A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

resumo comentárioavaliação Gênero textual em que se propõe a descrição e a enumeração de aspectos considerados relevantes sobre uma obra. Em outras palavras,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "resumo comentárioavaliação Gênero textual em que se propõe a descrição e a enumeração de aspectos considerados relevantes sobre uma obra. Em outras palavras,"— Transcrição da apresentação:

1

2 resumo comentárioavaliação Gênero textual em que se propõe a descrição e a enumeração de aspectos considerados relevantes sobre uma obra. Em outras palavras, é produzir um texto sobre outro com o objetivo de analisá-lo e avaliá-lo, indicando-o ou contraindicando-o. Resenhas trazem tanto o resumo do objeto quanto o comentário ou a avaliação do resenhista sobre ele. No Colégio José Ferreira, a produção de resenhas é o incentivo a uma leitura crítica, pois

3 (...) Há quem leve a vida inteira a ler sem nunca ter conseguido ir além da leitura, ficam apegados à página, não percebem que as palavras são apenas pedras postas a atravessar a corrente de um rio, se estão ali é para que possamos chegar à outra margem, a outra margem é que importa(...)" José Saramago, A Caverna, Companhia das Letras, p.77.

4 Mas como se fazer um bom resumo? Em geral, um bom resumo deve ser: Breve e conciso: no resumo de um texto, por exemplo, devemos deixar de lado os exemplos dados pelo autor, detalhes e dados secundários; Pessoal: um resumo deve ser sempre feito com suas próprias palavras. Ele é o resultado da sua leitura de um texto; Logicamente estruturado: um resumo não é apenas um apanhado de frases soltas. Ele deve trazer as ideias centrais (o argumento) daquilo que se está resumindo. Assim, as ideias devem ser apresentadas em ordem lógica, ou seja, mantendo uma relação de sentido entre elas. O texto do resumo deve ser compreensível.

5 A seguir, leia o resumo e a resenha do livro Coração de Tinta, de Cornelia Funke.

6 Resumo Há muito tempo, Mo Folchart decidiu nunca mais ler um livro em voz alta. Sua filha Meggie é uma devoradora de histórias, mas apesar da insistência não consegue fazer com que o pai leia para ela na cama. Meggie jamais entendeu o motivo dessa recusa, até que um excêntrico visitante finalmente vem revelar o segredo que explica a proibição. É que Mo tem uma habilidade estranha e incontrolável: quando lê um texto em voz alta, as palavras tomam vida em sua boca, e coisas e seres da história surgem como que por mágica. Numa noite fatídica, quando Meggie ainda era um bebê, a língua encantada de Mo trouxe à vida alguns personagens de um livro chamado Coração de tinta.Os vilões do livro ganharam vida e, em troca, a esposa de Mo foi parar dentro da ficção.

7 Um deles é Capricórnio, vilão cruel e sem misericórdia, que não fez questão de voltar para dentro da história de onde tinha vindo e preferiu instalar-se numa aldeia abandonada. Desse lugar funesto, comanda uma gangue de brutamontes que espalham o terror pela região, praticando roubos e assassinatos. Capricórnio quer usar os poderes de Mo para trazer de Coração de tinta um ser ainda mais terrível e sanguinário que ele próprio. Quando seus capangas finalmente sequestram Mo, Meggie terá de enfrentar essas criaturas bizarras e sofridas, vindas de um mundo completamente diferente do seu.

8 Resenha FUNKE, Cornelia. Coração de Tinta. São Paulo: Cia das Letras Um livro dentro do livro: é o poder da literatura Cadorno Teles O livro Coração de Tinta (Inkheart, tradução de Sonali Bertuol, Companhia das Letras, 456 páginas), escrito pela alemã Cornelia Funke, considerada uma das cem pessoas mais influentes do mundo pela revista Time, é uma homenagem à literatura, à fantasia, à história dentro de uma história. Claramente vemos a influência de A História sem Fim (1984), do diretor alemão Wolfgang Petersen,para o universo de Mundo de tinta, uma ambiciosa e intrincada trilogia que se inicia com esse volume. Coração de Tinta é um livro sobre livros, que coloca em cada capítulo uma citação de um clássico, como O Mágico de Oz, Peter Pan, O Hobbit, Big Friendly Giant,de Roald Dahl entre outros.

9 Cornelia usa as citações levando em conta os livros que estão por trás de seu Coração de Tinta, relacionando-as com o que acontece no capítulo, dando aos personagens e às situações do seu texto uma homenagem a quem fora mencionado. Há muito tempo, Mo Folchart decidiu nunca mais ler um livro em voz alta. Sua filha, a protagonista Meggie, é uma devoradora de histórias,que,apesar da insistência,não consegue fazer com que o pai leia para ela na cama. A menina jamais entendeu o motivo dessa recusa, até que um excêntrico visitante finalmente vem revelar o segredo que explica a proibição. É que Mo tem uma habilidade estranha e incontrolável: quando lê um texto em voz alta, as palavras tomam vida em sua boca, e coisas e seres da história surgem como que por mágica. Numa noite fatídica, quando Meggie ainda era um bebê, a língua encantada de Mo trouxe à vida alguns personagens de um livro chamado Coração de tinta.Os vilões do livro ganharam vida e, em troca, a esposa de Mo foi parar dentro da ficção.

10 Um deles é Capricórnio, vilão cruel e sem misericórdia, que não fez questão de voltar para dentro da história de onde tinha vindo e preferiu instalar-se numa aldeia abandonada. Desse lugar funesto, comanda uma gangue de brutamontes que espalham o terror pela região, praticando roubos e assassinatos. Capricórnio quer usar os poderes de Mo para trazer de Coração de tinta um ser ainda mais terrível e sanguinário que ele próprio. Quando seus capangas finalmente sequestram Mo, Meggie terá de enfrentar essas criaturas bizarras e sofridas, vindas de um mundo completamente diferente do seu. A narrativa possui muitas reviravoltas, em meio a perseguições inesperadas. O suspense e a tensão estão em cada página, o vilão Capricórnio e seus comparsas sempre a frente de tudo. Os personagens estão descritos tanto em seu aspecto como em sua personalidade. A protagonista Meggie não é uma dessas mocinhas de outros tantos romances, não é tão perfeita, chega a desejar a morte de outras pessoas e não se arrepende.

11 Outro destaque é o tratamento da realidade, da vida e da morte, sem dissimular a ambiguidade do comportamento humano, capaz do pior e do melhor. Uma trama por vezes ingênua, sensível, inclusive previsível, mas que se compensa pela ação, pela aventura e pelas emoções que seus protagonistas enfrentam. Em dado momento da narrativa, a autora, através de Fenoglio, descreve deliciosamente o ato narrativo. Nessa passagem, ela expõe sua visão sobre a criação literária, revelando que o autor nunca desvenda diante do leitor toda a riqueza implícita da história. Há segredos que ele só divide com seus personagens, portanto permanecem nas entrelinhas, não são impressos nas páginas dos livros. Basta que o escritor os conheça. Ilustrado pela própria Funke, uma amostra de como é sua visão de mundo, que, curiosamente, não desenha nenhum personagem humano, somente paisagens e demais personagens não humanos. Uma viagem pelo mundo da literatura infanto-juvenil, uma jornada que se inicia pelas aventuras de Meggie e Mo e também pelo grande número de informações de cada página.

12 Nesta obra, Cornelia consagra o ofício de tecer histórias, revelando sua grandeza, seu poder mágico, o dom de colher palavras no jardim literário e de compor poeticamente as narrativas que embalarão a imaginação dos leitores, sempre reservando surpresas nas entrelinhas para os que se aventuram a ir além. O livro de Cornelia Funke é uma viagem pelo mundo da literatura infanto-juvenil e uma homenagem aos livros e a seus leitores. Coração de tinta é recomendado para aqueles que se aventuram ao ler e que reconhecem a influência e o poder da arte, nesse caso, o da literatura, na vida real.

13 Estrutura da resenha A resenha do Trabalho Intelectual deve seguir esta estrutura: Referência bibliográfica da obra no topo da página: São os dados técnicos, como o título, autor, editora, local de publicação. Veja os exemplos: ASSIS, Machado de. A causa secreta. In: Machado de Assis - obra completa v.II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, WILDE O. O Retrato de Dorian Gray. Adaptação de Cláudia Lopes, São Paulo: Scipione, SHAKESPEARE, William [s/d] Sonetos. Tradução, prefácio e notas de Péricles.Eugênio da Silva Ramos. Rio de Janeiro: Ediouro.

14 A referência é facilmente encontrada na página de rosto do livro. Veja:

15

16 Título da resenha Esse título deve ser criado por você, resenhista. É importante ressaltar que o livro resenhado é uma obra e sua resenha é outra, por isso cada uma deve ter seu título. Nome do autor Insira seu nome. Início do texto/ Um ou dois parágrafos: Breve descrição do livro e do autor. Inicie o texto fazendo uma apresentação da obra.

17 Cite a data de publicação, a editora. Explique como se dá a divisão dos tópicos, se é em capítulos, partes, dentre outras divisões. Exponha a temática. Fale brevemente do autor, e somente o que é relevante.Não é preciso citar detalhes da vida particular, a não ser que façam diferença no entendimento da obra. Explane sobre as ilustrações, se existirem, bem como sobre o ilustrador.

18 Nos próximos parágrafos( 2 ou 3), é chegada a hora de expor o enredo do livro, de maneira sintetizada, resumida, e seu posicionamento crítico. O ideal é, ao contar a história ( ou as histórias) e/ou as teorias, avaliar criticamente o que está sendo relatado. Desse modo, é mais fácil atingir o objetivo do texto: mostrar que leu e que sabe se posicionar diante daquele tema. Indicação da obra Indique a obra a quem você achar que a leitura dela será relevante.

19 Processo de produção/ Dicas Durante a leitura do livro: faça anotações; pesquise sobre dados que julga ser interessantes; escreva, pois assim você grava, reforça o que já está em sua mente. Antes da resenha: apesar de a maioria dos livros trazer dados sobre o autor, é interessante pesquisar sobre ele. é imprescindível ler o livro antes do dia da aula-debate.

20 ASSIS, Machado de. A causa secreta. In: Machado de Assis - Obra completa v.II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, Top secret: revelações machadianas do cerne humano André A. Gazola Este é um conto que aborda um tema oculto da alma de todo ser humano: a crueldade. Foi publicado originalmente na coletânea Várias Histórias, em 1896, depois em diversas outras compilações, como Obra completa Vol.II, da Editora Nova Aguilar.O autor, Joaquim Maria Machado de Assis, é considerado um dos maiores escritores brasileiros e entre seus livros encontram-se as coletâneas de contos Histórias da meia-noite e Contos fluminenses. Machado de Assis cria um cenário onde o recém formado médico Garcia conhece o espirituoso Fortunato, dono de uma misteriosa compaixão pelos doentes e feridos, apesar de ser muito frio, até mesmo com sua própria esposa. Por meio de uma linguagem bastante acessível, que não encontramos em muitas obras de Assis, o texto mescla momentos de narração - que é feita em terceira pessoa - com momentos de diálogos diretos, que dão maior realidade à história.

21 Uma característica marcante é a tensão permanente que ambienta cada episódio. Desde as primeiras vezes em que Garcia vê Fortunato - na Santa Casa, no teatro e quando o segue na volta para casa, no mesmo dia - percebemos o ar de mistério que o envolve. Da mesma forma, quando ambos se conhecem devido ao caso do ferido que Fortunato ajuda, a simpatia que Garcia adquire é exatamente por causa de seu estranho comportamento, velando por dias um pobre coitado que sequer conhece. A história transcorre com Garcia e Fortunato tornando-se amigos, com a apresentação de Maria Luiza, esposa de Fortunato e ainda com a abertura de uma casa de saúde em sociedade. O clímax então acontece quando Maria Luiza e Garcia flagram Fortunato torturando um pequeno rato, cortando-lhe pata por pata com uma tesoura e levando-lhe ao fogo, sem deixar que morresse. É assim que se percebe a causa secreta dos atos daquele homem: o sofrimento alheio lhe é prazeroso. Isso ocorre ainda quando sua esposa morre por uma doença aguda e quando vê Garcia beijando o cadáver daquela que amava secretamente. Fortunato aprecia até mesmo seu próprio sofrimento. É possível afirmar que este conto é um expoente máximo da técnica de Machado de Assis, deixando o leitor impressionado com um desfecho inesperado, mas que demonstra - de forma exponencial, é verdade - a natureza cruel do ser humano. É uma obra excelente para os que gostam dos textos de Assis, mas acham cansativa a linguagem rebuscada usada em alguns deles. Resenha adaptada de resenha.pdfhttp://www.lendo.org/wp-content/uploads/2007/06/a-causa-secreta- resenha.pdf


Carregar ppt "resumo comentárioavaliação Gênero textual em que se propõe a descrição e a enumeração de aspectos considerados relevantes sobre uma obra. Em outras palavras,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google