A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sumário: A educação antes da sociologia: pensar a educação antes de Durkheim. Estado-nação e sistema nacional de ensino. A educação como bem semi-público.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sumário: A educação antes da sociologia: pensar a educação antes de Durkheim. Estado-nação e sistema nacional de ensino. A educação como bem semi-público."— Transcrição da apresentação:

1 Sumário: A educação antes da sociologia: pensar a educação antes de Durkheim. Estado-nação e sistema nacional de ensino. A educação como bem semi-público

2 … cada sociedade, considerada num dado momento de seu desenvolvimento, possui um sistema de educação que se impõe aos indivíduos com uma força geralmente irresistível. É inútil acreditar que podemos educar nossos filhos como nós queremos. Existem costumes a que nos temos de conformar, se os levamos a sério demais, eles vingam-se nossos filhos. (...) Para definir educação, é necessário, portanto, considerar os sistemas educativos que existem ou existiram, aproximá-los e destacar as características que lhes são comuns. A reunião dessas características constituirá a definição que procuramos. (...) Hoje ainda, não será evidente que a educação varia de acordo com as classes sociais, ou mesmo com os habitats? Que a da cidade não é a do campo, que a da burguesia não é a do operário

3 Decorre desses fatos que cada sociedade tem um certo ideal do homem, do que deve ser intelectual, física e moralmente; que esse ideal é, até certo ponto, o mesmo para todos cidadãos; que a partir de um certo ponto ele se diferencia de acordo com os ambientes específicos que qualquer sociedade integra no seu seio. É este ideal, na sua unidade e diversidade, que é o centro de educação.

4 Uma vez que a educação é uma função essencialmente social, o Estado não pode desinteressar-se dela. Pelo contrário, tudo o que seja educação deve ser, de alguma forma, submetido à sua ação. Não quero dizer com isto que deva necessariamente monopolizar o ensino. (…) Pode entender-se que os progressos escolares são mais fáceis e mais rápidos onde seja deixada alguma margem às iniciativas individuais; porque o indivíduo é mais facilmente inovador do que o Estado. Mas se o Estado deve, no interesse público, deixar abrir outras escolas para além daquelas de que é directamente responsável, não quer dizer que deva manter- se alheio ao que aí se passa. Pelo contrário, a educação que aí é ministrada deve manter-se submetida ao seu controlo.

5 Nada é mais falso e enganador do que a concepção epicuriana da educação, a concepção de um Montaigne, por exemplo, segundo a qual o homem pode formar-se brincando e sem outro estímulo além da atracão do prazer. (…) Para aprender a conter o seu egoísmo natural, a subordinar-se a fins mais elevados, a submeter os seus desejos ao domínio da vontade, a contê-los dentro de limites justos, é preciso que a criança exerça sobre si própria uma forte contenção. Ora, nós não nos constrangemos, não nos violentamos, a não ser por uma ou outra destas razões: porque é preciso por uma necessidade física, ou porque o devemos fazer moralmente.

6 Se o governo se decidir a exigir para cada criança uma boa educação, pode poupar-se à dificuldade de providenciar uma. Pode deixar aos pais a responsabilidade de obter a educação onde e como quiserem, e limitar-se a si próprio a ajudar a pagar a escola às crianças das classes mais pobres, e custear as despesas escolares inteiras de quem não tem mais ninguém para pagar por elas. As objeções que são invocadas com razão contra a educação do Estado, não se aplicam à obrigatoriedade imposta pelo Estado, mas tão só contra a sua administração directa: que é uma coisa totalmente diferente.


Carregar ppt "Sumário: A educação antes da sociologia: pensar a educação antes de Durkheim. Estado-nação e sistema nacional de ensino. A educação como bem semi-público."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google