A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Geração de valor para os accionistas através da Gestão Integral de Riscos A ISA, Grupo Empresarial Latino-americano de sistemas de infra-estructura linear.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Geração de valor para os accionistas através da Gestão Integral de Riscos A ISA, Grupo Empresarial Latino-americano de sistemas de infra-estructura linear."— Transcrição da apresentação:

1 Geração de valor para os accionistas através da Gestão Integral de Riscos A ISA, Grupo Empresarial Latino-americano de sistemas de infra-estructura linear

2 O Grupo Empresarial ISA

3 Rede Eléctrica Regional Participação do mercado por receitas de transmissão em cada país* *Dezembro 2008 Colômbia80% Brasil17% Peru77% Bolivia35% Linhas de transmissão em operação Linhas de transmissão em execução Projeto SIEPAC

4 Infra-estrutura de Telecomunicações Fibra óptica km Capacidade total da rede Acesso a cabo submarino Rede atual Projetos em estudo Projectos em desenvolvimento

5 Nossa MEGA No ano de 2016 o Grupo ISA será uma corporação de negócios com uma receita de 3,5 bilhões de dólares, sendo que 80% da mesma será gerada fora da Colômbia O grupo ISA será reconhecido como uma das 3 primeiras companhias de transmissão de energia da América, e a maior de América Latina consolidando suas plataformas do Brasil e região Andina e sendo um participante relevante em outros países. A ISA estará presente em 50% dos intercâmbios de energia entre os sistemas elétricos dos países da América Latina através de ativos próprios ou com sistemas sob sua operação. Pelo menos 20% das receitas provirão de negócios diferentes ao de transmissão de energia elétrica. Terá entrado em outros negócios relacionados, tais como o transporte de gás, e projetos de infra-estrutura. Além de ser o maior transmissor de dados da Região Andina, terá desenvolvido mercados de futuros energéticos na Colômbia e outros países.

6 1970s1980s1990s2000s Análise GAP duração Modelos no Excel Stress Testing Simulação avançada Fair-value Accounting Gestão Integral de Riscos Análise de Sensibilidade VaR MonteCarlo Gestão de Ativos/Pasivos Stress Testing O Plano de Trabalho proposto encontra-se enmarcado no dever ser de um GAP Corporativo

7 7 Cronologia Mapa de RiscosValoração C&QEaR e CFaR ISA Cbia. Construcção dos Modelos Econométricos. Cuantificação Outros Riscos Unal. Metodologia Ranqueo Var. Capacitação Subsidiárias Estand. dos Modelos de projeções subsidiárias Definição limites mapa do riscos Fronteiras Eficientes Definição limites EaR e CFaR Medidas Admon. Riscos 2009

8 Administração do Risco - Variáveis Macroeconómicas 8 Valoração cualitativa e cuantitativa Cálculo do EaR Definição de limites de aversão aos riscos Identificação da variável com maior impacto Operações de administração dos riscos (Operações de manejo de dívida, derivados, outras) Não se tomam acções se encontra zona aceitável de risco EaR menor ao limite EaR maior ao limite Resultado Vs limite

9

10 Valoração cualitativa e cuantitativa Vulnerabilidade= 157 RISCO PURO Alta Media Baja Muy Baja LeveModeradaCríticaMuy Crítica S P (Miles de milhoes)

11 O procedimento para análise do risco compreende cinco passos: 1. Seleção da métrica de avaliação. 2. Identificação das variables que afectam o indicador seleccionado. 3. Geração de cenários para as variables através do tempo. 4. Cálculo dos resultados financeiros futuros 5. Cuantificação do risco CorporateMetrics RiskMetrics Group - JPMorgan 1. Métrica 2. Mapeo das variáveis 3. Geração de cenários 4. Valora ç ão 5. Cálculo Metodologia

12 Definições do modelo de JP Morgan Determinar os riscos de mercado a medir, seu horizonte e nível de confiabilidade EaR CFaR Componentes AcçãoOpções Metodologia 1. Métrica 2. Mapeo das variáveis 3. Geração de cenários 4. Valora ç ão 5. Cálculo

13 Dados input da empresa Cholesky Cuantificar o efeito das variações de mercado sobre as utilidades e o fluxo de caixa Perspectiva Estados Financeiros Componentes Gerar os possíveis valores da cada variable económica no horizonte definido Modelos de Mercado ou Modelos Econométricos Metodologia 1. Métrica 2. Mapeo das variáveis 3. Geração de cenários 4. Valora ç ão 5. Cálculo AcçãoOpções

14 Simulação de Monte Carlo Aplicação da Metodologia JPMorgan Valoração Com os cenários e mapas de exposição calcula-se a distribuição de probabilidade dos resultados financeiros. Calculo Se cuantifica o risco de mercado. Recálculo equações de exposição Componentes Análise da distribuição de Utilidades e Fluxo de Caixa Metodologia 1. Métrica 2. Mapeo das variáveis 3. Geração de cenários 4. Valora ç ão 5. Cálculo AcçãoOpções

15 2 6 4 Taxa de Mercado probabilidade Horizonte do tiempo 1 2 N N Cenários Taxa de mercado vs. horizonte do tempo N Realizações N Estado financeiros & & & EaR/CFaR = B - A AB Target95% Metodologia

16 Cálculo EaR e CFaR Estados Financeiros Ei Inputs IPP DTF … IPC IPM … DEV FGLFE Libor … IPCP IPP DTF … IPC IPM … DEV FGLFE Libor … IPCP IPP DTF … IPC IPM … DEV FGLFE Libor … IPCP EaR/CFaR = B - A A B Target5% Iteração i EaR/CFaR consolidado 1 2 N

17 Fronteiras Ótimas do Endividamento Activos individuales Frontera eficiente Mínimo global para varianza Combinación Optima CFaR CFaR E(Fluxo de Caixa Investidor)

18 Esquema de Administração do Risco na ISA Mayo 31Julio 31 Identificação variables de risco Determinar exposição e coberturas naturais Identificação de possíveis critérios Limites de tolerância ao Risco. Análise de impacto de alternativas Objetivos Actividades Obter clareza na identificação e impacto dos riscos nos Estados Financeiros Estabelecer critérios para toma de decisões de cobertura Diminuir o impacto de risco nos estados financeiros e fluxo de caixa Selecção e aplicação das medidas Etapas Implementacão de Medidas Critérios de Gestão do Risco Financeiro (Identificação de Medidas) Diagnóstico

19 Administrar o risco em função do valor com mínimo efeito nos resultados contáveis. O monitoreo permite conhecer em que nível de risco se encontra a companhia, Os critérios dão as pautas para entrar ao mercado e realizar as operações de cobertura, que permitam manter o risco dentro dos níveis de tolerância Situação Original Quantidade de risco à que se expõe a companhia num período dado de tempo E[x] Situação momento t Identificação de Critérios de Cobertura VaR

20 Critério para a realização de operações de cobertura Fá-se uma operação de cobertura se o VaR superou o valor do momento inicial (Controle de Risco). Isto é, se ao momento de calcular o VaR obtém-se que o risco que assume o grupo é superior ao nível de tolerância, se procede a realizar operações para levar o risco a níveis tolerables. Situação Actual E[x 0 ] Situação Desejada Limite de tolerância VaR real

21 Esquema de Administração do Risco na ISA Mayo 31Julio 31 Identificação variables de risco Determinar exposição e coberturas naturais Identificação de possíveis critérios Limites de tolerância ao Risco. Análise de impacto de alternativas Objetivos Actividades Obter clareza na identificação e impacto dos riscos nos Estados Financeiros Estabelecer critérios para toma de decisões de cobertura Diminuir o impacto de risco nos estados financeiros e fluxo de caixa Selecção e aplicação das medidas Etapas Implementacão de Medidas Critérios de Gestão do Risco Financeiro (Identificação de Medidas) Diagnóstico

22 Fontes de Risco: Variação Cambial O efeito da taxa de mudança sobre os EEFF da companhia, se descompone em dois riscos: É a perda que se pode incurrir devido à diferença entre o registro das operações em moeda estrangeira e o valor ao que se compram ou vendem divisas no mercado. É a perda devido à conversão dos estados financeiros de uma filial quando estão expressados numa moeda diferente à moeda operacional da matriz RISCO TRANSACCIONAL RISCO DE CONVERSÃO O risco administra-se tendo como objetivo o cumprimento do orçamento e executando regras fixas no tempo, como a regra decrescente ou a dos quartos O risco administra-se eliminando a exposição tão cedo tenha-se certeza de sua existência. O fechamento é a discreção da tesouraria, mas procurando fechar e não especular Se aplica aos novos projetos e à operação corrente da tesouraria.

23 Níveis de tolerância para Utilidade em Risco Target 5% Balancete Caixa P y G Saldo reservas disponíveis para pagamento dividendos Lucro Neto Pagamentos dos dividendos A relação entre as variables deve ser tal que o saldo de Reservas disponíveis para o pagamento de dividendos do Balanço nunca seja negativo Restrições Agências calificadoras InvestidoresEntid. FinanceirasDIAN Nível que assegura o pagamento dos dividendos Estratégia de pagamento de dividendo crescente Covenants Política de Pagamento de Dividendos Obrigações Obrigações Fiscais

24 Limites de tolerância ao risco A definição de limites permite aos administradores atribuir de forma dinâmica risco de capital dentro de seus negócios e permite: Monitorear a concentração dos riscos. Especificar quanto é muito. how much is too much. Ajustar a actividade do negócio e os planos de crescimento.. Na construção destes limites podem-se ter em conta, dependendo do tipo de companhia: Sector, país, indústria, compromissos contractuales, aversão ao risco, expectativas de crescimento, posição competitiva, compromissos com os accionistas. A B Target 5% A B Target 5% límite EaR

25


Carregar ppt "Geração de valor para os accionistas através da Gestão Integral de Riscos A ISA, Grupo Empresarial Latino-americano de sistemas de infra-estructura linear."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google