A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GUIA DE CONSULTA RÁPIDA NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames Alunos com Necessidades Educativas Especiais JNE/2014.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GUIA DE CONSULTA RÁPIDA NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames Alunos com Necessidades Educativas Especiais JNE/2014."— Transcrição da apresentação:

1 GUIA DE CONSULTA RÁPIDA NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames Alunos com Necessidades Educativas Especiais JNE/2014

2 Alunos abrangidos pelo DecretoLei n.º 3/2008, 7 de janeiro

3 Autorização das condições especiais IMPORTANTE: OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DEVEM AUTORIZAR AS CONDIÇÕES ESPECIAIS PROPOSTAS Alunos com Currículo Específico Individual estão dispensados da realização de provas finais / exames ENSINO BÁSICO Responsabilidade do diretor da escola ENSINO SECUNDÁRIO Responsabilidade do presidente do JNE

4 Procedimentos ( alunos do 4º / 6º e 9º anos) - O Diretor de turma (DT) formaliza ao diretor uma proposta; - Após análise da proposta, o Diretor da escola introduz na plataforma entre 10 e 24 de março. O QUÊ? - Dados do aluno - Caracterização das suas necessidades educativas - As condições especiais que vai autorizar. - Imprimir requerimento/despacho e assiná-lo - Inserir na plataforma os documentos digitalizados: 1- Requerimento/despacho devidamente assinado 2- Programa Educativo Individual 3- Despachos de autorização concedidos em anos anteriores (Ensino Básico) 4- Informação Prova-final a nível de escola /disciplina quando for autorizada esta condição especial 5 – Relatório atualizado de médico ou psicólogo 6- Outros documentos importantes para avaliar a deficiência 7- Ficha B (para alunos disléxicos)

5 Procedimentos ( alunos do ensino secundário) - Prazo de inscrição: 10 a 19 de março - O Diretor de turma (DT) formaliza ao diretor uma proposta; - O Diretor introduz na plataforma entre 10 e 24 de março. O QUÊ? - Dados do aluno - Caracterização das suas necessidades educativas - As condições especiais que vai autorizar. - O Presidente do JNE analisa e decide; - Imprimir requerimento/despacho - Inserir na plataforma os documentos digitalizados: 1- Requerimento/despacho devidamente assinado 2- Boletim de inscrição 3- Cartão de cidadão ou Bilhete de identidade 4- Registo biográfico 5- Outros espachos de autorização concedidos em anos anteriores (Ensino Básico e secundário) 6- Programa Educativo Individual 7- Informação Prova-final a nível de escola /disciplina quando for autorizada esta condição especial 8 – Relatório atualizado de médico ou psicólogo 9- Outros documentos importantes para avaliar a deficiência 10- Ficha B (para alunos disléxicos)

6 DEVE FICAR NA POSSE DO DIRETOR: - O despacho de autorização ( que no final do período de exames deve ser colocado no processo individual do aluno) - O PEI do aluno - A ata do conselho de turma / docentes onde foi formalizada a proposta

7 Provas finais a nível de escola Quem pode realizar? EM CASOS EXCECIONAIS, alunos cegos, com baixa visão, surdos severos ou profundos, com limitações motoras severas, com limitações do domínio cognitivo ou com limitações do domínio emocional e da personalidade, se necessitarem de alterações nos instrumentos de avaliação ao nível da estrutura e na tipologia e formulação dos itens da prova.

8 4º / 6º / 9º anos As provas a nível de escola devem respeitas as adequações no processo de avaliação implementados. Ensino secundário Para alunos que apenas pretendam a obtenção de diploma de conclusão do ensino secundário: - Podem realizar, assim se justifique, os exames finais a nível de escola a todas as disciplinas. Para alunos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior : - Devem realizar os exames finais nacionais nas disciplinas que queiram eleger como prova de ingresso para candidatura ao ensino superior, podendo realizar exame a nível de escola a todas as outras disciplinas.

9 Informação prova-final a nível de escola O diretor assegura a equipa que elabora este documento: 2 professores da disciplina- sendo um deles designado coordenador 1 professor de educação especial O Conselho Pedagógico aprova a estrutura, cotações e respetivos critérios de classificação, de acordo com o PEI. Os critérios específicos de classificação devem, APÓS A REALIZAÇÃO DA PROVA, ser afixados em lugar público na escola.

10 Duração prova-final a nível de escola Ensino Básico - 90m - Evitar a necessidade de tolerância. No entanto, quando absolutamente necessário, pode ser autorizada - Excecionalmente (em caso de esforço físico que leve a fadiga) realizar a prova em mais do que um momento (EX: 45m+45 ou 30m+30m+30m) no mesmo dia ou em dia diferentes ( no caso do 1º e 2º ciclos- entre 19 e 21 de maio; no caso do 3º ciclo- entre 17 e 23 de junho) Ensino Secundário - Duração regulamentar para os correspondentes exames (90m, 120m ou 150m) - Evitar a necessidade de tolerância. No entanto, quando absolutamente necessário, pode ser autorizada - Excecionalmente (quando absolutamente necessário) pode ser autorizada a tolerância para além dos 90, 120 ou 150 m, adequando às necessidades do aluno.

11 Alunos com dislexia - Devem estar ao abrigo do decreto-lei nº3/2008, de 7 de janeiro - Dislexia diagnosticada e confirmada no 1.º ciclo ou até ao final do 2.º ciclo do ensino básico - Os alunos do 9º, 11º e 12º ano devem ter usufruído ao longo do 3º ciclo/secundário de apoio pedagógico personalizado e/ou tecnologias de apoio constantes do PEI - Preenchimento da Ficha B (Levantamento das dificuldades específicas do aluno relativamente à dislexia) é o instrumento interno para registo das dificuldades do aluno, faz parte do seu processo de apoio educativo e funciona apenas como documento de suporte ao preenchimento da Ficha A (Apoio para classificação de provas de exame nos casos de dislexia). Esta última deve acompanhar obrigatoriamente cada prova final de ciclo ou exame, para efeitos de não penalização da sua classificação. N ã o podem de forma alguma realizar provas finais a n í vel de escola!!

12 De que condições especiais de realização de provas ou exames pode, então, usufruir um aluno com necessidades educativas especiais de carácter permanente? Dado o caráter específico de cada problemática, recomendamos a consulta direta do documento (NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/ Alunos com Necessidades Educativas Especiais- ENSINO BÁSICO | ENSINO SECUNDÁRIO) da página 21 à 26.

13 ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS (Alunos não abrangidos pelo DecretoLei n.º 3/2008, 7 de janeiro)

14 Podem usufruir de condições especiais sempre que a não aplicação destas condicione a realização das provas finais de ciclo, dos exames finais nacionais e das provas de equivalência à frequência nas mesmas condições dos restantes examinandos ou a sua classificação pelos professores classificadores - ex: défice de atenção; motricidade fina limitada; disgrafia; hiperatividade; epilepsia; diabetes e outras situações clínicas, bem como impedimentos físicos temporários (ex: fratura de braço; acidentes; etc.).

15 ENSINO BÁSICO - O professor titular de turma/diretor de turma formaliza uma proposta de aplicação de condições específicas e entrega ao diretor; - Estas situações serão objeto de análise e decisão casuística por parte do diretor da escola; Os requerimentos de condições especiais são formalizados pelo diretor da escola diretamente na plataforma online do Júri Nacional de Exames (entre 10 e 24 de março) O QUÊ? - Dados do aluno - Caracterização das suas necessidades educativas - As condições especiais que vai autorizar. - Imprimir requerimento/despacho e assiná-lo onde consta:. a designação do agrupamento de escolas ou escola não agrupada. dados do aluno. caracterização das necessidades educativas do aluno. condições especiais a requerer para realização das provas do ensino básico. parecer do professor titular de turma ou diretor de turma. parecer do diretor de escola. assinatura do encarregado de educação. despacho de autorização do diretor da escola.

16 - Inserir na plataforma os documentos digitalizados: 1- requerimento com o Despacho de Autorização do diretor da escola devidamente assinado por todos os intervenientes; 2- relatório técnico pedagógico, caso conste do processo do aluno, ou relatório pedagógico da responsabilidade do professor titular de turma/diretor de turma do aluno; 3- despacho de autorização de condições especiais concedidas em anos anteriores relativas ao ensino básico; 4- relatório atualizado de médico da especialidade ou de diagnóstico psicológico; 5- outros documentos considerados úteis para avaliação das necessidades educativas do aluno.

17 ENSINO SECUNDÁRIO - Após o prazo de inscrição (10 a 19 de março), o professor titular de turma/diretor de turma formaliza uma proposta de aplicação de condições específicas e entrega ao diretor; - Estas situações serão objeto de análise e decisão casuística por parte do Presidente do JNE; - Os requerimentos de condições especiais são formalizados pelo diretor da escola diretamente na plataforma online do Júri Nacional de Exames (entre 10 e 24 de março) O QUÊ? - Dados do aluno - Caracterização das suas necessidades educativas - As condições especiais de exame apresentadas pelo diretor de turma. - Imprimir requerimento/despacho e assiná-lo onde consta:. a designação do agrupamento de escolas ou escola não agrupada. dados do aluno. caracterização das necessidades educativas do aluno. condições especiais a requerer para realização das provas do ensino secundário. parecer do diretor de turma. parecer do diretor de escola. assinatura do encarregado de educação

18 - Inserir na plataforma os documentos digitalizados: 1- requerimento de condições especiais de exame, com os pareceres do diretor de turma e do diretor de escola e devidamente assinado por todos os intervenientes; 2- boletim de inscrição nos exames; 3- cartão de cidadão/bilhete de identidade; 4- registo biográfico; 5- despacho de autorização do Presidente do JNE/diretor da escola de condições especiais concedidas em anos anteriores relativas ao ensino básico ou ao ensino secundário; 6- relatório técnico pedagógico, caso conste do processo do aluno, ou relatório pedagógico da responsabilidade do professor titular de turma/diretor de turma do aluno; 7- relatório atualizado de médico da especialidade ou de diagnóstico psicológico; 8- outros documentos considerados úteis para avaliação das necessidades educativas do aluno.

19 Associadas ou isoladamente, desde que autorizadas: - ditar as respostas das provas de exame a um professor vigilante; - reescrita das provas de exame por um professor; - tomar medicamentos durante a realização das provas de exame; - ingerir alimentos durante a realização das provas de exame; - realização das prova de exame em sala à parte; - utilização de equipamento ergonómico. - apenas podem usufruir da tolerância de trinta minutos concedida às provas finais de ciclo do ensino básico ou aos exames finais nacionais do ensino secundário, ao abrigo do disposto no n.º 26 do Despacho n.º 3597 A/2014, salvaguardando a exceção aplicada aos alunos diabéticos (VER PÁG. 53) EXEMPLO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS QUE PODEM USUFRUIR:

20 DEVE FICAR NA POSSE DO DIRETOR: - O despacho de autorização ( que no final do período de exames deve ser colocado no processo individual do aluno) - Relatório pedagógico da responsabilidade do professor titular de turma ou do diretor de turma do aluno - A ata do conselho de turma / docentes onde foi formalizada a proposta

21 Alunos com necessidades especiais de saúde, decorrentes de situações clinicamente muito graves ENSINO BÁSICO - Situações confirmadas pelos serviços de saúde, que decorram no período imediatamente anterior ou no período de realização das provas finais de ciclo, podem, sob proposta do diretor da escola, ser dispensados da realização dos mesmos, após despacho favorável do Presidente do JNE. - O diretor da escola deve remeter ao Presidente do JNE um processo do aluno com a seguinte documentação em suporte de papel:. cópia autenticada do cartão de cidadão/bilhete de identidade e do registo biográfico. relatório pedagógico elaborado pelo diretor de turma. relatórios médicos dos serviços de saúde e outros documentos clínicos úteis para análise da situação. cópia do programa educativo individual, caso exista - o diretor da escola deve dar conhecimento ao encarregado de educação do teor do despacho de autorização do Presidente do JNE.

22 ENSINO SECUNDÁRIO - Situações devidamente confirmadas pelos serviços de saúde, que decorram no período imediatamente anterior ao da realização dos exames finais nacionais (ex: doença oncológica) - o encarregado de educação pode requerer ao diretor da escola, com a antecedência possível, condições especiais para a realização das provas de exame. - o diretor da escola deve remeter ao Presidente do JNE um processo doaluno com a seguinte documentação em suporte em papel:. requerimento do encarregado de educação. atestado médico. cópias do cartão de cidadão/bilhete de identidade, boletim de inscrição nos exames. indicação das condições especiais de exame adequadas à situação clínica do aluno. - O despacho de autorização do Presidente do JNE é comunicado à escola. Em caso de deferimento, há indicação expressa das medidas especiais a adotar. Do teor do despacho deverá a escola dar conhecimento imediato ao encarregado de educação ou ao aluno, quando maior. Nestas situações não há recurso ao registo de dados na plataforma online.

23 Impedimentos físicos temporários (ex: fratura de braços ou dedos que impossibilitam a escrita) - O encarregado de educação pode requerer ao diretor da escola, com a antecedência possível, condições especiais para a realização das provas de exame, apresentando atestado médico com a indicação do problema clínico do aluno e a previsão do tempo durante o qual se manterá incapacitado. Nestas situações não há recurso ao registo de dados na plataforma online

24 ENSINO BÁSICO o diretor da escola analisa a situação apresentada e, em caso de deferimento, autoriza as condições especiais que permitam ao aluno realizar as provas finais de ciclo na 1.ª ou na 2.ª fase, nomeadamente:. realizar as prova finais de ciclo numa sala à parte, separado dos restantes alunos;. ditar as respostas às questões das provas a um dos professores vigilantes;. utilizar o computador para realizar a prova, caso esta medida seja conveniente;. ajuda de um professor para manuseamento do material autorizado nas Informações Provas finais da responsabilidade do IAVE,I.P.;. atribuir tolerância de tempo, de acordo com o despacho. - O despacho de autorização do diretor da escola com indicação expressa das medidas especiais a adotar, é comunicado ao encarregado de educação.

25 ENSINO SECUNDÁRIO O diretor da escola deve remeter ao Presidente do JNE os documentos relativos ao aluno em suporte de papel:. requerimento do encarregado de educação. atestado médico. cópias do cartão de cidadão/bilhete de identidade. boletim de inscrição nos exames,. indicação de propostas alternativas para a prestação das provas de exame (ex: ditar as respostas a um professor vigilante, tolerância suplementar, utilização de tecnologias de apoio). - O despacho de autorização do Presidente do JNE é comunicado à escola. Em caso de deferimento, há indicação expressa das medidas especiais a adotar. Do teor do despacho deverá a escola dar conhecimento imediato ao encarregado de educaçãoou ao aluno, quando maior.

26 DatasProcedimentos 10 a 19 de março - Prazo de inscrição nos exames (Ensino secundário). 10 a 24 de março - O diretor submete na plataforma online o requerimento das condições especiais Até à 2ª semana de abril - O diretor comunica ao responsável do agrupamento de exames o número de provas finais a nível de escola do 1º e 2º ciclos. Até 22 de abril - Divulgação junto dos Encarregados de Educação e alunos do 1º e 2º ciclos que realizam prova final a nível de escola, dos documentos informação prova-final a nível de escola Até 16 de maio - Divulgação junto dos Encarregados de Educação e alunos do 3º ciclo e secundário que realizam prova final a nível de escola, dos documentos informação prova-final a nível de escola Até à 1ª semana de junho - O diretor comunica ao responsável do agrupamento de exames o número de provas finais a nível de escola do 3º ciclo e de exames a nível de escola do ensino secundário.

27 Datas de realização de provas finais e exames

28

29

30


Carregar ppt "GUIA DE CONSULTA RÁPIDA NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames Alunos com Necessidades Educativas Especiais JNE/2014."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google