A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Dependência Química Entre Médicos: Abordagens e Perspectivas Hamer Nastasy Palhares Alves Orientador: Luiz Antônio Nogueira Martins Co-orientador: Ronaldo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Dependência Química Entre Médicos: Abordagens e Perspectivas Hamer Nastasy Palhares Alves Orientador: Luiz Antônio Nogueira Martins Co-orientador: Ronaldo."— Transcrição da apresentação:

1 Dependência Química Entre Médicos: Abordagens e Perspectivas Hamer Nastasy Palhares Alves Orientador: Luiz Antônio Nogueira Martins Co-orientador: Ronaldo Ramos Laranjeira

2 Roteiro Caracterização do Problema e Implicações Estudo inicial Descrição da Rede de Apoio a Médicos Discussão

3 Pontos Chave Identificação é geralmente mais difícil Características diferentes da população geral para alguns casos O prognóstico, uma vez em tratamento, é melhor Programas específicos para Assistência ajudam na detecção, encaminhamento e seguimento. Bloco I

4 Epidemiologia Mesmos índices da população geral 1 Razões de uso diferem entre os grupos: Estudantes: mesmas drogas, início começa antes da faculdade, e se intensifica no decorrer do curso. Residentes: BZD e opióides, auto-medicação, auto-prescrição, 10%. Médicos: BZD e opióides mais freqüentes 2. ²Hughes et al., Brewster et al, 1986

5 Fatores de Risco 1,2,3 História de uso de substâncias ilícitas Especialidade e acesso a drogas 4 Aqueles com padrão de over-prescription Predisposição genética, história familiar Estresse e estratégias de habilidades sociais pobres, personalidade 5 Educação sobre dependência deficiente. ²Wright, Alcohol medical scholars.¹Talbott, Gallegos, Jex, 1992

6 Progressão As conseqüências da dependência química seguem o seguinte roteiro: Família Comunidade Finanças Saúde Mental Saúde Física Performance no trabalho 1,2 ²Vaillant, Bissell, 1984

7 Sinais de Alerta Isolamento Discussões freqüentes Desorganização, Inacessibilidade Faltas freqüentes Visitas a pacientes em horários impróprios Prescrições para familiares Tentativa de suicídio Overdose 1,2 1 Breiner, 1979 ²American Society of Anesthesiology

8 Demora na Detecção: Poucos controles formais Independência Negação Maligna Eu posso cuidar de mim mesmo Conhecimento é protetor Medo das conseqüências Senso comum de intratabilidade Conspiração do Silêncio

9 Família, colegas e o médico não rompem o silêncio acerca do problema por: Preocupação e temores em relação ao tratamento Medo e Intimidação Orgulho Profissional Medo de perder a reputação Aspectos Financeiros Medo de acusar o colega sem ter provas

10 Tratamento Tratamento de grupos específicos têm demonstrado melhores resultados (grupos étnicos, sexo, adolescente, idosos) 1 Melhor desempenho dos médicos se tratados com os pares, por médicos: Auto-imagem, identificação, Mesmos problemas acerca da licença médica, características sociais e de acesso a drogas 2 ¹CSAM Addiction Medicine 2 BMA,1988

11 Tratamento Dados Variáveis (27 a 96%) 1,2 Maioria dos estudos mostra melhores resultados que a população geral 70-80% sucesso pouca correlação com a substância pouca correlação com a especialidade Aumenta com o grau de motivação, monitoramento e intensidade Contrato de Contingência 3 melhora a adesão e o prognóstico ²CSAM Addiction Medicine 1 Alcohol medical scholars. 3 Crowley, 1986

12 Prognóstico Taxas de abstinência: 96% X 64% (diferenças em estudo de seguimento conforme realização ou não de screening urinário, estudo em Oregon) 1 Melhor prognóstico se envolvido em programas específicos 2 ²CSAM Addiction Medicine ¹Shore, 1987.

13 Re-entrada A maioria volta a exercer a Medicina Restrições nas Prescrições Alterar a Jornada de trabalho, plantões Especialização em Dependência Mudança de Especialidade (Re-entrada) 1 1 Gallegos, 1989

14 Na literatura, características individuais são os preditores mais consistentes de mudança no padrão de uso. Menor nível educacional e menor renda 1,2,3 Situação instável no emprego são fatores de pior prognóstico 4 Melhor prognóstico para mulheres 5 (?) Fatores étnicos não são bem esclarecidos Pior prognóstico para indivíduos mais jovens 6 Fatores Preditores ²McLellan, 1983 ³Polich et al., 1980¹Institute of Medicine, Vaillant, Anglin et al., Brewer et al., 1998

15 Maior nível de consumo é relacionado a pior desempenho no tratamento 1,2,3 Indivíduos dependentes de drogas têm menores taxas de retenção e abstinência que dependentes de álcool 4,5 Fatores motivadores para a mudança, internos e externos (prontidão para a mudança, pressão de empregadores, pressão legal) são relacionados a melhora do desfecho a curto-prazo 6 Fatores Preditores ²McLellan et al., 1983 ³Carrol et al., 1993¹Simpson et al Miller et al., Miller & Rollnick, Weisner, 2000

16 Meta de abstinência, fissura, auto-eficácia 1 Características do tratamento, como intensidade e duração, são relacionadas a efeito mais longo Readmissões podem ser importantes em promover recuperação a longo-prazo 2 Abstinência em 6 meses é fator preditor de abstinência após 5 anos Rede Social influencia o prognóstico. Fatores Preditores ¹Ciraulo, Pechniczek-Buczek, Weisner et al, 2003

17 Estudo Transversal Bloco II 1 Alves, HNP; Laranjeira, RR; Nogueira-Martins, LA; Marques, ACRP; Surjan, JC; Guerra, AA; Ramos, SP. Vantagens: Simplicidade, baixo custo, rapidez, não há necessidade de seguimento, facilidade para obtenção da amostra Geração de hipóteses para um estudo de maior fôlego. Desvantagens: Viés de seleção, memória, relação cronológica entre os eventos, não determina incidência ou relação causa-efeito. Sujeito a fatores de confundimento.

18 Especialidades 1 Alves, HNP; Laranjeira, RR; Nogueira-Martins, LA; Marques, ACRP; Surjan, JC; Guerra, AA; Ramos, SP.

19 Substâncias Consumidas 1 Alves, HNP; Laranjeira, RR; Nogueira-Martins, LA; Marques, ACRP; Surjan, JC; Guerra, AA; Ramos, SP.

20 Comorbidades 1 Alves, HNP; Laranjeira, RR; Nogueira-Martins, LA; Marques, ACRP; Surjan, JC; Guerra, AA; Ramos, SP.

21 Estudo Transversal 1 Alves, HNP; Laranjeira, RR; Nogueira-Martins, LA; Marques, ACRP; Surjan, JC; Guerra, AA; Ramos, SP.

22 Convênio entre o Conselho Regional de Medicina e a Escola Paulista de Medicina. Formação de uma Rede de Profissionais para atendimento dos médicos com problemas relacionados à álcool e drogas. Funções: Triagem, Orientação, Avaliação, Discussão Clínica, Encaminhamento e Tratamento. Rede de Apoio a Médicos Bloco III

23 Contato inicial por telefone fixo, celular ou e- mail 25 médicos psiquiatras no Estado, alocados nas principais cidades. Consultoria Jurídica (oferece orientação ao médico assistente e ao cliente). Tratamento visa a reintegração do médico. Proteção do médico e do público. O que não é? Instância pericial, administrativa, punitiva ou disciplinar. Rede de Apoio a Médicos

24 Organograma

25 Discussão tel.: (11) cel.: (11) Bloco IV São Paulo, 09 de Dezembro de 2003


Carregar ppt "Dependência Química Entre Médicos: Abordagens e Perspectivas Hamer Nastasy Palhares Alves Orientador: Luiz Antônio Nogueira Martins Co-orientador: Ronaldo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google