A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

You must be the change you want to see in the world" Gandhi.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "You must be the change you want to see in the world" Gandhi."— Transcrição da apresentação:

1 You must be the change you want to see in the world" Gandhi

2 Teoria e Desenvolvimento Curricular Programa

3 Introdução A centralidade do currículo prende-se com o facto de ser um campo em constante problematização do conhecimento sobre as realidades alicerçadas nas dinâmicas culturais, educacionais, politicas e económicas. Como ponto de partida de qualquer projecto de formação, o currículo é a expressão de conflitos e consensos que são construídos a partir da (re)definição das suas politicas e práticas. O Currículo é lugar, espaço, território. O currículo é relação de poder. O currículo é trajectória, viagem, percurso. O currículo é autobiografia. O currículo é documento de identidade.

4 Objectivos: - Compreender o conceito de currículo. - Identificar as etapas na construção dum currículo. - Reconhecer o papel da política educativa na determinação dum currículo. - Entender como o currículo, pela forma como se organiza e se desenvolve, pode ser um indutor de desigualdades. - Perspectivar o Currículo de uma forma crítica, na sua relação com a ideologia, a cultura e o poder. - Desenvolver atitudes de reflexão e análise crítica face ao acto educativo.

5 Conteúdos Programáticos 1. Definições situacionais de currículo. a) Evolução das concepções de currículo. b) Etapas na definição do currículo. c) Componentes fundamentais do currículo. 2. Currículo, Programa e Programação. 3. Fundamentos de Teoria da Educação: a) Fundamentos Filosóficos da educação. b) Fundamentos Sociológicos da Educação. c) Fundamentos Psicológicos da Educação. 4. Diferentes posturas curriculares. a) Uma postura curricular: o Racionalismo Académico. b) Uma postura curricular: Processo Cognitivo. c) Uma postura curricular: Experiência Consumatória. d) Uma postura curricular: Reconstrução Social. e) Uma postura curricular: Tecnologia do Ensino. 5. A análise de uma Política Educativa. 6. Teorias curriculares: a) Teorias Tradicionais. b) Teorias Críticas. 7. Natureza e âmbito do Desenvolvimento Curricular. 8. Modelos de Desenvolvimento Curricular: a) Modelo baseado nos objectivos. b) Modelo baseado no processo. c) Modelo baseado na situação. 9. Organização curricular portuguesa.

6 Metodologia Para além da exposição e da clarificação de conceitos pelo professor, haverá recurso a leitura e análise individual de textos, para reflexão conjunta em trabalho de pares ou de grupo.

7 Avaliação A avaliação de conhecimentos será periódica. Elementos de avaliação: 1. Realização de um trabalho de grupo I sobre a Organização Curricular Portuguesa, tendo como ponto de partida o livro com o mesmo nome, organizado pelo Professor Doutor José Augusto Pacheco. (25% da nota final). Do trabalho de grupo deverá resultar a redação de um artigo de dez páginas onde deverá ficar expresso, num discurso claro e crítico, os principais traços da temática analisada. O Artigo deverá estar formatado de acordo com as Normas APA (6.ª Edição). (Estrutura: Capa [título e nome e números dos elementos do grupo]; 10 páginas numeradas que correspondem ao corpo do texto do artigo; Referências; Anexos). 2. Trabalho de grupo II: após a leitura do livro de Paulo Freire – Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa o grupo de trabalho deverá elaborar um conjunto de diapositivos, onde reúna os principais pressupostos daquela obra, apresentando-os à turma. A apresentação não deve exceder os 30 minutos. Pede-se que o grupo tenha consciência da cientificidade do discurso, do rigor da informação trabalhada e apresentada. Os aspectos formais na formatação dos diapositivos deverão obedecer às Normas APA (6.ª Edição). (25% da nota final). 3. Frequência. (50% da nota final). (Com a avaliação dos conteúdos programados leccionados até à data do teste). 4. Para mais esclarecimentos sobre o Regime de Avaliação, o aluno deverá consultar o Regulamento de Avaliação da UMa, em particular o disposto no Anexo I – Modelo de Avaliação A (o adoptado pelo docente para a UC de TDC).

8 Observações: Trabalho de grupo I : a partir da análise de determinados capítulos da obra organizada pelo Professor José Augusto Pacheco – Organização Curricular Portuguesa – os grupos de trabalho terão de organizar um conjunto de diapositivos com as principais linhas que estruturam o Currículo em Portugal. Estes diapositivos deverão ser um dos Anexos do Trabalho escrito referido no ponto 1 da Avaliação. Dos 4 temas que se seguem, serão atribuídos a cada grupo de trabalho, apenas um: 1. Documentos curriculares para a Educação de Infância: um olhar sobre o passado, questões para o futuro. (pp ). 2. Ensino Primário / Ensino básico: 1.º Ciclo. (pp ). 3. Ensino básico: 2.º Ciclo. (pp ). 4. Ensino básico: 3.º Ciclo. (pp ). O quinto tema deverá ser trabalhado por todos os grupos, dada a transversalidade da temática: 5. Estrutura curricular do sistema educativo português. (pp. 7-52).

9 Reprografia (Copy Center) Caixa nº 15 (Nota: grande parte dos documentos abordados na aula quer relativos à abordagem teórica, quer relativos à abordagem prática, encontrar-se-ão disponíveis na página Web do docente). Contactos do docente (Contacts) Universidade da Madeira. Campus Universitário da Penteada Página pessoal: Horário de atendimento Quarta-feira das 15h às 17h. (Solicita-se que os alunos interessados contactem previamente o docente).

10 Calendarização dos momentos de avaliação: Frequência: 23 de Maio de 2011 Entrega do Trabalho de Grupo I: 20 de Junho de 2011 Entrega e Apresentação do Trabalho de Grupo II: 16 de Maio de 2011

11 Bibliografia (References) Althusser, Louis. (1983). Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal. Apple, Michael. (1999). Poder, significado e identidade. Ensaios de estudos educacionais críticos. Porto: Porto Editora. Barroso, João. (2005). Políticas educativas e organização escolar. Lisboa: Universidade Aberta. Costa, Jorge Adelino. (2003). Projectos Educativos de Escola: um contributo para a sua (des)construção. Revista Educação & Sociedade, 24 (85), In Freire, P. (n.d.). Educação como prática de liberdade (5.ª ed.). Lisboa: Dinalivro. Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido (45.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra. Freire, Paulo. (2009). Pedagogia da Autonomia. (39.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra. Landsheere, Gilbert. (1997). A pilotagem dos sistemas de educação. Porto: Edições ASA. Morgado, José Carlos & Paraskeva, João Menelau. (2000). Currículo: factos e significações. Porto: CRIAP-ASA. Pinar, William. (2007). O que é a Teoria do Currículo?. Porto: Porto Editora. Pacheco, José Augusto. (2002). Politicas Curriculares. Porto: Porto Editora. Pacheco, José Augusto. (2008). Organização Curricular Portuguesa. (Org.). Porto: Porto Editora. Roldão, Maria do Céu. (1999). Gestão curricular. Fundamentos e práticas. Lisboa: Ministério da Educação – Departamento de Educação Básica. Silva, Tomaz Tadeu. (2000). Teorias do currículo. Uma introdução critica. Porto: Porto Editora. Zabalza, Miguel. (2003). Planificação e Desenvolvimento Curricular na escola. (7 th ed). Porto: Edições ASA. Sousa, Jesus Maria. (2000). O Professor como Pessoa. Porto: Edições ASA.

12 Internet Dicionário On-line: B-on (Biblioteca do Conhecimento Online): RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal): BibUMa: DigitUMa: Projecto Gutenberg: Scientific Electronic Library Online – SciELO:


Carregar ppt "You must be the change you want to see in the world" Gandhi."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google