A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MAMOEIRO Alternativa para alta produção com qualidade Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. William Natale.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MAMOEIRO Alternativa para alta produção com qualidade Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. William Natale."— Transcrição da apresentação:

1 NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MAMOEIRO Alternativa para alta produção com qualidade Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. William Natale

2 GENPLANT Grupo de Nutrição de Plantas da UNESP Arthur Bernardes Cecílio Filho Renato de Mello Prado Francisco Maximino Fernandes Wanderley Jose de Melo Jairo Osvaldo CazettaWilliam Natale Adriana Ursulino Alves Leonardo Mariano Dias Augustinho Amanda HernandesLiliane Maria Romualdo Ancélio Ricardo de Oliveira Gondim Lucas Sanches Politi Anelisa de Aquino VidalMarcus André R Correia Danilo Eduardo RozaneMarina Burani Arouca Diego Resende de Queirós Pôrto Matheus Palazzo Barbosa Diego Wyllyam do ValeNarimã Freitas Fernando Garnica de Freitas Rocha Rafael Henrique de Freitas Noronha Gustavo Silva CamarottiSilvio Aparecido Marcussi Henrique Antunes de Souza Thiago Assis Rodrigues Nogueira Ivana Machado FonsecaThiago Henrique Dourado Docentes Estudantes

3 ÁREA/OCUPAÇÃOMUNDOBRASIL.....x ha Superfície terrestre Superfície agrícola Culturas temporarias Culturas permanentes Pastagem permanente Tabela 1. Estimativa das areas do Brasil, em relação ao Mundo, sob diferentes formas de ocupação, no ano de fonte: FAO (2002).

4 Tabela 2. Área ocupada por algumas frutíferas no Brasil. CulturaArea colhida (ha) CulturaArea colhida (ha) Abacaxi62.972Mamão Abacate14.000Pêssego/ Nectarina Cacau Pera2.000 Coco Torange/ Pomelos Citrus (total) Uva Laranja Frutas frescas totais Maça fonte: FAO (2002).

5 Tabela 3. Estimativa de producao no Brasil, em relação ao Mundo, de algumas frutas, no ano de CULTURAMUNDOBRASIL x toneladas métricas Produção total de frutas (7,6%) 1 Uva (1,6%) Citrus (21,5%) Banana (8,2%) Maça (1,8%) Abacate (3,5%) Abacaxi (10,9%) Mamão (25,9%) Coco (4,0%) Pera (,1%) Torange/Pomelos (1,3%) Pêssego/Nectarina (1,2%) Fonte: FAO (2002). 1 Participação %l da produção brasileira em relação ao mundo;

6

7 Qtos elementos químicos estão presentes na natureza? Qtos elementos podem aparecer no tecido vegetal? Qtos são considerados nutrientes?

8 2.1 Aspectos Gerais 2.2 Funções dos Nutrientes Tabela 4. Macronutrientes: funções e compostos Nutriente Função Compostos N Importante no metabolismo Como composto orgânico; estrutural. Aminoácidos e proteinas, aminas, amidas, aminaçucares, purinas e pirimidinas, alcaloides. Coenzimas, fosfolipidios. P Armazenamento e transferência de energia; estrutural. Ésteres de carboidratos, nucleotideos e acidos nucleicos, coenzimas, fosfolipidios. K Abertura e fechamento de estômatos, síntese e estabilidade de proteínas, relações osmóticas, síntese de carboidratos. Predomina em forma ionica, compostos desconhecidos.

9 Ca Ativação enzimática, parede celular, permeabilidade. Pectato de cálcio, filato, carbonato e Oxalato. Mg Ativação enzimática, estabilidade de ribossomos, fotossíntese. Clorofila. S Grupo ativo de enzimas e coenzimas. Cisteína, cistina, metionina e taurina, glutatione, glicosídios e sulfolipídios, coenzimas.

10 Tabela 5. Micronutrientes: funções e compostos NutrienteFunçõesCompostos BTransporte de carboidratos Coordenação com fenóis Borato; Compostos desconhecidos ClFotossínteseCloreto; Compostos desconhecidos. CoFixação N 2 Vitamina B 12. CuEnzima e FotossíntesePolifenoloxidase; plastocianina, azurina, estelacianina, umecianina. FeGrupo ativo em enzimas e em transportadores de elétrons Citrocomos, ferredoxina, catalase, peroxidase, reductase de nitrato, nitrogenase, reductase de sulfito. MnFotossíntese, Metabolismo de acidos orgânicos Manganina. MoFixação N 2, Redução NO 3 - Reductase de nitrato; nitrogenase. ZnEnzimasAnidrase carbônica, aldolose.

11 2.4 Exigências nutricionais do mamoeiro Figura 1. Produção de matéria seca pelos órgãos aéreos da planta de mamoeiro, em função da idade (Dados do primeiro ano).

12 Figura 2. Absorção média de macronutrientes pela parte aérea total do mamoeiro, em função da idade, considerando-se 1650 plantas por ha (primeiro ano) (Cunha, 1979).

13 Figura 3. Absorção média de micronutrientes pela parte aérea total do mamoeiro, em função da idade, considerando-se 1650 plantas por ha (primeiro ano) (Cunha, 1979).

14

15 3. ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS O problema na cultura é Nutricional? Quais as ferramentas?

16 3. ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS

17

18

19

20

21

22 5.1 Calagem Estado de São Paulo e Espírito Santo utilizam o método da saturação por bases; Bahia, Pernambuco e Minas Gerais utilizam o método do Al, Ca e Mg trocável.

23 5.2 Adubação do mamoeiro na Bahia Adubação de plantio 60 kg ha -1 de N; Em solos com P 30 mg dm -3 aplicar: 40, 30 e 10 kg ha -1 de P 2 O 5.

24 Adubação de produção N P no solo Mg dm -3 K no solo Kg ha -1 P 2 O 5 Kg ha -1 K 2 O Kg ha -1 _______________________ 1° ano _____________________ _______________________ 2° ano _____________________ Tabela 7. Recomendação de adubação de produção para o mamoeiro irrigado na Bahia (Oliveira et al., 1999).

25 5.3 Adubação do mamoeiro no Espírito Santo Adubação de plantio e formação Aplicar na cova de plantio 15L de esterco curral ou 5L de esterco de galinha; Aplicar 60 g de P 2 O 5 ; 30 g de K 2 O e 300 g de calcário dolomítico caso o pH do solo seja inferior a 6; Adubação de formação aplicar 10g de N por planta, sendo metade 30 dias após o plantio e a outra metade aos 90 dias após o plantio.

26 Adubação de produção P no solo K no solo ____________________ mg dm -3 __________________ 60 N - P 2 O 5 - K 2 O, g por planta < > Tabela 8. Recomendação de adubação de produção para o mamoeiro no Espírito Santo (Prezotti, 1992).

27 5.4 Micronutrientes em mamoeiro Classes de solo B Cu Fe Mn Zn mg dm -3 Baixo <0,20 <0,30 <5 <1,5 <0,7 Médio 0,20-0,60 0,3-1, ,5-5,0 0,7-1,5 Alto >0,60 >1,0 >12 >5,0 >1,5 Tabela 9. Interpretação de resultados de análise de solo para micronutrientes

28 5.4 Micronutrientes em mamoeiro

29 Souza et al. (2000) tem-se uma recomendação geral (B e Zn): Plantio: 50 a 100 g de fritas (óxido silicatado), como FTE BR-8 ou BR-9, baseando-se sempre na concentração de boro no produto (de 1 a 2,5 g de B por cova). Cobertura preventiva: B foliar: solução de ácido bórico a 0,25%, duas vezes ao ano. Zn foliar: solução com sulfato de zinco a 0,5%. Corretiva: 1,13 g de B no solo (6,5 g de ácido bórico por planta), na projeção da copa, + foliar c/ ácido bórico a 0,25%, de dois em dois meses, até o desaparecimento dos sintomas nos frutos novos.

30 Silva et al. (1994): recomendam: Solo, areia e húmus (1:1:0,5); Mendonça et al. (2002) recomendam: esterco/curral, carvão vegetal, solo e areia (2:1:1:1)

31 Substrato com predomínio de solo Souza et al. (2000): recomenda 540 a 720 g de P 2 O 5, 200 a 300 L de esterco/curral, 10 a 15 Kg de calcário dolomítico, por m 3 de substrato; Cruz (1994): 400 mg P dm -3 ; Oliveira (2000): 450 mg P dm -3 e 5 mg Zn dm -3 ; Rocha (1987): 3 kg de SPS e 200 L de M.O. por m 3 de substrato;

32 Substrato com predomínio de solo Pontes (1991) 1:3 => esterco bovino:terra, apresentou melhor efeito; Fernandes et al. (2002) Indicam combinação da adubação orgânica e química;

33 Substrato com predomínio de solo Oliveira et al. (2002a): húmus de minhoca e esterco bovino Proporções 0; 25; 50; 75 e 100% e suas combinações; Obtiveram melhor crescimento da muda com húmus de minhoca;

34 Oliveira et al. (2002b) NPK no crescimento do mamoeiro em um solo com baixo teor de K (0,2 cmol c /dm 3 ). > crescimento da planta, aos 24 meses, foram nas doses de 330 kg de N, 390 kg de K 2 O por ha/ano e 120 kg de P 2 O 5 /ha/ano; Viégas et al. (1999) em mamoeiro irrigado: N (0 a 480 g por planta) (uréia), parcelados aos 30, 90, 150, 210 e 270 dias após o transplantio, em um AVA (V=59%; argila=8%). A adubação com N aumentou o número e o peso dos frutos durante todo o período de colheita (210 a 270 dias após o transplantio), destacando-se a dose de 343 g por planta;

35 Corrêa (1988) avaliou em mamoeiro solo: N (0 a 231 kg ha -1 ); P (0 a 297 kg ha -1 de P 2 O 5 ) e; K (0 a 231 kg ha -1 de K 2 O): Verificou: Relação linear do P e N na produção e número de frutos; entretanto, o K não afetaram a produção;

36 Fernandes et al. (1990) em mamoeiro Solo: N (0 a 924 kg ha -1 ), P (0 a 1320 kg ha -1 de P 2 O 5 ), mantendo constante o K (248 kg K 2 O ha -1 ). Resposta quadrática dos nutrientes na produção: N: 668 kg ha -1 ; P 2 O 5: 848 kg ha -1 ;

37 Macro? Micro?

38 Micronutrientes: Uréia 5 g L -1, c/ coadjuvante; 500 a 1000 mg L -1 de Zn; 300 a 700 mg L -1 de Mn; 200 a 300 mg L -1 de B; 600 a 1000 mg L -1 de Cu; 400 a 800 mg L -1 de Fe e; 100 a 200 mg L -1 de Mo.

39

40 6.3 Manejo da aplicação dos fertilizantes em mamoeiro Pomares em formação: a distribuição dos fertilizantes deve ser em faixa de uns 20 cm ao redor e distante uns 10 cm do tronco, aumentando gradativamente essa distância com a idade do pomar; Pomares adultos: aplicação em círculo ou faixa, sempre com largura superior a 20 cm e distante de 20 a 30 cm do tronco, onde estão as raízes absorventes.

41 OBRIGADO!


Carregar ppt "NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MAMOEIRO Alternativa para alta produção com qualidade Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. William Natale."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google