A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula V – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula V – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."— Transcrição da apresentação:

1 Aula V – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I

2 Pesquisa bibliográfica ou documental; Estudo de caso; Observação Direta; Observação Participante; Pesquisa Participante; Pesquisa Ação; Grupos Focais. Delineamentos de pesquisa sem intervenção 2Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS São diferentes, tecnicamente. Contudo, usaremos estes dois termos como sinônimos. Produzem uma intervenção, de fato. Mas esta intervenção é de natureza diferente da pesquisa experimental que analisamos antes. Não abordaremos aqui.

3 Pode ser realizada como um fim em si mesma. Exemplo: como o ensino de ciências foi introduzido na educação pública de MS? Pode ser a primeira fase de um trabalho de pesquisa. Neste caso, o pesquisador busca o estado da arte no campo. Exemplo: um pesquisador da área de informática no ensino de Ciências analisa os trabalhos que já foram publicados sobre o uso de computadores no ensino de Física. Pesquisa bibliográfica 3Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

4 Pesquisa bibliográfica (cont.) 4Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS É uma pesquisa baseada em documentos. Textos administrativos: memorandos, ofícios, relatórios, etc. Textos legais: leis, decretos, instruções normativas, etc. Textos produzidos pelos sujeitos da pesquisa: cartas, diários, manifestos, etc. Fontes primárias Fontes secundárias Relatos de observadores Comentadores Livros, artigos científicos, anais de encontros científicos, comunicações privadas.

5 Seleção dos documentos e do escopo da pesquisa:  Primeiro momento: selecionar um conjunto de palavras- chave que servirão de marcadores para a procura. Somente documentos nos quais as palavras-chave aparecem em algum campo predeterminado serão analisados.  Segundo momento: selecionar o âmbito da pesquisa, definindo quais documentos serão pesquisados.  Terceiro momento: obtenção dos documentos que atendam aos critérios de busca. Pesquisa bibliográfica (cont.) 5Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

6 Análise dos documentos  Primeiro momento: leitura dos documentos obtidos.  Segundo momento: fichamento do documento Pesquisa bibliográfica (cont.) 6Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Sugestões Utilize o sistema de indexação bibliográfica do seu editor de texto. Utilize um banco de dados eletrônico em vez de papel Nunca deixe para fazer o fichamento mais tarde!

7 Dados do fichamento para documentos científicos: –Título do documento; –Autores do documento; –Local de publicação do documento (quem publicou, meio de divulgação, dados do meio de divulgação, etc.); –Data de publicação do documento; –Resumo do documento: assunto sobre o qual o documento trata, hipóteses de trabalho, modelo utilizado, metodologia do trabalho, principais conclusões do trabalho; –Sua opinião sobre o trabalho e de como este trabalho se relaciona com seu próprio trabalho e com outros que foram analisados. Pesquisa bibliográfica (cont.) de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

8 Pesquisa bibliográfica (cont.) - Relato de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Crônica: relatamos quem fez o que. Sintética: analisamos por assunto, resumindo o que aprendemos em nossas leituras. Mais simples e mais rápida. Nos fornece uma visão sistêmica do assunto. Tipos de relatos

9 O pesquisador estuda os eventos nos locais em que eles acontecem, mas não intervém no ambiente, ou o faz minimamente. Delineamentos empíricos sem intervenção 9Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Estamos interessados na situação tal como ela é.

10 Delineamentos de pesquisa sem intervenção 10Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Uma questão importante: até que ponto o pesquisador perturba o ambiente? O pesquisador não tem o direito de trabalhar escondido.

11 Um pesquisador está interessado em descobrir porque uma escola obtém altos índices de sucesso nos exames nacionais em Matemática enquanto todas as outras escolas da região obtêm escores abaixo do valor médio do exame. Um exemplo 11Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

12 Neste tipo de pesquisa, estudamos um caso dentre um conjunto, tentando identificar quais fatores levam ao evento observado. Estudo de Caso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Exemplo: queremos identificar os fatores da violência nas escolas públicas e escolhemos uma delas para estudar. No estudo de caso o pesquisador não intervém de forma alguma no ambiente que está estudando. O caso não é uma amostra.

13 O estudo de caso abre mão da generalização a uma população; O estudo de caso é descritivo; O estudo de caso é usado para levantar hipóteses; O estudo de caso é holístico, ou seja, procura entender o evento na sua totalidade. Estudo de Caso (cont.) – Características gerais de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

14 Estudo de caso (cont.) – Tipologia I de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Dimensão: Compreensão buscada pelo pesquisador. Estudo de caso de tipo intrínseco. Estudo de caso de tipo Instrumental. Estudo de caso de tipo Coletivo: Quando queremos estudar o caso mesmo, buscando as causas do evento. Quando queremos validar alguma teoria ou elementos para validar outros casos. Quando analisamos vários casos buscando regularidades em alguma variável.

15 Estudo de Caso (cont.) – Tipologia II de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Dimensão: natureza do estudo de caso. Estudo de Caso único Estudo de Caso múltiplo Indução Analítica Biografia Observacional Histórico Comunitário Microetnografia Situacional Comparação Constante Evolução de uma Instituição Usa observação participante ou pesquisa etnográfica Baseado em depoimento de um sujeito Estuda uma comunidade Estuda o evento na perspectiva de quem dele participou Pequenas unidades dentro de uma unidade maior Busca elementos para desenvolver conceitos mais abstratos Usado para gerar teorias

16 Estudo de Caso (cont.) - Etapas de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Etapas do estudo de caso Definição do caso (unidade de análise) e do conjunto de casos. Definição das variáveis que definem o caso. Ter uma questão de pesquisa do tipo como ou por quê. Ir a campo e analisar o caso escolhido. Elaborar o Relatório de Estudo de Caso. Definir o Referencial Teórico da pesquisa. Definir o processo de coleta de dados.

17 Documento que registra os procedimentos e as regras gerais seguidas pelo pesquisador ao longo de um estudo de caso. Estudo de Caso - Protocolo de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Visão Geral do projeto Descrição do processo de coleta de dados Questões diretoras da pesquisa Formato do Relatório Final

18 Estudo de Caso (cont.) – Características do pesquisador de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O pesquisador Bom formulador de questões Livre de preconceitos Ser adaptativo Ser flexível Conhecer o assunto Ter coragem de mudar Bom ouvinte

19 Não grave as visitas. Use sua memória para registrar fatos e percepções; Registre mentalmente todos os eventos que passam pela sua percepção; Tenha uma postura neutra: – Não emita sinais de aprovação ou desaprovação ao que é observado; –Não tome partido em disputas dentro do ambiente que está sendo observado. Estudo de Caso (cont.) – Postura do pesquisador de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

20 Estudo de Caso (cont.) - Fontes de evidência de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Fontes de evidência Documentos Registros em arquivos Observações in loco Entrevistas

21 Estudo de Caso (cont.) – Princípios de Análise de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Use múltiplas fontes de evidências Forme uma cadeia de evidências Construa uma base de dados Permite o cruzamento de dados Sistematização e reprodutibilidade Hipóteses apoiadas em evidências prévias

22 Estudo de Caso (cont.) – Relatório de Campo de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS É descritivo. É produzido imediatamente após a visita. Traz os comentários do pesquisador e suas impressões. Cada visita produz um relatório de campo. Relatório de Campo É a descrição pormenorizada dos acontecimentos presenciados pelo pesquisador em suas visitas.

23 Estudo de Caso (cont.) – Relatório Final de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Relatório do Estudo de Caso Definição do caso Descrição do contexto Justificativa e objetivos Identificação da estratégia geral Definição das unidades de análise Pressupostos teóricos Justificativa das inferências feitas Definição dos critérios de qualidade

24 Estudo de Caso (cont.) - Críticas de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

25 Para saber mais ( os arquivos se encontram na área de textos de apoio) de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Um artigo que analisa a pesquisa documental é Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D. e Guidani, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais I(I), Julho de Um trabalho que analisa o estudo de caso e seu uso é COUTINHO, C. P. e CHAVES, J. H.O estudo de caso na investigação em Tecnologia Educativa em Portugal. Revista Portuguesa de Educação 15(1), pp Ainda sobre estudo de caso o trabalho de ANDRÉ, E. D. A. Estudo de Caso: seu potencial na Educação. Cadernos de Pesquisa 49, p:51-54 continua atual. A “bíblia” sobre o estudo de caso é o texto YIN, R. K. Estudo de Caso - Planejamento e Métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, p. Outro texto de referência sobre a metodologia do estudo de caso é o texto de BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação – Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora LTDA, Coleção Ciências da Educação.

26 26Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 5 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS


Carregar ppt "Aula V – Delineamentos de Pesquisa Sem Intervenção Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google