompanhado pelo Vice – Diretor (L.C 1.191/12).

16 VÍDEO https://www.youtube.com/watch?v=dtCDO29waIk

17 Disponível em: http://www.youtube.com (Acesso em 11/12/2014)

18 https://www.youtube.com/watch?v=M7XKHii71F8

19 Quais são as competências pessoais e profissionais exigidas pelo contexto da sociedade contemporânea?

20 COMPETÊNCIAS + dedicação + criatividade + mobilidade + disponibilidade + argumentação + conhecimento

21 2008- CURRÍCULO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - SP

22 4 Pilares Tempo ampliado Formação para a vida
O CURRÍCULO OFICIAL E AS EXIGÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS "A autonomia para gerenciar a própria aprendizagem (aprender a aprender) e para a transposição dessa aprendizagem em intervenções solidárias (aprender a fazer e a conviver) deve ser a base da educação das crianças, dos jovens e dos adultos, que têm em suas mãos a continuidade da produção cultural e das práticas sociais." p.10 Ganha também importância a ampliação e a significação do tempo de permanência na escola, tornando-a um lugar privilegiado para o desenvolvimento do pensamento autônomo, tão necessário ao exercício de uma cidadania responsável. p. 9 4 Pilares Tempo ampliado 4 Pilares Tempo ampliado O desenvolvimento pessoal é um processo de aprimoramento das capacidades de agir, pensar, atuar sobre o mundo e lidar com a influência do mundo sobre cada um, bem como atribuir significados e ser percebido e significado pelos outros, apreender a diversidade e ser compreendido por ela, situar-se e pertencer. p. 9. "Construir identidade, agir com autonomia e em relação com o outro, bem como incorporar a diversidade, são as bases para a construção de valores de pertencimento e de responsabilidade, essenciais para a inserção cidadã nas dimensões sociais e produtivas.“ p. 10 Formação para a vida Excelência acadêmica, mundo do trabalho Formação para a vida Excelência acadêmica, mundo do trabalho

23 OS 5 PILARES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO – COMPROMISSO DE SÃO PAULO
Valorizar e investir no desenvolvimento do Capital Humano da Secretaria 1 2 5 3 4 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco na aprendizagem dos alunos Mobilizar e Engajar a Rede, os alunos e a sociedade em torno do processo de ensino-aprendizagem Expandir e aperfeiçoar a política de Educação Integral Viabilizar mecanismos de gestão organizacional e financeira para operacionalizar o Programa FBB005-Chart avulso Bruno Faveri

24 A educação integral se caracteriza pela ideia de uma formação “mais completa possível” para o ser humano, envolve formar e informar, o tempo todo, rumo a ações transformadoras. Educação integral : texto referência para o debate nacional. - Brasília : Mec, Secad, Série Mais Educação.

25 PROGRAMA DE ENSINO INTEGRAL
This presentation demonstrates the new capabilities of PowerPoint and it is best viewed in Slide Show. These slides are designed to give you great ideas for the presentations you’ll create in PowerPoint 2011! For more sample templates, click the File menu, and then click New From Template. Under Templates, click Presentations.

26 VALORES Valorização da educação pública pela oferta de um ensino de qualidade Valorização dos educadores Gestão Escolar democrática e responsável Espírito de equipe e cooperação Mobilização engajamento e responsabilização a rede, alunos e sociedade em torno do processo ensino-aprendizagem: espírito público e cidadania Escola como centro irradiador da inovação.

27 Premissas Visão de Futuro Missão
1. PROTAGONISMO : Jovem como ator principal de suas ações;  2. FORMAÇÃO CONTINUADA: Todos os educadores em processos de formação inicial e continuada;  3. CORRESPONSABILIDADE: Toda a comunidade atuando de maneira comprometida com a melhoria da qualidade da educação;  4. EXCELÊNCIA EM GESTÃO: A gestão da escola de Ensino Integral voltada para o alcance efetivo dos objetivos sustentáveis em todas as dimensões da gestão;  5.REPLICABILIDADE: Práticas inovadoras sistematizadas e replicáveis para a rede. Ser, em 2030, reconhecida internacionalmente como uma rede de ensino integral pública de excelência posicionada entre as 25 primeiras do mundo. Ser um núcleo formador de jovens primando pela excelência na formação acadêmica; no apoio integral aos seus projetos de vida; seu aprimoramento como pessoa humana; formação ética; o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico .

28 Fundamentam e atribuem significado ao...
Quatro Pilares da Educação Educação Interdimensional Pedagogia da presença Protagonismo juvenil PRINCÍPIOS MODELO DE GESTÃO Modelo Pedagógico Fundamentam e atribuem significado ao... MODELO PEDAGÓGICO Modelo de Gestão PREMISSAS Protagonismo Juvenil Formação Continuada Excelência em gestão Corresponsabilidade Replicabilidade

29 O MODELO DE GESTÃO SE CONSTITUI POR MEIO DE:
Proposta Pedagógica, Regimento Escolar, Plano de Ação, Programas de Ação , Guias de Aprendizagem, Agendas , Rotina e PPP Instrumentos de Gestão: PDCA – método de gestão de processo voltado ao aprimoramento incremental das ações em um processo contínuo de de ajustes. Abrange as 4 fases da execução de uma ação/ política: planejamento, execução, monitoramento e ação revisitada. Metodologia de Gestão PRINCÍPIOS E PREMISSAS ALINHAMENTO

30 Princípios do Currículo Princípios do Programa
Uma escola que também aprende; O currículo como espaço de cultura; As competências como referência; Prioridade para a competência da leitura e escrita; Articulação das competências para aprender; Articulação com o mundo do trabalho. Princípios do Programa Pedagogia da Presença 4 Pilares da Educação Educação Interdimensional Protagonismo Juvenil Aluno Autônomo Solidário Competente

31 O QUE É O CICLO PDCA Método adequado à excelência em gestão e mudança da postura pedagógica dos profissionais da educação exigidas pelas novas formas de: olhar, sentir, acreditar e se comprometer com os objetivos e as metas propostos pelo Programa. PLANEJAR AGIR/ REVISAR FAZER MONITORAR

32 OBJETIVO DO CICLO PDCA Ser um ciclo contínuo buscando a melhoria dos processos que estão insatisfatórios ou mesmo dos que estão satisfatórios e podem ser otimizados, mas para isso acontecer é preciso que cada uma das etapas seja seguida de forma apropriada.

33 Metodologia de Gestão – Ciclo PDCA
2 “DO” - FAZER 1 “PLAN”- PLANEJAR FAZER Executar o que foi planejado. PLANEJAR Analisar e diagnosticar Identificar a visão, missão objetivos. Definir estratégias Desdobrar o Plano em Programas de Ação. P D 4 “ACT” – AGIR / REVISAR 3 “CHECK” - MONITORAR A C AJUSTE Revisar e ajustar as estratégias, metas e planos Aprimorar, melhorar Gestão de Resultados Educacionais. Acompanhar, verificar, avaliar e corrigir possíveis desvios

34 https://www.youtube.com/watch?v=lDh8dwpk1lM “Comece algo novo”

35 “Comece algo novo” “Empieza algo nuevo” “Start something new”

36 A vida muda quando você muda.
CUIDAR NOVO JEITO OLHAR AGIR SENTIR OUVIR A vida muda quando você muda. Luis Fernando Veríssimo

37 MODELO DE GESTÃO E MODELO PEDAGÓGICO
INSTRUMENTOS Leitura Inicial MODELO DE GESTÃO E MODELO PEDAGÓGICO

38 O MODELO DE GESTÃO SE CONSTITUI POR MEIO DE:
Proposta Pedagógica Regimento Escolar Plano de Ação Programas de Ação Guias de Aprendizagem Agendas e Rotina PPP Instrumentos de Gestão:

39 Vivenciando o Modelo de Ensino Integral Instrumentos de Gestão
OFICINA 1 Vivenciando o Modelo de Ensino Integral Instrumentos de Gestão ATIVIDADE Indicar no Plano de Ação as estratégias e ações apontando sua articulação com os Programas de Ação.

40 “Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Toda cabeça pensa a partir
de onde os pés pisam.” Leonardo Boff em A águia e a galinha, a metáfora da condição humana. 1998,Ed Vozes.

41 SITUAÇÃO 1. Uma das dificuldades ficou evidenciada para a equipe escolar ao final do 1º bimestre, quando, ao elaborar um relatório solicitado pela SEE (levantamento de dados e justificativas), constatou-se um grande número de transferências e de faltas de alunos diariamente. Os gestores, inicialmente, justificaram este número, apontando a realidade da comunidade escolar, alegando que os alunos são carentes e na cultura dos alunos e de suas famílias se percebe a pouca importância que dão à educação, fatores esses que, segundo os gestores, incidiram neste quadro. Por outro lado, a equipe de acompanhamento da implantação do programa na Unidade Escolar, em uma de suas visitas, solicitou o Plano de Ação da Escola para análise e discussão. O documento não apresentava como um dos objetivos, a atuação da comunidade comprometida com o Projeto Escolar prevista no Plano de Ação da SEE para a Escola. Quando questionada pelo fato, além das justificativas apontadas acima, a equipe gestora considerou que a presença constante dos pais expõe a escola a críticas que não colaboram com o processo educativo e, quando chamados, não participam das reuniões promovidas na escola.

42 ROTEIRO PARA DISCUSSÃO: 1
ROTEIRO PARA DISCUSSÃO: 1. A que premissa e objetivo do Plano de Ação da SEE a situação apresentada no cenário se refere? 2. A qual prioridade, decorrente desta premissa e objetivo, está relacionada a situação apresentada? 3. Além dos indicadores de resultado e de processo, das ações e estratégias já apresentados, quais outras estratégias e ações podem ser propostas para alcançar aquele objetivo e prioridades estabelecidos no Plano de Ação?

43

44 ESTRATÉGIAS E AÇÕES GERAIS DA SEE ESTRATÉGIAS E AÇÕES DA ESCOLA
PRIORIDADES 2014 METAS INDICADORES PROCESSO RESULTADOS ESTRATÉGIAS E AÇÕES GERAIS DA SEE PROGRAMAS DE AÇÃO AGENDA BIMESTRAL GUIA DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS E AÇÕES DA ESCOLA OBJETIVOS VALORES VISÃO MISSÃO PREMISSAS PLANO DE AÇÃO

45 Vídeo: “O novo carro do Mike”, Pixar, com 3’49sKE
https://www.youtube.com/watch?v=Ti7XfjwpQFQ

46 INSTRUMENTOS DE GESTÃO
Programa de Ação Rotinas (funcionários) PPP Plano de Ação Guia de Aprendizagem Agenda

47 Programa de Ação Enfoque Operacional

48 Vivenciando o Programa Ensino Integral
Instrumentos de Gestão PROGRAMA DE AÇÃO Parte C – 45 minutos Cada grupo deverá: Analisar o Programa de Ação e refletir sobre: a) O conceito e a finalidade do documento para o programa; b) A estrutura dos documento; c) Quem deve elaborar esse documento; d) A articulação com o Plano de Ação.

49 PROGRAMA DE AÇÃO O programa de ação (PA) trata da operacionalização, dos meios e processos que darão corpo às metas traçadas no plano de ação. É um veículo para o exercício da delegação gradual e planejada Diretor, Vice Diretor, PCG, PCA e Professores elaboram seus Programas de Ação detalhando as ações a serem desenvolvidas, pautados nas metas e amparados pelas estratégias estabelecidas no Plano de Ação.

50 Orientação (para elaboração)
Fluxograma do PA PROGRAMA DE AÇÃO (PA) Orientação (para elaboração) Elaboração Acompanhamento /Monitoramento Diretor PCG PCA Professores

51 Vivenciando o Programa Ensino Integral
Instrumentos de Gestão Parte D – GUIA DE APRENDIZAGEM, AGENDA E ROTINA Cada grupo deverá: Analisar os seguintes documentos - Guia de Aprendizagem, Agenda e Rotina - e refletir sobre: a) O conceito e a finalidade do documento para o programa; b) A estrutura dos documentos; c) Se sua construção é coletiva ou individual. d) A articulação do Guia de Aprendizagem ao Programa de Ação

52 PROGRAMA DE AÇÃO EE: NOME: FUNÇÃO:
Professor de (identificar a(s) disciplina(s) e se a mesma é da Base Nacional Comum ou da Parte Diversificada) Gestor: (identificar a função gestora que exerce) Diretor: Vice-Diretor: PCA da respectiva área: PCG: VIGÊNCIA: 2015 ÚLTIMA REVISÃO:__/__/2015 RELATO SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE EM QUE ESTÁ INSERIDA Fazer um breve relato sobre o contexto da escola, analisando a comunidade, os resultados de aprendizagem dos alunos, as dificuldades enfrentadas nos outros anos e as expectativas da escola para este ano letivo. No caso de escolas que iniciaram no Programa de Ensino Integral em 2015, descrever suas expectativas a partir da implantação do Programa Ensino Integral na escola. Usar como referência também a expectativa da equipe gestora e de professores, dos alunos e da comunidade, em especial, no que se refere ao apoio na elaboração e consecução de seus projetos de vida.

53 2 - RELATO INDIVIDUAL SOBRE O EXERCÍCIO DA SUA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente) Considerando o contexto em que a escola está inserida, fazer um breve relato sobre a(s) função(ões) que você exercerá na escola, suas expectativas, analisando as condições enfrentadas no passado em relação aos resultados de aprendizagem dos alunos, à relação estabelecida com os pais/responsáveis, à comunidade, aos órgãos da SEE e aos parceiros. 3- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO (Caso exerça mais de uma função registre as atribuições das funções separadamente) Considerar as atribuições específicas da função no Programa Ensino Integral – artigo 7º da Lei Complementar nº 1.164, de 4 de janeiro de alterada pela Lei Complementar n° 1.191, de 28 de dezembro de 2012, transcrevendo-as.

54 4 – ALINHAMENTOS ENTRE ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre os alinhamentos entre as atribuições separadamente) Considerar as atribuições dos profissionais que atuam na escola (professor, PCA, PCG, vice, diretor, PCNP e Supervisor de Ensino) e os respectivos alinhamentos horizontal e vertical que dela derivam e apontar os alinhamentos.

55 Descrever as competências a serem desenvolvidas por premissa
5 - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exerça mais de uma função registre as competências e habilidades necessárias separadamente) Preencha nos campos abaixo as competências necessárias para o exercício da sua função que ainda precisam ser desenvolvidas. Os profissionais que já elaboraram o seu Plano Individual de Aperfeiçoamento e Formação devem considerar as competências a ser desenvolvidas apontadas no plano. PREMISSAS COMPETÊNCIAS Descrever as competências a serem desenvolvidas por premissa PROTAGONISMO JUVENIL PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a formar pessoas autônomas, solidárias e competentes e sendo protagonista também de sua própria atuação. FORMAÇAO CONTINUADA DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO: Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-la e contextualizá-la, relacionando-a com a realidade do aluno, à prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte diversificada, às atividades complementares e aos Projetos de Vida. DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO: Busca contínua da aprendizagem e do desenvolvimento como pessoa e profissional, apresentando predisposição para reavaliar suas práticas, tecnologias, ferramentas e formas de pensar.

56 EXCELÊNCIA EM GESTÃO COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO: Demonstra determinação para planejar, executar e rever ações, de forma a atingir os resultados planejados. CORRESPONSABILIDADE RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve relacionamentos positivos com alunos, professores, funcionários, direção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável tendo em vista o desenvolvimento dos alunos e profissionais da escola. REPLICABILIDADE SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em solucionar os problemas que identifica, criando caminhos alternativos sempre que necessário. DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de uma rede.

57 6- POSTURA, ADEQUADA À FUNÇÃO E ATRIBUIÇÕES, BASEADA NOS VALORES, PRINCÍPIOS E PREMISSAS DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL. Fazer uma autoavaliação e reflexão no aspecto individual da sua atuação. Ter em mente que sua postura é um compromisso para consigo mesmo e para com sua equipe, alunos, pais, comunidade, SEE e instituições parceiras. Fazer uma autoanálise, apontando quais ações para que a postura seja adequada aos princípios, premissas e valores do Programa Ensino Integral. Estabelecer em quais dos pontos é necessário o desenvolvimento de algum trabalho individual ou um apoio /ajuda de outras pessoas. OBS: A título de sugestão, indicamos alguns aspectos que podem ser considerados na sua reflexão: Compreensão da diversidade e da individualidade; incentivo à participação das pessoas; seu esforço pessoal e dedicação; suas atitudes em prol da cooperação coletiva; seu esforço na busca efetiva do trabalho em equipe; assiduidade/frequência; confiança e respeito no trato das pessoas. ASPECTOS SUA AÇÃO

58 GESTÃO POR RESULTADOS DO PLANO DE AÇÃO
7 - PRINCIPAIS FOCOS DA ESCOLA A partir dos objetivos e prioridades estabelecidos no Plano de Ação da Escola, aponte os principais focos a ser priorizados, considerando a especificidade e periodicidade de cada ação planejada em seu plano. (Por exemplo: o período do nivelamento, as avaliações externas e outras ações já previstas na Agenda Bimestral e da Escola). Considerar que os focos constituem os pontos prioritários a serem trabalhados ou desenvolvidos pela escola e devem estar alinhados com os presentes no Plano de Ação da SEE para as escolas do Programa Ensino Integral. 8- RESULTADOS ESPERADOS, METAS E AÇÕES ESCOLA PROFISSIONAL 8.1 - RESULTADOS ESPERADOS, METAS DA ESCOLA E DO PROFISSIONAL Transcrever os resultados esperados e metas descritos no Plano de Ação da Escola e que, portanto, são resultados e metas a ser perseguidas pelos profissionais no planejamento das ações que irão desenvolver no exercício das suas respectivas funções.

59 8.2- AÇÕES E PRAZOS PARA OS FOCOS DA ESCOLA
Descrever as ações a serem desenvolvidas na escola, com prazos e metas para atender os focos definidos, identificando a que metas estão relacionados. Considerar que os pontos prioritários variam no decorrer do tempo e desta forma estabelecer um período de validade dos mesmos. 8.3- AÇÕES E PRAZOS PARA OS FOCOS - Função e Disciplina Descrever as ações a ser desenvolvidas pelo profissional, suas práticas diferenciadas e articuladas às ações planejadas para a escola, por função e por disciplina, com prazos e metas para atender os focos da escola. 8.4- AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO DE PROCESSO E MONITORAMENTO DE RESULTADOS Transcrever as ações de acompanhamento das ações e de monitoramento dos resultados previstas no Plano de Ação da Escola. 8.5- AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO DE PROCESSO E MONITORAMENTO DE RESULTADOS- Função e Disciplina Descrever as ações de monitoramento, por função e por disciplina, os indicadores de processo e de resultado, as fontes dos dados, o valor inicial, metas e periodicidade de apuração, considerando as metas e estratégias definidas no Plano de Ação. DIRETOR DE ESCOLA: SUPERVISOR DE ENSINO: DIRIGENTE REGIONAL DE ENSINO (no caso do Diretor): DATA DA ELABORAÇÃO: ___/___/2015 DATA DA REVISÃO: anotar todas as datas em que foram feitas as revisões do Programa de Ação.

60 Vivenciando o Programa Ensino Integral Instrumentos de Gestão
Parte D – GUIA DE APRENDIZAGEM, AGENDA E ROTINA Grupo 1- Guia de Aprendizagem Grupo 2- Guia de Aprendizagem Grupo 3- Guia de Aprendizagem Grupo 4- Agenda Grupo 5- Rotina

61 Vivenciando o Programa Ensino Integral Instrumentos de Gestão
SOCIALIZAÇÃO: 1. Apresentar a reflexão realizada no grupo sobre os Instrumentos de Gestão. 2. Retomar o Painel elaborado na PARTE A da Oficina, momento em que os gestores apresentarão suas percepções sobre as dificuldades e as facilidades sobre a organização da escola. 3. O grupo de professores poderá comentar se fariam alteração no painel após o estudo dos Instrumentos de Gestão.

62 AGENDA DO PROFISSIONAL
PLANO DE AÇÃO VALORES VISÃO MISSÃO PREMISSAS OBJETIVOS PRIORIDADES METAS Indicadores RESULTADOS PROCESSO ESTRATÉGIAS PROGRAMA DE AÇÃO GUIA DE APRENDIZAGEM AGENDA DO PROFISSIONAL

63 APRENDIZAGEM CURRÍCULO MATRIZ CURRICULAR PARTE DIVERSIFICADA
BASE NACIONALCOMUM PARTE DIVERSIFICADA MATRIZ CURRICULAR

64 Como o Programa de Ação se articula com o Guia de Aprendizagem?
Guias de Aprendizagem Como o Programa de Ação se articula com o Guia de Aprendizagem? O GUIA DE APRENDIZAGEM é um instrumento do Modelo elaborado pelos professores. É a partir do conteúdo de cada Programa de Ação que ele desenvolverá sua atividade docente descrita no Guia de Aprendizagem, ao qual o aluno e a família terão acesso direto a cada bimestre em local público e conhecido. O Guia de Aprendizagem tem como objetivo a autorregulação do aluno para o seu estudo, o conhecimento dos pais e responsáveis sobre os conteúdos trabalhados e a organização da disciplina pelo professor.

65 Agenda no cotidiano escolar
AGENDA é um instrumento de gestão no qual os integrantes das equipes docente e gestora organizam suas ações discriminadas no Programa de Ação e nos Guias de Aprendizagem (dia, horário e o tempo de duração). É articulada à agenda da escola, que por sua vez, se alinha à da SEE e permite socialização entre a equipe e os alunos.

66 Rotina no cotidiano escolar
ROTINA - O termo rotina é derivado da palavra francesa route, que significa rota, caminho, itinerário habitual. Nas escolas do Programa Ensino Integral a Rotina é um instrumento de organização e acompanhamento das ações dos funcionários.

67 ORGANOGRAMA DA ESCOLA SEE DE DIRETOR VICE DIRETOR PCG PCA PCA PCA
PROFESSORES PROFESSORES PROFESSORES ALUNOS


Carregar ppt "1º ENCONTRO DE FORMAÇÃO PARA EQUIPES ESCOLARES DO PROGRAMA ENSINO INTEGRAL/2015 Apresentar o Modelo de Gestão e Modelo Pedagógico das escolas do Programa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google