A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva.

Cópias: 3
Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva.

Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva.

Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva."— Transcrição da apresentação:

1 Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva

2 Proteção do trabalho do menor Art.402. Considera-se menor para os efeitos desta Consolidação, o trabalhador de quatorze até dezoito anos. Art.402. Considera-se menor para os efeitos desta Consolidação, o trabalhador de quatorze até dezoito anos. Parágrafo único. O trabalho do menor reger-se-á pelas disposições do presente Capítulo, exceto no serviço em oficinas em que trabalhem exclusivamente pessoas da família do menor e esteja este sob a direção do pai, mãe ou tutor, observado, entretanto, o disposto nos arts. 404, 405 e na Seção II. Parágrafo único. O trabalho do menor reger-se-á pelas disposições do presente Capítulo, exceto no serviço em oficinas em que trabalhem exclusivamente pessoas da família do menor e esteja este sob a direção do pai, mãe ou tutor, observado, entretanto, o disposto nos arts. 404, 405 e na Seção II. A maioridade civil inicia-se aos 18 anos; são relativamente incapazes os menores de 16 e 18 anos, devendo receber assistência de seus responsáveis em seus atos da vida civil; os menores de16 anos são absolutamente incapazes e não participam do comércio jurídico, sendo representados. Entretanto nos atos trabalhistas o maior de 18 anos é plenamente capaz. A maioridade civil inicia-se aos 18 anos; são relativamente incapazes os menores de 16 e 18 anos, devendo receber assistência de seus responsáveis em seus atos da vida civil; os menores de16 anos são absolutamente incapazes e não participam do comércio jurídico, sendo representados. Entretanto nos atos trabalhistas o maior de 18 anos é plenamente capaz. O menor de 18 anos não pode pactuar contrato, modificar-lhe as cláusulas, assinar distrato ou quitação final, mas pode assinar recibo de salários (CLT, art.439). O menor de 18 anos não pode pactuar contrato, modificar-lhe as cláusulas, assinar distrato ou quitação final, mas pode assinar recibo de salários (CLT, art.439). A assistência para contratar dá-se ela autorização tácita ou expressa, verbal ou escrita, sendo suprível pelo juiz de menores. Assistência aos atos jurídicos dos menores (L.8.069/90). Capacidade contratual do menor (art.446/2). Jogador de futebol: idade mínima para ser contratado 16 anos; para contratar sem consentimento paterno 18 anos; com suprimento judicial, 16 anos. A assistência para contratar dá-se ela autorização tácita ou expressa, verbal ou escrita, sendo suprível pelo juiz de menores. Assistência aos atos jurídicos dos menores (L.8.069/90). Capacidade contratual do menor (art.446/2). Jogador de futebol: idade mínima para ser contratado 16 anos; para contratar sem consentimento paterno 18 anos; com suprimento judicial, 16 anos.

3 Quanto as proibições ao trabalho do menor: >> Trabalho noturno, assim considera-se aquele a partir da 22 horas (CLT, art. 404). >> Trabalho noturno, assim considera-se aquele a partir da 22 horas (CLT, art. 404). No provimento 1/77do juiz de menores de São Paulo autorizava os menores de 14 a 17 anos a exercerem a função de cobrador de ônibus, satisfeitos certos requisitos (Ltr 42/145, 1978). A CF de 1988 proíbe aos menores de 18 anos o trabalho noturno, perigoso ou insalubre, sem qualquer exceção (art. 7º XXXIII), revogado tacitamente o parágrafo 1º do art. 405 com autorização para trabalho de menores naquelas condições. No provimento 1/77do juiz de menores de São Paulo autorizava os menores de 14 a 17 anos a exercerem a função de cobrador de ônibus, satisfeitos certos requisitos (Ltr 42/145, 1978). A CF de 1988 proíbe aos menores de 18 anos o trabalho noturno, perigoso ou insalubre, sem qualquer exceção (art. 7º XXXIII), revogado tacitamente o parágrafo 1º do art. 405 com autorização para trabalho de menores naquelas condições. >> Trabalho em ambiente insalubre, com periculosidade ou capaz de prejudicar a moralidade (CLT, art.405); >> Trabalho em ambiente insalubre, com periculosidade ou capaz de prejudicar a moralidade (CLT, art.405); >> Trabalho em ruas, praças e logradouros públicos, salvo mediante prévia autorização do juiz de menores (CLT, art. 405, parágrafo2º); >> Trabalho em ruas, praças e logradouros públicos, salvo mediante prévia autorização do juiz de menores (CLT, art. 405, parágrafo2º); >> Trabalho que demande o emprego de força muscular superior a 20 quilos, se contínuo, ou 25 quilos se ocasional (CLT, art. 405, parágrafo 5º).3 >> Trabalho que demande o emprego de força muscular superior a 20 quilos, se contínuo, ou 25 quilos se ocasional (CLT, art. 405, parágrafo 5º).3

4 Quanto à duração da jornada de trabalho >> É a mesma do adulto: 8 horas diárias (CLT, art. 411), ou seja, 44 horas semanais; >> É a mesma do adulto: 8 horas diárias (CLT, art. 411), ou seja, 44 horas semanais; >> Os intervalos são iguais. >> Os intervalos são iguais. >> São proibidas horas extraordinárias, salvo decorrente de acordo de compensação de horas (CLT, art. 413,I) ou nos caso de força maior e com direito a adicional de 50% (CF, art. 7º XVI). >> São proibidas horas extraordinárias, salvo decorrente de acordo de compensação de horas (CLT, art. 413,I) ou nos caso de força maior e com direito a adicional de 50% (CF, art. 7º XVI). >> Quando o menor for empregado em mais de um emprego somam-se todos os horários, como se fossem de um emprego só, sendo proibido ultrapassar 8 horas diárias de trabalho. >> Quando o menor for empregado em mais de um emprego somam-se todos os horários, como se fossem de um emprego só, sendo proibido ultrapassar 8 horas diárias de trabalho.

5 Quanto ao salário: >> O salário devido é o mesmo do adulto, inclusive salário mínimo e pisos salariais. >> O salário devido é o mesmo do adulto, inclusive salário mínimo e pisos salariais.

6 Quanto a proteção à escolaridade: >> É dever dos pais de afastar os menores de empregos que diminuam consideravelmente suas horas de estudos (CLT, art. 427); >> É dever dos pais de afastar os menores de empregos que diminuam consideravelmente suas horas de estudos (CLT, art. 427); >> É de responsabilidade dos empregadores a manutenção de local apropriados para ministrarem instrução primária em certas condições (CLT, art.427); >> É de responsabilidade dos empregadores a manutenção de local apropriados para ministrarem instrução primária em certas condições (CLT, art.427); >> A concessão de férias no emprego deve coincidir com as férias escolares (CLT, art. 136); >> A concessão de férias no emprego deve coincidir com as férias escolares (CLT, art. 136); >> É proibido fracionar a duração das férias, ou seja, dividí-las em duas vezes ou mais, devem ser dias corridos e contínuos. >> É proibido fracionar a duração das férias, ou seja, dividí-las em duas vezes ou mais, devem ser dias corridos e contínuos.

7 Menor Aprendiz O contrato de aprendizagem é o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador de compromete a assegurar ao maior de quatorze anos e menor de dezoito anos, inscrito em programa de aprendizagem, formação técnico- profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico moral, e psicológico, e o aprendiz, a executar, com zelo e diligência, as tarefas necessárias a essa formação. - CLT, art 428, Lei nº10.097/2000. O contrato de aprendizagem é o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador de compromete a assegurar ao maior de quatorze anos e menor de dezoito anos, inscrito em programa de aprendizagem, formação técnico- profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico moral, e psicológico, e o aprendiz, a executar, com zelo e diligência, as tarefas necessárias a essa formação. - CLT, art 428, Lei nº10.097/2000.

8 Quanto ao contrato de trabalho: Deverá ocorrer registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social –CTPS, deverá ser anotada, na parte destinada a Anotações Gerais, a existência de contrato de aprendizagem, bem como a função e o prazo do aprendizado, sob pena de ser considerado inválido o contrato. Também a arte de Contrato de Trabalho deverá ser preenchida. Deverá ocorrer registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social –CTPS, deverá ser anotada, na parte destinada a Anotações Gerais, a existência de contrato de aprendizagem, bem como a função e o prazo do aprendizado, sob pena de ser considerado inválido o contrato. Também a arte de Contrato de Trabalho deverá ser preenchida.

9 Quanto a validade do contrato aprendizagem: A validade do contrato aprendizagem vincula-se não só à anotação da Carteira de Trabalho e Previdência Social, mas também à matrícula e freqüência do aprendiz à escola (caso não tenha concluído o ensino fundamental – até a 5ª série), e inscrição em programa de aprendizagem desenvolvido sob a orientação de entidade qualificada em formação técnico-profissional metódica. A validade do contrato aprendizagem vincula-se não só à anotação da Carteira de Trabalho e Previdência Social, mas também à matrícula e freqüência do aprendiz à escola (caso não tenha concluído o ensino fundamental – até a 5ª série), e inscrição em programa de aprendizagem desenvolvido sob a orientação de entidade qualificada em formação técnico-profissional metódica.

10 Quanto à formação profissional: CLT, art Os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a empregar e matricular nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem (SENAI, SENAC, SENAT, etc.), ou outras entidades qualificadas em formação técnico- profissional metódica, como por exemplo escolas técnicas de educação ou entidades sem fins lucrativos que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional, número de aprendizes equivalente a 5% no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional (Red. L /00). CLT, art Os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a empregar e matricular nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem (SENAI, SENAC, SENAT, etc.), ou outras entidades qualificadas em formação técnico- profissional metódica, como por exemplo escolas técnicas de educação ou entidades sem fins lucrativos que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional, número de aprendizes equivalente a 5% no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional (Red. L /00).

11 Quanto à remuneração: Até a data de 19/12/2000 o menor aprendiz recebia por remuneração 50% do salário mínimo durante a primeira metade do aprendizado; e 2/3 (66,66%) do salário mínimo durante a segunda metade. Até a data de 19/12/2000 o menor aprendiz recebia por remuneração 50% do salário mínimo durante a primeira metade do aprendizado; e 2/3 (66,66%) do salário mínimo durante a segunda metade. A partir de 20/12/2000, com a publicação da Lei nº está garantido ao menor aprendiz, salvo condição mais favorável, o salário mínimo hora. Existindo piso salarial estipulado em documento coletivo, e não havendo ressalva expressa quanto aos menores aprendizes, este será o valor mínimo admitido por remuneração, substituindo o salário mínimo vigente, posto que se caracteriza a condição mais favorável, preconizada pelo legislador ordinário. A partir de 20/12/2000, com a publicação da Lei nº está garantido ao menor aprendiz, salvo condição mais favorável, o salário mínimo hora. Existindo piso salarial estipulado em documento coletivo, e não havendo ressalva expressa quanto aos menores aprendizes, este será o valor mínimo admitido por remuneração, substituindo o salário mínimo vigente, posto que se caracteriza a condição mais favorável, preconizada pelo legislador ordinário. Sobre a remuneração paga ao menor incidem as contribuições para o INSS e o FGTS, bem como o IRRF, quando a importância paga estiver sujeita à retenção, em conformidade com tabela vigente. Sobre a remuneração paga ao menor incidem as contribuições para o INSS e o FGTS, bem como o IRRF, quando a importância paga estiver sujeita à retenção, em conformidade com tabela vigente.

12 Quanto à jornada de trabalho: A jornada de trabalho do menor aprendiz não excederá a 6 horas diárias, sendo vedada à prorrogação e a compensação de jornada. A jornada de trabalho do menor aprendiz não excederá a 6 horas diárias, sendo vedada à prorrogação e a compensação de jornada. Exceção: para os aprendizes que já completaram o ensino fundamental este limite poderá ser de até 8 horas diárias, desde que neste período estejam computadas as horas destinadas à aprendizagem teórica. Exceção: para os aprendizes que já completaram o ensino fundamental este limite poderá ser de até 8 horas diárias, desde que neste período estejam computadas as horas destinadas à aprendizagem teórica.

13 Quanto às proibições ao trabalho: Conforme a Lei nº , está terminantemente proibido o trabalho insalubre ou com risco de periculosidade para trabalhadores menores de dezoito anos de idade, qualquer que seja a modalidade contratual aplicada. Conforme a Lei nº , está terminantemente proibido o trabalho insalubre ou com risco de periculosidade para trabalhadores menores de dezoito anos de idade, qualquer que seja a modalidade contratual aplicada.

14 Estagiários Considera-se estágio curricular as atividades de aprendizagem social, profissional e cultural proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de vida e trabalho de seu meio, sendo realizada na comunidade em geral ou juntos a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino – Decreto nº /82, art. 2º. Considera-se estágio curricular as atividades de aprendizagem social, profissional e cultural proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de vida e trabalho de seu meio, sendo realizada na comunidade em geral ou juntos a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino – Decreto nº /82, art. 2º. O estágio propõe-se a qualificar os futuros profissionais para o ingresso no mercado de trabalho. O estágio propõe-se a qualificar os futuros profissionais para o ingresso no mercado de trabalho. Estagiário, portando somente poderá ser o estudante de escola superior (inclusive mestrado e doutorado), de ensino médio, de cursos profissionalizantes de 2º grau ou supletivo ou de escolas de educação especial. Importante observar, que o estágio deverá estar obrigatoriamente dentro da linha de formação profissional do estudante – Lei nº 6.494/77, art 1º. Estagiário, portando somente poderá ser o estudante de escola superior (inclusive mestrado e doutorado), de ensino médio, de cursos profissionalizantes de 2º grau ou supletivo ou de escolas de educação especial. Importante observar, que o estágio deverá estar obrigatoriamente dentro da linha de formação profissional do estudante – Lei nº 6.494/77, art 1º. Cabe às instituições de ensino dispor sobre a inserção do estágio curricular na programação didático-pedagógica, a carga horária, duração e jornada de estágio curricular, que não poderá ser inferior a um semestre letivo; as condições imprescindíveis para caracterização e definição dos campos de estágios curriculares, referidos nos parágrafos 1º e 2º do art. 1º da Lei nº 6.494/77; e a sistemática de organização, orientação, supervisão e avaliação de estágio curricular. Cabe às instituições de ensino dispor sobre a inserção do estágio curricular na programação didático-pedagógica, a carga horária, duração e jornada de estágio curricular, que não poderá ser inferior a um semestre letivo; as condições imprescindíveis para caracterização e definição dos campos de estágios curriculares, referidos nos parágrafos 1º e 2º do art. 1º da Lei nº 6.494/77; e a sistemática de organização, orientação, supervisão e avaliação de estágio curricular.

15 Formalidades Legais A validade do estágio depende de contrato escrito firmado entre as partes e a entidade de ensino, documento este denominado Termo de Compromisso, no qual deverão constar detalhadamente as condições de realização do estágio. A validade do estágio depende de contrato escrito firmado entre as partes e a entidade de ensino, documento este denominado Termo de Compromisso, no qual deverão constar detalhadamente as condições de realização do estágio.

16 Relação de Emprego A realização de estágio curricular não acarreta vínculo empregatício de qualquer natureza, ou seja, o estágio, em sua essência, não revela a existência de liame empregatício, desde que, porém, se cumpram as formalidades legalmente impostas a essa relação. A realização de estágio curricular não acarreta vínculo empregatício de qualquer natureza, ou seja, o estágio, em sua essência, não revela a existência de liame empregatício, desde que, porém, se cumpram as formalidades legalmente impostas a essa relação. Assim o estagiário não é considerado empregado; não existem direitos e obrigações trabalhistas; não há depósitos de FGTS, nem aviso prévio, 13º salário, indenização ou salário mínimo. Observe- se: o estagiário não é regido pela CLT. Assim o estagiário não é considerado empregado; não existem direitos e obrigações trabalhistas; não há depósitos de FGTS, nem aviso prévio, 13º salário, indenização ou salário mínimo. Observe- se: o estagiário não é regido pela CLT.

17 Remuneração O estagiário poderá ser remunerado ou não, o que ficará estipulado em acordo entre as partes. Geralmente este pagamento existe e é concedido em forma de bolsa, um valor fixo pago mensalmente ao estagiário. Nada impede, que tenha aspecto salarial, por hora, por dia, peça produzida ou comissão. O estagiário poderá ser remunerado ou não, o que ficará estipulado em acordo entre as partes. Geralmente este pagamento existe e é concedido em forma de bolsa, um valor fixo pago mensalmente ao estagiário. Nada impede, que tenha aspecto salarial, por hora, por dia, peça produzida ou comissão. O art. 4º da Lei nº 6.494/77 já determinava ser a bolsa auxílio uma faculdade da empresa ou organização concedente da oportunidade, in verbis: O art. 4º da Lei nº 6.494/77 já determinava ser a bolsa auxílio uma faculdade da empresa ou organização concedente da oportunidade, in verbis: Art. 4º - O estágio não cria vinculo empregatício de qualquer natureza e o estagiário poderá receber bolsa, ou outra forma de contraprestação que venha a ser acordada, ressalvando o que dispuser a legislação previdenciária, devendo o estudante, em qualquer hipótese, estar segurado contra acidentes pessoais. Art. 4º - O estágio não cria vinculo empregatício de qualquer natureza e o estagiário poderá receber bolsa, ou outra forma de contraprestação que venha a ser acordada, ressalvando o que dispuser a legislação previdenciária, devendo o estudante, em qualquer hipótese, estar segurado contra acidentes pessoais. Determina a Resolução ser o referido seguro uma obrigação da Instituição de Ensino pi da administração das respectivas redes de ensino, mencionando, ainda, ser obrigatória, conforme o caso, a contratação de um seguro de responsabilidade civil por danos contra terceiros. Determina a Resolução ser o referido seguro uma obrigação da Instituição de Ensino pi da administração das respectivas redes de ensino, mencionando, ainda, ser obrigatória, conforme o caso, a contratação de um seguro de responsabilidade civil por danos contra terceiros.

18 Jurisprudência A validade do estágio requer, dentre outros, o requisito da correlação entre as funções desempenhadas e aquelas e, emergentes da formação superior da reclamante. E comum e juridicamente aceitável o exercício de algumas atividades dissonantes da órbita de formação do estagiário, sob pena de inviabilizar o empreendimento. O determinante e, pois, a atividade preponderantemente desempenhada. TRT, 18, Reg., Ac. 1804/1999, RO 441/1999, Unamidade, Relator: Juiz Breno Medeiros, DJE de A validade do estágio requer, dentre outros, o requisito da correlação entre as funções desempenhadas e aquelas e, emergentes da formação superior da reclamante. E comum e juridicamente aceitável o exercício de algumas atividades dissonantes da órbita de formação do estagiário, sob pena de inviabilizar o empreendimento. O determinante e, pois, a atividade preponderantemente desempenhada. TRT, 18, Reg., Ac. 1804/1999, RO 441/1999, Unamidade, Relator: Juiz Breno Medeiros, DJE de 03/05/ /05/1999. O estágio como disciplina curricular, a Lei n 6,494/77, em que se mencione a interveniência obrigatória da instituição de ensino do Contrato de Estágio e determina a obrigatoriedade de ser o estagiário um estudante, não deixa claro o papel das escolas quanto ao tópico, de forma que coube a Resolução MEC/CEB nº 01, esclarecer, de forma definitiva, que toda e qualquer atividade de estágio deve ser curricular, sempre supervisionada de assumida integralmente pela instituição de ensino, configurando-se ato educativo. O estágio como disciplina curricular, a Lei n 6,494/77, em que se mencione a interveniência obrigatória da instituição de ensino do Contrato de Estágio e determina a obrigatoriedade de ser o estagiário um estudante, não deixa claro o papel das escolas quanto ao tópico, de forma que coube a Resolução MEC/CEB nº 01, esclarecer, de forma definitiva, que toda e qualquer atividade de estágio deve ser curricular, sempre supervisionada de assumida integralmente pela instituição de ensino, configurando-se ato educativo. O estagio deve ser realizado ao longo do curso, permeando o desenvolvimento dos diversos componentes curriculares e não deve ser etapa desvinculada do currículo. Art. 2º da Resolução nº. 01/2004, parágrafo 3º. O estagio deve ser realizado ao longo do curso, permeando o desenvolvimento dos diversos componentes curriculares e não deve ser etapa desvinculada do currículo. Art. 2º da Resolução nº. 01/2004, parágrafo 3º.

19 O estágio Curricular Supervisionado, se divide em: I – Estagio profissional obrigatório, em função das exigências da própria natureza da habilitação ou qualificação profissional. I – Estagio profissional obrigatório, em função das exigências da própria natureza da habilitação ou qualificação profissional. II – Estagio profissional não obrigatório, mas incluído no respectivo plano de curso, o que o torna obrigatório para seus alunos. II – Estagio profissional não obrigatório, mas incluído no respectivo plano de curso, o que o torna obrigatório para seus alunos. III – Estagio sócio cultural ou de iniciação cientifica previsto na proposta pedagógica da escola como fora de contextualização do currículo, em termos de educação para o trabalho e cidadania. III – Estagio sócio cultural ou de iniciação cientifica previsto na proposta pedagógica da escola como fora de contextualização do currículo, em termos de educação para o trabalho e cidadania. IV - Estagio profissional, sócio cultural ou de iniciação cientifica, não incluído no planejamento da Instituição de Ensino, não obrigatório, mas assumido intencionalmente pela mesma, a partir da demanda de seus alunos ou de organizações de sua comunidade. IV - Estagio profissional, sócio cultural ou de iniciação cientifica, não incluído no planejamento da Instituição de Ensino, não obrigatório, mas assumido intencionalmente pela mesma, a partir da demanda de seus alunos ou de organizações de sua comunidade. V – Estagio Civil, caracterizado pela participação do aluno em decorrência de ato educativo assumido intencionalmente pela Instituição de Ensino, em empreendimentos ou projetos de interesse social ou cultural da comunidade. V – Estagio Civil, caracterizado pela participação do aluno em decorrência de ato educativo assumido intencionalmente pela Instituição de Ensino, em empreendimentos ou projetos de interesse social ou cultural da comunidade.


Carregar ppt "Contratos específicos de trabalho. Equipe: Elis Regina Soares Flávia Silva."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google