A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: REVOLUÇÃO ArtesanalColeta/caça Física Quase.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: REVOLUÇÃO ArtesanalColeta/caça Física Quase."— Transcrição da apresentação:

1 REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: REVOLUÇÃO ArtesanalColeta/caça Física Quase ImutávelPALEOLÍTICA Idade da Pedra Antiga (lascada)" é um termo criado no período mais antigo da História do Homem, A duração deste período, o mais longo da História da Humanidade, é de cerca de 2,5 milhões de anos.

2 REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: ArtesanalAgrícola Físico-mental habilitada Lentamente NEOLÍTICA REVOLUÇÃO Neolítico ou Idade da Pedra Polida coincidiu com o advento da agricultura e da domesticação de animais, as primeiras intervenções humanas diretas no mundo natural. ( Há anos )

3 DESENVOLVIMENTO DA INTELIGÊNCIA- HOMINÍDEOS Pré-históricos Não Fenômeno Natureza Medo tempestades Busca das respostas O Desenvolvimento do conhecimento humano está ligado à sua característica de viver em grupo, ou seja, o saber de um indivíduo é transmitido a outro, que, aproveita-se deste saber Para somar com o outro. Comprovação Ciência Metódica Assim Evolui A Ciência CIÊNCIA MEDO Explicações- pensamentos Mágicos, das crenças mitos DesgraçasMISTICISMO

4 REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: Mecânica/eletro- mecânica Eletrônica Industrial Informação Física desqualificada Mental qualificada Rapidamente Velozmente DIGITAL INDUSTRIAL REVOLUÇÃO Séc. XVI – Aparece as 1ª tentativas de construção do conhecimento mais elaborado.

5 REVOLUÇÃO DA CIÊNCIA 1- Controle da natureza – razão/trevas/dogmas 2- Experimentações Empíricas- Tipos de raciocínio indutivo, dedutivo. 3- Corresponder a verdade- todas as áreas Conhecimento muda: A CIÊNCIA É PROVISÓRIA – não existe verdade absoluta. Descobre/contesta Ex: Câncer é hereditário/psicossomático.

6 Conhecer é incorporar um conceito novo, ou original, sobre um fato ou fenômeno qualquer Conhecer é incorporar um conceito novo, ou original, sobre um fato ou fenômeno qualquer NASCE NASCE das experiências que acumulamos em nossa vida através de experiências, dos relacionamentos interpessoais, das leituras de livros e artigos diversos. Conhecimento Empírico Conhecimento Filosófico Conhecimento Teológico Conhecimento Científico TIPOS DE CONHECIMENTOS A ciência Evolui

7 Conhecimento Empírico (ou conhecimento vulgar, ou senso-comum) É o conhecimento obtido ao acaso, após inúmeras tentativas, ou seja, o conhecimento adquirido através de ações não planejadas. Exemplo: A chave está emperrando na fechadura e, de tanto experimentarmos abrir a porta, acabamos por descobrir (conhecer) um jeitinho de girar a chave sem emperrar.Conhecimento Empírico (ou conhecimento vulgar, ou senso-comum) É o conhecimento obtido ao acaso, após inúmeras tentativas, ou seja, o conhecimento adquirido através de ações não planejadas. Exemplo: A chave está emperrando na fechadura e, de tanto experimentarmos abrir a porta, acabamos por descobrir (conhecer) um jeitinho de girar a chave sem emperrar. CONHECIMENTO EMPÍRICO

8 É fruto do raciocínio e da reflexão humana. É o conhecimento especulativo sobre fenômenos, gerando conceitos subjetivos. Busca dar sentido aos fenômenos gerais do universo, ultrapassando os limites formais da ciência. Exemplo: "O homem é a ponte entre o animal e o além-homem" (Friedrich Nietzsche)É fruto do raciocínio e da reflexão humana. É o conhecimento especulativo sobre fenômenos, gerando conceitos subjetivos. Busca dar sentido aos fenômenos gerais do universo, ultrapassando os limites formais da ciência. Exemplo: "O homem é a ponte entre o animal e o além-homem" (Friedrich Nietzsche) CONHECIMENTO FILOSÓFICO Não tem comprovação científica

9 Conhecimento revelado pela fé divina ou crença religiosa. Não pode, por sua origem, ser confirmado ou negado. Depende da formação moral e das crenças de cada indivíduo. Exemplo: Acreditar que alguém foi curado por um milagre; ou acreditar em Duende; acreditar em reencarnação; acreditar em espírito etc..Conhecimento revelado pela fé divina ou crença religiosa. Não pode, por sua origem, ser confirmado ou negado. Depende da formação moral e das crenças de cada indivíduo. Exemplo: Acreditar que alguém foi curado por um milagre; ou acreditar em Duende; acreditar em reencarnação; acreditar em espírito etc.. CONHECIMENTO TEOLÓGICO

10 CONHECIMENTO CIENTÍFICO... É o conhecimento racional, sistemático, exato e verificável da realidade. Sua origem está nos procedimentos de verificação baseados na metodologia científica. Podemos então dizer que o Conhecimento Científico: TRINÔMIO – 1- VERDADE 2- EVIDÊNCIA 3- CERTEZA EX: O HOMEM FAZ 1º EXPERIÊNCIAS EM RATOS, SAPOS DEPOIS NO HOMEM. ( A EVIDÊNCIA DE DETERMINADO FATO VAI TRAZER A CERTEZA. Exemplo: Descobrir uma vacina que evite uma doença; descobrir a cura da doença de Halzeimer

11 SABER/CIÊNCIA Professor Aluno Meio buscadas através do rigor científico através das normas acadêmicas vigentes Trazer para o aluno um conhecimento crítico. aprender fazendo IMINENTEMENTE PRÁTICA estuda os caminhos do saber", Metodologia Científica

12 PESQUISA QUALITATIVA QUANTITATIVA

13 ABORDAGENS METODOLÓGICAS QUALITATIVA QUANTITATIVA Reflete o estudo das experiências do homem, em termos não mensuráveis Coleta de dados mediante observação participantes, entrevistas informais ou semi-estruturadas Reflete o estudo dos atributos do homem, em termos mensuráveis Coleta de dados por meio de medidas fisiológicas, psicológicas, sociológicas O pesquisador não interfere na pesquisa O pesquisador participa na descoberta do significado dessas experiências Analisa os dados através de comparações numéricas e inferências estatísticas.

14 QUANTO À ABORDAGEM DO FENÔMENO QUALITATIVA QUANTITATIVA Emerge de um paradigma humanístico, holístico que vê o homem em interação aberta, mútua e simultânea com os outros homens e com o ambiente Emerge de um paradigma em que o homem é visto como um ser bio-psico- sócio-espiritual, que reage e se readapta ao meio ambiente O homem desenvolve novas formas de relacionar-se com o meio O homem é um organismo cujo comportamento pode ser predito e medido.

15 DIFERENÇAS QUALITATIVA QUANTITATIVA Procura entender o fenômeno com um todo Assume que o todo é maior que a somas das partes O desenho da pesquisa é aberto As estratégias são indutivas Procura entender o fenômeno em suas partes Estuda as partes para chegar ao todo O desenho da pesquisa é fechado Requer a definição de variáveis e hipóteses antes da coleta dos dados. Não impõe expectativas pré-existentes Análise – observação O pesquisador deve decidir quais as variáveis e a relação esperada.

16 CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA: VISA EXPLICAR UM PROBLEMA A PARTIR DAS REFERÊNCIAS TEÓRICAS PUBLICADAS. CONHECER AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS EXISTENTES SOBRE DETERMINADO ASSUNTO COMPREENDER E INTERPRETAR O PASSADO – ORIENTEM INVESTIGAÇÕES PRESENTES E FUTURAS FUNDAMENTAR OUTRAS PESQUISAS E EMBASAR O REFERENCIAL TEÓRICO.

17 INTERPRETATIVAS QUALITATIVA QUANTITATIVA Descreve as experiências vividas Gera proposições hipotéticas através de abstrações lógicas Prediz relações Testa e valida hipóteses com probabilidade estatísticas Gera teoriaVerifica teoria

18 PESQUISA HISTÓRICA: Visa reconstruir o passado, verificando evidências e delineando conclusões; Compreender o passado e retirar princípios gerais que orientem os homens no presente e no futuro; O interesse está voltado para o que foi É similar às revisões bibliográficas, que precedem outros tipos de pesquisas, sendo, no entanto, exaustiva, investigando um conjunto mais amplo de informações. COLETA DE DADOS Primárias – Quando o investigador foi o observador direto Secundários – Quando os eventos foram observados e reportados por outras pessoas ou outras fontes.

19 PESQUISA DESCRITIVA : Delineia o que é Estudar as relações entre duas ou mias variáveis de um fenômeno, sem manipulá-los Descrever sistematicamente fatos ou condições presentes em determinada situação. COLETA DE DADOS: Utiliza todas as técnicas, dependendo do tipo de estudo. - Formula o problema, planeja a coleta de dados, escolhe a amostra, analisa os dados, apresenta os resultados.

20 PESQUISA EXPERIMENTAL: Procura analisar um problema manipulando as variáveis que se referem ao fenômeno observado. Verificar a relação de causalidade que se estabelece entre as variáveis. Processo: controle rigoroso das variáveis Resultado: demonstrar se existe dependência significativa entre as variáveis estudadas. Vantagens: Oferece grande rigor no controle tornando confiáveis os seus resultados Desvantagens: Perda de espontaneidade, naturalidade e grau de generalização.

21 Quando trabalhamos com a pesquisa qualitativa/quantitativa VARIÁVEIS – SÃO ASPECTOS INDIVIDUAIS, PROPRIEDADES OU FATORES QUE PODEM ASSUMIR VALORES DISTINTOS E SEREM MENSURADOS (QUE SE PODE MEDIR) PARA TESTAR A RELAÇÃO ENTRE DOIS FATOS. QUALITATIVA – Categorias de análises – participação/comunicação/organização QUANTITATIVA – pesquisar sobre o perfil de alunos da especialização: idade, estado civil etc...

22 ESTUDO DE CASO FINALIDADE: destina-se a estudos intensivos do passado, presente e de interações ambientais de uma unidade social ( Indivíduo, grupo, instituição, comunidade). ENFOQUE – Estudo longitudinal com aprofundamento no número de variáveis AMOSTRA: Um caso ou um número reduzido de casos DESVANTAGENS: Pouca representatividade, e extrapolação dos resultados.

23 PESQUISA EXPLORATÓRIA OBJETIVO EXPLORAR É utilizada no estudo de problemas em que o conhecimento é reduzido. Finalidade: aumentar o conhecimento do pesquisador a respeito de um fato, fenômeno ou problema.

24 Endereço da ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT Av. Treze de Maio, o andar - Centro Rio de Janeiro - RJ - CEP: Tel.: (0xx21) * R.: 127/131/133 - FAX: (0xx21) Home Page:


Carregar ppt "REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS: RUPTURAS E ACELERAÇÕES. Base técnica SOCIEDADEForça de trabalho Conhecimento muda: REVOLUÇÃO ArtesanalColeta/caça Física Quase."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google