A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fisiopatologia da Enxaqueca (Migrânea) Maria Fernanda Guerini.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fisiopatologia da Enxaqueca (Migrânea) Maria Fernanda Guerini."— Transcrição da apresentação:

1 Fisiopatologia da Enxaqueca (Migrânea) Maria Fernanda Guerini

2 Ao longo de pesquisas, muitas foram as hipóteses levantadas para explicar a origem das enxaquecas: alimentação, vasoespasmos, origem psicogênicas, desordens plaquetárias. Hoje as teorias vasculares e neurogênicas encontram-se agrupadas em uma complexa rede de interações que possivelmente explicam uma crise enxaquecosa. Ainda há discussões de vasoconstrição X vasodilatação na tentativa de explicar a dor e a aura da enxaqueca.

3 Nos últimos 15 anos, o desenvolvimento de pesquisas e técnicas de neuroimagem vem contribuindo para a melhor compreensão da enxaqueca. Dessa forma, acredita- se que os mecanismos envolvidos na fisiopatologia da migrânea podem ser: 1:Ativação do sistema trigeminovascular 2:Depressão alastrante 3:Inflamação neurogênica 4:Vasodilatação: NO e 5-HT 5: Distúrbios do metabolismo energético 6: Predisposição genética

4 Paredes do vasos sangüíneos cranianos existem 3 tipos de fibras nervosas entre a adventícia e a média e na própria adventícia. Estas são varicosidades que contém vesículas contendo neurotransmissores vasoativos que são liberados quando passa um estimulo nervoso Neurotransmissores + substâncias reguladoras do sangue + substâncias presentes no endotélio vascular = Regulação do tono vascular

5 Fibras simpáticas (gânglio cervical superior): noradrenalina, peptídeo Y de ação vasoconstritora. Fibras parassimpáticas (Gânglio esfenopalatino): acetilcolina (Ach), peptídeo intestinal vasoativo com ação vasodilatadora. As fibras C (polimodais – mecânico, térmico, químico) a partir do Gânglio de Gasser cujos neurotransmissores: substância P de ação vasodilatadora curta de moderada intensidade; peptídeo relacionado ao gene da calcitonina de ação vasodilatadora potente e mais longa, principalmente, na divisão oftálmica do trigêmio. Substrato Anatomofuncional para a enxaqueca

6 Spreading depression of Leão Em pesquisas, por indução, observou-se uma depressão na atividade elétrica do córtex cerebral em todas as direções, provocando a expressão de um marcador não específico da ativação neuronal (c-fos) no núcleo do trigêmio = VASODILATAÇÃO Associado a neuroimagem associa-se a DA a enxaqueca com ou sem aura.

7 Em modelo experimental: Estímulo trigeminal: Vasodilatação + aumento da permeabilidade vascular + extravasamento de plasma associado aos neurotransmissores presentes = Inflamação neurogênica. Principais marcadores da atividade trigeminal: peptídeo relacionado ao gene calcitonina (CGRP) e substância P (SP)

8 L-arginina (NOS) Óxido nítrico (endotélio vascular) Também é um neurotransmissor presente em fibras nervosas perivasculares e acredita-se que seja uma substância sensibilizadora de nociceptores aferentes, pois: 1:Ativação da via NO-cGMP em cefaléia em salvas e em crises de enxaqueca; 2:Resolução com drogas que interferem em algum ponto da via NO-cGMP; 3: Substâncias que podem causar crise enxaquecosas (nitroglicerina) ativas alguns pontos da mesma via do óxido nítrico; Obs: NO não específico neuronal

9 Devido a presença de metabólitos da 5-HT em pacientes enxaquecosos suspeitou-se da ligação da serotonina como neurotransmissor em crises: Os receptores da 5-HT são divididos de 1 a 7 e em subtipos de A a F. O subtipo 5-HT 1d é dividido em alfa e beta: Alfa: préjuncionalmente as fibras nervosas sensitivas perivasculares Beta:pósjuncionalmente presente no músculo liso vascular Medicamentos (SUMATRIPTAN) de atividade agonista 5-HT1b/d leva ao bloqueio da inflamação neurogênica. Córtex visual (enxaqueca com aura) rica em receptores 5-HT1f

10 Não indicação de Tomografia Computadorizada, Ressonância Magnética e Arteriografias: normais em pacientes enxaquecosos. Podem ajudar: Magnetoencefalografia (MEG): alterações e fluxo sanguineo cerebral regional Espectroscopia por ressonância magnética: averiguar parâmetros metabólicos e energéticos, in vivo. Espectroscopia com fósforo demonstrou uma provável desordem no metabolismo energético, talvez de origem mitocondrial (aumento de fosfato de baixa energia e diminuição de fosfatos de alta energia, sem déficit de ATP) regionalmente (frontal e frontotemporal)

11 É sabido que enxaqueca com aura tem influência genética, possivelmente de herança autossômica recessiva de baixa penetrância. Há uma doença cerebrovascular familiar (CADASIL), na qual que predispõe a enxaqueca, relacionada ao cromossomo 19p12. No mesmo cromossomo ocorre a herança da enxaqueca hemiplégica familiar (FHM), onde ocorrem mutações nas subunidades alfa-1 de canais de cálcio, voltagem-dependente tipo P/Q específico do cérebro. Ou seja, causa uma hiperexcitabilidade do SNC sendo mais sensível a estímulos internos (estresse) e externos (luminosidade, alimentos)

12 Náuseas e Vômitos: excitação do núcleo solitário Aura: o tipo depende da área cortical atingida (occipital) Dor: quando estímulos trigeminais atingem o tálamo e o córtex cerebral Portanto a enxaqueca não é dor, mas um estado de suscetibilidade de crises que se caracterizam por diversos sintomas que podem incluir a cefaléia. Sendo os agentes causais apenas fatores desencadeantes, que dependem das características genéticas do indivíduo (estresse, chocolate, tiramida, alterações mandibulares)

13

14 Maria Fernanda Guerini – 4 ano 2010


Carregar ppt "Fisiopatologia da Enxaqueca (Migrânea) Maria Fernanda Guerini."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google