A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Energia e Meio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Energia e Meio."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Energia e Meio Ambiente – Professora: Elisângela Mª R. Rocha Manoel Victor Vidal Faynara Camargo Lucila Araújo Victor Figueiredo

2 O QUE É GÁS NATURAL? É a porção do petróleo (mistura de hidrocarbonetos) que existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas condições de reservatório, e que permanece no estado gasoso nas condições atmosféricas de pressão e temperatura. Imagem 01 –Tubulação de gás natural CARACTERÍSTICAS Apresenta baixos teores de contaminantes (N, compostos de enxofre, co2, MP) Mais leve que o ar Incolor e Inodoro

3 FORMAÇÃO E ORIGEM ORIGEM: O Gás Natural pode ser encontrado em reservatórios subterrâneos, tanto em terra quanto no mar, frequentemente acompanhado de petróleo, constituindo reservatórios. FORMAÇÃO: Processo natural de formação do gás: Degradação da matéria orgânica animal e do carvão devido à temperaturas e pressão elevadas ou à alteração térmica dos hidrocarbonetos. Nos últimos estágios de degradação desta matéria orgânica, o petróleo apresenta-se como condensado volátil associado a hidrocarbonetos gasosos.

4

5 FATOR DETERMINANTE: Maior produção de gás em campos terrestres, principalmente pelo crescimento da produção de complexos desenvolvido por empreiteiras.

6 Baixa presença de contaminantes; Combustão mais limpa, que melhora a qualidade do ar, pois substitui formas de energias poluidoras como carvão, lenha e óleo combustível, contribuindo também para a redução do desmatamento; Menor contribuição de emissões de CO 2 por unidade de energia gerada; Maior facilidade de transporte e manuseio, o que contribui para a redução do tráfego de caminhões que transportam outros tipos de combustíveis; Não requer estocagem, eliminando os riscos do armazenamento de combustíveis; Maior segurança; por ser mais leve do que o ar, o gás se dissipa rapidamente pela atmosfera em caso de vazamento; Contribuição para a diminuição da poluição urbana quando usado em veículos automotivos, um vez que reduz a emissão de óxido de enxofre, de fuligem e de materiais particulados, todos presentes no óleo diesel.

7 Energia não renovável (é um combustível fóssil, formado há milhões de anos); Emissões de gases de efeito estufa; Poluição atmosférica (destacam-se as emissões de dióxido de nitrogênio (NO 2 ) e o óxido nitroso (N 2 O)); Problemas de estanqueidade; Apresenta riscos de asfixia, incêndio e explosão;

8 Gás natural é uma fonte de energia segura? Medidas de segurança utilizadas nas obras: Materiais: na fabricação dos dutos são utilizados materiais especiais, de grande resistência e durabilidade. As soldas são inspecionadas através de um rigoroso controle de qualidade; Válvulas de bloqueio: são instaladas ao longo da rede com o objetivo de interromper o fluxo de gás, em caso de um eventual vazamento. Em trechos urbanos são instalados a cada 1 km; Proteção das tubulações: as tubulações são enterradas, no mínimo, a 1 metro de profundidade. Nas travessias, a tubulação é revestida por um tubo protetor contra as cargas externas. Em áreas urbanas, as placas de concreto são instaladas sobre a tubulação, para protegê-la de impactos decorrentes de escavações; Controle de corrosão: contra o ataque corrosivo do solo, as tubulações são protegidas por um sistema conhecido por proteção catódica; Sinalização: a finalidade é alertar sobre a presença da rede de gás. A sinalização subterrânea consta de fita plástica na cor amarela com 30 cm de largura, instalada abaixo da superfície do solo para alertar as pessoas que fazem escavações. A sinalização aérea é constituída de placas e avisos instalados ao longo da rede.; Odorização: tem o objetivo de dotar o gás de um odor característico, para permitir a pronta detecção em caso de eventuais vazamentos.

9 O IMPACTO DO GÁS NATURAL NAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA: O CASO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Este estudo analisa a contribuição efetiva ao efeito estufa decorrente do uso do Gás Natural no município do Rio de Janeiro, considerando as oportunidades de uso refletidas nos setores elétrico, industrial, automotivo, residencial e comercial, englobando os empreendimentos de geração elétrica, de cogeração e de climatização. São consideradas também as emissões fugitivas devidas à sua distribuição e ao seu uso final, que apresentam um potencial de aquecimento global 23 vezes maior do que o do dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. O Gás Natural é capaz de contribuir para a mitigação do efeito estufa à medida que pode suprir serviços energéticos em substituição de combustíveis fósseis com maior teor de carbono. No entanto, algumas circunstâncias e determinados aspectos devem ser considerados para a realização de uma adequada avaliação do real impacto ao efeito estufa devido ao uso do Gás Natural.

10 Esta dissertação se propôs a calcular o Balanço das Emissões envolvendo a situação de presença e de ausência do uso de GN. O balanço visa justamente descrever qual a efetiva contribuição ao efeito estufa, seja positiva ou negativa, da penetração do GN no consumo energético. Se pode perceber que quanto mais suja a matriz energética de um país, mais o uso do GN possibilitará a mitigação do efeito estufa. Assim como ocorre para o planeta como um todo, também no caso do município do Rio de Janeiro o CO2 é o principal gás de efeito estufa emitido, em termos de contribuição para o aquecimento global. As emissões de CO2 na cidade mantiveram-se estáveis entre 1990 e Ao longo da década de 1990, porém, as emissões de CH4 da cidade vem crescendo, tendo sua contribuição passado de 33% do total, em 1990, para 42%, em 1998.

11 Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL Atlas de Fontes Energéticas – Cap.6 Disponível em: (Acesso em 21/11/2013 às 20:00); ANP – Agência Nacional do Petróleo, via internet: (Acesso em 21/11/2013 às 21:45);http://www.sinaval.org.br/noticia-360.php VILLAR, Sandra de Castro; HENRIQUES, Mauricio F. ORG. Alternativas para o uso do gás natural na Região Norte. Rio de Janeiro: INT - Instituto Nacional de Tecnologia, 1ª ed. 2009; Energia PGA Disponível em: (Acesso em 30/11/2013 às 21:00); Ministério do Meio Ambiente Disponível em: (Acesso em 02/12/2013 às 21:00); RIBEIRO, L. S. O Impacto do Gás Natural nas Emissões de Gases de Efeito Estufa: O Caso do Município do Rio de Janeiro f. Tese (Mestrado em Ciências de Planejamento Energético). Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Energia e Meio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google