A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Substâncias Perigosas e Avaliação dos Riscos Uma campanha europeia sobre avaliação dos riscos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Substâncias Perigosas e Avaliação dos Riscos Uma campanha europeia sobre avaliação dos riscos."— Transcrição da apresentação:

1 Substâncias Perigosas e Avaliação dos Riscos Uma campanha europeia sobre avaliação dos riscos

2 O que são substâncias perigosas? Substâncias perigosas (SP) são: Quaisquer líquidos, gases ou sólidos que ponham em risco a saúde e a segurança dos trabalhadores; Podem ser encontradas na maioria dos locais de trabalho, incluindo as PME (explorações agrícolas, salões de cabeleireiro, oficinas de reparação de veículos motorizados, hospitais, escolas…); Incluem agentes químicos e biológicos (bactérias, vírus, leveduras e fungos, parasitas...); Incluem substâncias produzidas enquanto subprodutos do trabalho, bem como matérias-primas (fumos resultantes de soldadura, gases de escape dos motores diesel, serradura, farinha utilizada em padarias…).

3 Substâncias perigosas e o seu efeito prejudicial Se os riscos decorrentes da utilização de SP não forem geridos de forma adequada, a saúde dos trabalhadores pode ser afectada de várias formas: Através de uma única e curta exposição; Através de várias exposições; Através da acumulação, a longo prazo, de substâncias no corpo.

4 Efeitos sobre a saúde As SP podem ter efeitos diversos na saúde dos trabalhadores, incluindo: Efeitos agudos: envenenamento, asfixia, explosão e incêndio; Efeitos de longo prazo, como por exemplo: Doenças respiratórias (reacções das vias aéreas e dos pulmões), tais como asma, rinite, asbestose e silicose; Cancros relacionados com a actividade profissional (leucemia, cancro do pulmão, mesotelioma, cancro da cavidade nasal); Efeitos sobre a saúde, que podem ser simultaneamente agudos e de longo prazo: Doenças de pele, problemas reprodutivos e deficiências congénitas, alergias; Algumas substâncias podem acumular-se no corpo; Algumas substâncias podem ter um efeito cumulativo; Algumas substâncias podem penetrar através da pele.

5 Substâncias perigosas - legislação A legislação existente nesta área inclui regulamentos relativos à protecção dos trabalhadores no que se refere a riscos relacionados com: agentes químicos; agentes biológicos; agentes cancerígenos ou mutagénicos (incluindo amianto e serradura); Os regulamentos relativos à classificação e rotulagem são igualmente importantes, mas não se aplicam a todas as substâncias perigosas (como por exemplo produtos químicos usados nos cabeleireiros ou produtos farmacêuticos); Algumas substâncias e processos de trabalho são sujeitos a restrições no que respeita à sua utilização e comercialização; Deve procurar obter esclarecimentos acerca da legislação nacional específica relativa à utilização de SP no local de trabalho aplicável ao seu caso concreto.

6 Outra legislação relevante REACH O regulamento comunitário CE 1907/2006 cria um novo sistema único de registo, avaliação e autorização de substâncias químicas (Registration, Evaluation and Authorisation of Chemicals – REACH) que: CE 1907/2006 tem por objectivo proteger o ambiente e a saúde dos utilizadores; confere uma maior responsabilidade à indústria no que respeita à gestão dos riscos inerentes à utilização de substâncias químicas e à disponibilização de informações de segurança sobre as substâncias para todos os responsáveis pela produção ou utilização de substâncias químicas. Mais informações sobre o REACH disponíveis em: O GHS – Sistema Mundial Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos, das Nações Unidas – também terá um impacto na saúde dos trabalhadores. Mais informações sobre o GHS disponíveis em:

7 Na UE, as entidades patronais são obrigadas, por lei, a proteger os seus trabalhadores dos riscos decorrentes da utilização de SP no local de trabalho. A fim de proteger os trabalhadores dos efeitos das SP, a legislação existente obriga as entidades patronais a realizar uma Avaliação dos Riscos (AR), na qual os trabalhadores devem participar. Protecção…

8 Em que consiste a avaliação dos riscos? A avaliação dos riscos é o processo que mede os riscos para a segurança e saúde dos trabalhadores decorrentes dos perigos existentes no local de trabalho. É uma análise sistemática de todos os aspectos relacionados com o trabalho que tem em consideração: tudo o que seja susceptível de causar danos, a possibilidade de os perigos serem ou não eliminados e, em caso negativo, as medidas de prevenção ou protecção que devem ser implementadas para controlar os riscos. A avaliação dos riscos constitui a base para uma gestão bem sucedida da segurança e saúde no trabalho, sendo fundamental para a diminuição dos acidentes e das doenças profissionais.

9 Avaliação dos riscos das SP A avaliação dos riscos das SP envolve os mesmos princípios e processos básicos de avaliação de outros riscos profissionais. É essencial que os trabalhadores sejam consultados e envolvidos no processo de avaliação, independentemente da entidade responsável pela sua realização, pois: conhecem bem o seu local de trabalho; serão os responsáveis pela implementação de eventuais alterações nas condições/práticas de trabalho. Existem vários métodos de avaliação disponíveis, mas para a maioria das empresas funciona bem uma abordagem directa da avaliação dos riscos dividida em cinco etapas.

10 Passo 1: Identificar perigos e pessoas em risco (1) Nesta primeira etapa deve-se proceder à identificação de substâncias susceptíveis de causarem danos e dos trabalhadores que poderão estar expostos a essas substâncias. Deve ser dada especial atenção a grupos de trabalhadores que possam estar sujeitos a um risco acrescido, como por exemplo: Trabalhadores jovens; Mulheres grávidas ou em período de aleitamento; Trabalhadores migrantes; Pessoal sem formação ou experiência; Empregados de limpeza, subempreiteiros e público em geral. Nota: um perigo pode ser qualquer coisa potencialmente causadora de danos materiais, equipamentos, métodos ou práticas de trabalho.

11 Passo 1: Identificar perigos e pessoas em risco (2) Para ser mais fácil identificar os perigos: Elabore um inventário das substâncias utilizadas e geradas no local de trabalho. Recolha informações acerca dessas substâncias, procurando saber, por exemplo, que danos podem causar e de que forma. Os rótulos de segurança normalizados, os símbolos de perigo e as fichas de dados de segurança (FDS), que devem ser disponibilizados pelos fornecedores de substâncias químicas, são uma fonte importante de informação. Verifique os valores-limite de exposição profissional para cada substância. Os valores-limite ajudam a controlar a exposição às SP no local de trabalho, através da definição da concentração máxima de uma substância (no ar). Verifique se está a utilizar agentes cancerígenos ou mutagénicos, aos quais se aplicam normas mais rigorosas. Para mais informações ver a Facts 33 e a Facts 35.Facts 33 Facts 35.

12 Passo 2: Avaliar e ordenar os riscos por prioridades Avalie a exposição dos trabalhadores às SP identificadas, considerando o tipo, a intensidade, a duração e a frequência da exposição. Tenha em conta os processos de trabalho que estão a ser utilizados. Tenha em conta a exposição a conjuntos de substâncias. Tenha em conta os efeitos combinados das substâncias perigosas com outros riscos, como por exemplo : o risco de incêndio decorrente da utilização de substâncias inflamáveis; os trabalhos físicos pesados, que podem aumentar a exposição a substâncias químicas; os trabalhos em ambientes húmidos, que podem aumentar o efeito das substâncias químicas na pele. A lista poderá depois ser usada para definir um plano de acção. Nota: o risco é a probabilidade, elevada ou reduzida, de um perigo causar danos a alguém.

13 Siga a hierarquia das medidas destinadas a prevenir ou reduzir a exposição dos trabalhadores às SP: Eliminação – a melhor forma de diminuir os riscos associados às SP Elimine a necessidade de utilizar SP através da alteração do processo ou do produto em que a substância é utilizada; Substituição – quando a eliminação não é possível Substitua a SP por alternativas que não sejam perigosas ou que sejam menos perigosas. Passo 3: Definir medidas preventivas (1)

14 Controlo – se uma substância ou processo não puderem ser eliminados ou substituídos Previna ou reduza a exposição: confinando o processo de emissão de SP; controlando a emissão na fonte; adoptando uma melhor gestão dos processos; adoptando soluções técnicas que minimizem a exposição; reduzindo o número de trabalhadores expostos à substância perigosa, bem como a duração e a intensidade da exposição; se não for possível evitar a exposição por outros meios, certifique-se de que os trabalhadores possuem equipamento de protecção individual adequado e que recebem formação para a utilização do mesmo. Passo 3: Definir medidas preventivas (2)

15 Substituição – processos de trabalho Comece por substâncias e processos de trabalho que: já tenham causado problemas na sua empresa (problemas de saúde, acidentes ou outros incidentes); exijam um acompanhamento regular do estado de saúde (por exemplo, o exame médico dos trabalhadores); sejam abrangidos por legislação nacional específica que imponha restrições à sua utilização no local de trabalho; submetam os trabalhadores a níveis elevados de exposição, ou resultem na exposição de muitos trabalhadores. Os processos de trabalho a considerar incluem: Processos abertos, como por exemplo a pintura de grandes superfícies ou a mistura/produção em contentores/recipientes abertos; Processos que gerem poeiras, vapores ou fumos, ou que dispersem líquidos no ar, como por exemplo os processos de soldadura e de pintura por pulverização.

16 Substituição – substâncias Entre as substâncias a considerar devem incluir-se: As que aumentam o risco de incêndio e de explosão; As que são voláteis, como os solventes orgânicos, ou as que se dispersam no ar (aerossóis, poeiras); As que envolvem riscos agudos para a saúde, como por exemplo venenos, ou que sejam corrosivas e irritantes; As que envolvem riscos crónicos para a saúde, como por exemplo os alergénios, ou substâncias que afectam a reprodução; As que provocam doenças profissionais; As que podem ser absorvidas através da pele; O uso de equipamento de protecção individual (por exemplo uma protecção contra a inalação) deve ser tornado obrigatório. Para mais informações ver a Facts 34.Facts 34

17 Substâncias cancerígenas e mutagénicas A legislação relativa às substâncias cancerígenas e mutagénicas impõe requisitos mais exigentes : As substâncias cancerígenas e mutagénicas devem ser substituídas sempre que tal seja tecnicamente possível. A confinação do processo de emissão é obrigatória, se for exequível tecnicamente. O acesso dos trabalhadores às substâncias deve ser restrito. É necessário manter registos mais detalhados e durante mais tempo sobre a exposição dos trabalhadores. É necessário fornecer mais informações aos trabalhadores acerca da exposição e da vigilância do seu estado de saúde. Recomenda-se a procura, na legislação nacional específica, dos esclarecimentos aplicáveis à utilização de substâncias perigosas no local de trabalho.

18 Passo 4: Encetar acções A quarta etapa consiste na implementação de medidas preventivas e de protecção. Uma implementação eficaz implica o desenvolvimento de um plano que especifique: quem faz o quê; o prazo de conclusão das tarefas; os meios atribuídos para a implementação das medidas; a data de reavaliação e a identificação do responsável pela mesma. É essencial estabelecer prioridades para as medidas destinadas a eliminar, substituir ou controlar os riscos.

19 Passo 5: Monitorizar e reavaliar A eficácia das medidas preventivas deve ser monitorizada. A avaliação deve ser revista sempre que ocorram alterações significativas na organização : Quando se registam alterações nos processos de trabalho; Quando são introduzidas novas substâncias químicas e processos de trabalho; Quando há registo de acidentes ou problemas de saúde; Periodicamente, para garantir que as conclusões da avaliação dos riscos ainda são válidas.

20 Registo da avaliação A avaliação dos riscos deve ser documentada. Esse registo pode ser utilizado para: comunicar a informação às pessoas interessadas; avaliar se as medidas necessárias foram implementadas; servir como prova às autoridades de supervisão; proceder à revisão das medidas, se as circunstâncias se alterarem.

21 Conselhos aos trabalhadores Para se manterem em segurança em relação às SP, os trabalhadores devem ser informados quanto ao seguinte : As conclusões da AR; Os perigos a que estão expostos; O modo como poderão ser afectados; O que devem fazer para salvaguardarem a sua segurança e a dos outros trabalhadores; O que devem fazer em caso de acidente ou quando as coisas correm mal; Como saber quando as coisas correm mal; A quem devem comunicar eventuais problemas; O que devem fazer quando realizam trabalhos de manutenção; Os resultados da monitorização da exposição ou da vigilância do seu estado de saúde.

22 Conselhos aos empregadores: comunicação Uma boa comunicação entre empregador e trabalhador envolve: o acesso a uma lista de substâncias perigosas utilizadas ou geradas pelo processo de trabalho; o acesso a Fichas de Dados de Segurança (FDS) e documentos semelhantes para cada substância perigosa utilizada; a produção de instruções de trabalho baseadas em informações sobre as SP; a certificação de que os recipientes utilizados para as SP estão rotulados de forma clara; a comunicação dos resultados da avaliação dos riscos; o diálogo regular com os trabalhadores acerca de potenciais problemas de saúde e segurança; a disponibilização de todas as informações, instruções e formação relevantes para os trabalhadores no que respeita às SP presentes no local de trabalho.

23 Bom para si. Bom para as empresas. Uma campanha europeia sobre avaliação dos riscos.


Carregar ppt "Substâncias Perigosas e Avaliação dos Riscos Uma campanha europeia sobre avaliação dos riscos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google