A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Everton da Silva Correa 1. https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea 2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Everton da Silva Correa 1. https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea 2."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Everton da Silva Correa 1

2 https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea 2

3 Antes de abordar o conhecimento verdadeiro, Bacon e Descartes examinaram exaustivamente as causas e as formas do erro, inaugurando um estilo filosófico que permanecerá na filosofia, isto é, a análise das causas e formas dos nossos preconceitos. 3

4 Queria libertar a filosofia das garras da escolástica e lançá-la no caminho das luzes, fazendo crescer o bem estar da humanidade. 4

5 Bacon elaborou uma teoria conhecida como a crítica dos ídolos. De acordo com Bacon, existem quatro tipos de ídolos ou de imagens que formam opiniões cristalizadas e preconceitos, que impedem o conhecimento verdadeiro: 1. Ídolos da caverna; 2. Ídolos do fórum; 3. Ídolos do teatro; 4. Ídolos da tribo. 5

6 A palavra ídolo vem do grego eidolon e significa imagem. Kiss (ou KISS) é uma banda de hard rock dos Estados Unidos, formada em Nova York em

7 (a caverna de que fala Bacon é a do Mito da Caverna, de Platão): as opiniões que se formam em nós por erros e defeitos de nossos órgãos dos sentidos. São os mais fáceis de serem corrigidos por nosso intelecto; 7

8 (o fórum era o lugar das discussões e dos debates públicos na Roma antiga): são as opiniões que se formam em nós como consequência da linguagem e de nossas relações com os outros. São difíceis de serem vencidos, mas o intelecto tem poder sobre eles; 8

9 (o teatro é o lugar em que ficamos passivos, onde somos apenas espectadores e receptores de mensagens): são as opiniões formadas em nós em decorrência dos poderes das autoridades que nos impõem seus pontos de vista e os transformam em decretos e leis inquestionáveis. Só podem ser desfeitos se houver uma mudança social e política; 9

10 (a tribo é um agrupamento humano em que todos possuem a mesma origem, o mesmo destino, as mesmas características e os mesmos comportamentos): são as opiniões que se formam em nós em decorrência da natureza humana. São próprios da espécie humana e só podem ser vencidos se houver uma reforma da própria natureza humana. 10

11 A demolição dos ídolos é, portanto, uma reforma do intelecto, dos conhecimentos e da sociedade. Para os dois primeiros, Bacon propõe a instauração de um método, definido como o modo seguro de aplicar a razão à experiência, isto é, de aplicar o pensamento lógico aos dados oferecidos pelo conhecimento sensível. O método deve tornar possível: 11

12 Organizar e controlar os dados recebidos da experiência sensível, graças a procedimentos adequados de observação e de experimentação; 12

13 Organizar e controlar os resultados observacionais e experimentais para chegar a conhecimentos novos ou à formulação de teorias verdadeiras; 13

14 Desenvolver procedimentos adequados para a aplicação prática dos resultados teóricos, pois para ele o homem é ministro da natureza e, se souber conhecê-la (obedecer-lhe, diz Bacon), poderá comandá-la. O método, diz Bacon, é o modo seguro e certo de aplicar a razão à experiência, isto é, de aplicar o conhecimento verdadeiro aos dados oferecidos pelo conhecimento sensível. 14

15 Bacon acreditava que o avanço dos conhecimentos e das técnicas, as mudanças sociais e políticas e o desenvolvimento das ciências e da filosofia proporcionariam uma grande reforma do conhecimento humano, que seria também uma grande reforma da vida humana. Tanto assim que, ao lado de suas obras filosóficas, escreveu uma obra filosófico-política, a Nova Atlântida, na qual descreve e narra uma sociedade ideal e perfeita, nascida do conhecimento verdadeiro e do desenvolvimento das técnicas. 15

16 A proposição Penso, logo existo é a primeira e mais certa que se apresenta àquele que conduz seus pensamentos com ordem. 16

17 Descartes localiza a origem do erro em duas atitudes que chamou de atitudes infantis ou preconceitos da infância: 1. A prevenção; 2. A precipitação. 17

18 A prevenção, que é a facilidade com que nosso espírito se deixa levar pelas opiniões e ideias alheias, sem se preocupar em verificar se são ou não verdadeiras. São as opiniões que se cristalizam em nós na forma de preconceitos (colocados em nós por pais, professores, livros, autoridades) e que escravizam nosso pensamento, impedindo-nos de pensar e de investigar. 18

19 A precipitação, que é a facilidade e a velocidade com que nossa vontade nos faz emitir juízos sobre as coisas antes de verificarmos se nossas ideias são ou não são verdadeiras. São opiniões que emitimos em consequência de nossa vontade ser mais forte e poderosa que nossa intelecto. Originam-se no conhecimento sensível, na imaginação, na linguagem e na memória. 19

20 Essas duas atitudes indicam que, para Descartes, o erro situa- se no conhecimento sensível, de maneira que o conhecimento verdadeiro é puramente intelectual, ou seja, fundado apenas nas operações de nosso intelecto ou entendimento e tem como ponto de partida as ideias inatas. Descartes está convencido de que é possível vencer os defeitos no conhecimento por meio de uma reforma do entendimento e das ciências. Essa reforma deve ser feita pelo sujeito do conhecimento quando este compreende a necessidade de encontrar fundamentos seguros para o saber e se, para tanto, instituir um método: 20

21 1. Assegurar a reforma do intelecto para que este siga o caminho seguro da verdade (portanto, afastar a prevenção e a precipitação); 2. Oferecer procedimentos pelos quais a razão possa controlar-se a si mesma durante o processo de conhecimento sabendo que caminho percorrer e sabendo reconhecer se um resultado obtido é verdadeiro ou não; 21

22 3. Permitir a ampliação ou o aumento dos conhecimentos graças a procedimento seguros que permitam passar do já conhecido ao desconhecido; 4. Oferecer os meios para que os novos conhecimentos possam ser aplicados, pois o saber deve, no dizer de Descartes, tornar o homem senhor da natureza. 22

23 Feitas as críticas à autoridade das escolas e dos livros, da tradição e dos preconceitos, o sujeito do conhecimento descobre-se como uma consciência que parece não poder contar com o auxilio do mundo para guiá-lo, desconfia dos conhecimentos sensíveis e dos conhecimentos herdados. Está só. Sua solidão torna indispensável um método que possa guiar o pensamento em direção aos conhecimentos verdadeiros e distingui-los dos falsos. Eis por que Descartes escreve Discurso do método e Regras para a direção do espírito. Sobre o método, diz ele, na regra IV das Regras: 23

24 Por método, entendo regras certas e fáceis, graças às quais todos os que as observem exatamente jamais tomarão como verdadeiro aquilo que é falso e chegarão, sem se cansar com esforços inúteis e aumentando progressivamente sua Ciência, ao conhecimento verdadeiro de tudo o que lhes é possível esperar. Descartes, portanto, define o método como um conjunto de regras cujas características principais são três: 24

25 1. Certas (o método dá segurança ao pensamento); 2. Fáceis (o método evita complicações e esforços inúteis); 3. Amplas (o método deve permitir que se alcance todos os conhecimentos possíveis para o entendimento humano). 25

26 1. Regra da evidência; 2. Regra da divisão; 3. Regra da ordem; 4. Regra da enumeração. 26

27 Só admitir como verdadeiro um conhecimento evidente, isto é, no qual e sobre o qual não caiba a menor dúvida. Para isso Descartes criou um procedimento, a dúvida metódica, pelo qual o sujeito do conhecimento, analisando cada um de seus conhecimentos, conhece e avalia as fontes e as causas de cada um, a forma e o conteúdo de cada um, a falsidade e a verdade de cada um e encontra meios para livrar-se de tudo quanto seja duvidoso perante o pensamento; 27

28 Para conhecermos realidades complexas precisamos dividir as dificuldades e os problemas em suas parcelas mais simples, examinando cada uma delas em conformidade com a regra da evidência; 28

29 Os pensamentos devem ser ordenados em séries que vão dos mais simples aos mais complexos, dos mais fáceis aos mais difíceis, pois a ordem consiste em distribuir os conhecimentos de tal maneira que possamos passar do conhecido ao desconhecido; 29

30 A cada conhecimento novo obtido, fazer a revisão completa dos passos dados, dos resultados parciais e dos encadeamentos que permitiram chegar ao novo conhecimento. 30

31 Fac-símile da capa da obra Discurso do método, de Descartes, publicada em

32 A teoria do conhecimento de John Locke 32


Carregar ppt "Prof. Everton da Silva Correa 1. https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea 2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google