A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RELATÓRIO PEDAGÓGICO SARESP 2012 MATEMÁTICA. PERCENTUAIS DE ALUNOS POR NÍVEL DE PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA 7º Ano- Interior melhor que Região Estadual.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RELATÓRIO PEDAGÓGICO SARESP 2012 MATEMÁTICA. PERCENTUAIS DE ALUNOS POR NÍVEL DE PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA 7º Ano- Interior melhor que Região Estadual."— Transcrição da apresentação:

1 RELATÓRIO PEDAGÓGICO SARESP 2012 MATEMÁTICA

2 PERCENTUAIS DE ALUNOS POR NÍVEL DE PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA 7º Ano- Interior melhor que Região Estadual 9º Ano- Interior melhor que Região Estadual 3º Ano- Interior melhor que Região Estadual

3 7º Ano º Ano º Ano- 2011

4 PRINCÍPIOS CURRICULARES E MATRIZAES DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DO SARESP- MATEMÁTICA A avaliação do desempenho do SARESP está basicamente assentada no tripé: Currículo do Estado de São Paulo para a disciplina de Matemática. Matriz de Referência para Avaliação. Metodologias estatísticas para planejamento, coleta e análise dos resultados.

5 A Matriz de Referência para Avaliação. A Matriz de Referência para Avaliação é um recorte do currículo de Matemática, pois a mesma reúne habilidades as quais se espera terem sido desenvolvidas pelos educandos ao receberem conhecimentos, na escola e, além deles, formas de utilizá-los para resolver problemas. As habilidades propostas para cada aluno escolar avaliado são dispostas nos cruzamentos das quatro competências da área de Matemática com as três competências próprias do aluno. Essa disposição das habilidades se dá de modo particular, buscando atender expectativas de aprendizagem para os alunos de cada ano. Há ainda que se lembrar que, dadas a natureza da Matriz, bem como as características da prova, a matriz seleciona, para um dado ano escolar, aquilo que é essencial para analisar até que ponto o aluno evoluiu no seu processo de formação e quais os limites de sua trajetória escolar.

6 ESQUEMATICAMENTE:

7 GRUPOS DE COMPETÊNCIAS GRUPO1- COMPETÊNCIA PARA OBSERVAR

8 GRUPO II- COMPETÊNCIA PARA REALIZAR- esquemas Procedimentais, modos de estabelecer relações, refere-se portanto a transformações

9 GRUPO III- COMPETÊNCIA PARA COMPREENDER- são operações mentais mais complexas, que envolvem pensamento proposicional ou combinatório

10 DISTRIBUIÇÃO DE HABILIDADES POR COMPETÊNCIAS DE ÁREA E COMPETÊNCIAS DO ALUNO 7º ANO DO ESNSINO FUNDAMENTAL

11 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

12 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

13 DISTRIBUIÇÃO DOS ITENS DE MATEMÁTICA SEGUNDO NÍVEL DE DIFICULDADE DAS PROVAS- SARESP 2012 Observa-se que o grau de dificuldade aumenta de acordo com a série

14 DISTRIBUIÇÃO DOS ITENS DE MATEMÁTICA SEGUNDO HABILIDADES COGNITIVAS DOS ALUNOS- PROVAS SARESP 2012 Os itens de ligação são computados para totalizar 104 itens.

15

16

17 4.1. – CONSIDERAÇÕES SOBRE A PROVA * A partir da análise dos resultados referente a todas as questões de Matemática, aplicadas nos 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e na 3ª série do Ensino Médio, é importante ressaltar: identificar um conjunto de habilidades/temas/conteúdos da Matemática nos quais estão as principais dificuldades dos alunos; *Além destas, existem dificuldades específicas para cada ano escolar avaliado, que podem ser melhor apreciadas na Descrição da Escala de Matemática,fornecida em anexo a este relatório. Para tanto, basta analisar se aquela habilidade desejável no ano em questão está descrita numa pontuação além daquela esperada.

18 * Outra fonte de dificuldades dos alunos reside na leitura desatenta e/ou não compreensiva dos problemas que lhes são propostos: Os alunos fazem uma leitura desatenta do enunciado do problema. Pesquisas mostram que na maioria das vezes eles fazem perguntas sobre o problema cujas respostas estavam no próprio contexto. Deste modo, os alunos parecem não compreender o problema: se o aluno escreve pouco, há indícios que lê pouco; se lê pouco tem dificuldade de ler, interpretar e extrair as informações matemáticas do enunciado para solucionar o problema. A solução de problemas matemáticos ocorre de maneira processual e a leitura e a compreensão verbal é a primeira das etapas desse processo.

19 MATEMÁTICA E O SEU ENSINO Como é de conhecimento de todos, não há um método infalível para o processo de ensino-aprendizagem. Cabe a você, juntamente com toda a equipe pedagógica de sua escola, traçar os caminhos para trabalhar com seus alunos. Portanto, iremos abordar alguns assuntos característicos da maior parte dos discursos existentes sobre aprendizagem. A)É preciso valorizar o erro; B)Desenvolver a autonomia do estudante; C)Contextualizar o ensino; D)Trabalhar com níveis de proficiência; E)Gostar ou aturar a Matemática o que é preciso?

20 ANÁLISE DAS QUESTÕES DO SARESP CUJA HABILIDADES APRESENTADAS SÃO AS MESMAS DA AVALIAÇÃO EM PROCESSO EM QUE OS ALUNOS APRESENTARAM MUITA DIFICULDADE.

21

22 O professor poderia variar, traduzindo (ou verificando se o aluno consegue fazê-lo) o item para conferir se isso auxiliaria na obtenção da resposta correta. Uma ressalva importante a ser feita é que a função do primeiro grau é a mais simples das funções estudadas ao longo do Ensino Médio. Sendo assim, dificuldades em aplicar essa função podem indicar possíveis problemas com as demais. Série E.

23 A HABILIDADE DA QUESTÃO ACIMA ESTÁ CONTEMPLADA NO CURRÍCULO DO 8º ANO 3º BIMESTRE

24

25

26

27 A HABILIDADE DA QUESTÃO ACIMA ESTÁ CONTEMPLADA NO CURRÍCULO DO 2º ANO 1º BIMESTRE

28 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Luciana Moraes Funada Maria Dolores Cereijido Bersani


Carregar ppt "RELATÓRIO PEDAGÓGICO SARESP 2012 MATEMÁTICA. PERCENTUAIS DE ALUNOS POR NÍVEL DE PROFICIÊNCIA EM MATEMÁTICA 7º Ano- Interior melhor que Região Estadual."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google