A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cálculo dental Cálculo é um depósito de sais de fosfato de cálcio que se depositam sobre a placa dental aderida à superfície dental. As vezes é chamado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cálculo dental Cálculo é um depósito de sais de fosfato de cálcio que se depositam sobre a placa dental aderida à superfície dental. As vezes é chamado."— Transcrição da apresentação:

1 Cálculo dental Cálculo é um depósito de sais de fosfato de cálcio que se depositam sobre a placa dental aderida à superfície dental. As vezes é chamado de tártaro. Tipos de cálculo 1 – Normal 2 – depósitos sobre o grupo heme, da hemoglobina (orígem sangüínea)

2 Cálculo dental Cálculo dental, tanto supra quanto sub-gengival ocorre na maioria dos adultos no mundo todo. Trata-se de um biofilme (placa dental) que está calcificado, sendo constituido principalmente de sais minerais de fosfato de cálcio depositados entre e dentro de restos de microrganismos. Geralmente são recobertos com uma camada de placa dental. Os níveis de cálculo e os principais locais afetados dependem da população e são afetados por hábitos de higiene, acesso ao tratamento profissional, dieta, idade, orígem étnica, tempo desde a última limpeza bucal, a presença de doenças sistêmicas e o uso de medicamentos. Em populações que praticam a higiene oral regularmente, a formação de cálculo supragengival é restrita às superfícies dentais adjacentes aos dutos salivares.

3 Composição do cálculo Depende de fatores locais 1. Concentração de cálcio e de fosfato 2. Das quantidades relativas de cada íon presente localmente. 3. pH local. 4. Presença de outras espécies iônicas como magnésio 5. Presença de outras espécies minerais de fosfato

4 Formação Cálculo se forma em qualquer solução em que cálcio e fosfato se tornem instáveis. Pode acontecer em qualquer parte do organismo, formando pedras dos rins, vesícula biliar, bexiga e glândulas salivares. Quando acontece na boca é chamado de cálculo ou também de tártaro.

5 Formação do cálculo chamada de placa mineralizada. Forma-se mais rapidamente dentro da placa dental, chamada de placa mineralizada. A superfície do cálculo é rugosa – local apropriado para mais uma camada de placa dental, que será novamente mineralizada. O cálculo portanto, geralmente tem uma estrutura em camadas.

6 Exemplos Plaque Seeding O termo refere-se à biomineralização – ou precipitação mineral sobre conteúdos orgânicos da placa, que podem servir como sítios para a precipitação mineral. Lembrar de sítios com carga negativa – onde podem precipitar íons cálcio.

7 Condições Solução saturada com íons cálcio e fosfato pH elevado Presença de uréia (pacientes com insuficiência renal – hipertensão) Amônia – devido à atividade proteolítica Tamponamento – junto às glândulas salivares. Explica porque a maior parte do cálculo é encontrada nos dentes próximos à abertura dos ductos das glândulas parótida e submandibular.

8 Conseqüências Pode causar inflamação da gengiva. A inflamação pode progredir para doença periodontal.

9 Progressão

10 Resposta imunológica

11 home.htm home.htm

12 Problemas associados à diabetes A diabetes melitus (DM) é uma doença comum que também trás consequências para o meio oral. Existem 3 tipos de tipos de diabetes: Tipo 1: deficiência de insulina Tipo 2: diminui a sensibilidade à insulina Tipo 3: associada à gravidez

13 Há uma tendência a aumentar o número de casos no mundo todo

14 Manifestações orais da diabetes

15 consequências

16 Xerostomia associada à diabetes

17 Diabetes tipo I: candidiase

18 A doença periodontal pode ter progressão silenciosa. O diabético precisa saber sobre os sintomas Sangramento da gengiva pode ser primeiro sinal de infecção sub-gengival. Neste estágio, o médico que toma conta do diabético deveria indicar uma consulta com o dentista. Diabetes x doença periodontal

19 Placa, Cárie dental e flúor

20 Aspectos bioquímicos da placa dentária Material da Faculdade de odontologia de Piracicaba UNICAMP - FOP

21 1,7 x microorganismos/mg de peso seco (Socransky et al., 1963)

22 MARSH, P.; MARTIN, M. Oral microbiology, 3.ed., Gradientes existentes na placa dentária

23 Células bacterianas: 70% do volumeCélulas bacterianas: 70% do volume Matriz extracelular:Matriz extracelular: –Polissacarídeos extracelulares produzidos pelas bactérias –Macromoléculas e outros elementos derivados da saliva e fluido gengival

24 Composição química da placa Água 82% (50% nas bact. e 32% na matriz) Proteína 40-50% peso seco Carboidratos 13-17% peso seco Lipídeos 10-14% peso seco Componentes inorgânicos 5 a 10% peso seco Cálcio 8 µg/mg peso seco Fósforo total 16 µg/mg peso seco Flúor µg/g peso seco JENKINS, G.N. The physiology and biochemistry of the mouth, 4.ed. 1978

25 Rölla et al., 1983 Dente Película Adquirida Gtf S. mutans GIA (1 3) Sacarose

26 JENKINS, G.N. The physiology and biochemistry of the mouth, 4.ed Placa de 24 horas corada para carboidratos 2 horas após alimentação Após bochecho de 10 min com sacarose a 10%

27 Relação entre ingestão de açúcar, composição bacteriológica da placa e atividade de cárie Diminuição Atividade de cárie AumentoDiminuição Ingestão açúcar AumentoDiminuição Acidez da placa e síntese de polissacarídeo extracelular AumentoDiminuição Proporção de bactérias acidogênicas e acidúricas na placa AumentoDiminuição Potencial de queda do pH Aumento VAN HOUTE, 1980

28 2 Glicose 2 F 1,6 bi P 4 Piruvato 2 Etanol 4 ADP 4 ATP 4 NAD 4 NADH 2 4 acetil CoA 2 Acetato 4 Formato 4 ADP 4 ATP Fermentação: baixa concentração de substrato

29 2 Glicose 2 F 1,6 bi P 4 Piruvato 4 Lactato 4 ADP 4 ATP 4 NAD 4 NADH 2 Fermentação: alta concentração de substrato

30

31 JENKINS, G.N. The physiology and biochemistry of the mouth, 4.ed Curva de Stephan

32 Brasdshaw, D.J.; Marsh, P.D. Analysis of pH-driven disruption of oral microbial communities in vitro. Caries Res., v.32, 1998

33 Hipótese da placa ecológica Excesso de açúcar Produção de ácidos pH ácido pH neutro S. sanguis, S. oralis estreptococos mutans, lactobacilos Remineralização Desmineralização Mudança ambiental Favorecimento ecológico Marsh, 1995

34 Sacarose: efeito na placa dentária 35,0 ± 7,8 b 6,5 ± 1,0 a Polissacarídeos insolúveis 0,6 ± 0,1 b 17,0 ± 2,8 a Cálcio, mg/g 0,3 ± 0,1 b 11,5 ± 2,1 a Fósforo, mg/g 3,7 ± 1,9 b 46,1 ± 8,4 a Flúor, µg/g SacaroseÁguaAnálise 1,4 ± 0,2 b 2,3 ± 0,1 a Proteínas, mg% 13,2 ± 2,1 b 4,5 ± 2,2 a Peso úmido, mg Cury et al., Caries Research, 2000.

35 Bioquímica da sacarose

36 Produção de polissacarídeos Glucosiltransferase/frutosiltransferase – Alta afinidade pela sacarose – Presentes na superfície da bactéria, saliva, película

37 Polissacarídeos extracelulares Polímero de frutose (frutano) – Levano: Ligações β (2 6) Solúvel Metabolizado pela levanase Polissacarídeo de reserva

38 Polissacarídeos extracelulares Polímeros de glicose (glucano) – Dextrano: Ligações ( 1 6) Solúvel Metabolizado pela dextranase Polissacarídeo de reserva – Mutano: Ligações ( 1 3) Insolúvel Aderência bacteriana

39 1. Sacarose facilita a formação da placa dental (Rölla et al., 1987) 2. Sacarose torna a placa mais porosa (Dibdin & Shellis, 1988; van Houte, 1994; Zero, 1995) 3. Em acréscimo, a placa apresenta menor concentração inorgânica de F, Ca e P (Cury et al., 1997, 2000)

40 Importância da fluoretação

41

42 Experiência de cárie e concentração de minerais na placa Elemento CPOD baixo CPOD alto Flúor, ppm 36,012,4 Cálcio, % 2,1580,416 Magnésio, % 0,1850,156 Fósforo, % 2,111,58 Schamschula et al., 1982

43 Concentração de flúor na placa em função das condições de fluoretação da água de Piracicaba, SP Cury, 2001 Condições de fluoretação da água Fluoretada (0,8 ppm) Paralisada (0,06 ppm) Refluoretada (0,7 ppm) Flúor na placa (ppm)* 21,71,717,3 * µg F/g de peso seco de placa

44 Experiência de cárie e composição da placa Dentes posteriores Dentes posteriores Dentes anteriores Dentes anteriores Estreptococcos mutans, ln (UFC/mg) 12,0 ± 1,9 b 11,3 ± 1,4 b 47,4 ± 8,9 b 4,0 ± 1,9 b 7,9 ± 4,3 a 16,6 ± 7,5 b Cárie de fissura 9,8 ± 2,2 a 8,6 ± 2,0 a 39,2 ± 7,4 a 6,0 ± 2,9 a 10,6 ± 5,4 a 30,2 ± 13,7 a Livre de cárie Polissac. Ins., µg/mg Pi, µg/mg Cálcio, µg/mg 12,6 ± 1,7 b 14,3 ± 0,6 c 55,6 ± 17,6 b 2,6 ± 1,3 b 3,3 ± 2,6 b 4,0 ± 1,9 c Flúor, µg/g Cárie de mamadeira Análise Nobre dos Santos et al., Caries Res., 2002

45

46

47

48

49

50

51

52


Carregar ppt "Cálculo dental Cálculo é um depósito de sais de fosfato de cálcio que se depositam sobre a placa dental aderida à superfície dental. As vezes é chamado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google