A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula VI – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula VI – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."— Transcrição da apresentação:

1 Aula VI – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I

2 Pesquisa bibliográfica ou documental; Estudo de caso; Observação Direta; Observação Participante; Pesquisa Participante; Grupos Focais. Delineamentos de pesquisa sem intervenção 2Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Produz uma intervenção, de fato. Mas esta intervenção é de natureza diferente da pesquisa experimental que analisamos antes.

3 Acontece quando o pesquisador apenas observa in loco o que acontece, sem participar dos eventos que observa. Observação direta de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Importante: na observação direta o pesquisador não é parte do grupo pesquisado e não participa das atividades do grupo. Como o nome diz, o pesquisador apenas observa o grupo estudado, interagindo o mínimo possível de modo a não interferir no comportamento do grupo

4 Pode ser um delineamento em si ou pode ser parte de uma estratégia de pesquisa mais ampla: por exemplo, pode ser parte de um estudo de caso ou de uma pesquisa etnográfica. Observação Direta (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Exemplo: um sociólogo de um Instituto de Pesquisas vai estudar os processos de tomada de decisão em uma reunião do Conselho de Classe da Escola O Sociólogo não é um professor e não vivencia a escola como os professores fazem. O Sociólogo não pode ter a percepção de determinado evento da mesma forma como os professores que participaram deste evento ou que dele tomaram conhecimento.

5 O pesquisador tem uma matriz cultural diferente do grupo analisado. Observação Direta (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Os juízos do pesquisador são sempre externos ao universo cultural dos pesquisados.

6 A exemplo de outros delineamentos, o papel do pesquisador é fundamental na observação direta: –O pesquisador quer ser confundido com o ruído de fundo tanto quanto isso seja possível; –O pesquisador não deve se envolver com disputas ou emitir opinião alguma sobre os temas desenvolvidos no ambiente observado; –O pesquisador busca tanto evidências objetivas e subjetivas; –O registro das visitas deve ser feito tão logo as visitas sejam concluídas; –As visitas devem durar em torno de duas horas. Observação Direta (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

7 Observação Direta (cont.) – Um pressuposto implícito de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O observador e o objeto observado podem ser isolados um do outro. Pressuposto da objetividade do observador.

8 Intermezzo – O Positivismo de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Evolução da Humanidade Fase Teológica: Fase Metafísica: Fase científica: Fase do mito e da religião. foco na causa dos eventos, filosófica. Busca relações entre eventos.

9 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Homem de Ciência Fase científica Estado racional Distribuição de riqueza Comandada organiza Faz a Ordem Social Ordem mantida Propriedade Privada se justifica

10 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Homem Positivo Formado Religião da Humanidade Reforma intelectual

11 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Ciência Positiva Instrumento Análise Controle Ver para prever! Ciência principal Sociologia Positiva Dinâmica Estática Processo dentro da ordem Ordem

12 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O cientista positivo Objeto Objetivo Relações Distinto Busca É É

13 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS A grande pergunta: O distanciamento entre o pesquisador e o objeto da pesquisa é possível em Ciências Sociais?

14 Intermezzo – O Positivismo (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

15 O pesquisador é alguém do grupo que participa do processo e o estuda ao mesmo tempo: o pesquisador e o objeto da pesquisa se confundem. Observação participante de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS A matriz cultural do pesquisador é a mesma do grupo pesquisado. A visão da pesquisa é interna. O grupo objeto da pesquisa não participa do processo de pesquisa:o pesquisador decide a questão da pesquisa e sua metodologia.

16 Observação Participante(cont.) – um exemplo de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Exemplo: um professor da escola decide estudar os processos de tomada de decisão em uma reunião do Conselho de Classe da Escola na qual trabalha. O professor vivencia a escola como os outros professores fazem. O professor pode ter a percepção de determinado evento da mesma forma como os outros professores que participaram deste evento ou que dele tomaram conhecimento.

17 Observação participante (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Questões metodológicas Questão: o pesquisador pode ser objetivo em sua análise? Não há levantamento de hipóteses a priori. Os registros de campo são a principal fonte de evidências do observador. O pesquisador não tem um roteiro prévio de observação.

18 Observação Participante (cont.) – Validade e generalização. de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Questões metodológicas Questões de validade. Objetivação no processo de análise das evidências. Questões de generalização

19 É a descrição pormenorizada dos acontecimentos presenciados pelo pesquisador em suas vivência da situação analisada. Novamente, as regras gerais para o estudo de caso se aplicam: Observação Participante (cont.) – Relatório de Campo 19 Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS É descritivo. É produzido imediatamente após os acontecimentos vivenciados pelo pesquisador. Traz os comentários do pesquisador e suas impressões. Cada dia de observação produz um relatório de campo.

20 É o relato da observação; Tem caráter de síntese; É interpretativo; É baseado nos Relatórios de Campo; Descreve a metodologia de observação; Descreve a metodologia de análise dos dados. Observação Participante (cont.) – Relatório de Observação de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

21 Pesquisa Etnográfica de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS 1.O pesquisador não pertence ao grupo que participa do processo de pesquisa; 2.O pesquisador convive grande parte do tempo com o grupo que estuda; 3.O pesquisador vive da maneira que o grupo estudado vive ao mesmo tempo. A matriz cultural do pesquisador não é a mesma do grupo pesquisado. A visão da pesquisa é externa. O grupo objeto da pesquisa não participa do processo de pesquisa:o pesquisador decide a questão da pesquisa e sua metodologia.

22 Pesquisa Etnográfica (cont.) – um exemplo de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Exemplo: um professor da escola decide estudar os processos de criação de links afetivos entre crianças de escolas de assentamento e a escola. O professor passa a viver entre os assentados, produzindo com eles e observando o comportamento do grupo. O professor não pode ter a percepção de determinado evento da mesma forma como os assentados que participaram deste evento ou que dele tomaram conhecimento.

23 Pesquisa Etnográfica (cont.) – Metodologia de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Metodologia Pesquisador Instrumento de coleta de dados Registros dos dados Diário de Campo Interpretativa Tipo de análise dos dados

24 Pesquisa Etnográfica (cont.) – Relatório de Campo 24 Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS É descritivo. É produzido imediatamente após os acontecimentos vivenciados pelo pesquisador. Traz os comentários do pesquisador e suas impressões. Cada dia de observação produz um relatório de campo. Relatório de campo. É a descrição pormenorizada dos acontecimentos presenciados pelo pesquisador em suas vivência da situação analisada. Relatório de campo.

25 Pesquisa Participante – Possíveis definições de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Pesquisa da ação voltada para as necessidades de populações que compreendem operários, camponeses, agricultores e índios, as classes mais carentes nas estruturas sociais contemporâneas, levando-se em conta suas aspirações e potencialidades de conhecer e agir. É a metodologia que procura incentivar o desenvolvimento autônomo (autoconfiante), a partir das bases e de uma relativa independência do exterior.

26 Pesquisa Participante – Possíveis definições de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS... é um modo de pesquisa social mediante o qual se busca a plena participação da comunidade na análise de sua própria realidade, com o objetivo de promover a transformação social para o benefício dos participantes da pesquisa. Estes são os oprimidos, marginalizados e explorados. Esta atividade é, portanto, atividade educativa de pesquisa e ação social.

27 Diferenças em relação à pesquisa tradicional de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS A quantificação não é o único caminho para o conhecimento e a Ciência; Não há dissociação entre pesquisador– objeto da pesquisa: produção coletiva do conhecimento; É uma ação orientada para projetos de transformação social; É um processo político localizado; A produção do conhecimento gera consciência sobre a realidade.

28 Pesquisa Participante e ideologia de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Ideologia: certa forma de representar a realidade por meio de um conjunto de ideias Abstração da realidade Caráter político Modelo de mundo Está a serviço de um grupo Ocultações são tão importantes quanto explicitações Versão incompleta da realidade

29 Pesquisa Participante e ideologia (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Mecanismos ideológicos Mecanismos ideológicos Aparelhos Ideológicos do Estado Aparelhos Repressores do Estado Função doutrinária Ex.: Escola Função repressora de contramanifestações Ex.: Aparato policial

30 Pesquisa participante e ideologia (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Explicitação da ideologia Implícita: aparece nos usos dos resultados. Pesquisa participante Pesquisa tradicional (de cunho positivista) Explícita: parte do próprio processo.

31 Na Pesquisa Participante o pesquisador contribui com sua competência técnica. Pesquisa Participante – O papel do pesquisador de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O grupo define a pesquisa A divulgação dos resultados A execução O problema de pesquisa A metodologia

32 Pesquisa Participante - Metodologia de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Metodologia Montagem Institucional e Metodológica Montagem Institucional e Metodológica Estudo preliminar da população e da região Estudo preliminar da população e da região Análise Crítica dos problemas considerados prioritários Programação e aplicação de um plano de ação.

33 Participação a partir da devolução da informação; Participação a partir da coleta de dados; Participação plena – Tema escolhido pelo especialista; Participação plena – Tema escolhido pela comunidade; Participação na investigação a partir da ação educativa Pesquisa Participante - Tipologia de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

34 Observação Direta, Observação Participante, Pesquisa Etnográfica e Pesquisa Participante – Críticas de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Viés devido ao pesquisador Falta de base para generalizar Extensão no tempo Há modos de verificar a confiabilidade Idem Outros estudos de caso ou outros tipos de pesquisa podem ajudar a generalizar. Há modos de diminuir o tempo necessário. Temos os mesmos problemas e virtudes de outros delineamentos não intervencionistas. Há modos de diminuir o tempo necessário.

35 de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Use múltiplas fontes de evidências Forme uma cadeia de evidências Construa uma base de dados Permite o cruzamento de dados Sistematização e reprodutibilidade Hipóteses apoiadas em evidências prévias Observação Direta, Observação Participante e Pesquisa Etnográfica – Com as mesmas soluções

36 O caráter participante é local; Dependência do grau de motivação, nível de comprometimento da comunidade e das possibilidades políticas do contexto da pesquisa. Pesquisa Participante – Críticas particulares de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

37 de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Pesquisa Participante Intencionalidade de transformação política Pesquisa ação Compromisso com a transformação social Pesquisa ação: pesquisa como ferramenta de transformação

38 38Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

39 O pesquisador discute o projeto de pesquisa com a comunidade: Montagem Institucional e Metodológica de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Quais os objetivos da pesquisa? Quais hipóteses e métodos serão utilizados? Que conceitos serão abordados? Qual a delimitação geográfica e temporal da pesquisa? Quais instituições e grupos participarão da pesquisa? Quem cumprirá cada tarefa? Como as decisões serão tomadas?

40 As características da população são analisadas: Estudo Preliminar de Metodologia da Pesquisa – Aula 6 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Quais as necessidades da população? Quais os problemas que a população enfrenta? Quais os dados socioeconômicos daquele grupo? Quais as categorias de análise? Devolução dos primeiros resultados ao grupo.


Carregar ppt "Aula VI – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google