A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

P ROJETO DE I NFRA - ESTRUTURA DE T ECNOLOGIAS PARA W EB Profa. Ms. Sandra Regina Costa FAntinato.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "P ROJETO DE I NFRA - ESTRUTURA DE T ECNOLOGIAS PARA W EB Profa. Ms. Sandra Regina Costa FAntinato."— Transcrição da apresentação:

1 P ROJETO DE I NFRA - ESTRUTURA DE T ECNOLOGIAS PARA W EB Profa. Ms. Sandra Regina Costa FAntinato

2 A decisão de quanto investir e qual tipo de infra- estrutura determinada empresa necessita é uma escolha estratégica decisiva para as empresas. Para Weill & Broadbent (2000), a infra-estrutura de TI é a base da capacidade da tecnologia de informação, tida como serviços confiáveis compartilhados pela empresa e coordenados centralmente, geralmente pelo grupo de sistemas de informação. O desafio para as empresas é saber qual conjunto de serviços de infra-estrutura são apropriados para seu contexto estratégico.

3 T ECNOLOGIAS WWW

4 INFRA-ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO Servidor Web Informação e Dados Disponibilizados REDE PÚBLICA INTERNET PROVEDOR Clientes

5 APLICAÇÕES Publicação de Informações Estáticas Dinâmicas: integração com banco de dados Groupware Correio eletrônico, videoconferência, chat Automação de processos ( workflow ) Transações Financeiras Bancárias Comerciais

6 APLICAÇÕES WEB O termo Aplicações Web abrange um amplo espectro de sistemas construídos para serem acessados via Web: Informacional : provê conteúdo apenas de leitura, com navegação e links simples; Download : permite que seus usuários baixem informações do servidor apropriado; Interação : provê serviços de comunicação entre uma comunidade de usuários via salas de bate-papo, mensagens instantâneas etc; Sistema de Informação Web : sistema de informação disponível na Web ; Portal : ponto de entrada geral, de um tema específico ou de uma organização, provendo acesso a diversos serviços; etc.

7 P OR QUE WWW? Software do cliente gratuito. Fácil implantação e atualização. Tecnologia evolutiva, baseada em objetos incorporados. A tecnologia é quase padronizada e quase não- proprietária. A mesma informação pode ser disponibilizada no meio interno e externo. Infra-estrutura de comunicação gratuita, de alcance global. CUSTOCUSTO TECNOLOGIATECNOLOGIA INTEGRAÇÃOINTEGRAÇÃO

8 MIGRAÇÃO DE APLICATIVOS E SISTEMAS anos 70 anos 80 anos 90 MainFrame aplicações + dados Cliente - Servidor aplicações e dados separados Intranet interfaces homogêneas e Integração de Redes DownSizing Browsers + Objetos

9 WWW: INTERFACE UNIVERSAL PARA DADOS E APLICAÇÕES Informações Aplicações WWW

10 OS OBJETIVOS EMPRESARIAIS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Excelência operacional. Novos produtos, serviços e modelos de negócios Relacionamento mais estreito com clientes e fornecedores Melhor tomada de decisão Vantagem competitiva Sobrevivência

11 EXCELÊNCIA OPERACIONAL Ex. Wall-Mart conecta dgitalmente fornecedores a cada uma das lojas espalhadas ao redor do mundo. Assim que um cliente compra um artigo, o fornecedor fica sabendo que deve enviar a reposião do mesmo na prateleira.

12 N OVOS PRODUTOS, SERVIÇOS E MODELOS DE NEGÓCIO : Os sistemas e as tecnologias de informação permitem que as empresas criem novos produtos, serviços e modelos de negócio Um modelo de negócios inclui como uma empresa produz, entrega e vende seus produtos e serviços A indústria de música testemunhou mudanças drásticas nos modelos de negócio nos anos recentes A Apple tem sido muito bem-sucedida em introduzir novos produtos e adotar um novo modelo de negócio (cd, fitas cassete por iPod e vídeo iPod.

13 R ELACIONAMENTO MAIS ESTREITO COM FORNECEDORES E CLIENTES : Clientes bem atendidos são clientes fiéis, que comprarão mais Relacionamentos mais estreitos com fornecedores resultam em custos mais baixos O Mandarin Oriental em Manhattan usa sistemas e tecnologias de informação para estimular um relacionamento estreito com seus clientes, incluindo monitorar suas preferências. Por ex.: qual é a temperatura preferida do cliente no quarto, programas de TV favoritos. Todos os dado são organizados em um servidor central e são controlados objetivando realizar mudanças automáticas de acordo com o perfil do cliente cadastrado. A JCPenney usa sistemas de informação para aumentar seu relacionametno com seu fornecedor de Hong Kong. O estoque de camisas da Penney chega praticamente a zero, assim como o custo de estoca-lo.

14 MELHOR TOMADA DE DECISÃO: O resultado final de uma empresa pode ser comprometido por gerentes sobrecarregados de dados inoportunos ou inúteis, o que os obriga a trabalhar com suposições. Dados em tempo real melhoram a capacidade de os gerentes tomarem decisões

15 V ANTAGEM COMPETITIVA : Alcançar os objetivos empresariais que acabamos de mencionar em geral leva a vantagem competitiva Vantagens sobre os concorrentes incluem: cobrar menos por produtos superiores, melhor desempenho e melhor resposta a clientes e fornecedores A Dell Computer é um dos melhores exemplos de estabelecimento de vantagem competitiva à medida que continua sendo lucrativa durante um período em que os preços do PC vêm caindo constantemente. Montagem de PC customizados de acordo com a necessidade do cliente.

16 SOBREVIVÊNCIA As empresas talvez precisem investir em sistemas de informação porque eles se tornaram imprescindíveis à prática do negócio. Por ex. Depois que o Citibank introduziu os primeiros caixas eletrônicos em 1977, para atrair clientes, seus concorrentes correram para oferecer o serviço também. Hoje todos os bancos oferecem esse serviço que tornou-se imprescindível.

17 COMPREENDENDO OS SI: A ABORDAGEM DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Poucos problemas empresariais são simples ou fáceis de compreender Muitos problemas empresariais envolvem um conjunto de fatores que podem ser categorizados como: organizacionais, tecnológicos e humanos

18 UM MODELO PARA O PROCESSO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Identificação do problema Identificação do problema Propostas de solução Propostas de solução Escolha Escolha Implementação Implementação A resolução de problemas é um processo, não um evento. Não deve-se encarar um problema como um evento que termina. Ex. As novas variedades de vírus de computador obrigam os programas antivírus a evoluir continuamente. A resolução de problemas é um processo, não um evento. Não deve-se encarar um problema como um evento que termina. Ex. As novas variedades de vírus de computador obrigam os programas antivírus a evoluir continuamente. O processo é contínuo o evento é isolado. O processo é contínuo o evento é isolado.

19 A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS É UM PROCESSO CONTÍNUO DE QUATRO PASSOS Durante e depois da implantação, o resultado precisa ser continuamente medido, e os solucionadores de problemas devem procurar saber em que medida a solução está funcionando. Desse modo, a identificação do problema pode mudar ao longo do tempo, as soluções podem ser alteradas e novas escolhas podem ser feitas, tudo com base na experiência.

20 O PAPEL DO SENSO CRÍTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Quatro elementos do senso crítico: Manter uma postura questionadora e adiar o julgamento Ter consciência das diferentes perspectivas Testar as alternativas e deixar que a experiência dite as regras Ter consciência dos limites organizacionais e humanos

21 UM ALTO EXECUTIVO DE INFORMAÇÕES COLOCA OS NEGÓCIOS ANTES DA TECNOLOGIA Leia a seção Pessoas em Destaque e então discuta as seguintes questões: Quais são os problemas e desafios enfrentados pela Sonic? Como ela está tentando superá-los? Quais são as soluções disponíveis? O CIO Mitchell Gregory é um bom solucionador de problemas para a empresa? Por quê?

22 E STUDO DE CASO : S ONIC C ORPORATION Visite o site da Sonic em Como o site da Sonic melhora o seu negócio? Quem é o público-alvo do site? Há mais de um público-alvo? O que tornaria o site melhor? Como o site da Sonic se compara aos de seus concorrentes, tais como McDonalds, Burger King, Wendys, Checkers e Jack in the Box?

23 O PAPEL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM UMA EMPRESA Os sistemas de informação se relacionam aos seguintes objetivos empresariais: Alcançar excelência operacional Desenvolver novos produtos e serviços Desenvolver relacionamento estreito e serviço ao consumidor Melhorar a tomada de decisão Promover vantagens competitivas Assegurar a sobrevivência

24 I NTRANETS E E XTRANETS Plataformas tecnológicas que aumentam a integração e aceleram o fluxo de informação Intranets: redes internas baseadas em padrões Internet Extranets: intranets que são estendidas para uso externo autorizado As intranets geralmente utilizam um portal As extranets facilitam a colaboração

25 E-B USINESS, E-C OMMERCE E E- G OVERNMENT E-business refere-se ao uso de tecnologia digital e Internet para orientar os principais processos empresariais E-commerce é um conjunto do E-Business que consiste em comprar e vender mercadorias e serviços pela Internet E-government refere-se ao uso da tecnologia Internet para entregar informação e serviços aos cidadãos, empregadores e empresas

26 O COMÉRCIO ELETRÔNICO HOJE Comércio eletrônico (e-commerce): uso da Internet e da Web para conduzir negócios; transações comerciais realizadas digitalmente Começou em 1995 e cresceu exponencialmente; continua crescendo a uma taxa annual de 25 por cento Empresas que sobreviveram ao estouro da bolha ponto- com e agora prosperam A revolução do comércio eletrônico ainda está em seus estágios iniciais

27 O CRESCIMENTO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO O faturamento do varejo eletrônico vem crescendo exponencialmente desde 1995 e apenas recentemente desacelerou para um crescimento anual, ainda muito rápido, de 25 por cento, taxa que provavelmente permanecerá até 2008.

28 POR QUE O COMÉRCIO ELETRÔNICO É DIFERENTE Ubiqüidade (marketplace, custos de transação) Alcance global Padrões universais (custos de entrada no mercado, custos de busca) Interatividade Densidade da informação (transparência de preços, transparência de custos, discriminação de preços) Personalização/Customização

29 PERSONALIZAÇÃO DO SITE As empresas podem criar páginas Web exclusivas e personalizadas que apresentam conteúdo ou anúncios de produtos e serviços de especial interesse para clientes individuais, aprimorando a experiência deles e criando valor adicional.

30 Simetria da informação Custos de menu Determinação dinâmica de preços Desintermediação CONCEITOS-CHAVE NO COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS E MERCADORIAS DIGITAIS

31 Mercadorias digitais: fornecidas através de uma rede digital Modelos de negócios de Internet Comunicação e comunidade (banners de propaganda, anúncios pop-up, redes de relacionamento social) Conteúdo digital, entretenimento e serviços

32 CATEGORIAS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Comércio eletrônico empresa-consumidor (B2C) Comércio eletrônico empresa-empresa (B2B) Comércio eletrônico consumidor-consumidor (C2C) Comércio móvel (m-commerce)

33 CONQUISTANDO INTIMIDADE COM O CLIENTE: MARKETING INTERATIVO, PERSONALIZAÇÃO E AUTO-ATENDIMENTO Marketing interativo e personalização Rastreamento de cliques Filtragem colaborativa Blogs Auto-atendimento do cliente

34 COMÉRCIO ELETRÔNICO EMPRESA- EMPRESA: NOVOS RELACIONAMENTOS E EFICIÊNCIAS Troca Eletrônica de Dados (EDI) Procurement/E-procurement ( é uma aplicação Web, e permite que os compradores gerenciem suas compras e otimizem seu tempo na redução operacional em relação aos sistemas de cotações convencionais.) Redes setoriais privadas Bolsas privadas E-marketplaces Bolsas

35 TIPOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO ELETRÔNICO Sistemas digitais de pagamento por cartão de crédito Carteiras digitais Micropagamento Sistemas de pagamento digital de saldo devedor acumulado Sistemas de pagamento de valor pré-armazenado Dinheiro digital Sistemas peer-to-peer (P2P) Cheques digitais Sistemas eletrônicos de apresentação e pagamento de faturas

36 SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO DO CLIENTE BASEADOS NA WEB Interatividade e personalização Intensidade da informação Sistemas de apoio à decisão do cliente (SADC) dão apoio ao processo de decisão de um cliente existente ou potencial Mecanismos de busca, agentes inteligentes, catálogos on-line, diretórios Web, grupos de discussão, etc.

37 ) TROCA ELETRÔNICA DE DADOS (EDI) As empresas usam a EDI para automatizar transações de comércio eletrônico B2B e para reposição contínua de estoque. Os fornecedores podem enviar automaticamente dados sobre encomendas às empresas compradoras. Estas, por sua vez, podem usar a EDI para transmitir aos fornecedores dados de pagamento e solicitações de estoque e produção.

38 SERVIÇOS E APLICAÇÕES DE M- COMMERCE MOBILE Pagamento de contas móvel Conteúdo e produtos Serviços bancários e financeiros Publicidade sem fio Serviços baseados em localização Jogos e entretenimento

39 I NTERATIVIDADE : M-C OMMERCE Que tipos de serviços de m-commerce seu provedor de telefonia celular oferece? Quais desses serviços você utiliza? Que tipos de transações você realiza através de seu telefone celular ou outro dispositivo sem fio? Que tipos de transações você gostaria de realizar, mas não estão atualmente disponíveis? Qual é sua opinião a respeito da publicidade sem fio e do marketing móvel?

40 D ESAFIOS DO M- COMMERCE Inconveniência de teclados e telas Velocidades de transferência de dados Custos Memória e bateria limitada Conteúdo

41 PERSONALIZAÇÃO PARA O CLIENTE GRAÇAS À UBIQÜIDADE DA INTERNET Empresas podem usar equipamentos móveis sem fio para entregar novos serviços de valor agregado diretamente a clientes a qualquer hora e lugar, ampliando a personalização e aprofundando seus relacionamentos.


Carregar ppt "P ROJETO DE I NFRA - ESTRUTURA DE T ECNOLOGIAS PARA W EB Profa. Ms. Sandra Regina Costa FAntinato."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google