A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS Roberta Fulco Calzavara.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS Roberta Fulco Calzavara."— Transcrição da apresentação:

1 OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS Roberta Fulco Calzavara

2 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011 Objetivo Análise, interpretação e utilização dos resultados do SEAPE 2011 para re(planejamento) das ações pedagógicas implementadas em sala de aula.

3 Interpretação pedagógica dos resultados 3º EF. Seção 3:

4 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011

5

6

7

8

9 Sua Escola

10 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011

11 Padrão de desempenhoInterpretação Nível de proficiência ABAIXO DO BÁSICO Os alunos do nível ABAIXO DO BÁSICO encontram-se abaixo do ponto 400 na escala de proficiência. Isso significa que esses alunos ainda não desenvolveram habilidades essenciais para que possam ser considerados alfabetizados. Em relação a C1, os alunos que se encontram em faixas de proficiência a partir de 250 pontos começam a desenvolver a habilidade de diferenciar letras de outros símbolos gráficos e, ao atingirem os 400 pontos, começam a desenvolver a habilidade de distinguir palavras escritas com diferentes tipos de letras, por exemplo, estabelecer correspondência entre uma mesma palavra escrita com letra de forma e escrita com letra cursiva. No que se refere à competência C2, esses alunos começam a desenvolver a habilidade de reconhecer que as direções da escrita: de cima para baixo e da esquerda para a direita. Já no que diz respeito a C3, destacam-se as habilidades de identificar sílaba inicial e final, que começam a se desenvolver a partir de 300 pontos. Em relação à leitura, os alunos apresentaram um desenvolvimento inicial da habilidade de ler palavras, a qual faz parte da competência C5, Leitura de palavras e pequenos textos. Até 400 pontos BÁSICO Alunos com desempenho compatível com o padrão BÁSICO apresentam níveis de proficiência que estão entre 400 e 450 pontos da escala. Esses alunos se encontram numa faixa na qual se pode afirmar que as habilidades referentes à alfabetização se encontram em processo de consolidação. Nessa faixa os alunos demonstram ter desenvolvido habilidades mais sofisticadas, relacionadas à C3, o que indicam que já têm uma maior percepção das relações entre fala e escrita. Vale notar que, apesar das limitações que esses alunos ainda apresentam com relação à leitura de pequenos textos, há ocorrências de uma habilidade da competência C7, Interpretação de informações implícitas em textos, que é mais complexa: a habilidade de inferir informações em textos, especificamente em textos não verbais, sobretudo em tirinhas. De 400 a 450

12 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011 ADEQUADO No padrão de desempenho ADEQUADO estão os alunos com níveis de proficiência entre 450 e 500pontos. Esses alunos ampliaram suas possibilidades de leitura, pois já leem frases, começando a interagir com estruturas sintáticas mais complexas. Quanto ao texto, iniciam-se as habilidades de leitura de textos curtos (especialmente de textos narrativos) de gêneros familiares, como, por exemplo, fragmentos de contos de fadas ou de contos modernos e de notícias. Esses avanços podem ser identificados, na escala, pelo avanço da competência 5 (C5): Leitura de palavras e pequenos textos. Há que se ressaltar também neste nível, que a competência C7, Interpretação de informações implícitas em textos, é ampliada, de forma que os alunos inferem informações não somente em textos não verbais, como também começam a inferir informações em textos verbais e, ainda, conseguem inferir o sentido de uma palavra ou expressão em um texto de vocabulário simples. É importante destacar que os alunos com este padrão de desempenho ainda apresentam dificuldade sem estabelecer relações entre partes de um texto, o que é indicado, na escala de proficiência, pela cor branca da competência C8: Coerência e coesão no processamento de textos. Quanto à competência C9, Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos, os alunos começam a desenvolver as habilidades de identificar textos de gêneros de maior circulação social, como uma receita culinária, a de identificar a finalidade de gêneros como placas de aviso. As habilidades desenvolvidas por alunos com desempenho ADEQUADO nos permitem afirmar que esses alunos podem ser considerados alfabetizados. É necessário, no entanto, destacar que essas habilidades precisam ser ampliadas para que ocorra a consolidação desse processo. 450 até 500

13 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011 AVANÇADO Os alunos com padrão de desempenho AVANÇADO situam-se a partir do ponto 500 da escala de proficiência. Neste nível, os alunos consolidaram a competência C3, Aquisição de consciência fonológica, de forma que já demonstram domínio de habilidades mais complexas como a de identificar sílaba inicial formada somente por vogal (sílaba V). As competências C6, Localização de informações explícitas em textos e C7, Interpretação de informações implícitas em textos, também se consolidam neste nível. Com relação a C6, os alunos conseguem localizar informações em frases e textos de gêneros diversos. Também identificam, com maior desenvoltura, elementos da narrativa como tempo, espaço, personagens e suas ações em contos de fadas, contos modernos, lendas e história em quadrinhos, por exemplo. Quanto à C7, os alunos deste nível são capazes de inferir informações e o sentido de palavras e expressões em textos de diferentes gêneros como propaganda, piada, tirinha, e campanha de utilidade pública. Demonstram domínio da habilidade de identificar assunto de frases e textos de gêneros diversos como verbete. É importante ressaltar que, apesar de as competências C8, Coerência e coesão no processamento de textos, ter se iniciado, ainda existe um longo caminho a ser percorrido para que esses alunos possam estabelecer, de forma competente, as relações entre partes de um texto. Esses alunos, por exemplo, já identificam relações de causalidade em textos que conjugam linguagem verbal e não verbal e em textos verbais curtos. Em relação à C9, Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos, os alunos que se encontram em níveis de proficiência entre 500 e 550 pontos demonstram ter desenvolvido habilidades mais sofisticadas a ela relacionadas, como a habilidade de identificar a finalidade de textos de gêneros menos familiares Pela caracterização realizada, observa-se que as crianças que apresentam esse padrão de desempenho superam o esperado para os alunos do 3º ano de escolaridade. Há que se atentar, no entanto, para o fato de que as habilidades de leitura de textos precisam ser ampliadas a fim de que as capacidades de leitura esperadas sejam apreendidas pelos alunos. Acima de 500 pontos

14 Interpretação pedagógica dos resultados 9º EF. Seção 4:

15 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011

16

17

18

19 Sua escola.

20

21 Interpretação pedagógica dos resultados 3º EM. Seção 4:

22 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011

23

24

25

26 Sua escola.

27 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011

28 9º ANO3ª SÉRIE ABAIXO DO BÁSICO 9EF: Até 200 3EM: Até 225 Neste padrão de desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas com textos do cotidiano, de estrutura simples e de temáticas que lhes são familiares. Eles localizam informações explícitas. Além disso, realizam inferências de informações, de efeito de sentido de palavra ou expressão, de efeito do emprego de pontuação e de efeitos de humor. Identificam, também, a finalidade desses textos. Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Na apropriação de elementos que estruturam o texto, manifestam-se operações de retomada de informações por meio de pronomes pessoais retos, por substituição lexical e por reconhecimento de relações lógico-discursivas no texto, marcadas por advérbios e locuções adverbiais e por marcadores de causa e consequência. No campo da variação linguística reconhecem expressões representativas da linguagem coloquial. Considerando as habilidades descritas, constata- se que esses estudantes, após nove anos de escolaridade apresentam lacunas no processo de desenvolvimento da competência leitora. Analisando-se as habilidades presentes neste padrão de desempenho, constata-se que os estudantes, cuja média de proficiência os posiciona neste padrão, ainda estão em processo de desenvolvimento de habilidades mais sofisticadas envolvidas na compreensão de textos. Com relação às operações inferenciais, esses estudantes depreendem informações implícitas, o sentido de palavras ou expressões, o efeito do uso de pontuação e de situações de humor. No que diz respeito ao tratamento das informações globais, eles identificam o assunto e interpretam textos que integram linguagem verbal e não-verbal, cuja temática se relaciona ao seu cotidiano. Neste padrão, os estudantes evidenciam indícios da apropriação de elementos que estruturam o texto, expressa pela retomada de informações por meio de pronomes pessoais retos, por substituição lexical e por reconhecimento de relações lógico-discursivas, indicadas por advérbios e locuções adverbiais e por marcadores de causa e consequência. Constata-se, também, que, em relação às informações da base textual, eles identificam elementos da estrutura narrativa e distinguem fato de opinião. No campo da variação linguística, identificam interlocutores por meio das marcas linguísticas. Percebe-se, ainda, que esses estudantes estão em contato mais intenso com eventos de letramento, pois conseguem identificar a finalidade de alguns textos que circulam em uma sociedade letrada. A habilidade mais complexa demonstrada pelos estudantes neste padrão é a capacidade de construir relações de intertextualidade, comparando textos que tratam do mesmo tema. Os estudantes que se restringiram a este padrão de desenvolvimento de habilidades, após 12 anos de escolaridade, estão muito aquém da competência leitora esperada. Seu desempenho corresponde ao que seria considerado adequado ao final de apenas cinco anos de sua escolaridade.

29 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011 BÁSICO 9EF: 200 até 250 3EM: 225 até 275 Os estudantes cujas médias de proficiência estão situadas neste padrão de desempenho ampliam suas habilidades de leitura, sendo capazes de interagir com textos de temática menos familiar e de estrutura um pouco mais complexa.No que diz respeito à percepção de posicionamentos no texto, esses estudantes conseguem distinguir fatos de opinião e identificar a tese e os argumentos que a defende.Na apropriação de elementos que estruturam o texto, manifestam-se operações de retomada de informações por meio de pronomes pessoais e, também, de indefinidos, por substituição lexical e por reconhecimento de relações lógico-discursivas no texto, marcadas por advérbios e locuções adverbiais e por marcadores de causa e consequência. No que diz respeito ao tratamento das informações globais, esses estudantes inferem o assunto de textos de temática do cotidiano.Revelam a capacidade de selecionar informações do texto, distinguindo a principal das secundárias.No campo da variação linguística, identificam interlocutores por meio das marcas linguísticas.Com relação às operações inferenciais, eles depreendem informações implícitas, o sentido de palavras ou expressões, o efeito do uso pontuação e de situações de humor. Além disso, reconhecem o efeito de sentido de notações em um texto de linguagem mista. Neste padrão de desempenho encontram-se habilidades mais elaboradas do que aquelas características do padrão anterior, exigindo dos estudantes uma autonomia de leitura em face das atividades cognitivas que lhes são exigidas e, também, dos textos com os quais irão interagir. Neste padrão, eles já interagem com textos expositivos e argumentativos com temáticas conhecidas e são capazes de identificar informações parafraseadas e distinguir a informação principal das secundárias. Em relação ao conhecimento das relações que conjunções, preposições, pronomes e advérbios estabelecem para que o texto se construa coeso e coerente, produzindo os efeitos de sentido pretendidos pelo autor, os estudantes reconhecem essas relações estabelecidas no texto, expressas por advérbios e por conjunções, inclusive as de causa e de consequência. Também recuperam informações em textos por meio de referência pronominal (além dos pronomes pessoais e dos indefinidos, acrescentem-se os pronomes demonstrativos e os possessivos). Recuperam, ainda, informações referenciais baseadas na omissão de um item, elipse de uma palavra, um sintagma ou uma frase.Quanto à variação linguística, os estudantes, identificam expressões próprias de linguagem técnica e científica. No que se refere à intertextualidade, fazem a leitura comparativa de textos que tratam do mesmo tema, revelando um avanço no tratamento das informações presentes no texto.O processo inferencial, durante a leitura, é feito por esses estudantes pelo reconhecimento do tema do texto; do sentido de expressões complexas; do efeito de sentido decorrente do uso de notações em textos que conjugam duas ou mais linguagens; do efeito de sentido decorrente do uso de recursos morfossintáticos. Observa-se, assim, uma ampliação das ações inferenciais realizadas pelos estudantes que apresentam um desempenho que os posiciona neste padrão.Com relação à leitura global de textos, os estudantes, conseguem identificar a tese e os argumentos que a sustentam; reconhecem a função social de textos fabulares e de outros com temática científica, identificando, ainda, sua finalidade. Percebe-se, pois, que os estudantes que se localizam neste padrão de desempenho já desenvolveram habilidades essenciais a uma leitura que aponta direcionamentos para a fluência leitora.Assim, a rede que se forma no processo de leitura (autor-texto-leitor) começa a se tornar mais dinâmica. Isto é, o leitor começa a considerar, de forma mais efetiva, para a produção de sentido, as pistas do texto e os conhecimentos que possui.

30 APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS – SEAPE 2011 A DEQUADO 9EF: 250 até 300 3EM: 275 até 325 Neste padrão de desempenho encontram-se habilidades mais el aboradas, exigindo dos estudantes uma autonomia de leitura em face das atividades cognitivas que lhes são exigidas e, também, dos textos com os quais irão interagir. Esses estudantes já interagem com textos expositivos e argumentativos com temáticas conhecidas e são capazes de identificar informações parafraseadas e distinguir a informação principal das secundárias. Em relação ao conhecimento das relações que conjunções, preposições, pronomes e advérbios estabelecem para que o texto se construa coeso e coerente, produzindo os efeitos de sentido pretendidos pelo autor, os estudantes reconhecem essas relações estabelecidas no texto, expressas por advérbios e por conjunções, inclusive as de causa e de consequência. Também recuperam informações em textos por meio de referência pronominal (além dos pronomes pessoais e dos indefinidos, acrescentem-se os pronomes demonstrativos e os possessivos). Recuperam, ainda, informações referenciais baseadas na omissão de um item, elipse de uma palavra, um sintagma ou uma frase.Quanto à variação linguística, os estudantes, identificam expressões próprias de linguagem técnica e científica.No que se refere à intertextualidade, fazem a leitura comparativa de textos que tratam do mesmo tema, revelando um avanço no tratamento das informações presentes no texto.O processo inferencial, durante a leitura, é feito por esses estudantes pelo reconhecimento do tema do texto; do sentido de expressões complexas; do efeito de sentido decorrente do uso de notações em textos que conjugam duas ou mais linguagens; do efeito de sentido decorrente do uso de recursos morfossintáticos. Observa-se, assim, uma ampliação das ações inferenciais realizadas pelos estudantes que apresentam um desempenho que os posiciona neste padrão.Com relação à leitura global de textos, os estudantes, conseguem identificar a tese e os argumentos que a sustentam; reconhecem a função social de textos fabulares e de outros com temática científica, identificando, ainda, sua finalidade.Percebe-se, pois, que os estudantes que se localizam neste padrão de desempenho já desenvolveram habilidades para uma leitura autônoma. As habilidades características deste padrão de desempenho revelam um avanço no desenvolvimento da competência leitora, pois os estudantes demonstram serem capazes de realizar inferência de sentido de palavras/expressões em textos literários em prosa e verso, interpretar textos de linguagem mista, reconhecer o efeito de sentido do uso de recursos estilísticos e de ironia e identificar o valor semântico de expressões adverbiais pouco usuais.No campo da variação linguística, reconhecem expressões de linguagem informal e marcas de regionalismo. Além de reconhecerem a gíria como traço de informalidade. Quanto ao tratamento das informações globais do texto, distinguem a informação principal das secundárias e identificam gêneros textuais diversos.No que concerne à estrutura textual, reconhecem relações lógico-discursivas expressas por advérbios, locuções adverbiais e conjunções. Na realização de atividades de retomada por meio do uso de pronomes, esses estudantes conseguem recuperar informações por meio do uso de pronomes relativos.Eles demonstram, ainda, a capacidade de localizar informações em textos expositivos e argumentativos, além de identificar a tese de um artigo de opinião e reconhecer a adequação vocabular como estratégia argumentativa. Neste padrão, os estudantes demonstram, portanto, maior familiaridade com textos de diferentes gêneros e tipologias.

31 Obrigada!! Roberta Fulco Calzavara.


Carregar ppt "OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS Roberta Fulco Calzavara."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google