A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PPGL – UFSM - Mestrado em Estudos Linguísticos Apresentadora: Joseane Amaral Orientador: Prof. Dr. Marcos Gustavo Richter 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PPGL – UFSM - Mestrado em Estudos Linguísticos Apresentadora: Joseane Amaral Orientador: Prof. Dr. Marcos Gustavo Richter 1."— Transcrição da apresentação:

1 PPGL – UFSM - Mestrado em Estudos Linguísticos Apresentadora: Joseane Amaral Orientador: Prof. Dr. Marcos Gustavo Richter 1

2 Trabalho Pesquisa de dissertação sobre o estudo das expectativas e a constituição do papel social do professor de línguas. Objetivo Análise de textos de duas revistas: uma da área de Letras e outra de Educação Física -> estudo comparativo. 2

3 Os fatores de atribuição na THA A THA postula para a organização do trabalho três pilastras. Pela ordem crescente de complexidade: fatores de atribuição, fatores de mediação e fatores de controle. Nossa análise - > fatores de atribuição, pensados em sua relação com a atividade docente. Atribuição -> conjunto de variáveis centradas nas noções de papéis sociais, espaços institucionais, atribuições, competências, modelos de conduta, referência e pertença grupal. 3

4 Papel social e mapeamento de expectativas Papéis sociais são feixes de expectativas, que se ligam, em uma determinada sociedade, ao comportamento dos portadores de posições. (Dahrendorf, 1969, p. 54). Segundo Luhmann (1983): Expectativas cognitivas - marcadas pela adaptação e assimilação de desapontamentos. Expectativas normativas - permanecem como a não adaptação, e as possíveis discrepâncias são atribuídas ao ator. Têm relação com o papel social. Ex. da secretária: expectativa cognitiva (loura, jovem, bela); expectativa normativa (que saiba digitar rápido, atenda bem ao público, etc.). 4

5 Fundamentos da análise Acumulam-se publicações vulgarizadoras sobre a prática do professor -> interferência da mídia nos rumos da profissão docente. Corpus: revistas - análise comparativa entre Educação Física (emancipada juridicamente) e Letras - ambas ligadas à esfera educacional. Aportes da Linguística de Corpus – programa WordSmith Tools. Proposta a ser desenvolvida: utilização do Mapeador Semântico de Berber Sardinha e Richter. 5

6 Análise – fase inicial Revistas on-line - Educação Física x Língua Portuguesa. 6

7 Critérios para seleção dos corpora Palavra-chave professor; Número de palavras semelhante. Os dois corpora possuem relativamente o mesmo número de palavras: 37 mil. No quadro a seguir apresentamos a lista de frequência das palavras – Wordlist - nos dois corpora selecionados. Nosso estudo pretende evidenciar as diferenças entre as duas profissões integrantes da esfera educacional. 7

8 8 Análise - Wordlist Revista Língua PortuguesaRevista Educação Física

9 Reflexões sobre os dados colhidos Salientamos que nossa análise, embora incipiente, já demonstra resultados significativos no que tange à comparação linguística do corpus destas duas profissões, distintas em termos legais, embora integrantes da esfera educacional. O recurso Wordlist permite perceber que a visão de profissional parece diferir na comparação entre os corpora: a revista Educação Física possui 373 ocorrências das palavras profissional e profissionais, ao passo que a Língua Portuguesa apresenta, somados, apenas 10. 9

10 Também com relação à atribuição, a palavra motivação nos chama a atenção: parece que o profissional de Letras recorre muito mais a este recurso do que o de Educação Física. 10

11 11 Considerações parcialmente finais Segundo Richter (2008, p.71), o profissional que não tem o privilégio da endogenia... dado o caráter exógeno, não emancipado de sua (semi)profissão, é levado a exercê-la num espaço social atravessado por paradoxos e contradições, povoado de vozes estranhas ao próprio profissional. Essa realidade compromete a autoimagem do professor, interferindo em sua constituição profissional. Como ele não usufrui de respaldo social e legal para adotar/construir condutas bem demarcadas, acaba respondendo com práticas permeadas por uma confusão crônica sobre como deve agir, o que pode ou não cobrar de seus alunos, enfim, qual é, na realidade, seu compromisso específico de especialista. Por isso, muitas vezes, o profissional aceita que lhe atribuam responsabilidades que não são suas.

12 Através da apreciação dos corpora, fica nítida a diferença entre os profissionais de Letras e Educação Física. Permanecendo na passividade, o docente de línguas acaba por carregar consigo o peso das tarefas de uma profissão organizada alopoieticamente, cujo papel social permanece obscuro em meio às práticas sociais. Por isso, defendemos em nossa análise a investigação das práticas endógenas e dos mecanismos que envolvem a estabilização das expectativas profissionais. Ao nosso ver, a regulamentação da atividade parece conferir ao professor voz ativa e poder de ação na organização do seu próprio trabalho. 12

13 Referências DAHRENDORF, Ralph. Homo Sociologicus. Londres, Róutledge and Kegan Paul, 1969. LUHMANN, N. Sociologia do Direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983. RICHTER, M. G. Aquisição, representação e atividade. Santa Maria: UFSM, PPGL- Editores, 2008. ________; GARCIA, J. R. C. A profissionalização do professor: condição necessária para uma prática respeitável. Linguagens & Cidadania. Santa Maria, ano 8 nº 1, jan-jun.2006. Disponível em. Acesso em: 30 set.2009. ________. et al. O modelo holístico como alternativa à formação docente. In: I CONGRESSO LATINO AMERICANO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2006. Disponível em:. Acesso em: 30 set.2009. STEINHILBER, Jorge. Profissional de Educação Física... Existe? Rio de Janeiro: Sprint, 1996. 13


Carregar ppt "PPGL – UFSM - Mestrado em Estudos Linguísticos Apresentadora: Joseane Amaral Orientador: Prof. Dr. Marcos Gustavo Richter 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google