A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Doença Arterial Oclusiva de Membros Inferiores Cirurgia Torácica e Endovascular - MEDB46.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Doença Arterial Oclusiva de Membros Inferiores Cirurgia Torácica e Endovascular - MEDB46."— Transcrição da apresentação:

1 Doença Arterial Oclusiva de Membros Inferiores Cirurgia Torácica e Endovascular - MEDB46

2 Doenças Arteriais Oclusivas Distúrbio clínico no qual há estenose ou obstrução circulatória em órgãos-alvo críticos (cérebro, coração) ou extremidades Principal causa de morte na sociedade ocidental (IAM e AVE)

3 Causas Aterosclerose Tromboangeíte Obliterante (doença de Buerger) Arterite de Takayasu Arterite temporal Outras vasculites

4 Arteriosclerose Três variantes morfológicas: Aterosclerose: presença de ateromas nas artérias de médio e grande calibre; Arterioloesclerose: proliferação fibromuscular ou endotelial comprometendo a luz e atingindo as pequenas artérias e arteríolas; Esclerose calcificante da média: fibrose e calcificação da camada média das artérias musculares e também das grandes artérias

5 Aterosclerose Padrão mais frequente de arteriosclerose (endurecimento das artérias) Complexo processo inflamatório crônico que afeta artérias elásticas e musculares Caracterizada por lesões na íntima (ateroma ou placas de ateroma) Principal causa das Doenças Arteriais Oclusivas

6 Aterosclerose

7 Fatores de Risco para Aterosclerose Firmemente Estabelecidos 1.Hipercolesterolemia 2.Tabagismo 3.Hipertensão Arterial Sistêmica 4.Diabetes Melito Fatores Relativos 1.Idade avançada 2.Gênero masculino 3.Hipertrigliceridemia 4.Vida sedentária 5.História familiar

8 Tromboangeíte Obliterante (doença de Buerger) Associada exclusivamente ao tabagismo Mais prevalente no Oriente Médio e na Ásia Dor em repouso, gangrena, flebite migratória e ulcerações Oclusão difusa dos vasos distais nas extremidades na angiografia (dificulta revascularização) Quase sempre apresenta remissão ligado a interrupção do tabagismo

9 Arterite Takayasu Afeta mulheres jovens Alta prevalência em europeus ocidentais e asiáticos Pródromo: sinais e sintomas inflamatórios sistêmicos Predominante na aorta e seus principais ramos

10 Diagnóstico ITB (Índice Tornozelo-Braço) Teste de esforço Doppler e Duplex Scan (USG com Doppler) Oximetria percutânea Arteriografia Angiografia por RM

11 Diagnóstico Complicações da Arteriografia Relacionadas ao Sítio de punção ou catéter Hemorragia/hematoma Pseudo-aneurisma Fístula arteriovenosa Ateroembolização Trombose local

12 Diagnóstico Complicações da Arteriografia Relacionadas ao Meio de Contraste Reação de hipersensibilidade grave (anafilático) Reação de hipersensibilidade leve Vasodilatação/hipotensão Nefrotoxicidade Hipervolemia (carga osmótica)

13 Tratamento Clínico Tratamento dos fatores de risco Antiagregante plaquetário (aspirina) Trombolítico Contraindicações Absolutas: Sangramento importante recente, AVE recente, Trauma ou operação de grande porte recente, Isquemia irreversível de órgão-alvo, Doenças intracranianas Contraindicações Relativas: Gravidez, HAS, Retinopatia hemorrágica, Anormalidades da coagulação, História de sangramento gastrintestinal ou de doença ulcerosa péptica em atividade

14 Tratamento Cirúrgico Arteriotomias Revascularização cirúrgica com enxerto Endarterectomia cirúrgica Angioplastia Percutânea Transluminal Endarterectomia Aórto-ilíaco Angioplastia Percutânea Transluminal

15 Tratamento Cirúrgico Revascularização cirúrgica com enxerto A. No método de reconstrução infrainguinal, a junção safeno-femoral é seccionada na região inguinal, a venotomia na veia femoral é suturada, e a extremidade da veia safena é preparada para anastomose. B. Após a primeira válvula ser retirada sob visão direta, o enxerto é anastomosado em posição término-lateral com a artéria femoral. C. O fluxo é restaurado através do enxerto venoso.

16 Doença Arterial Oclusiva de Membros Inferiores Doença cujas manifestações clínicas são provocadas pela diminuição da circulação arterial nas extremidades Doença Tromboembólica Aguda Doença Oclusiva Crônica MMII

17 Doença Tromboembólica Aguda

18 Fisiopatologia Os membros são relativamente resistentes aos efeitos da isquemia (5 ou 6 horas de isquemia grave) Como o membro inferior é composto de vários tecidos e cada um responde de maneira mais ou menos sensível à isquemia, pode haver morbidade significativa em membro aparentemente intacto se afetado o nervo que é mais sensível.

19 Doença Tromboembólica Aguda Trombose: Lesão endotelial + Estase ou Turbulência do fluxo sanguíneo + Hipercoagulabilidade sanguínea = formação do trombo (Tríade de Virchow).

20 Doença Tromboembólica Aguda Embolismo: massa intravascular solta que é carregada pelo sangue a um local distante do seu ponto de origem. Forma mais grave de isquemia aguda Fontes de embolia periférica: - Cardiogênicas (80%) - Não cardíacas (10%) - Idiopáticas (10%) Local de embolização: - Bifurcação aórtica (10-15%) - Bifurcação ilíaca (15%) - Bifurcação femoral (40%) - Poplítea (10%) - Extremidades superiores (10%) - Cerebral (10-15%) - Mesentérica / visceral (5%)

21 Doença Tromboembólica Aguda Quadro Clínico 5 Ps (em inglês): dor (pain) palidez (palor) ausência de pulso (pulselessness) parestesias (paresthesias) paralisia (paralysis).

22 Doença Tromboembólica Aguda Tratamento Oclusão embólica bolos de heparina endovenosa (5.000 a unidades) + infusão contínua (1.000 unidades/hora) Revascularização (acesso inguinal) Arteriotomia (pacientes com aterosclerose significativa) Oclusão trombótica Arteriografia inicial Revascularização (ponte fêmoro-femoral, áxilo-femoral ou iliofemoral) Angioplastia com balão

23 Doença Tromboembólica Aguda Tratamento Síndrome compartimental Membros submetidos a períodos prolongados (6 horas ou mais) de isquemia sofrem lesão de reperfusão manifestada como edema intracelular e intersticial Dor intensa desproporcional ao achado no exame físico (em geral na panturrilha) Fasciotomias profiláticas

24 Doença Oclusiva Crônica dos Membros Inferiores

25 Quadro clínico Claudicação Cãibra na coxa, nádega ou panturrilha com o exercício Dor em repouso (antepé) – sinal de mau prognóstico Atrofia muscular Adelgaçamento da pele Espessamento das unhas Rarefação dos pelos na região distal do membro afetado

26 Doença Oclusiva Crônica dos Membros Inferiores Avaliação Risco Cardíaco ITB segmentar com Doppler Angiografia Arteriografia por RM Duplex Scan

27 Doença Oclusiva Crônica dos Membros Inferiores Tratamento Angioplastia Transluminar Percutânea Ponte Aortofemoral Ponte Fêmoro-femoral Ponte Iliofemoral Enxerto Venoso Reverso Ponte de Veia Safena Interna In Situ Ponte com Próteses Sintéticas Reoperação das Operações de Revascularização

28 Referências Bibliográficas Sabiston, 17ª ed. Robbins, 7ª ed. Harrison, 17ª ed.

29


Carregar ppt "Doença Arterial Oclusiva de Membros Inferiores Cirurgia Torácica e Endovascular - MEDB46."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google