A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Padrões, calibradores e amostras controle. Padrões Primários Obtidos de produtos químicos altamente purificados que podem ser pesados ou medidos diretamente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Padrões, calibradores e amostras controle. Padrões Primários Obtidos de produtos químicos altamente purificados que podem ser pesados ou medidos diretamente."— Transcrição da apresentação:

1 Padrões, calibradores e amostras controle

2 Padrões Primários Obtidos de produtos químicos altamente purificados que podem ser pesados ou medidos diretamente Obtidos de produtos químicos altamente purificados que podem ser pesados ou medidos diretamente Solução cuja concentração seja conhecida de maneira exata

3 Padrões primários A solução é geralmente aquosa; A solução é geralmente aquosa; Alto grau de pureza: 99,98% Alto grau de pureza: 99,98% Alta estabilidade: não podem decompor com aquecimento e não podem ser higroscópicos; Alta estabilidade: não podem decompor com aquecimento e não podem ser higroscópicos; Composição definida; Composição definida; Usados para calibração de métodos. Usados para calibração de métodos.

4 Padrões secundários São preparados a partir de padrões primários; São preparados a partir de padrões primários; Sua concentração é obtida através de métodos calibrados com um padrão primário. Sua concentração é obtida através de métodos calibrados com um padrão primário. Laboratórios clínicos: Padrões de Referência Certificados (SRMs) do National Institute of Standards and Technology (NIST). Laboratórios clínicos: Padrões de Referência Certificados (SRMs) do National Institute of Standards and Technology (NIST).

5 Calibradores protéicos Possuem uma matriz protéica e a concentração dos analitos é conhecida e definida. Possuem uma matriz protéica e a concentração dos analitos é conhecida e definida. São padrões secundários; São padrões secundários; Limitações matriz protéica respostas diferentes em diferentes métodos. Limitações matriz protéica respostas diferentes em diferentes métodos. O ideal é usar soros frescos congelados e padronizados (materiais mais próximos química e fisicamente dos soros de pacientes) O ideal é usar soros frescos congelados e padronizados (materiais mais próximos química e fisicamente dos soros de pacientes)

6 Amostras controle Empregadas exclusivamente para fins de Controle da Qualidade e não devem ser usadas para calibração. Empregadas exclusivamente para fins de Controle da Qualidade e não devem ser usadas para calibração. Não possuem concentração de analitos exatamente conhecida média e faixa de variação permitida. Não possuem concentração de analitos exatamente conhecida média e faixa de variação permitida. Servem para monitorar a precisão através da reprodutibilidade das leituras. Servem para monitorar a precisão através da reprodutibilidade das leituras. BPLC o ideal é que o laboratório trabalhe com 2 controles em níveis diferentes de concentração (normal e patológico). BPLC o ideal é que o laboratório trabalhe com 2 controles em níveis diferentes de concentração (normal e patológico).

7 Amostras controle Disponíveis nas formas liofilizada ou congelada. Disponíveis nas formas liofilizada ou congelada. Limitações: efeito da matriz respostas diferentes para os diversos métodos de ensaio. Limitações: efeito da matriz respostas diferentes para os diversos métodos de ensaio.

8 Água reagente no laboratório clínico Água de grau reagente (água pura); Água de grau reagente (água pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente).

9 Especificações da NCCLS para água com grau reagente Tipo I Tipo IIa Tipo IIb Tipo III Bactérias (UFC/mL) (UFC/mL)< pHNDNDNM5,0-8,0 Condutividade(Megaohm/cm)101,01,00,1 Silicatos – mg/L 0,050,10,11,0 Partículas <0,02 µm NDNDND Substânciasorgânicas ~ 0 NDNDND

10 Parâmetros estabelecidos 1. UFC/mL: usar cultura quantitativa 2. pH: potenciômetro ou tiras 3. Condutividade: condutivímetro 4. Silicatos: fazer prova em branco para dosagem do fósforo; 5. Partículas: filtrar em poro 0,2 µm 6. Substâncias orgânicas: avaliar redução do permanganato; não armazenar a água purificada.

11 Aplicações da água de grau reagente Tipo I Tipo IIa Tipo IIb Tipo III Dosagem de traços de elementos Enzimologia Testes gerais de laboratório Corantes e colorações Preparação de meios de cultura Testes que requeiram máxima precisão e exatidão Microbiologia (sistemas não esterilizados) Limpeza geral da vidraria Preparação de calibradores e controles Reagentes sem preservativos Procedimentos qualitativos

12 Procedimentos para preparação da água com grau reagente 1. Filtração: Pré-filtros: algodão ou vidro, removem 98% das partículas Pré-filtros: algodão ou vidro, removem 98% das partículas Carvão ativado: remoção de matéria orgânica e cloro Carvão ativado: remoção de matéria orgânica e cloro Filtro sub-mícron: último estágio do sistema de purificação. Remove todas as partículas ou microrganismos maiores que 0,2 µm. Filtro sub-mícron: último estágio do sistema de purificação. Remove todas as partículas ou microrganismos maiores que 0,2 µm.

13 Procedimentos para preparação da água com grau reagente 2. Destilação: Remoção de impurezas não voláteis; Remoção de impurezas não voláteis; Ebulição vigorosa origina contaminação do destilado com sódio, potássio, manganês, sulfatos, carbonatos. Ebulição vigorosa origina contaminação do destilado com sódio, potássio, manganês, sulfatos, carbonatos. Grande gasto de energia Grande gasto de energia

14

15 Procedimentos para preparação da água com grau reagente 3. Deionização Remoção dos sais ionizados por meio de troca iônica. Remoção dos sais ionizados por meio de troca iônica. Baixo custo de manutenção e pouco consumo de energia elétrica. Baixo custo de manutenção e pouco consumo de energia elétrica. As colunas de troca iônica podem ser regeneradas. As colunas de troca iônica podem ser regeneradas.

16

17 As colunas podem conter trocadores de cátions, de ânions ou ambos (Resina Trocadora de Leito Misto). As colunas podem conter trocadores de cátions, de ânions ou ambos (Resina Trocadora de Leito Misto). Reação típica da resina trocadora de cátions (RSO 3 )H + Na + (RSO 3 )Na + H + Reação típica da resina trocadora de ânions: (RNR 3 )OH + Cl - (RNR 3 )Cl + OH -

18 Procedimentos para preparação da água com grau reagente 4. Osmose Reversa Consiste na passagem da água por uma membrana filtro molecular. Remoção de 95 a 97% das substâncias orgânicas, bactérias e outras substâncias particuladas. Remoção de 90 a 97% dos minerais dissolvidos e ionizados.

19 Eficiência dos Processos de Purificação da Água SólidosIonizados Gases Ionizados Matéria Orgânica BactériasPartículas DestilaçãoE/BPBEE DeionizaçãoEEPPP OsmoseReversaBPBEE CarvãoativadoPPE/BPP E = Excelente B = Bom P = Pobre

20 Sistema eficiente e de baixo custo para uso no LAC 1. Filtro inicial para reter partículas e bactéria; 2. Filtro de carvão ativado para eliminar matéria orgânica; 3. Sistema deionizador de leito misto para reter íons.

21 Recipientes para depositar água reagente Metálicos: aço, titânio ou pintura metálica. Cuidado para que não haja transferência de traços de metal para a água. Não metálicos: polipropileno, polietileno, fluoropolímeros (Teflon® ), e mais comumente, o PVC®. O NCCLS não recomenda depositar água reagente tipo I ou II, em frascos de PVC. Traços de contaminantes orgânicos e metálicos são extraídos pela água do PVC. É recomendado utilizar frascos de fluoropolímeros. O NCCLS não recomenda depositar água reagente tipo I ou II, em frascos de PVC. Traços de contaminantes orgânicos e metálicos são extraídos pela água do PVC. É recomendado utilizar frascos de fluoropolímeros. De vidros: são inaceitáveis para estocar água reagente, pois transferem traços de chumbo, boro, sódio, arsênico e sílica, para a água reagente depositada. Nenhuma água reagente deve permanecer muito tempo estocada, pois todos os recipientes tendem a transferir algo para a mesma e causar contaminação bacteriana. De vidros: são inaceitáveis para estocar água reagente, pois transferem traços de chumbo, boro, sódio, arsênico e sílica, para a água reagente depositada. Nenhuma água reagente deve permanecer muito tempo estocada, pois todos os recipientes tendem a transferir algo para a mesma e causar contaminação bacteriana.

22 Controle de Qualidade da Água Reagente Cloro erros de até 25% na dosagem de cloretos. Cloro erros de até 25% na dosagem de cloretos. Metais ativam ou inibem várias reações e podem interferir nas dosagens enzimáticas ou nas reações que utilizam enzimas. Metais ativam ou inibem várias reações e podem interferir nas dosagens enzimáticas ou nas reações que utilizam enzimas. Na + (1mg/L) 4,3 mEq/L na dosagem do íon. Na + (1mg/L) 4,3 mEq/L na dosagem do íon. K + (1mg/L) 2,5 mEq/L na dosagem do íon. K + (1mg/L) 2,5 mEq/L na dosagem do íon.

23 Controle de Qualidade da Água Reagente - Determinação da resistividade ou condutância: diariamente. - Teste de esterilidade, com contagem de colônias: semanalmente (água tipo I). - Determinação do pH a 25° C: quando necessário. Contaminação com matéria orgânica ou bactérias: alcalinidade da água. - Determinação da contaminação por substâncias orgânicas: quando necessário. - Determinação da sílica solúvel, como SiO 2: quando necessário. - Determinação da resistividade ou condutância: diariamente. - Teste de esterilidade, com contagem de colônias: semanalmente (água tipo I). - Determinação do pH a 25° C: quando necessário. Contaminação com matéria orgânica ou bactérias: alcalinidade da água. - Determinação da contaminação por substâncias orgânicas: quando necessário. - Determinação da sílica solúvel, como SiO 2: quando necessário.

24 Controle de Qualidade da Água Reagente os registros que devem ser realizados com referência ao controle da qualidade da água reagente, assim como a periodicidade dos mesmos. os registros que devem ser realizados com referência ao controle da qualidade da água reagente, assim como a periodicidade dos mesmos.

25 Água Mili-Q Sistema de ultrapurificação de água (Milipore®) Sistema de ultrapurificação de água (Milipore®) Compõe-se de uma série de estágios de purificação: Compõe-se de uma série de estágios de purificação: Contaminantes orgânicos fotooxidação (irradiando-se a água com luz UV) formação de O 3 a partir do O 2 dissolvido oxidação de compostos orgânicos dissolvidos, convertendo-os CO 2 o qual juntamente com ácido carbônico, íons carbonato e bicarbonato é removido por resinas de troca iônica, também existentes no sistema. Água tipo I Gera OH - Destruição de DNA (remoção de bactérias)

26 Água Mili-Q Espectrometria Absorção atómica Emissão atómica. Voltametria. Monit. TOC HPLC, IC, GC, Análise de TOC, Electroforese capilar, Toxicologia Monit. TOC Culturas de células vegetais, Electroforese Monit. TOC Culturas de células animais e vegetais, Genómica, Proteómica. Monit. TOC Analise elementar de traços (PPT, PPQ) ICP-MS, Monit. TOC


Carregar ppt "Padrões, calibradores e amostras controle. Padrões Primários Obtidos de produtos químicos altamente purificados que podem ser pesados ou medidos diretamente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google