A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NIGRO, C.. Halitose Mau hálito é um sintoma ou um sinal clínico. Costuma provocar: inibição, restrição social, insegurança; em alguns casos neurose por.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NIGRO, C.. Halitose Mau hálito é um sintoma ou um sinal clínico. Costuma provocar: inibição, restrição social, insegurança; em alguns casos neurose por."— Transcrição da apresentação:

1 NIGRO, C.

2 Halitose Mau hálito é um sintoma ou um sinal clínico. Costuma provocar: inibição, restrição social, insegurança; em alguns casos neurose por medo de ter MH. Halitos (latim) = ar expirado osis = uma condição patológica

3 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos

4 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas

5 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas idosos tem + odores que os jovensidosos tem + odores que os jovens magros ou gordos tem + que os de peso normalmagros ou gordos tem + que os de peso normal negros + que os brancosnegros + que os brancos Ao acordar: G, saliva, descamação (pp/ porção posterior da língua), é a saburra lingual (descamação, anaeróbios, mucina)Ao acordar: G, saliva, descamação (pp/ porção posterior da língua), é a saburra lingual (descamação, anaeróbios, mucina) Xerostomia: secura descamaçãoXerostomia: secura descamação Alterações hormonais: na menstruação descamação, na ovulação n- dodecanolAlterações hormonais: na menstruação descamação, na ovulação n- dodecanol Deficiência vitaminas A e D; alterações hormonaisDeficiência vitaminas A e D; alterações hormonais Bruxismo com mordida de bochechaBruxismo com mordida de bochecha Tensão emocional com mordiscamento comissura labial internaTensão emocional com mordiscamento comissura labial interna Respiração bucalRespiração bucal

6 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial Putrefação dos sucos pancreáticosPutrefação dos sucos pancreáticos Hipoglicemia fisiológica metabolismo AG cadeia curta (voláteis)Hipoglicemia fisiológica metabolismo AG cadeia curta (voláteis) Anorexígenos: alteração composição da saliva e salivaAnorexígenos: alteração composição da saliva e saliva

7 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial b)Da fome e do regime saliva, viscosidade saliva, viscosidade Após exercício físico e febre GApós exercício físico e febre G

8 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação Ocorre saburraOcorre saburra Drogas: diuréticos, anti-histamínicos, antiácidos, ansiolíticosDrogas: diuréticos, anti-histamínicos, antiácidos, ansiolíticos Má higiene, ingestão de líquidos, desidratação, respiração bucal, RT, fumo, alimentos condimentados, stressMá higiene, ingestão de líquidos, desidratação, respiração bucal, RT, fumo, alimentos condimentados, stress Sjogren, doença de Mikulicz, sind. Herfordt, doenças metabólicas, menopausaSjogren, doença de Mikulicz, sind. Herfordt, doenças metabólicas, menopausa Síndrome da boca ardente Mas pacientes com xerostomia nem sempre tem halitose

9 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia Ocorre xerostomia, G, sudorese, cheiro de urinaOcorre xerostomia, G, sudorese, cheiro de urina Drogas: diuréticos, anti-histamínicos, antiácidos, ansiolíticosDrogas: diuréticos, anti-histamínicos, antiácidos, ansiolíticos Má higiene, ingestão de líquidos, desidratação, respiração bucal, RT, fumo, alimentos condimentados, stressMá higiene, ingestão de líquidos, desidratação, respiração bucal, RT, fumo, alimentos condimentados, stress Sjogren, doença de Mikulicz, sind. Herfordt, doenças metabólicas, menopausaSjogren, doença de Mikulicz, sind. Herfordt, doenças metabólicas, menopausa

10 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos f)Por alterações morfológicas da língua g)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress Língua fissuradaLíngua fissurada Língua pilosaLíngua pilosa Língua saburrosaLíngua saburrosa

11 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos f)Devido a peças protéticas porosas a)Essencial b)Da fome e do regime c)Da desidratação d)Da xerostomia e)Do stress f)Por alterações morfológicas da língua Hoje são de acrílicoHoje são de acrílico

12 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Origem bucal b)Origem não bucal

13 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Origem bucal b)Origem não bucal Doença periodontal por má higieneDoença periodontal por má higiene Cárie, só em fase avançada, com necrose de polpa, abscesso)Cárie, só em fase avançada, com necrose de polpa, abscesso) Em tto endodôntico devido à quebra do eugenol e do cresoto colocado em seus dentesEm tto endodôntico devido à quebra do eugenol e do cresoto colocado em seus dentes CâncerCâncer EstomatitesEstomatites Cisto dentárioCisto dentário MiíaseMiíase

14 NIGRO, C. Halitose I.Halitose secundária (fatores locais) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos b)Origem não bucal a)Origem bucal FaringitesFaringites Tonsilite aguda ou caseosaTonsilite aguda ou caseosa RinitesRinites SinusitesSinusites

15 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Alimento de odor carregado b)Fumo c)Medicamentos d)Absorção através da pele e mucosas e)Hipoglicemia

16 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Alimento de odor carregado b)Fumo c)Medicamentos d)Absorção através da pele e mucosas e)hipoglicemia CarneCarne Substâncias aromáticasSubstâncias aromáticas Bebidas alcoólicas: alteração flora intestinal e fermentaçãoBebidas alcoólicas: alteração flora intestinal e fermentação Bochechar uísque sente-se o cheiro por 1 hora Bochechar uísque sente-se o cheiro por 1 hora Bafômetro (criado por Harger da universidade de Indiana) Bafômetro (criado por Harger da universidade de Indiana) Aparelho com líquido com ac. Sulfúrico corado em vermelho pelo permanganato de potássio que é borbulhado pela expiração do motorista; o álcool é retido pelo líquido que se enfraquece até perder toda cor. Aparelho com líquido com ac. Sulfúrico corado em vermelho pelo permanganato de potássio que é borbulhado pela expiração do motorista; o álcool é retido pelo líquido que se enfraquece até perder toda cor. 2 polegadas cúbicas de ar expirado = 1 polegada cúbica de sangue 2 polegadas cúbicas de ar expirado = 1 polegada cúbica de sangue Se for necessário menos que 48ml de ar é (+) Se for necessário menos que 48ml de ar é (+) 1 garrafa de cerveja = 1900ml 1 garrafa de cerveja = 1900ml

17 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos b)Fumo c)Medicamentos d)Absorção através da pele e mucosas e)Hipoglicemia a)Alimento de odor carregado Atrofia papilas gustativasAtrofia papilas gustativas Língua pilosaLíngua pilosa fluxo salivar fluxo salivar EstomatitesEstomatites CâncerCâncer

18 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos c)Medicamentos (visto em xerostomia) d)Absorção através da pele e mucosas e)Hipoglicemia a)Alimento de odor carregado b)Fumo Que causam xerostomiaQue causam xerostomia

19 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos d)Absorção através da pele e mucosas e)Hipoglicemia a)Alimento de odor carregado b)Fumo c)Medicamentos Substâncias exógenasSubstâncias exógenas Vick Vaporub, injeção salicilatos Vick Vaporub, injeção salicilatos Abuso de cremes e desodorantes que não deixam transpirar sendo excretados por via pulmonar (depende também do bom funcionamento do fígado) Abuso de cremes e desodorantes que não deixam transpirar sendo excretados por via pulmonar (depende também do bom funcionamento do fígado) Substâncias endógenasSubstâncias endógenas Feridas em pele e mucosas Feridas em pele e mucosas Absorção de coágulo em decomposição (menstruação) Absorção de coágulo em decomposição (menstruação) Putrefação volátil do intestino grosso Putrefação volátil do intestino grosso

20 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos e)Hipoglicemia a)Alimento de odor carregado b)Fumo c)Medicamentos d)Absorção através da pele e mucosas Odor de manteiga rançosaOdor de manteiga rançosa DM, regime, fome, grande intervalo entre refeições, ex. físico, febreDM, regime, fome, grande intervalo entre refeições, ex. físico, febre

21 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral

22 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral Regurgitação, eructação, dispepsiasRegurgitação, eructação, dispepsias Megacolon, estenoses, prisão de ventre, diarréiaMegacolon, estenoses, prisão de ventre, diarréia

23 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal Alarga as cadeias de substâncias voláteisAlarga as cadeias de substâncias voláteis

24 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática Abscesso, empiema, broncopeumonia, gangrena, tuberculose, câncerAbscesso, empiema, broncopeumonia, gangrena, tuberculose, câncer

25 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar Hálito urêmicoHálito urêmico Uremia e outros compostos nitrogenados (hálito de urina) Uremia e outros compostos nitrogenados (hálito de urina)

26 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal Hálito cetônico (doce)Hálito cetônico (doce)

27 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes Xerostomia, saburra lingualXerostomia, saburra lingual

28 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre Hálito ácido-adocicadoHálito ácido-adocicado

29 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda Paciente refere MH sem ter realmente; o Halímetro ajuda a convencer o pacientePaciente refere MH sem ter realmente; o Halímetro ajuda a convencer o paciente

30 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas Granuloma eosinofílicoGranuloma eosinofílico Boca doloridaBoca dolorida

31 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos j)Escorbuto k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica EstomatitesEstomatites

32 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos k)Hemorragias espontâneas na cavidade oral a)Alteração gastrintestinal b)Alteração hepática c)Alteração pulmonar d)Alteração renal e)Diabetes f)Febre g)Febre reumática aguda h)Desordens neuropsíquicas i)Reticuloendoteliose não lipídica j)Escorbuto CoagulopatiasCoagulopatias

33 NIGRO, C. Halitose II.Halitose primária (fatores sistêmicos) 2.Por processos patológicos 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos I.Halitose secundária (fatores locais) 1.Por variações fisiológicas e processos adaptativos 2.Por processos patológicos l)Diminuição do fluxo salivar devido à RGE Diminuição da quantidade de saliva e do pH em pacientes com RGEDiminuição da quantidade de saliva e do pH em pacientes com RGE Após tto RGE melhora (RBORL, 72(1), 2006)Após tto RGE melhora (RBORL, 72(1), 2006)

34 NIGRO, C. Halitose Diagnóstico a)Anamnese e Exame físico; Exames subsidiários b)Halimetria c)Sialometria d)BANA (teste de Benzoil-DL-Arginina-2-Naftilamida)

35 NIGRO, C. Halitose Diagnóstico b)Halimetria Halímetro mede compostos de enxofre em ppb. Realizada no terço posterior da língua, inicialmente com a respiração suspensa e depois soltando a respiração, e nas narinas D e E ocluindo a oposta. Verifica-se se o odor é bucal, endógeno (se o valor for maior que o bucal) ou se é nasal. Valores normais: 60 a 100ppb no terço posterior 40 a 60 nas narinas 40 a 60 nas narinas

36 NIGRO, C. Halitose Diagnóstico b)Halimetria Breath – alert: positivo em cruzes

37 NIGRO, C. Halitose Diagnóstico c)Sialometria Tubo de látex de 1cm mastigado por 5min, deposita-se a saliva produzida neste período num frasco e mede-se com seringa 5ml Normal: 1,5 a 2,5ml / min Intermediário: 1 a 1,5ml / min Baixo: <1ml / min A estimulação com pilocarpina pode duplicar ou triplicar.

38 NIGRO, C. Halitose Diagnóstico d)Teste de BANA Tem por finalidade identificar 3 microorganismos anaeróbios G-: Porphyromonas gingivalis, Bacteróides forsythus, Treponema denticola; produzem arginina hidrolase que destrói colágeno e periodonto. Teste simples, rápido, barato e prático. Pacientes fumantes, HIV+, obesos, dislipidêmicos, diabéticos e hipertensos são mais propensos.

39 NIGRO, C. Halitose Tratamento a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores

40 NIGRO, C. Halitose Tratamento a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores Escovação, dentes e língua; fio dentalEscovação, dentes e língua; fio dental DentaduraDentadura Anti-sépticos com álcool costumam descamaçãoAnti-sépticos com álcool costumam descamação Anti-sépticos com dióxido de cloro (forma precursora: clorito ou clorato de sódio) + ZnAnti-sépticos com dióxido de cloro (forma precursora: clorito ou clorato de sódio) + Zn

41 NIGRO, C. Halitose Tratamento b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal

42 NIGRO, C. Halitose Tratamento c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo Balas lisas e azedasBalas lisas e azedas Tabletes de fosfato de cálcioTabletes de fosfato de cálcio PilocarpinaPilocarpina

43 NIGRO, C. Halitose Tratamento d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação DM, usuários de hipotenssores, Parkinson, anti-histamínicos, indivíduo sem glândulas, RTDM, usuários de hipotenssores, Parkinson, anti-histamínicos, indivíduo sem glândulas, RT

44 NIGRO, C. Halitose Tratamento e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial Evitar alimentos gordurosos e de cheiro forteEvitar alimentos gordurosos e de cheiro forte Evitar chá mate e preto; café após meio-diaEvitar chá mate e preto; café após meio-dia Evitar fumo e pouco álcoolEvitar fumo e pouco álcool Leite semi-desnatadoLeite semi-desnatado Queijo branco ou ricota (amarelo tem gordura)Queijo branco ou ricota (amarelo tem gordura) Carne magra grelhada ou cozidaCarne magra grelhada ou cozida Frutas cítricasFrutas cítricas Alimentos que limpam a língua: maçã, laranja, abacaxi, cenouraAlimentos que limpam a língua: maçã, laranja, abacaxi, cenoura Ameixa tipo umebochiAmeixa tipo umebochi Cristais de gengibreCristais de gengibre 1,5 litro de água/dia1,5 litro de água/dia

45 NIGRO, C. Halitose Tratamento f)Medicamentos g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta Vitamina A e DVitamina A e D CalmantesCalmantes H 2 O 2H 2 O 2 MetronidazolMetronidazol

46 NIGRO, C. Halitose Tratamento g)Florais de Bach h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos Crab Apple: para mania de limpeza, pessoa que se acha sujaCrab Apple: para mania de limpeza, pessoa que se acha suja Walnut: para facilitar as mudanças na percepção da vidaWalnut: para facilitar as mudanças na percepção da vida

47 NIGRO, C. Halitose Tratamento h)Mascaradores a)Higiene bucal b)Tratamento dentário profilático e curativo c) salivação d)Saliva artificial e)Dieta f)Medicamentos g)Florais de Bach Mascaradores: goma de mascar sem açúcar, mascara e salivaçãoMascaradores: goma de mascar sem açúcar, mascara e salivação

48 NIGRO, C.


Carregar ppt "NIGRO, C.. Halitose Mau hálito é um sintoma ou um sinal clínico. Costuma provocar: inibição, restrição social, insegurança; em alguns casos neurose por."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google