A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diabetes Vívian Coura. Introdução Definição Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção e/ou ação de insulina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diabetes Vívian Coura. Introdução Definição Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção e/ou ação de insulina."— Transcrição da apresentação:

1 Diabetes Vívian Coura

2 Introdução Definição Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção e/ou ação de insulina. Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção e/ou ação de insulina. O critério estabelecido pela ADA (1997) determina 3 métodos para diagnóstico da DM. O critério estabelecido pela ADA (1997) determina 3 métodos para diagnóstico da DM. O diagnóstico de DM deve ser confirmado pela repetição do teste em outro dia O diagnóstico de DM deve ser confirmado pela repetição do teste em outro dia

3 Classificação Tipo 1 Tipo 1 Tipo 2 Tipo 2 Gestacional Gestacional Outros tipos - decorrentes de problemas Outros tipos - decorrentes de problemas genéticos associados com outras doenças ou uso de medicamentos

4 Tipo 1 Juvenil Diabete Insulino- Dependente Produção insuficiente de insulina pelo pâncreas. Produção insuficiente de insulina pelo pâncreas.Resultado: Diminuição do transporte de glicose para a célula levando a hiperglicemia

5 Tipo 2 Diminuição da sensibilidade dos tecidos à insulina. Estes diabéticos são geralmente obesos (+ 90%). Diminuição da sensibilidade dos tecidos à insulina. Estes diabéticos são geralmente obesos (+ 90%). Defeito das células beta do pâncreas: prejuízo da capacidade de secretar insulina. Estes diabéticos podem ser magros. Defeito das células beta do pâncreas: prejuízo da capacidade de secretar insulina. Estes diabéticos podem ser magros.

6 Tipo 1 Tipo 1 Maior incidência em crianças e adultos jovens. Maior incidência em crianças e adultos jovens. Indivíduos magros Indivíduos magros Facilidade para grandes flutuações da glicemia Facilidade para grandes flutuações da glicemia Tipo 2 Tipo 2 Maior incidência após os 40 anos. Maior incidência após os 40 anos. Até 90% dos indivíduos são obesos Até 90% dos indivíduos são obesos Glicemia mais estável se tratamento adequado. Glicemia mais estável se tratamento adequado.

7 Sinais e sintomas Poliuria Poliuria Polidipsia - Boca seca Polidipsia - Boca seca Polifagia Polifagia Emagrecimento rápido Emagrecimento rápido Fraqueza - Astenia - Letargia Fraqueza - Astenia - Letargia Prurido vulvar Prurido vulvar Redução rápida da acuidade visual Redução rápida da acuidade visual

8 Complicações agudas Hipoglicemia Hipoglicemia Hiperglicemia Hiperglicemia Cetoacidose Cetoacidose Hipoglicemia: tremores,sudorese intensa,palidez,fome intensa, visão borrada, tontura, cefaléia, convulsão, perda de consciência, coma Hipoglicemia: tremores,sudorese intensa,palidez,fome intensa, visão borrada, tontura, cefaléia, convulsão, perda de consciência, coma

9 Hiperglicemia ® Estado Hiperosmolar Hiperglicemia ® Estado Hiperosmolar poliuria poliuria polidipsia polidipsia desidratação desidratação hipertermia hipertermia sonolência sonolência coma coma

10 Cetose: Cetose: poliuria/ polidipsia poliuria/ polidipsia desidratação desidratação dor abdominal dor abdominal rubor facial rubor facial hálito cetonico hálito cetonico hiperventilação hiperventilação náuseas náuseas sonolência sonolência vômitos vômitos

11 Complicações Doença Arterial Periférica Doença Arterial Periférica Retinopatia (proliferativa e não proliferativa) Retinopatia (proliferativa e não proliferativa) Nefropatia Nefropatia Neuropatia periférica Neuropatia periférica Neuropatia autonômica Neuropatia autonômica

12 Gestacional Devido à liberação do hormônio lactogênio placentáreo que é antagonista à insulina. Devido à liberação do hormônio lactogênio placentáreo que é antagonista à insulina. Intolerância aos carboidratos; Intolerância aos carboidratos; 60% voltam ao normal após a gestação; 60% voltam ao normal após a gestação; Pré disposição genética Pré disposição genética

13 Secundária Doença pancraática. Lesão afeta secreção da insulina. Doença pancraática. Lesão afeta secreção da insulina. Excessos hormonais; Excessos hormonais; Uso de drogas como diuréticos, corticóides entre outros pois elevam a glicose; Uso de drogas como diuréticos, corticóides entre outros pois elevam a glicose;

14 Tratamento Manter glicemia o mais perto do normal através do Manter glicemia o mais perto do normal através do equilíbrio da alimentação x medicação x atividade física. equilíbrio da alimentação x medicação x atividade física. Alcançar níveis de lípides sanguíneos ideais Alcançar níveis de lípides sanguíneos ideais Manter Pressão arterial que reduza doença vascular Manter Pressão arterial que reduza doença vascular Dar calorias adequadas para a manutenção do peso ideal ou crescimento normal, assim como suprir necessidades metabólicas da gravidez Dar calorias adequadas para a manutenção do peso ideal ou crescimento normal, assim como suprir necessidades metabólicas da gravidez Prevenir ou tratar complicações Prevenir ou tratar complicações

15 Razões para indicar o exercício Tipo 1 As mesmas da população em geral: Melhora do condicionamento cardio-respiratório Melhora do condicionamento cardio-respiratório Melhora o perfil lipidêmico Melhora o perfil lipidêmico Melhora da qualidade de vida Melhora da qualidade de vida Melhora a saúde psicológica e o estresse do diabético Melhora a saúde psicológica e o estresse do diabético Aumenta a sensibilidade da insulina a nível periférico. Aumenta a sensibilidade da insulina a nível periférico. No Tipo 1, o exercício isoladamente não substitui o uso da insulina No Tipo 1, o exercício isoladamente não substitui o uso da insulina

16 Tipo 2 A contração muscular provoca um efeito A contração muscular provoca um efeito semelhante a insulina Aumento da sensibilidade da insulina,aumentando a permeabilidade da membrana à glicose. Aumento da sensibilidade da insulina,aumentando a permeabilidade da membrana à glicose. Diminuição da gordura corporal (junto com a Diminuição da gordura corporal (junto com a dieta) dieta) Diminui os riscos de coronariopatia (melhora o Diminui os riscos de coronariopatia (melhora o perfil lipídico) perfil lipídico) Melhora da capacidade física e qualidade de vida. Melhora da capacidade física e qualidade de vida.

17 Dietoterapia Tipo 1 Tipo 1 Comer em freqüência adequada para dose e tempo de ação da insulina utilizada. Comer em freqüência adequada para dose e tempo de ação da insulina utilizada. Plano de alimentação baseado na ingestão alimentar rotineira do paciente. Plano de alimentação baseado na ingestão alimentar rotineira do paciente.

18 Uso de insulina Ação rápida Regular Início da ação 30 minutos Pico ação 2-4 horas Término 4 -6 horas Ação lenta NPH 1-2 horas 8-12 horas 18 horas

19 Dietoterapia Tipo 2 Tipo 2 Manter peso corporal adequado Manter peso corporal adequado Restrição moderada de calorias com redução de lípides, especialmente saturados e carboidratos simples. Restrição moderada de calorias com redução de lípides, especialmente saturados e carboidratos simples. Aumento da atividade física. Aumento da atividade física. Perda kg melhora Perda kg melhora glicemia glicemia dislipidemia dislipidemia hipertensão hipertensão

20 Índice glicêmico Capacidade de um alimento de aumentar a glicemia. Capacidade de um alimento de aumentar a glicemia. 15g de carboidratos ingeridos requerem 1unidade de insulina para ser metabolizado. 15g de carboidratos ingeridos requerem 1unidade de insulina para ser metabolizado. Baixo IG- aumenta a glicemia de maneira lenta. CHO lentamente digeridos < 75 Baixo IG- aumenta a glicemia de maneira lenta. CHO lentamente digeridos < 75 Alto IG- aumento rápido da glicemia.Fonte de energia imediata e por pouco tempo >95 Alto IG- aumento rápido da glicemia.Fonte de energia imediata e por pouco tempo >95

21 Indice glicêmico de alguns alimentos Arroz integral 79 Farinha de milho 72 Milho verde 55 Pão de forma 106 Pão francês 100 Macarrão 65 Farelo de trigo 26 Batata 129 Farinha mandioca 64 Mandioca 61 Ervilha 45 Grão de bico 45 Lentilha 42 Feijão carioca 41

22 Importância do IG IG baixo IG baixo ↑ performance física ↑ performance física ↑Saciedade ↑Saciedade ↑ Controle da glicemia ↑ Controle da glicemia Baixo IG beneficia a perda de peso de duas formas: 1. Agindo sobre a saciedade Regulação ingestão energética na refeição seguinte 2. Promovendo Oxidação Lipídica

23 Adolescentes e consumo de acordo com IG IG Consumo 2h Consumo 5h Alto Médio Baixo340752

24

25 50 a 60% carboidratos 50 a 60% carboidratos 12 a 15% de proteínas 0,8 a 1,0g/Kg 12 a 15% de proteínas 0,8 a 1,0g/Kg Lipídeos 20 a 30% Observar saturados Lipídeos 20 a 30% Observar saturados Excluir açúcar simples Excluir açúcar simples Observar Índice glicêmico. Observar Índice glicêmico. Uso de 20 a 30 gramas de fibras na porção recomendada Uso de 20 a 30 gramas de fibras na porção recomendada Frutose eleva menos que a sacarose a glicemia Frutose eleva menos que a sacarose a glicemia


Carregar ppt "Diabetes Vívian Coura. Introdução Definição Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de defeitos da secreção e/ou ação de insulina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google